A reabilitação na cirurgia de joelho e os aspectos gerais da meniscectomia: uma revisão de literatura

Authors

  • Philipe de Pina Araujo
  • Maria Clara de Paula Caetano
  • Mateus Rodrigues Linhares
  • Gabriella Mendonça Leão de Oliveira
  • Sarah Diniz Pereira
  • Anna Júlia Dias Jaculi
  • Nicole Van Hemelryck Moniz Freire
  • Mateus Nogueira Bonfim Bastos
  • Guilherme Nassif Corrêa
  • Guilherme Machado Moura
  • Keniel heberth Oliveira Nunes
  • Isabele Borges Bueno
  • Rafael Simão Soares
  • Paulo Henrique Cabral Vieira
  • Bryan Quirino Morais

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv5n2-012

Keywords:

Menisco, Fisioterapia, Sutura, Reabilitação, Cirurgia, Tratamento

Abstract

As cirurgias parciais ou totais por lesão em menisco, seja por sutura ou refixação, são comumente aplicadas nos casos de ruptura do menisco do joelho. Além disso, a meniscectomia parcial é realizada com maior frequência, mas resulta em déficits funcionais significativos, principalmente na diminuição da força muscular dos extensores do joelho, dos quais influenciam na estabilidade adequada do joelho e distribuição normal de cargas entre as superfícies da articulação. Logo, um programa de fisioterapia antes, durante e após a identificação da lesão em menisco é fator importante para designar possíveis tratamentos, seja ele conservador ou invasivo. Dessa forma, com o crescente corpo de literatura sobre a reabilitação após meniscectomia de joelhos, e os aspectos gerais dessa cirurgia, foi possível a realização de uma revisão integrativa de literatura em diversas bases de dados indexadas reconhecidas por sua confiabilidade e relevância na área médica, com seleção e análise criteriosa dos artigos, a fim de revisar e analisar as evidências atuais sobre as características gerais da meniscectomia e a reabilitação na cirurgia de joelho, e possível prevenção à cirurgia de menisco. Nesta revisão foi identificado que a tomada de decisão quanto a melhor linha de tratamento em doenças degenerativas de joelho e ou rupturas; deve ser investigada com grande atenção pela equipe de médicos e fisioterapeutas para a escolha do melhor tratamento, evitando assim uma maior gama de complicações e efeitos deletérios quanto a estrutura articular do joelho.  Portanto, o tratamento em conjunto com a fisioterapia na reabilitação de cirurgias no joelho, como foco em meniscectomia do joelho, é de extrema importância quando levando em consideração a necessidade de tratamento conservador e preventivo.

References

BARBEIRO, F. A. Reabilitação acelerada para reparos de menisco. PubMed, [s. l.], v. v.10, n. 2, 2011. DOI 10.1016/s0749-8063(05)80095-7. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8003150/. Acesso em: 6 abr. 2024.

BRUNELLI, C. et al. Comparação de escalas de avaliação numérica e verbal para medir exacerbações de dor em pacientes com dor oncológica crônica. PubMed, [s. l.], 2018. DOI 10.1186/1477-7525-8-42. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2868814/. Acesso em: 6 abr. 2024.

CAVANAUGH, J. T. et al. Reabilitação após reparo meniscal. PubMed, [s. l.], v. v.5, n. 1, 2022. DOI 10.1007/s12178-011-9110-y. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3535118/. Acesso em: 7 abr. 2024.

GOODYEAR-SMITH , F. et al. Reabilitação após meniscectomia artroscópica: uma revisão crítica dos ensaios clínicos. PubMed, [s. l.], v. v.24, n. 6, 2021. DOI 10.1007/s002640000204. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3619931/. Acesso em: 6 abr. 2024.

HOFMANN, F. C. et al. Lesão no joelho tratada conservadoramente está associada à degeneração da matriz da cartilagem do joelho medida com tempos de relaxamento T2 baseados em ressonância magnética: dados da iniciativa de osteoartrite. PubMed, [s. l.], v. v.47, n. 1, 2019. DOI 10.1007/s00256-017-2759-6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5699952/. Acesso em: 7 abr. 2024.

HUBER, J. et al. A sutura do menisco proporciona melhores resultados clínicos e biomecânicos no seguimento de 1 ano do que a meniscectomia. PubMed, [s. l.], v. v.133, n. 4, 2021. DOI 10.1007/s00402-013-1681-1. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3600124/. Acesso em: 7 abr. 2024.

KARAHAN, M. et al. Efeito da meniscectomia medial parcial na função proprioceptiva do joelho. PubMed, [s. l.], v. v.130, n. 3, 2018. DOI 10.1007/s00402-009-1018-2. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20012072/. Acesso em: 6 abr. 2024.

KOCH, M. et al. Reabilitação funcional precoce após cirurgia de menisco: os padrões de reabilitação ortopédica usados atualmente estão atualizados?. PubMed, [s. l.], 2020. DOI 10.1155/2020/3989535. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7146095/. Acesso em: 7 abr. 2024.

KOPF, S. et al. Tratamento de rupturas traumáticas do menisco: o consenso do menisco ESSKA de 2019. PubMed, [s. l.], v. v.28, n. 4, 2020. DOI 10.1007/s00167-020-05847-3. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7148286/. Acesso em: 7 abr. 2024.

MACFARLANE , L. A. et al. Influência dos recursos basais de ressonância magnética no resultado da meniscectomia artroscópica e do tratamento fisioterapêutico de rupturas meniscais na osteoartrite. PubMed, [s. l.], v. v.47, n. 3, 2019. DOI 10.1177/0363546518819444. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6397058/. Acesso em: 7 abr. 2024.

PETERSEN, W. et al. O tratamento de lesões meniscais não traumáticas. PubMed, [s. l.], v. v.112, n. 42, 2017. DOI 10.3238/arztebl.2015.0705. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4644934/. Acesso em: 7 abr. 2024.

RENSTRÖM, P.; JOHNSON, R. J. Anatomia e biomecânica dos meniscos. PubMed, [s. l.], v.9, n. 3, 2010. PMID: 2199066. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/2199066/. Acesso em: 6 abr. 2024.

SIHVONEN, R. et al. Meniscectomia parcial artroscópica versus cirurgia placebo para ruptura degenerativa do menisco: acompanhamento de 2 anos do ensaio clínico randomizado. PubMed, [s. l.], v. v.77, n. 2, 2017. DOI 10.1136/annrheumdis-2017-211172. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5867417/. Acesso em: 7 abr. 2024.

SILVA F. T. et al. Propriocepção do joelho em indivíduos submetidos à Menistectomia parcial e à sutura meniscal: estudo observacional. Rev. Pesqui. Fisioter., Salvador, 2020 Maio;10(2):264-273.2020. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/hansen/resource/pt/biblio-1223617?src=similardocs. Acesso em: 7 abr. 2024.

SKOU, S. T. et al. Protocolo de estudo para um ensaio clínico randomizado de cirurgia meniscal comparado com exercícios e educação do paciente para tratamento de rupturas meniscais em adultos jovens. PubMed, [s. l.], v. v.7, n. 8, 2017. DOI 10.1136/bmjopen-2017-017436. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5724132/. Acesso em: 7 abr. 2024.

STEIN , J. M. et al. Resultados do tratamento de rupturas da raiz meniscal: uma revisão sistemática. PubMed, [s. l.], v. v.2, n. 3, 2020. DOI 10.1016/j.asmr.2020.02.005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7283958/. Acesso em: 7 abr. 2024.

VICENTE P. C. E. Resultados da intervenção da Fisioterapia em indivíduos submetidos a meniscectomia. Mestre em Fisioterapia, área de especialização em Fisioterapia em Condições Músculo-Esqueléticas realizada sob a orientação científica de Professor Doutor Eduardo Cruz. Universidade de Nova Lisboa, 2016. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/7425. Acesso em: 7 abr. 2024.

Published

2024-04-30

How to Cite

Araujo, P. de P., Caetano, M. C. de P., Linhares, M. R., Oliveira, G. M. L. de, Pereira, S. D., Jaculi, A. J. D., Freire, N. V. H. M., Bastos, M. N. B., Corrêa, G. N., Moura, G. M., Nunes, K. heberth O., Bueno, I. B., Soares, R. S., Vieira, P. H. C., & Morais, B. Q. (2024). A reabilitação na cirurgia de joelho e os aspectos gerais da meniscectomia: uma revisão de literatura. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 5(2), e4068. https://doi.org/10.54022/shsv5n2-012

Most read articles by the same author(s)

1 2 3 > >>