https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/issue/feed STUDIES IN HEALTH SCIENCES 2024-06-20T16:47:44+00:00 Profa. MSc. Barbara Bonfim [email protected] Open Journal Systems <p>The journal <strong>STUDIES IN HEALTH SCIENCES (SHS)</strong> is an innovative option for the academic community, as it will bring scientific information in the <strong>area of ​​Health</strong>, aimed at improving the quality of Teaching, Scientific Research and Health Care.</p> <p style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt; text-align: justify; background: white;">The SHS accepts contributions written in <strong>Portuguese</strong>, <strong>English</strong> or <strong>Spanish</strong>.</p> <p>SHS DOI prefix: <strong>10.54022</strong></p> <p>ISSN: <strong>2764-0884</strong></p> <p>Area of ​​knowledge: <strong>Health</strong></p> https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3603 Perfil do paciente portador de hipotireoidismo na população de Araquari 2024-04-05T14:30:19+00:00 Miline Weis Becker [email protected] Giovanna Lovato [email protected] Barbara Kawall Connolly Barreiros [email protected] Rejane Baggenstoss [email protected] <p>Objetivo: investigar a prevalência dos principais fatores de risco nos pacientes portadores de hipotireoidismo em uma amostra da população brasileira.&nbsp; Métodos:&nbsp; Estudo retrospectivo observacional na Unidade Básica de Saúde Nicanor Corrente, localizada no município de Araquari, Santa Catarina. Os participantes no estudo consistiam em 410 pacientes portadores de hipotireoidismo. Por fim, foram totalizou-se 201 pacientes após aplicação dos seguintes de critérios de exclusão: menores de 18 anos e gestantes e pacientes que não utilizavam a medicação, falta de informações no prontuário, prontuários duplicados ou casos de óbito. Os dados foram coletados através da análise dos prontuários eletrônicos dos pacientes e, posteriormente, tabulados. A fim de avaliar sua influência na prevalência do hipotireoidismo, foram analisadas as seguintes variáveis: idade, sexo, etnia, hereditariedade, doenças autoimunes, deficiência de iodo, utilização de lítio, exposição à radiação ionizante, cirurgia de remoção da tireoide, tratamento para hipertireoidismo e ocupação profissional. Resultados: Foram analisados, por fim, um total de 201 pacientes com hipotireoidismo. A idade média dos pacientes foi de 54,76 anos. 84,58% eram do sexo feminino (N=170) e 15,42% do sexo masculino (N=31). A presença de doenças autoimunes no presente estudo ocorreu em 4,48% dos pacientes. 2,49% dos pacientes do estudo apresentam histórico de exposição à radiação ionizante (N=5) e 97,51% não relataram exposição (N=196). Com relação ao uso do lítio, 3,98% dos portadores de hipotireoidismo relataram uso de tal fármaco (N=8) e 96,02% não utilizam lítio (N=193). Conclusão: os fatores de risco apontados nas literaturas mundiais também se demonstraram presentes na população analisada, sendo que a maioria da amostra de pacientes apresentou, ao menos, algum dos fatores de risco descritos associados à sua patologia.</p> 2024-04-05T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3729 Repercussões das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) na odontologia 2024-04-12T15:13:28+00:00 Wagner José Sousa Carvalho [email protected] Eliana Maria Minicucci [email protected] Sebastiao Pires Ferreira Filho [email protected] Camila Lopes Cardoso [email protected] Marcone Lima Sobreira [email protected] <p class="Dadosautores">Introdução: As Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) podem se manifestar na cavidade bucal, sendo perceptíveis durante a avaliação clínica conduzida pelo cirurgião-dentista. A análise da interação entre as ISTs e suas expressões bucais, embasada em evidências clínicas encontradas na literatura especializada, revela-se essencial para a tomada assertiva de decisões no contexto da saúde. Este conhecimento assume relevância particular para o Sistema Único de Saúde (SUS), diante do crescente índice de incidência destas infecções na sociedade. Objetivo: O presente estudo teve como intuito realizar uma revisão narrativa abordando as manifestações sistêmicas e bucais das ISTs, bem como suas implicações na prática odontológica. Metodologia: Este estudo consistiu em uma revisão narrativa da literatura, seguindo critérios preestabelecidos acerca das características clínicas, manifestações bucais e diagnóstico diferencial das ISTs. Os dados foram coletados a partir de artigos de revisão sistemática e literatura, assim como de estudos clínicos controlados e randomizados, publicados entre os anos de 2020 e 2024 em periódicos nacionais e internacionais, nos idiomas inglês e espanhol. Considerações Finais: Com base nas evidências analisadas, destaca-se a importância da vigilância dos profissionais de saúde na detecção de eventuais manifestações bucais. Além disso, enfatiza-se a essencialidade da utilização racional dos recursos terapêuticos disponíveis. O diagnóstico precoce contribui para um prognóstico mais favorável e melhora a qualidade de vida dos pacientes. É crucial salientar que esta abordagem beneficia significativamente o bem-estar e a saúde individual.</p> 2024-04-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3852 Alterações oftalmológicas mais comuns observadas em crianças portadoras da Síndrome de Down: uma revisão narrativa 2024-04-18T20:37:17+00:00 Ananda Calili Rezende Lima [email protected] Atílio Franco de Mattos [email protected] Cezar Augusto Machado Martins [email protected] Diego José Pereira Lopes [email protected] Guilherme de Sousa Souto [email protected] Luiz Müller Pimentel Delfim Lacerda [email protected] Sávio Rodrigues de Oliveira Cândido [email protected] Victor Ferreira Masson [email protected] <p class="referencias">A Síndrome de Down (SD), uma condição genética resultante da trissomia do cromossomo 21, é caracterizada por uma variedade de manifestações clínicas, incluindo frequentes alterações oftalmológicas. Cerca de 85% das crianças afetadas por essa mutação apresentam anormalidades oculares, tais como estrabismo, erros de refração, nistagmo, catarata, ceratocone e blefarite. Com o objetivo de identificar as principais manifestações oftalmológicas em crianças com SD e contribuir para o aprimoramento do manejo desses pacientes, foi realizada uma revisão descritiva abrangendo publicações entre os anos de 2018 e 2023. Os resultados dessa pesquisa revelaram que os erros refrativos são as anormalidades mais comuns nesse grupo populacional, sendo hipermetropia, astigmatismo e miopia os mais prevalentes. Estudos também indicam uma correlação entre erros refrativos e problemas de motilidade ocular, como estrabismo e nistagmo. Ainda, foram observadas algumas alterações de não patológicas no fundo de olho, como hiperpigmentação, além da descrição de achados como ceratocone, alterações no cristalino, alterações nos ductos lacrimais e blefarite. A discussão reforça que há uma incidência significativamente maior de problemas oculares nesse grupo em comparação com crianças típicas, possivelmente explicada pela maturação cortical mais lenta em pacientes com SD. É importante destacar que os fatores genéticos e de neurodesenvolvimento desempenham um papel crucial no surgimento dessas alterações. Com base nos dados apresentados, foi possível concluir que o acompanhamento clínico periódico é fundamental para o diagnóstico e tratamento precoces das desordens visuais em portadores dessa trissomia. Essas medidas são essenciais para garantir um melhor prognóstico e qualidade de vida para as crianças afetadas e seus familiares. No entanto, é crucial enfatizar a necessidade de estudos adicionais acerca do tema para ampliar nossa compreensão das conexões entre a SD e a maior probabilidade de desenvolvimento de alterações visuais.</p> 2024-04-18T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3901 A relação da Terapia de Reposição de Testosterona (TRT) com o Câncer de Próstata: uma revisão integrativa 2024-04-22T13:20:06+00:00 Renan Rodrigues de Oliveira Cunha [email protected] Vinícius Coutinho Mendanha [email protected] Gabriel de Oliveira Pereira [email protected] Hiago Vinícius de França [email protected] Emivaldo Peixoto dos Santos Júnior [email protected] Vithor Alexander Borges Coelho [email protected] Jalsi Tacon Arruda [email protected] <p class="referencias">Introdução: O câncer de próstata é uma das neoplasias malignas mais comuns em homens, sendo a segunda mais frequente no Brasil. A relação entre a Terapia de Reposição de Testosterona (TRT) e o câncer de próstata tem sido controversa, devido à crença de que o câncer é andrógeno-dependente. Objetivo: O objetivo deste estudo foi investigar a relação entre os níveis de testosterona e a TRT com o desenvolvimento, recorrência, progressão ou pior prognóstico em pacientes com câncer de próstata. Metodologia: Foi realizada uma revisão integrativa da literatura, seguindo as recomendações do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA) e utilizando as plataformas PubMed, SciELO e LILACS com os termos "Testosterone" e "prostate cancer". Foram identificados 2775 artigos ao usar os descritores e o delineamento temporal adotado, divididos em: PubMed (2711), SciELO (21) e LILACS (43). Resultados e discussão: Os resultados obtidos foram que homens com níveis mais baixos de testosterona têm um risco significativamente maior de desenvolver câncer de próstata. No entanto, a TRT em homens com hipogonadismo e histórico tratado não aumentou a agressividade do câncer. A teoria de saturação dos receptores prostáticos sugere que níveis séricos elevados de testosterona não aumentam significativamente o risco. Não foi encontrada uma associação significativa entre a TRH e o risco de recorrência do câncer de próstata ou de necessidade de um tratamento mais agressivo independentemente do risco de câncer de próstata inicial, além de não comprometer o tratamento radioterápico anterior. Considerações finais: A relação entre TRT e câncer de próstata é complexa. A decisão de usar TRT em pacientes com histórico de câncer de próstata deve ser individualizada, considerando fatores como idade, estágio anterior do câncer e saúde geral. A pesquisa continua evoluindo, e a prática clínica deve ser adaptada às evidências mais recentes.</p> 2024-04-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3902 Resultados específicos do câncer de próstata após cirurgia robótica versus outras modalidades cirúrgicas: uma revisão da literatura 2024-04-22T13:20:07+00:00 Pedro Paulo Moura Ferro Filho [email protected] André Fleury Cunha Passaglia [email protected] Rodrigo Luz Santome de Faria [email protected] Marcos Eduardo Louredo Morais [email protected] Ana Paula Meggetto de Campos [email protected] Ana Júlia Martins Lauck [email protected] Lígia Gonsalves Ribeiro [email protected] Júlia Faria Reis [email protected] Rafaela Melo Macedo [email protected] Jalsi Tacon Arruda [email protected] <p>Tradicionalmente, a prostatectomia radical é considerada o tratamento padrão para o câncer de próstata localizado em estágio inicial. Esta intervenção cirúrgica tem sido realizada por meio de técnicas abertas ou laparoscópicas. No entanto, com os avanços da tecnologia robótica, a prostatectomia radical assistida por robô emergiu como uma alternativa promissora. O interesse em compreender e comparar os benefícios da prostatectomia radical assistida por robô em relação às técnicas cirúrgicas tradicionais vem aumentando. Assim, o presente estudo realizou uma análise comparativa dos resultados e vantagens proporcionadas pela cirurgia robótica e as abordagens convencionais na prostatectomia radical. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, realizada nas bases de dados eletrônicos: PubMed, SciELO, BVS e Google Acadêmico. Foram utilizados os termos: “prostate cancer”; “prostatectomy”; “robot-assisted prostatectomy”; e “laparoscopic prostatectomy”. Os resultados mostram que, apesar de ainda não haver um consenso acerca da melhor técnica a ser utilizada na realização da prostatectomia radical, a laparoscópica assistida por robô oferece uma série de benefícios significativos, incluindo melhor visualização, precisão aprimorada, recuperação mais rápida e menos complicações pós-operatórias, além de resultados favoráveis em termos de menor tempo de internação, menor perda de sangue e menor incidência de incontinência urinária e disfunção erétil em comparação com as técnicas cirúrgicas tradicionais. Para que a concretização destes desfechos sejam aplicáveis à realidade terapêutica do câncer de próstata localizado, é crucial continuar a realizar pesquisas e estudos clínicos para avaliar completamente os benefícios a longo prazo da cirurgia robótica na prostatectomia radical e para identificar quais pacientes podem se beneficiar mais dessa abordagem.</p> 2024-04-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3981 Assistência ao paciente grande queimado: cuidados clínicos-cirúrgicos e aspectos psicológicos 2024-04-26T18:17:10+00:00 Mateus Rodrigues Linhares [email protected] Gabriella Mendonça Leão de Oliveira [email protected] Geraldo Cardoso Feitosa Pessoa de Carvalho [email protected] Aline Cristina Duarte [email protected] Ana Carolina Cândido Canedo Estevam [email protected] Isabella Maris Santos Caixeta [email protected] Renata Braz Caixeta [email protected] Braian Willian Vilela Lima [email protected] Nicole Van Hemelryck Moniz Freire [email protected] Marina Fernandes Gonzales Molinari [email protected] Paulo Henrique da Rocha Rosa [email protected] Mariana Oliveira Barbosa [email protected] Carolina de Oliveira Périco [email protected] Andressa Marcolino Campos [email protected] Maria Eduarda da Costa Brito [email protected] Ana Beatriz Coelho Sales [email protected] <p>As queimaduras representam uma importante questão de saúde pública, com uma alta incidência global e repercussões significativas em todas as faixas etárias, especialmente em crianças. Assim, a avaliação precoce e precisa das queimaduras, juntamente com o tratamento e acompanhamento adequados, são essenciais para minimizar complicações e melhorar os resultados a longo prazo para os pacientes. Dessa forma, com o crescente corpo de literatura sobre a assistência ao paciente grande queimado, os cuidados clínicos e cirúrgicos e os aspectos psicológicos, foi possível a realização de uma revisão integrativa de literatura em diversas bases de dados indexadas reconhecidas por sua confiabilidade e relevância na área médica, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de revisar e analisar as evidências atuais a assistência global ao paciente grande queimado. Nesta revisão foi identificado que a abordagem integrada ao paciente em questão na prática clínica pode contribuir significativamente para a redução do ônus das queimaduras e para a melhoria dos resultados. Ademais, a fisiopatologia das queimaduras térmicas e elétricas, juntamente com o diagnóstico preciso, a classificação das queimaduras graves e o uso da regra dos 9 para calcular a superfície corporal queimada, são aspectos fundamentais na abordagem clínica dessas lesões. O entendimento desses conceitos permite uma intervenção precoce e eficaz, melhorando os resultados e reduzindo o risco de complicações para os pacientes afetados. Portanto, os critérios de internação para pacientes com queimaduras, o tratamento inicial na sala de urgência e as medidas a serem tomadas no primeiro momento ao receber o paciente são aspectos cruciais no manejo eficaz dessas lesões. Logo, uma abordagem rápida, abrangente e multidisciplinar é essencial para garantir o melhor resultado possível para o paciente afetado.</p> 2024-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3983 A utilização de trombectomia mecânica no tratamento do Acidente Vascular Cerebral isquêmico agudo: uma revisão de literatura 2024-04-26T18:26:01+00:00 Mateus Rodrigues Linhares [email protected] Gabriella Mendonça Leão de Oliveira [email protected] Anna Júlia Dias Jaculi [email protected] Nicole Van Hemelryck Moniz Freire [email protected] Guilherme Machado Moura [email protected] Guilherme Nassif Corrêa [email protected] Cristiane Tavares Rabelo de Castro [email protected] Aline Cristina Duarte [email protected] Ana Carolina Cândido Canêdo Estevam [email protected] Bryan Quirino Morais [email protected] Thiago Kiochi Kaminice [email protected] Renata Braz Caixeta [email protected] Mateus Nogueira Bonfim Bastos [email protected] Isabela Amador de Melo e Souza [email protected] Isadora Amador de Melo e Souza [email protected] Paulo Henrique da Rocha Rosa [email protected] <p>O Acidente Vascular Encefálico (AVC) é globalmente a segunda principal causa de morte e a terceira principal causa de perda de anos de vida ajustados por incapacidade. As terapias de recanalização para AVC isquêmico (AVCi) agudo incluem a administração intravenosa de medicamentos trombolíticos e terapias intra-arteriais, como a trombectomia endovascular. Alcançar a reperfusão completa é o preditor modificável mais importante para maximizar o efeito do tratamento da trombectomia mecânica (TM). Dessa forma, com o crescente corpo de literatura sobre os avanços da trombectomia no acidente vascular encefálico isquêmico, foi possível a realização de uma revisão integrativa de literatura por meio da plataforma PubMed, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de revisar e analisar as evidências atuais sobre os aspectos da trombectomia mecânica no AVCi. Nesta revisão foi identificado que a trombectomia endovascular e as técnicas intra‐arteriais são terapias de recanalização em que o coágulo sanguíneo é removido utilizando um dispositivo mecânico, ou medicação trombolítica injetada por via intra-arterial diretamente no coágulo sanguíneo. Assim, nota-se maiores chances de bom resultado funcional em pacientes no grupo de trombectomia em comparação com o grupo sem trombectomia. Além disso, os fibrinolíticos IA podem melhorar a reperfusão após TM falhada ou incompleta. Por fim, a terapia endovascular encurta o tempo de internação hospitalar, aumenta o tempo de permanência em casa e resulta em situações de vida mais desejáveis ​​nos 90 dias pós-AVC. Portanto, conclui-se que, o tratamento com trombectomia foi associado à melhor resultado funcional e menor risco de mortalidade em pacientes com AVCi, entretanto, há como limitação, o pequeno número de artigos disponíveis sobre a relação clara entre a realização de trombectomia mecânica no tratamento do AVCi agudo e o prognóstico do paciente.</p> 2024-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3984 Avanços na cirurgia minimamente invasiva para tratamento de doenças do sistema digestivo: uma revisão de literatura 2024-04-26T18:34:57+00:00 Maria Clara de Paula Caetano [email protected] Gabriella Mendonça Leão de Oliveira [email protected] Sarah Diniz Pereira [email protected] Aline Cristina Duarte [email protected] Isabella Maris Santos Caixeta [email protected] Braian Willian Vilela Lima [email protected] Marina Fernandes Gonzales Molinari [email protected] Nicole Van Hemelryck Moniz Freire [email protected] Carla Alessandra Cavalcanti [email protected] Fillipe Leonardo de Souza [email protected] José Ronilson Carlos Ribeiro Júnior [email protected] Thiago Kiochi Kaminice [email protected] Bryan Quirino Morais [email protected] Jiulia Horrana Alves Vieira [email protected] Andressa Marcolino Campos [email protected] Isabela Amador de Melo e Souza [email protected] <p>A cirurgia minimamente invasiva tem sido adotada em adultos desde o início dos anos 90, tanto para o tratamento de Colite Ulcerativa (CU), Doença de Crohn (DC), como de outras patologias cirúrgicas abdominais, com bons resultados. No que tange as cirurgias do aparelho digestivo, verifica-se que um ponto interessante são os avanços no tratamento cirúrgico, que são impressionantes e incluem o uso de laparoscopia “convencional”, laparoscopia de incisão única, cirurgia robótica e outras abordagens minimamente invasivas. Dessa forma, com o crescente corpo de literatura sobre os avanços na cirurgia minimamente invasiva para o tratamento de doenças do sistema digestivo, foi possível a realização de uma revisão integrativa de literatura por meio da plataforma PubMed, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de revisar e analisar as evidências atuais sobre a cirurgia minimamente invasiva e sua relação com as doenças do aparelho digestivo. Nesta revisão foi identificado que a técnica laparoscópica nas patologias cirúrgicas apresenta benefícios significativos em comparação à técnica aberta, como menor tempo de internação, menos dor pós-operatória e retorno mais precoce à atividade normal. Assim sendo, é sabido que os métodos minimamente invasivos contribuem positivamente para uma melhor execução da técnica cirúrgica de ressecção, que é o que verdadeiramente impacta. Portanto, verifica-se que as taxas de sobrevivência e recorrência a longo prazo da cirurgia laparoscópica são comparáveis ​​às da cirurgia aberta para o tratamento do câncer gástrico e demais patologias do aparelho digestivo em fase inicial ou avançada, se a qualidade técnica dos procedimentos for comparável.</p> 2024-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3459 Development of a smart lumbar posture correction vest 2024-03-29T23:21:27+00:00 Cleiton Rodrigues Mendes [email protected] Cristina Favaron Tugas [email protected] Márcio Rodrigues da Silva [email protected] Arthur Menezes Pinto [email protected] Biatriz da Silva Soares [email protected] Eduardo Oliveira Urbano [email protected] Matheus Paulo Felix dos Santos [email protected] Rodrigo do Vale Sampaio [email protected] <p>Lack of proper lumbar posture is responsible for the occurrence of neck and shoulder pain, low back pain, and muscle and joint injuries in the abdominal region in more than 75% of individuals. This scenario is influenced by the excessive use of computers in the workplace, prolonged periods of incorrect sitting posture, inadequate posture during daily activities, and repetitive and localized movements, among other factors. Consequently, numerous studies are being carried out with the aim of reducing or eliminating the frequency of the problem. The most common solution proposed by researchers is the use of lumbar posture correction waistcoats. This article has automated a posture correction waistcoat that protects the wearer but also monitors their posture. When incorrect posture is identified, the waistcoat generates a warning signal. To do this, gyro sensors, accelerometer sensors, and vibration motors were installed and supervised by an Arduino microcontroller. A communication system based on Bluetooth technology was used, integrated into an Android app that interacts with the user, displaying monitoring data and providing graphical representations of inappropriate postures. In addition, a health and well-being module was implemented, which suggests a physical exercise routine to prevent back pain. In addition, a therapeutic massage module was included for relaxation and an interface for storing music that can be played while wearing the waistcoat. The results demonstrated that the implemented system generated a smart vest capable of monitoring and alerting the user when an incorrect posture was identified. Furthermore, the results indicated that the health and well-being module provided a positive user experience.</p> 2024-04-26T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4001 Revisão de literatura da hipertensão pulmonar associada a cardiopatia na Síndrome de Eisenmenger 2024-04-29T12:02:37+00:00 Natan Augusto de Almeida Santana [email protected] Giovana Silveira Avelar [email protected] Ana Luiza Machado Ribeiro Pimentel [email protected] Clara Diniz Machado Nunes [email protected] Mauro Meira de Mesquita Junior [email protected] Luiza Ferro Marques Moraes [email protected] Isabela Henz Tonial [email protected] Jonathan Paulo Soares [email protected] <p>Introdução: A Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP) tem uma ampla lista de etiologias, dentre elas podemos destacar as cardiopatias congênitas (CC), que podem resultar na comunicação das circulações sistêmica e pulmonar no coração, resultando no aumento do fluxo pulmonar, com aumento da pressão e resistência vascular nesse órgão. A Síndrome de Eisenmenger (SE) representa um quadro irreversível, indicando o quadro severo e final da HAP, com shunt reverso ou bidirecional, resultantes de defeitos não reparados, levando a sintomas clínicos de baixa saturação de oxigênio, cianose e distúrbios sistêmicos. Objetivos: Descrever a associação entre hipertensão pulmonar e cardiopatia na síndrome de Eisenmenger. Métodos: Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, na qual os artigos foram selecionados nas bases de dados Sciencedirect, PubMed, MedLine e Lilacs. Os descritores utilizados foram “<em>pulmonary hypertension</em> AND <em>Eisenmenger AND heart”</em>. Os filtros aplicados foram: 10<em> years, humans</em>. A partir de 209 artigos disponíveis, foram selecionados 25 após a leitura inicial dos títulos, resumos e excluídos os repetidos e que não se enquadraram ao tema, restando 23 artigos para compor a revisão. Resultados: A SE é o fenótipo mais grave e extremo da hipertensão arterial pulmonar associada a CC, envolvendo-se grande número de shunts não restritivos sistêmicos da esquerda para a direita, o que desencadeia desenvolvimento de vasos vasculares pulmonares, hipertensão arterial pulmonar progressiva, aumento da resistência da vascularização pulmonar por transmissão da pressão sistêmica para a artéria pulmonar e, consequentemente, sobrecarga do ventrículo direito. Assim, pacientes com SE associada a hipertensão arterial pulmonar (SE-HAP) apresentam risco aumentado de trombose da artéria pulmonar, com aumento simultâneo do risco de hemoptise e hemorragia pulmonar. Os estudos evidenciaram que pacientes com SE diagnosticado têm maior sobrevida do que pacientes com outras causas de HAP. Porém, a expectativa de vida global é semelhante em pacientes com SE-HAP ou com HAP idiopática ou secundária. Nota-se também como manejo não operatório é cada vez mais importante no tratamento de casos complexos. Conclusão: Foi evidenciado que a SE apresenta-se como uma forma grave de HAP associada à CC, acarretando em uma menor sobrevida em relação a pacientes de HAP sem a síndrome.</p> 2024-04-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4067 Análise epidemiológica dos casos de Sífilis em gestantes e de Sífilis Congênita na cidade de Indaiatuba – SP – Brasil de 2012 a 2021 2024-05-02T11:31:34+00:00 Willian Alberto Amaro Marchioli [email protected] Luísa Oliveira Marques de Jesus [email protected] Johannes Von Lochter [email protected] Maiza Claudia Vilela Hipolito [email protected] Mariana da Silva Castro Vianna [email protected] Luana Vianna Schneider [email protected] <p>O estudo buscou identificar o perfil epidemiológico da sífilis congênita e em gestantes em Indaiatuba, São Paulo, entre 2012 e 2021. Utilizou-se uma metodologia exploratória, descritiva, ecológica e retrospectiva, com dados obtidos do Sistema de Informação de Agravo de Notificações (SINAN). Durante o período, foram notificados 386 casos de sífilis gestacional e 172 de sífilis congênita. Houve aumento significativo de 71,05% nos casos de sífilis em gestantes e 85,7% em sífilis congênita. Em 2016, as taxas de incidência foram as menores registradas, com 7,17 e 4,56 casos a cada mil nascidos vivos, respectivamente. No entanto, de 2020 a 2021, observou-se crescimento expressivo, com aumento de 76% nos casos de sífilis gestacional e 63% em sífilis congênita. É preocupante que muitas gestantes diagnosticadas no pré-natal não receberam tratamento adequado ou nenhum tratamento, contribuindo para a transmissão da doença ao feto. A situação sugere a necessidade urgente de ações eficazes para controle e prevenção da sífilis na região. Estudos futuros devem focar na monitorização da sífilis e na identificação de fatores de risco. Avaliar a eficácia das intervenções implementadas é crucial, assim como promover uma abordagem coordenada entre profissionais de saúde, gestores e comunidade para proteger a saúde materno-infantil em Indaiatuba.</p> 2024-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4068 A reabilitação na cirurgia de joelho e os aspectos gerais da meniscectomia: uma revisão de literatura 2024-05-02T11:31:34+00:00 Philipe de Pina Araujo [email protected] Maria Clara de Paula Caetano [email protected] Mateus Rodrigues Linhares [email protected] Gabriella Mendonça Leão de Oliveira [email protected] Sarah Diniz Pereira [email protected] Anna Júlia Dias Jaculi [email protected] Nicole Van Hemelryck Moniz Freire [email protected] Mateus Nogueira Bonfim Bastos [email protected] Guilherme Nassif Corrêa [email protected] Guilherme Machado Moura [email protected] Keniel heberth Oliveira Nunes [email protected] Isabele Borges Bueno [email protected] Rafael Simão Soares [email protected] Paulo Henrique Cabral Vieira [email protected] Bryan Quirino Morais [email protected] <p>As cirurgias parciais ou totais por lesão em menisco, seja por sutura ou refixação, são comumente aplicadas nos casos de ruptura do menisco do joelho. Além disso, a meniscectomia parcial é realizada com maior frequência, mas resulta em déficits funcionais significativos, principalmente na diminuição da força muscular dos extensores do joelho, dos quais influenciam na estabilidade adequada do joelho e distribuição normal de cargas entre as superfícies da articulação. Logo, um programa de fisioterapia antes, durante e após a identificação da lesão em menisco é fator importante para designar possíveis tratamentos, seja ele conservador ou invasivo. Dessa forma, com o crescente corpo de literatura sobre a reabilitação após meniscectomia de joelhos, e os aspectos gerais dessa cirurgia, foi possível a realização de uma revisão integrativa de literatura em diversas bases de dados indexadas reconhecidas por sua confiabilidade e relevância na área médica, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de revisar e analisar as evidências atuais sobre as características gerais da meniscectomia e a reabilitação na cirurgia de joelho, e possível prevenção à cirurgia de menisco. Nesta revisão foi identificado que a tomada de decisão quanto a melhor linha de tratamento em doenças degenerativas de joelho e ou rupturas; deve ser investigada com grande atenção pela equipe de médicos e fisioterapeutas para a escolha do melhor tratamento, evitando assim uma maior gama de complicações e efeitos deletérios quanto a estrutura articular do joelho.&nbsp; Portanto, o tratamento em conjunto com a fisioterapia na reabilitação de cirurgias no joelho, como foco em meniscectomia do joelho, é de extrema importância quando levando em consideração a necessidade de tratamento conservador e preventivo.</p> 2024-04-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4153 Análise de comorbidades com o óbito na síndrome de Fournier: uma revisão integrativa da literatura 2024-05-07T12:30:33+00:00 Marcio Jose da Silva Junior [email protected] Fernanda de Melo Garcia [email protected] Carlos Eduardo Silvestre Amthauer [email protected] Arthur Vinicios Araújo de Souza [email protected] João Victor Araujo Tocantins [email protected] Maria Eduarda Machado Juiz [email protected] Isadora Pereira Brito [email protected] Kevyn Willian Luz Silva [email protected] Alana Beatriz Silva Bernardo [email protected] Thiago Cavalcante Ribeiro [email protected] Bárbara Rezende Teixeira [email protected] <p>A Gangrena de Fournier é uma condição rara, porém grave, caracterizada por uma infecção necrosante dos tecidos moles na região genital, perineal ou perianal. A doença em questão está intrinsecamente ligada a índices elevados de morbidade e mortalidade, destacando a urgência da detecção precoce e da intervenção imediata. A rápida progressão desse mal está diretamente correlacionada a uma taxa de mortalidade considerável, mesmo diante de tratamentos imediatos. Esta revisão narrativa da literatura explora a complexidade dessa condição, ressaltando a urgência no diagnóstico precoce e tratamento imediato para melhorar os desfechos clínicos. A metodologia abrangeu a busca em bases de dados como PubMed e Scopus, com foco nos idiomas inglês e português. A seleção criteriosa dos estudos incluiu análise de títulos, resumos e leitura completa para extração de dados relevantes, como sinais, sintomas, tratamentos e desfechos clínicos. A condição demanda uma abordagem multidisciplinar, envolvendo intervenções cirúrgicas agressivas para remoção do tecido necrótico e antibioticoterapia de amplo espectro. A terapia com oxigênio hiperbárico foi estudada como adjuvante. Complicações graves, como sepse e choque séptico, foram associadas à Gangrena de Fournier, ressaltando sua gravidade e complexidade. Fatores de risco, como diabetes mellitus, estão ligados a desfechos clínicos desfavoráveis. Esta revisão enfatiza a importância da pronta intervenção terapêutica e do diagnóstico preciso para mitigar os desfechos adversos da Gangrena de Fournier. Destaca-se a necessidade de uma abordagem integrada e cuidadosa para reduzir a morbimortalidade associada a essa condição devastadora, ressaltando a importância da identificação precoce, tratamento imediato e consideração dos fatores de risco para otimizar os resultados clínicos.</p> 2024-05-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4270 Importance of early diagnosis of thalassemia and implications in its treatment: literature review 2024-05-14T13:47:02+00:00 Ihann Lopes Campos Martins Diniz [email protected] Fabio Marques de Almeida [email protected] Poliana Peres Ghazale [email protected] Murillo de Sousa Pinto [email protected] <p>Thalassemia is a hereditary genetic disease that is characterized by changes in the conformation of hemoglobin. This pathology includes different types of blood changes that are characterized by lower levels or the absence of normal globin chains in hemoglobin. With the aim of contributing to the reduction of damage caused by thalassemia, the present study aims to promote awareness about the importance of early diagnosis of thalassemia, aiming to reduce health complications and improve patients' quality of life through medical interventions and support. adequate. To carry out this literature review on thalassemia, we will adopt an integrative analytical approach of searching and analyzing relevant studies. Initially, databases relevant to the area were selected, such as PubMed, Scopus, Web of Science. This study highlights the significance of early diagnosis of thalassemia as a crucial measure in the effective management of this genetic condition. Early identification not only allows for the implementation of appropriate medical interventions and treatments, but also helps reduce health complications and improve patients' quality of life.</p> 2024-05-14T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4409 A importância do diagnóstico precoce na Leucemia Mieloide Aguda: um relato de caso 2024-05-21T18:23:51+00:00 Patrícia Ikeda [email protected] Enzzo Campagnaro [email protected] Gabriele Retondo de Natali [email protected] Felipe Barca Bragatto [email protected] <p>A leucemia é uma neoplasia maligna caracterizada pela expansão clonal hematopoiética, com diagnóstico aventado quando há pelo menos 20% de blastos no hemograma. Apresenta oito subtipos classificados de M0 a M7, com sintomas iniciais inespecíficos, como sangramento oral, petéquias, febre e púrpura. O diagnóstico envolve uma combinação de exames laboratoriais para avaliar a eficácia do tratamento e o prognóstico dos pacientes. Esta revisão narrativa tem como intuito expor um relato de caso a fim de ressaltar a importância da conduta precoce frente a doença e reforçando a urgência hematológica em questão. Foram utilizadas bases de dados como SciELO e PUBMED e estudo do prontuário da paciente com artigos publicados de 2013 a 2024. P.R, sexo feminino, 45 anos, comparece ambulatório no HAOC, devido a alterações no hemograma. Há um mês apresentou astenia progressiva, parestesia periférica, pancitopenia e perda ponderal de aproximadamente 5,5 kg dentro dos últimos 6 meses. Nega sangramento ativo, adenomegalias, petéquias e febre. Exames laboratoriais revelaram anemia, trombocitopenia e aumento dos blastos sanguíneos, levando a suspeita de LA. A investigação adicional confirmou a presença de blastos mielomonocíticos com expressão positiva para CD13, CD33, e mieloperoxidase, e mutações genéticas associadas à Leucemia Mieloide Aguda (LMA). A presença de expressão anômala do antígeno CD56, mutações nos genes NRAS e CBFB, e cariótipo inv (16) corroboram com a suspeita. O diagnóstico foi confirmado e a paciente foi encaminhada para quimioterapia conforme protocolo padrão. A paciente foi tratada com quimioterapia seguindo o protocolo de indução 3+7, seguido de consolidação conforme resposta terapêutica e protocolos literários estabelecidos. A presença de mais de 20% de blastos em um hemograma é um alerta para a LMA, uma urgência hematológica que responde bem ao tratamento precoce, com altas taxas de cura. Homens adultos com sintomas inespecíficos e pancitopenia são mais afetados, exigindo a exclusão de diagnósticos diferenciais semelhantes. A LMA é uma neoplasia complexa e heterogênea, onde seu tratamento e evolução apresentam diversas singularidades, necessitando de um conhecimento médico amplo, recursos a profilaxias necessárias e o acesso às unidades de saúde com especialistas na área de hematologia.&nbsp;</p> 2024-05-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3786 Perfil sociodemográfico, clínico e do tratamento de pacientes com Artrite Reumatoide 2024-04-16T21:38:33+00:00 Jéssica de Castro Oliveira [email protected] Deise Elen Oliveira dos Santos Reis [email protected] Maria Luiza Silva Teixeira [email protected] Paôlla Nayme Martins Morais Nicolau [email protected] Davi Mamede da Luz [email protected] Elano Jaime Azevedo Júnior [email protected] Marcelo Pimenta [email protected] <p>A artrite reumatoide é uma doença de caráter crônico e progressivo que atinge cerca de 1% da população brasileira. Objetivou-se descrever a análise sociodemográfica e clínica dos pacientes com artrite reumatoide atendidos no serviço de Reumatologia do Hospital Geral de Goiânia durante o período de 2016 a 2021. Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e de abordagem quantitativa. A amostra foi constituída por 209 pacientes, cujos dados foram coletados por meio de pesquisa em prontuário eletrônico com base em ficha de coleta elaborada pelos pesquisadores. Observou-se que a maioria dos pacientes era do sexo feminino (85,2%), com idade de 60 anos ou mais (54,5%) e solteiro (66%). Acerca dos dados clínicos, 89,5% dos pacientes possuíam alguma comorbidade, sendo a hipertensão arterial sistêmica a mais prevalente, 89% usavam outro medicamento contínuo para o tratamento das comorbidades e o mais usado foi a vitamina D. Além disso, 80,4% usavam medicamentos modificadores do curso da doença sintéticos e o mais usado foi o metotrexato (50,7%). Entre os que usavam medicamentos biológicos ou sintéticos alvo específico, o mais utilizado foi o adalimumabe (6,7%). 60,8% dos pacientes faziam uso de corticoide (prednisona). O esquema terapêutico mais usado foi o de metotrexato associado a corticoide (23,9%). Conclui-se, portanto, que em uma análise mais detalhada do perfil e tratamento medicamentoso instituído nos pacientes, a maioria dos dados encontrados foram similares aos encontrados na literatura científica e a maior parte dos esquemas utilizados concorda com o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas (2021) do Ministério da Saúde para artrite reumatoide.</p> 2024-05-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4127 O papel da brexanolona no tratamento da depressão pós-parto: uma revisão integrativa 2024-05-06T18:42:53+00:00 Gabriela Araújo Costa Santos [email protected] Ana Paula de Amorim Lise [email protected] Heloísa Nunes Machado [email protected] Humberto Müller Martins dos Santos [email protected] Jessíca Reco Cruz [email protected] <p>A depressão é uma condição médica que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, seus sintomas incluem sentimentos persistentes de tristeza, desesperança, falta de interesse ou prazer em atividades anteriormente consideradas prazerosas, pensamentos recorrentes de morte ou suicídio, dentre outros. Nesse sentido, as mudanças psicossociais concomitantemente associadas a fatores endócrinos e genéticos presentes na vida da mulher puérpera são associados a fisiopatologia da depressão pós-parto (DPP), dessa mesma maneira, acredita-se que a alopregnanolona seja um neuroesteróide que ocasiona de forma subjacente esse transtorno, logo, foi desenvolvido uma solução sintética de 5α-alopregnan-3α-ol-20-ona, nomeada de brexanolona (BRX), com o intuito de ser o primeiro medicamento direcionado especificamente para essa patologia. O presente estudo avalia a BRX como terapêutica no tratamento DPP, elucidando os seus benefícios em comparação com o tratamento tradicional, como os com inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), e pesquisas que utilizaram como forma de comparação grupo controle placebo. Trata-se de uma revisão integrativa com delineamento temporal de 2019 a 2024, nas bases de dados Medline via Pubmed, Lilacs e SciELO, a coleta de dados foi realizada entre janeiro de 2023 a março de 2024. Após a avaliação crítica e aplicabilidade dos parâmetros de inclusão e exclusão, foram selecionados 12 artigos e a revisão integrativa foi realizada conforme as normas do PRISMA. Foi possível observar uma maior efetividade no uso da BRX tanto em comparação com os ISRS, quanto em terapias placebo, uma vez que ao utilizar ferramentas médicas facilitadoras para avaliar a gravidade e melhora clínica, os resultados demonstraram rápida eficácia e resposta sustentada da forma sintética de alopregnanolona. As vantagens da BRX incluem seu mecanismo de ação, efeito e rápida resposta terapêutica em comparação aos tratamentos convencionais, além de seus poucos efeitos colaterais e segurança, em decorrência de se tratar de uma medicação administrada em ambiente hospitalar.</p> 2024-05-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4410 Saúde bucal em pessoas com deficiência visual 2024-05-21T18:43:12+00:00 Anselmo Souza Carvalho Filho [email protected] Gabriel Bastos Teixeira [email protected] <p>A deficiência visual é considerada uma limitação sensorial, capaz de atingir e anular a capacidade de enxergar, abrangendo assim vários graus da visão, onde permite inúmeras classificações. O deficiente visual tornou-se protagonista a respeito da sua própria saúde bucal, onde a sua motivação é considerada de extrema relevância para alcançar níveis de conscientização e educação que de fato causem impacto positivo na sua saúde e na qualidade de sua vida. As percepções sobre a manutenção a saúde bucal questionadas pelos deficientes visuais sinalizam para a necessidade de implantação de um programa sobre uma educação em saúde bucal. A busca pelos serviços de saúde ainda é uma demanda muito grande e nem sempre todos conseguem ter acesso a estes serviços. A maior dificuldade é para os deficientes visuais, pois o acesso está relacionado de acordo com as necessidades que apresentam, sendo um dos componentes principais para a obtenção da qualidade ao cuidado com a higiene bucal. As maiores necessidades odontológicas do deficiente visual estão relacionadas com as suas dificuldades de aprendizado e de manutenção de uma higiene bucal adequada. Assim, o cuidado com a saúde bucal, precisa ser uma prática constante em todas as relações do processo de trabalho do profissional de saúde com os cidadãos usuários que buscam atendimento para cuidar da higiene bucal, seja pela rede pública ou particular. Então, o presente trabalho tem como objetivo descrever a importância do trabalho odontológico com deficiente visual, qual a sua função em relação ao cuidado e o que podem fazer para ajudar este público.</p> 2024-05-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4051 Relação da via de parto com a prematuridade em uma maternidade pública do sul do Brasil 2024-04-30T22:06:06+00:00 Sofia Lisboa Dalla Corte [email protected] Arthur Farah [email protected] Isabella Yoshimi [email protected] Felipe Bonilauri Ferreira [email protected] Felipe Farah [email protected] Pedro Bonilauri Ferreira [email protected] Alex Barnack [email protected] Jean Carl Silva [email protected] <p>Avaliar a relação da via de parto, características maternas, patologias associadas e desfechos do recém-nascido com a prematuridade. Estudo de corte transversal, com puérperas de uma Maternidade Pública do Sul do Brasil, de 31 de Janeiro a 3 de Março de 2023. Foram coletados dados relacionados a aspectos sociais, antecedentes patológicos e desfechos adversos em puérperas maiores de 18 anos, com filho único, sem malformações. Os dados computados foram analisados através do software Statistical Package for the Social Science (SPSS) versão 21.0. Os dados foram divididos em 3 tabelas distintas. A Tabela 1 (Características Maternas) demonstrou relevância quanto à idade materna, a qual apresentou maiores taxas de cesariana a partir dos 30 anos de idade, e à realização de Pré-Natal, fator que refletiu um maior número de partos normais. A Tabela 2 (Patologias Associadas à Prematuridade) revelou que as condições DMG, DHEG, DM e HAS apresentaram maiores taxas de partos cesáreos em comparação aos partos normais. A Tabela 3 (Desfechos do Recém-Nascido) apresentou relação entre a prematuridade e a menor Idade Gestacional e peso, isto é, recém-nascidos prematuros apresentaram pesos inferiores e idades gestacionais menores em comparação aos nascidos pela via de parto vaginal. Além disso, observou-se, também em casos de cesariana, um maior número de complicações como necessidade de ventilação mecânica, internação na UTI Neonatal, entre outros. Há expressiva e importante relação entre as características maternas, as patologias, a prematuridade e a via de parto cesárea, além da exposição dos recém-nascidos a um maior número de complicações.</p> 2024-05-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4493 A importância das rugosidades palatinas na identificação humana 2024-05-24T12:00:18+00:00 Bruna Sá Xavier Santos [email protected] Maille Ferreira Nunes Rocha [email protected] <p>A área da Odontologia Legal é uma especialidade que visa ajudar no reconhecimento de pessoas, utilizando métodos odontológicos para identificação. Dentre eles, existe um método de identificação secundário através da observação das rugas palatinas que auxiliam na identificação humana. Essas rugas são geradas no processo embrionário a partir do terceiro mês de vida intrauterina e continuam na mesma posição pelo resto da vida, além de serem únicas, imutáveis e resistentes, uma vez que se encontram no osso maxilar. O objetivo deste trabalho é ressaltar a análise das rugosidades palatinas no processo de identificação humana uma vez que possuem posição privilegiada, são protegidas de variações de temperatura e mutilações e salientar a contribuição da documentação odontológica para a aplicação dessa técnica. O percurso metodológico se deu através de uma busca de arquivos e casos no Google Acadêmico, portais do Scielo e revistas virtuais da Rbol com as seguintes palavras-chave: ‘’-rugosidades palatinas-’’; ‘’-identificação humana-’’; ‘’-documentação odontológica-’’. Além disso, foi consultada a seguinte referência bibliográfica: Manual de Medicina Forense &amp; Odontologia Legal, dos autores Maria de Lourdes Borborema Campos e Rogério Luiz Eisele, ano de 2011. Os resultados esperados desta pesquisa é o reconhecimento dos profissionais da área da Odontologia sobre as estruturas palatais no processo de identificação humana quando métodos primários não possam ser utilizados por si só, já que é um procedimento simples e sem uso de materiais sofisticados. Ressaltando também, a importância do preenchimento completo e arquivamento correto do prontuário odontológico pois só assim os resultados serão positivos, já que se trata de um método comparativo.</p> 2024-05-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/3895 Avaliação sistemática dos preditores de acidente vascular cerebral em pacientes com doença arterial periférica 2024-04-21T14:52:20+00:00 José Amarildo Avanci Júnior [email protected] Marcelo Fontes da Silva [email protected] Maria Fernanda Mazi Finamore [email protected] Maraiza Carneiro [email protected] Murillo Barbosa Loubet [email protected] Iza Janaina Goes Fahed [email protected] Guilherme Henrique Pereira de Ávila Borges [email protected] Aline de Castro Dias dos Santos [email protected] Pedro Henrique Cocco [email protected] João Miguel Fernandes Aguero [email protected] Giovana Bondavalli Girotto [email protected] Glenda Maria Abreu [email protected] Mariana Efigênia Pinha Santos [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;"><span style="background: white;">A revisão sistemática focou na associação entre a doença arterial periférica (DAP) e o acidente vascular cerebral (AVC), detalhando a prevalência e os impactos dessas condições na saúde global. As doenças cardiovasculares, incluindo a DAP, são marcantes por suas graves consequências, como o AVC, que resultam em altas taxas de mortalidade e incapacidade prolongada. Este estudo utilizou uma metodologia qualitativa e descritiva de revisão integrativa da literatura, com uma abordagem sistemática para analisar as publicações selecionadas das bases de dados como PubMed, LILACS e Scopus. Foi observada uma forte correlação entre a DAP e o risco elevado de AVC, mediada por fatores de risco tradicionais como hipertensão, diabetes, tabagismo, e hiperlipidemia, e também por marcadores emergentes como inflamatórios e genéticos. A revisão destacou a necessidade de uma gestão integrada desses fatores de risco e sugeriu uma direção para futuras pesquisas focadas em biomarcadores específicos e intervenções preventivas personalizadas. Conclui-se que, apesar do conhecimento substancial dos fatores de risco associados à DAP e ao AVC, muitas estratégias de prevenção e tratamento permanecem subutilizadas, ressaltando a importância de estratégias de saúde pública mais efetivas e direcionadas para mitigar esses riscos. As implicações desta revisão são vastas, sugerindo que a integração de estratégias preventivas personalizadas, que considerem tanto fatores de risco tradicionais quanto emergentes, pode melhorar significativamente os resultados de saúde. Isso ressalta a necessidade urgente de políticas de saúde pública mais robustas e abrangentes que não apenas promovam a conscientização sobre a DAP e o AVC, mas também incentivem abordagens multidisciplinares para o manejo dessas condições. O estudo conclui que uma abordagem mais direcionada e personalizada é essencial para fechar a lacuna entre o conhecimento existente e a aplicação prática nas estratégias de prevenção e tratamento da DAP e do AVC.</span></p> 2024-05-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4117 Uma avaliação sistemática do uso de implantes hormonais: suas indicações e efeitos 2024-05-05T22:30:33+00:00 Fernanda Campaneli Balieiro [email protected] Mariana Parra Fenato [email protected] Josiane Cristine Canali [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">A saúde da mulher atravessa várias fases marcadas por transições hormonais, que podem trazer consigo uma série de desafios, como disfunções hormonais, tensão pré-menstrual, perimenopausa e menopausa. Uma abordagem terapêutica que tem sido utilizada para lidar com essas questões é a implantação subcutânea de hormônios sexuais, que demonstrou oferecer benefícios significativos para a saúde mental e física das mulheres. Este estudo teve como objetivo avaliar as indicações e os efeitos associados ao uso de implantes hormonais. Por meio de uma revisão sistemática da literatura existente, realizada a partir de dezembro de 2020 até maio de 2023, utilizando bancos de dados eletrônicos, foram identificados onze estudos relevantes para a pesquisa. Os resultados indicam que a hormonioterapia, embora historicamente debatida, quando combinada com a implantação subcutânea, tem demonstrado auxiliar na mitigação de sintomas associados à deficiência estrogênica, trazendo impactos positivos para diversas áreas, incluindo o complexo vulvovaginal, assoalho pélvico, funções sexuais, bem como nos sistemas cardiovascular e ósseo. Conclui-se que a individualização do tratamento, juntamente com o monitoramento cuidadoso e a dosagem adequada, são cruciais para garantir a eficácia e a melhoria da qualidade de vida das mulheres. Além disso, observou-se que essa abordagem terapêutica pode ser benéfica no manejo de condições específicas, como endometriose e Desejo Sexual Hipoativo. Em suma, os implantes hormonais representam uma opção terapêutica promissora para mulheres que enfrentam desafios relacionados às flutuações hormonais ao longo da vida. No entanto, é fundamental continuar investigando e refinando essa modalidade de tratamento para garantir sua segurança e eficácia a longo prazo.</p> 2024-05-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4709 Mortalidade infantil por causas infecciosas relacionada a cobertura vacinal e Índice de Desenvolvimento Humano – IDH 2024-06-04T12:02:13+00:00 Júlia Camargo Gonçalves Cunha [email protected] Gustavo Lopes Ferreira [email protected] Leticia Cerqueira de Santana [email protected] Bruno Godoy do Nascimento [email protected] Gabriel Abdalla de Mendonça Menezes [email protected] Andréa Silva do Amaral [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">Introdução: A mortalidade infantil é um indicador de saúde de importante relevância para a análise do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e é influenciado por diversos fatores sociais, políticos e econômicos. Dessa forma, compreender os fatores relacionados às diversas etiologias que determinam a mortalidade infantil brasileira fornece as informações necessárias para elucidação de ferramentas intervencionistas para reduzir esses valores. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva de caráter quantitativo com dados obtidos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) do estado do Tocantins. Foram coletados dados sobre a mortalidade infantil por causas evitáveis 2010-2020, bem como dados sobre a cobertura vacinal no estado no mesmo período. Resultados: Constatou-se um total de 263 casos de óbito de crianças entre 0 e 4 anos, por doenças infecciosas e parasitárias, de 2010 a 2020, no Tocantins. A Região de saúde Capim Dourado apresentou o maior número de casos e um IDH de 0,639. Nota-se a prevalência dos óbitos em crianças na faixa etária entre 28 a 364 dias, da raça parda e tendo como principal causa diarreia e gastroenterite. Além disso, a região com maior cobertura vacinal total foi Cantão e com menor cobertura foi Bico do Papagaio. Conclusão: A região Norte apresenta cenários epidemiológicos distintos em relação às outras grandes áreas brasileiras, por isso a análise direcionada para o estado do Tocantins é crucial para a elucidação das particularidades que envolvem a mortalidade infantil no local. Nesse sentido, os resultados expostos nessa pesquisa visam contribuir para políticas públicas de saúde que atuem no cenário social e econômico da região a fim de reduzir a taxa de mortalidade infantil.</p> 2024-06-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4710 Síndrome do envelhecimento precoce bucal relacionado à alterações pulpares 2024-06-04T12:02:14+00:00 Laura Soares dos Santos Dias [email protected] Danielle Cardoso Albuquerque Maia Freire [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">Introdução: A Síndrome do Envelhecimento Precoce Bucal (SEPB) trata-se de uma doença que abrange diversas áreas da odontologia e da saúde, sendo assim, classificada como multifatorial. Por isso, é de suma importância que os profissionais dentistas estejam cientes de suas principais características para um diagnóstico preciso e evitar problemas endodônticos. Objetivo: Pontuar as principais causas de alterações pulpares nocivas relacionadas à evolução da Síndrome do Envelhecimento Precoce Bucal quando não diagnosticada e tratada precocemente, bem como seu diagnóstico e meios de tratamento efetivos conhecidos na atualidade. Metodologia: Este trabalho trata-se de uma revisão de literatura com 37 referências entre livros, artigos e sites publicados entre os anos de 1991 e 2023 retirados do Google Acadêmico, Scielo, PubMed e Periódico Capes. Discussão: Por se tratar de uma síndrome que abrange diversas áreas da saúde é importante que os dentistas estejam cientes sobre as lesões não cariosas, hábitos parafuncionais e distúrbios oclusivos, bruxismo, apertamento e distúrbios psiquiátricos relacionados. Dessa forma, é possível estabelecer um diagnóstico confiável e concreto que ajuda no planejamento do tratamento dos pacientes de acordo com suas necessidades e, como trata-se de uma doença multifatorial e multidisciplinar, saber acionar corretamente os profissionais que farão parte da equipe de tratamento da SEPB de forma individualizada para cada caso. Como endodontista, é necessário conhecer a fundo os temas discutidos neste trabalho para ajudar no diagnóstico e possíveis tratamentos. Conclusão: Como a SEPB é considerada uma síndrome de causas mecânicas, químicas, biológicas e psicológicas é necessário um conhecimento aprofundado de diversas áreas da saúde em relação as suas causas, diagnóstico e tratamento para que se possa evitar um comprometimento inflamatório ou necrose pulpar devido a um diagnóstico e tratamento tardios.</p> 2024-06-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4711 O uso dos procedimentos estéticos: abordando o lifting facial e o rejuvenescimento facial 2024-06-04T12:02:14+00:00 Edimar Chaves Junior [email protected] Fernanda de Melo Garcia [email protected] Kassem Mohamed Barça Saidah [email protected] João Victor Sales Gedda [email protected] Arthur Vinicios Araújo de Souza [email protected] Matheus de Godoy Rocha [email protected] Márcio Henrique Correia Fernandes [email protected] Pedro Braga Silva Marciano [email protected] Fernando Zanzoni Marra [email protected] Rodrigo Resende de Sá [email protected] Isabella da Mata Silveira [email protected] Maria Clara Costa Carvalho Milhomem [email protected] Ana Beatriz Monserrath Antenor Ribeiro [email protected] Felipe Ferreira Fatureto [email protected] Natália Lopes de Siqueira Campos [email protected] Denis Vidamor Correia de Jesus e Silva [email protected] Gabriel Guimarães Noleto [email protected] Giulia Couto Bacellar Bon [email protected] Rodrigo Rodrigues Fernandes [email protected] Mariana Tempesta Muhe [email protected] Vitória Cavalcante Macedo [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">A cirurgia estética facial é um campo emergente globalmente. Os procedimentos de <em>lifting</em> facial focam principalmente na manipulação do sistema músculo-aponeurótico superficial (SMAS), um grupo de músculos da face lateral. Eles visam ressuspender, reposicionar e liberar estruturas faciais subjacentes, além de remover o excesso de pele para melhorar a aparência facial. Existem diferentes tipos de <em>facelift</em>s, incluindo o subcutâneo com manipulação do SMAS, permitindo a modelagem dos tecidos moles profundos. Essa técnica pode envolver SMAS-ectomia, plicatura do SMAS e criação de retalho de SMAS. O <em>lifting</em> plano profundo, por sua vez, trata tanto o SMAS quanto a liberação dos ligamentos de retenção facial e cervical. Complicações na cirurgia plástica facial podem resultar em dor, sofrimento e danos permanentes. Dessa forma, estão sendo analisados a forma como o procedimento é feito de acordo com a literatura existente, contando com análise das complicações e efeitos adversos. Realizou-se uma revisão sistemática de literatura por meio da plataforma pubmed, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de elucidar os aspectos do <em>facelift</em> facial e o rejuvenescimento dos pacientes. Nesta revisão, foi identificada uma limitação dos procedimentos cirúrgicos, que não são adequados para tratar rugas finas, danos solares, pigmentação irregular ou problemas de textura, os quais são mais efetivamente abordados com técnicas de ressurgimento. Em comparação com intervenções minimamente invasivas, a cirurgia demanda um período de recuperação mais longo e está associada a um aumento do desconforto. A análise busca contribuir para um entendimento mais aprofundado dos benefícios, da sua eficácia, segurança e prognóstico visto que altera o contexto da “senescência” dos pacientes submetidos ao procedimento.</p> 2024-06-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4712 Importância da radiografia odontológica para o diagnóstico da osteorradionecrose 2024-06-04T12:02:15+00:00 Maria Clara Pinto de Sá [email protected] Laíse Gabrielle [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;"><span style="letter-spacing: .1pt;">A osteorradionecrose é uma complicação séria associada à radioterapia na região da cabeça e pescoço. Ela se manifesta como uma necrose isquêmica do osso e pode ter impactos significativos na qualidade de vida do paciente. Os exames radiográficos desempenham um papel crucial no diagnóstico precoce e no acompanhamento dessa condição. Por meio desses exames, é possível identificar sinais característicos da osteorradionecrose, como áreas de esclerose óssea e alterações na cortical óssea. Diante disso, o estudo busca avaliar a importância das radiografias odontológicas para o diagnóstico da osteorradionecrose e discutir quanto a eficácia de dois tipos de radiografias odontológicas para a investigação deste quadro clínico. A identificação precoce dessas alterações por meio de técnicas radiográficas apropriadas pode melhorar significativamente a gestão e o tratamento dessa condição. A escolha das melhores técnicas radiográficas é fundamental para visualizar detalhadamente as estruturas anatômicas internas e identificar qualquer sinal de alteração óssea. Portanto, a análise cuidadosa das radiografias odontológicas, combinada com conhecimentos aprofundados sobre os sinais radiográficos da osteorradionecrose, desempenham um papel crucial no diagnóstico e no manejo eficaz dessa complicação pós-radioterapia. De forma epíloga, constata-se que a tomografia denota maior eficácia e clareza para a avaliação dos sinais da doença, contudo, por sua vez, a radiografia é munida pela facilidade de acesso ao exame, além da rapidez e conveniência do uso dessa. No mesmo diapasão, concluiu-se pela imprescindibilidade do uso da radiografia odontológica para definição do diagnóstico em casos de osteorradionecrose quando há alterações ósseas sem comprometimento da mucosa ou sinal de infecciosidade.</span></p> 2024-06-04T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4737 Transtorno de Personalidade Borderline revisão à luz da literatura 2024-06-05T12:13:39+00:00 Marcel da Silva Garrote Filho [email protected] Jhenifer de Almeida Filho [email protected] Kassem Mohamed Barça Saidah [email protected] Isabela Frota Carmona [email protected] Denis Vidamor Correia de Jesus e Silva [email protected] Gabriel Guimarães Noleto [email protected] Joao Victor Araujo Tocantins [email protected] Carlos Eduardo Reis de Brito [email protected] Giulia Couto Bacellar Bon [email protected] Rodrigo Rodrigues Fernandes [email protected] Mariana Tempesta Muhe [email protected] Pedro Braga Silva Marciano [email protected] João Victor Sales Gedda [email protected] Matheus de Godoy Rocha [email protected] Fernando Zanzoni Marra [email protected] Renata Bueno Bucci Py [email protected] Ítalo Ribeiro Firmiano [email protected] Nayara Freitas Vilela [email protected] Vitória Cavalcante Macedo [email protected] Ana Carla de Oliveira Ramos [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">O transtorno de personalidade <em>borderline</em> é caracterizado por modificações na autoimagem e nos relacionamentos interpessoais, marcados por rápidas oscilações entre extremos de idealização (visão excessivamente positiva de si mesmo ou dos outros) e desvalorização (percepções extremamente negativas de si mesmo ou dos outros). Indivíduos com TPB frequentemente enfrentam intensa ansiedade, irritabilidade ou disforia, além de exibir comportamento impulsivo em relação a gastos, atividade sexual, abuso de substâncias ou compulsão alimentar. Estudos indicam que o transtorno de personalidade <em>borderline</em> afeta aproximadamente de 0,7% a 2,7% da população adulta. O DSM-5-TR lista dez transtornos de personalidade, excluindo o TDI, antes conhecido como MPD. Realizou-se uma revisão sistemática de literatura por meio da plataforma pubmed, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de elucidar os aspectos e oportunidades de recuperação para aqueles com transtorno de personalidade de <em>borderline</em>, buscando desmistificar e esclarecer o transtorno, além de discutir terapias eficazes. Nesta revisão foi identificada uma relação entre as diversas terapias que são usadas para tratar os sinais e sintomas do <em>borderline</em>, sendo, três terapias baseadas em evidências eficazes para pacientes com transtorno de personalidade <em>borderline</em>: mentalização, terapia comportamental e psicoterapia. Atualmente, nenhum medicamento é aprovado pela FDA para o tratamento do transtorno de personalidade <em>borderline</em>. A análise busca contribuir para um entendimento mais aprofundado dos diagnósticos pacientes com transtorno de personalidade <em>borderline</em>, pois tendem a utilizar recursos de tratamento extensivos e apresentam maior morbidade e mortalidade em comparação com a população em geral. Isso pode explicar por que o transtorno de personalidade <em>borderline</em> tem sido objeto de estudos mais extensos do que outros transtornos de personalidade.</p> 2024-06-05T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4774 A ação da cinesioterapia como moduladora da dor crônica, uma revisão bibliográfica 2024-06-06T18:11:32+00:00 Bianca Almeida Farias [email protected] Bruna Vitoria Lagoia Nolleto [email protected] Marco Henrique de Jesus Balieiro [email protected] Pedro Henrique Pereira Siqueira [email protected] Wesdensbergton Weslley Monteiro Queiroz [email protected] <p>Introdução: A dor, segundo a Associação internacional de estudo da dor (IASP) é definida como uma experiência sensorial e emocional desagradável associada com dano tecidual real ou potencial, ou descrita em termos de tal dano. A fisioterapia sendo uma ciência da saúde que estuda, previne e trata os distúrbios cinéticos funcionais intercorrentes em órgãos e sistemas do corpo humano, gerados por alterações genéticas, por traumas e por doenças adquiridas. Assim, ela faz o uso da cinesioterapia como forma de tratamento para alcançar suas metas e munido dessas condutas fazem parte da equipe multidisciplinar para o tratamento dos quadros de dores sendo responsável por conduzir, através do movimento, as práticas empregadas nas literaturas e no hall do conhecimento científico. Objetivo: Demonstrar o papel da fisioterapia utilizando a cinesioterapia como moduladora de dor crônica. Metodologia: No estudo foram encontrados 122 artigos no primeiro momento, utilizando os critérios de inclusão foram selecionados 65 artigos, dentre esses, após sua leitura na integra foram inseridos 12 artigos como base para o desenvolvimento. Conclusão: Existem os tratamentos farmacológicos, que podem ser eficientes a curto prazo, ressaltando-se que ele não deve ser o único método, pois resultam em efeitos colaterais a longo prazo. A Fisioterapia é ampla, prevenindo e tratando distúrbios cinéticos funcionais, utilizando de recursos da cinesioterapia para o tratamento de diferentes patologias, públicos e origem álgica de cunho nociceptivo e neuroplástico. Além, também de ser um artificio de grande valia ao tratamento indireto de questões biopsicossociais.&nbsp; Em suma, é notável a falta de artigos e trabalhos de estudos científicos sobre o assunto que apresenta um excelente potencial terapêutico e que deve ser explorado de forma mais cientifica e controlada para, assim, contribuir com a gama de opções de tratamento já exercidos pela fisioterapia.</p> 2024-06-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4358 Análise do perfil histológico do câncer de colo de útero no Brasil entre 2014-2023 2024-05-19T01:44:48+00:00 Willian Alberto Amaro Marchioli [email protected] Johannes Von Lochter [email protected] Maiza Claudia Vilela Hipolito [email protected] Thais Helena Wilmers Perini [email protected] Mariana da Silva Castro Vianna [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">O estudo realizado foi uma pesquisa exploratória quantitativa, utilizando dados do Sistema Único de Saúde (Data SUS), com o objetivo de investigar a distribuição geográfica e os tipos histológicos predominantes de câncer de colo de útero no Brasil. Esta análise abrangeu o período de 2014 a 2023, durante o qual foram registrados um total de 30.132 casos de câncer de colo de útero em todo o país. Os resultados indicaram uma distribuição desigual entre as regiões, com a região Nordeste concentrando 32,81% dos casos notificados, seguida pela região Sudeste com 25,79%, a região Sul com 25,45%, a região Centro-Oeste com 8,25%, e a região Norte com 7,72%. O ano de 2023 destacou-se como aquele com o maior número de notificações, contabilizando 4.282 casos. Em termos de tipos histológicos, o Carcinoma Epidermoide invasivo emergiu como o tipo mais prevalente, somando 11.073 casos ao longo do período analisado. Esse tipo histológico foi significativamente mais comum, o que sugere a necessidade de focalizar as estratégias de saúde pública tanto na prevenção quanto na detecção precoce deste subtipo específico. Esses achados sublinham a importância de considerar a distribuição geográfica e os subtipos histológicos ao planejar estratégias de prevenção, detecção precoce e tratamento do câncer de colo de útero no Brasil. A análise detalhada dos dados reforça a necessidade de políticas públicas direcionadas para as regiões mais afetadas e para os tipos histológicos mais comuns, visando reduzir a incidência e mortalidade associadas a essa doença. A implementação de campanhas de conscientização, programas de rastreamento e acesso a tratamentos eficazes são fundamentais para abordar as disparidades regionais e melhorar os resultados de saúde para as mulheres brasileiras. Além disso, esses dados podem servir de base para futuras pesquisas e intervenções que busquem entender melhor os fatores de risco e as variáveis epidemiológicas associadas ao câncer de colo de útero no país.</p> 2024-06-07T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4852 A disponibilidade de terapeutas ocupacionais no Sistema Único de Saúde para o cuidado após acidente vascular cerebral no município de Marília 2024-06-13T15:23:27+00:00 Ana Cristina Cardoso da Silva [email protected] Raiza Pretel Pascoal [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">O Acidente Vascular Cerebral (AVC) altera funções sensoriais, motoras e cognitivas, impõe restrições no engajamento em ocupações e impacta a vida social, econômica, espiritual e sexual dos sujeitos. É recomendável que o tratamento pós-AVC seja conduzido por equipe multiprofissional nos vários níveis e serviços de atenção à saúde. Esse estudo objetivou mapear a&nbsp;disponibilidade e a distribuição de terapeutas ocupacionais para a assistência das pessoas que sofreram AVC, nos equipamentos de saúde da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPCD) do município de Marília-SP. A primeira e a segunda etapa consistiu, respectivamente, na busca pelos equipamentos da RCPCD e na seleção daqueles que apresentavam o terapeuta ocupacional inserido como parte da equipe, de acordo com informações do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Na terceira etapa foi realizado contato com terapeutas ocupacionais desses equipamentos, para informarem se estavam designados para o cuidado das pessoas pós-AVC. A análise dos dados foi conduzida por meio de cálculos de estatística descritiva, sendo quantificados os equipamentos disponíveis e o número de profissionais associados.&nbsp;&nbsp;Existem 64 equipamentos na RCPCD do município estudado, mas apenas 13 terapeutas ocupacionais para atender a população no pós-AVC, 3 no contexto hospitalar, 7 em centros de reabilitação e 3 distribuídos em Unidades de Saúde da Família. Apesar dos avanços das diretrizes nacionais e dos decretos estabelecidos pela categoria profissional, da criação da RCPCD e da Linha de Cuidados do Adulto com AVC, a disponibilidade de terapeutas ocupacionais ainda&nbsp;é baixa e desigual entre os níveis de atenção. No processo de cuidado da pessoa acometida pelo AVC é inerente o tratamento com terapeuta ocupacional e com outros profissionais da saúde, da educação, do trabalho e da assistência social. Portanto, a escassez de profissionais na RCPCD tende a prejudicar o acesso ao cuidado, o processo de reabilitação e a melhora dos sujeitos.</p> 2024-06-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4397 Percepção das mulheres em relação ao HPV em uma unidade básica de saúde no município de Indaiatuba – SP 2024-06-13T15:23:18+00:00 Maria Luiza Harumi Takamori [email protected] Laila Cristina Rosa [email protected] Willian Alberto Amaro Marchioli [email protected] Yuri Barbosa Arcanjo [email protected] Maiza Claudia Vilela Hipolito [email protected] <p class="referencias" style="text-align: justify;">O câncer de colo de útero é o terceiro mais incidente entre as mulheres no Brasil, excetuando-se os casos de câncer de pele não melanoma e câncer de mama. O controle do câncer de colo do útero é uma prioridade da agenda de saúde do país e integra o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil. Este estudo teve como objetivo verificar o conhecimento das mulheres atendidas na Unidade Básica de Saúde do Jardim Carlos Augusto Camargo Andrade sobre o Papilomavírus Humano (HPV) e o papanicolau como método de triagem e rastreamento. Utilizou-se uma abordagem quantitativa, com um questionário autoaplicado, desenvolvido e validado em inglês em 2012, e adaptado para o português. Esse questionário é um instrumento de avaliação do conhecimento sobre o HPV e sua vacinação. Os dados foram analisados estatisticamente utilizando o programa Statistical Product for Service Solutions (SPSS). Os resultados coletados foram apresentados em uma reunião para a equipe da Unidade Básica de Saúde (UBS), permitindo traçar estratégias para maximizar o conhecimento das mulheres sobre o HPV e a importância de realizar o papanicolau. Apesar do conhecimento adequado das mulheres em relação ao HPV e à sua vacina, apenas uma parcela delas apresentou conhecimento sobre o teste diagnóstico, o papanicolau. Com base nos dados, foram implementadas ações educativas visando aumentar a conscientização e adesão aos métodos de prevenção, contribuindo para a redução da incidência do câncer de colo de útero na população atendida pela Unidade Básica de Saúde. Essas ações incluíram palestras informativas, distribuição de folhetos educativos e campanhas de conscientização, todas focadas na importância do papanicolau e da vacinação contra o HPV.</p> 2024-06-12T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 STUDIES IN HEALTH SCIENCES https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/5069 Estudos de potenciais tratamentos alternativos da Leishmaniose Tegumentar Americana: uma revisão integrativa 2024-06-20T16:47:44+00:00 Ana Laura Feio Obeid [email protected] Bárbara Gomide Marquez [email protected] Gisele Maria Batista Almeida [email protected] Maria Eduarda Ribeiro Silva [email protected] Sofia Carneiro Nascimento [email protected] Murillo de Sousa Pinto [email protected] <p>A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) representa um desafio significativo para a saúde pública em várias regiões endêmicas. Devido a preocupações com os riscos associados ao tratamento convencional da LTA, como toxicidade dos medicamentos, desenvolvimento de resistência parasitária e altos custos, há uma necessidade premente de explorar tratamentos alternativos. Esta revisão integrativa da literatura se concentra em estudos experimentais dos últimos cinco anos, visando investigar os estudos acerca dos potenciais tratamentos alternativos para a LTA. A pergunta norteadora "Quais são os potenciais tratamentos alternativos para o manejo da leishmaniose?" orientou a pesquisa, que incluiu a análise de estudos nas bases de dados Scielo e PubMed. Os descritores utilizados foram Leishmaniose Tegumentar Americana, Tratamento alternativo e Estudos experimentais. Os resultados revelaram uma gama de abordagens promissoras, agrupadas em quatro categorias principais: estudos baseados em plantas e compostos naturais medicinais, terapia de combinação com o protocolo convencional, utilização de fármacos em contextos diferentes de sua aplicação convencional e estudos envolvendo novos fármacos. Assim, conclusões preliminares indicam resultados encorajadores dos tratamentos alternativos para a LTA em estudos experimentais recentes. No entanto, é imperativo realizar mais pesquisas clínicas e de maior abrangência para validar a eficácia e segurança dessas abordagens antes de sua implementação pela indústria farmacêutica e pela prática clínica. Essa investigação destaca a necessidade contínua de diversificação de opções terapêuticas para a LTA, considerando não apenas a eficácia, mas também a segurança e a acessibilidade dos tratamentos. O progresso nesse campo é crucial para melhorar o manejo prolongado da doença e reduzir seu impacto na saúde pública.</p> 2024-06-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.studiespublicacoes.com.br/ojs/index.php/shs/article/view/4167 Editorial 2024-05-07T19:38:34+00:00 Barbara Bonfim [email protected] 2024-05-01T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024