Qual a relação entre os hábitos de vida associados ao índice de massa corpórea dos estudantes de medicina?

Authors

  • Carla Santos Bastos
  • João Marcos Luiz da Silva
  • Anna Carollina Barbosa Gomes
  • Gustavo Henrique de Oliveira Carmo Borges
  • Vinicius Salermo Kanuf
  • Emily Carolina Assis Oliveira
  • Jalsi Tacon Arruda

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv5n1-029

Keywords:

antropometria, angústia psicológica, cigarro eletrônico, comportamento alimentar, estresse psicológico, fast food

Abstract

Os hábitos de vida estão intimamente relacionados à qualidade de vida e a saúde de uma pessoa, incluindo situações que envolvem desde questões psicológicas, nutrição, sono e descanso, atividade física, até mesmo comportamentos deteriorantes como o etilismo e tabagismo. Esses hábitos estão relacionados ao perfil lipídico e ao índice de massa corporal (IMC) do indivíduo, indicando uma probabilidade de desenvolver doenças crônicas não transmissíveis. Ao adentrar na faculdade de medicina, muitos estudantes se deparam com mudanças na rotina que demandam um novo estilo de vida, que em muitos casos acontece de maneira prejudicial à saúde. Assim, o presente estudo analisou informações acerca de como a mudança de hábitos no meio acadêmico afeta a saúde do estudante. Uma revisão integrativa foi realizada nas bases de dados SciELO, BVS e no Google Acadêmico utilizando os descritores: “Estudantes de Medicina”, “Angústia Psicológica”, “Comportamento Alimentar”, “Fast Food”. As análises confirmam que os hábitos de vida do estudante de medicina são determinantes para o IMC. Foi observado que o estilo de vida ao interferir no IMC pode aumentar a probabilidade do desenvolvimento de doenças crônicas a longo prazo, dentre as quais se destaca a hipertensão arterial e a diabetes mellitus. Contudo, esses fatores de risco relacionados aos hábitos de vida dos acadêmicos podem ser gerenciados e evitar doenças futuras. Incentivar o estudante a adotar hábitos de vida saudáveis irá melhorar a sua vida como um todo e, por consequência, diminuir o IMC e ainda diminuir a incidência de doenças crônicas não transmissíveis, reduzindo assim, gastos públicos futuros.

References

AL-ROUQ, F. et al. Assessing Physiological and Psychological Factors Contributing to Stress among Medical Students: Implications for Health. International journal of environmental research and public health, v. 19, n. 24, p. 16822, 2022, DOI: 10.3390/ijerph192416822

BARBOSA-MEDEIROS, M. R. et al. Comportamentos de risco para doenças crônicas não transmissíveis em acadêmicos de medicina. Mundo da Saúde, v. 45, p. 299-307, 2021. DOI: 10.15343/0104-7809.202145299307

BARBOSA-MEDEIROS, M. R.; CALDEIRA, A. P. Saúde mental de acadêmicos de medicina: estudo longitudinal. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 45, n. 3, p. e187, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.3-20190285

BARROS, G., et al. Análise do perfil alimentar entre acadêmicos de uma faculdade de medicina do noroeste paulista. ULAKES Journal of Medicine, v. 2, n. 1, p. 40-51, 2022. DOI: 10.56084/ulakesjmed.v2i1.661

BERNARDO, G. L. et al. Food intake of university students. Revista de Nutrição, v. 30, n. 6, p. 847–865, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-98652017000600016

BITENCOURT, A. P. C.; CEZAR, T. C. M. Percepção do padrão de alimentação dos estudantes de medicina de uma instituição privada de Cascavel/PR. Revista Thêma et Scientia, v. 10, n. 1, 2020.

CAVALHEIRO, J. M., et al. Transtornos psiquiátricos menores, hábitos de saúde, atividades sociais e de lazer em estudantes de medicina: um estudo correlacional. Revista Thêma et Scientia, v. 10, n. 1, 2020.

CRUZ, M. C. A. et al. Influência na qualidade de vida dos estudantes de Medicina relacionadas a má alimentação e sono. Research, Society and Development, v. 10, n. 2, p. e23710212393, 2021a. DOI: 10.33448/rsd-v10i2.12393.

CRUZ, M. C. A. et al. Impacto das emoções no desempenho acadêmico e na qualidade de vida dos estudantes de Medicina. Research, Society and Development, v. 10, n. 11, p. e216101119412, 2021b. DOI: 10.33448/rsd-v10i11.19412.

DAMASO, J. G. B. et al. É muita pressão! Percepções sobre o desgaste mental entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 20, n. 2, p. 29-41, 2019.

FARIAS, M. S. et al. Associação entre ingestão de bebida alcoólica e estado antropométrico de universitários. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 20, n. 4, p. 586-593, 2021. DOI: https://doi.org/10.9771/cmbio.v20i4.43371

GUIMARÃES, M. F. et al. Depressão, ansiedade, estresse e qualidade de vida de estudantes de universidades pública e privada. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, v. 11, 2022. DOI: https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4038

LISBOA, K. O.; OLIVEIRA, R. F. Análise e prevalência dos fatores comportamentais e biológicos de risco cardiovascular em acadêmicos de medicina. Revista Educação em Saúde, v. 9, n. 2, p. 71-77, 2021.

MADEIRA, F. B., et al. Estilo de vida, habitus e promoção de saúde: algumas aproximações. Saúde e Sociedade, v. 27, p. 106-115, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170520

MARTINEZ, G. et al. Impacto do etanol e consumo de café na qualidade de sono de acadêmicos de medicina. Revista Médica (São Paulo), v. 97, n. 3, 2018. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i3p267-272

MIRANDA, I. M. M. et al. Quality of Life and Graduation in Medicine. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 44, n. 3, p. e086, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.3-20200068

NOGUEIRA, É. G. et al. Avaliação dos níveis de ansiedade e seus fatores associados em estudantes internos de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 45, n. 1, p. e017, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v45.1-20200174

PETREÇA, D. R.; KUNZLER, M. A. Perfil de fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis em estudantes de medicina. Revista de Medicina UNC, v. 1, p. 2-17, 2022. DOI: https://doi.org/10.24302/rmedunc.v1.4539

PORTO, P. L. G. et al. Avaliação dos hábitos obesogênicos de estudantes de medicina: análise do estado nutricional, físico e de ansiedade e depressão em estudantes de uma universidade particular do Rio de Janeiro. Revista de Medicina, v. 101, n. 2, p. e-189904, 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679

-9836.v101i2e-189904

SAMPAIO, R. M. M. et al. Relação ente padrões alimentares e estado nutricional em universitários. Revista Ciência Plural, v. 8, n. 3, p. 1-20, 2022. DOI: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2022v8n3ID27492

SILVA, M. L. et al. Condições que interferem na qualidade de vida do estudante de Medicina. Research, Society and Development, v. 9, n. 11, p. e2469119640, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i11.9640.

SOUSA, S. L. et al. Conhecimento e uso do cigarro eletrônico por acadêmicos de medicina. Revista Eletrônica Acervo Científico, v. 44, p. e12865, 2023. DOI https://doi.org/10.25248/reac.e12865.2023

TEIXEIRA, M. C., et al. Avaliação do estilo de vida e excesso de peso nos estudantes de Medicina do Centro Universitário Barão de Mauá. Revista Interdisciplinar de Saúde e Educação, v. 2, n. 1, p. 52-64, 2021. DOI: https://doi.org/10.56344/2675-4827.v2n1a20214

TORNQUIST, L., et al. Análise de componentes principais dos fatores de risco em adolescentes com excesso de peso antes e após um programa de intervenção. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 29, n. 4, 2021. DOI: https://doi.org/10.31501/rbcm.v29i4.10978

TUNI, D. C. et al. Consumo de fast food entre acadêmicos de Medicina. Research, Society and Development, v. 10, n. 11, 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19651

VANELLI, C. P. et al. Determinação do estado nutricional: qual o valor de peso e altura autorreferidos? HU Revista, v. 44, n. 2, p. 157-163, 2019. DOI: 10.34019/1982-8047.2018.v44.13933.

WHO, World Health Organization. Programme on mental health: WHOQOL user manual, 2012 revision. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/

WHO-HIS-HSI-Rev.2012-3

Published

2024-03-28

How to Cite

Bastos, C. S., Silva, J. M. L. da, Gomes, A. C. B., Borges, G. H. de O. C., Kanuf, V. S., Oliveira, E. C. A., & Arruda, J. T. (2024). Qual a relação entre os hábitos de vida associados ao índice de massa corpórea dos estudantes de medicina?. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 5(1), 412–433. https://doi.org/10.54022/shsv5n1-029

Most read articles by the same author(s)