O outro lado da pílula: a produção e o uso de medicamentos referência versus medicamentos genéricos, com enfoque em fármacos com janela terapêutica curta

Authors

  • Camila Tosin
  • Pedro Henrique Amador Costa
  • Isadora Bessa Gonçalves Vieira
  • Ana Júlia Cordeiro Weissheimer

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n4-008

Keywords:

Medicamento genérico, medicamento referência, bioequivalência, segurança, janela terapêutica

Abstract

Os genéricos entraram em vigor em 1999 a partir da lei 9.787. Entretanto, 20 anos depois, questiona-se se essa seria uma substituição segura e eficaz para os ditos medicamentos referência. Sabe-se que para a aprovação do genérico pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária é necessário passar pelo teste de biodisponibilidade - o que deveria sanar quaisquer dúvidas acerca da qualidade do medicamento. Este presente estudo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica sobre o tema, focando no teste de biodisponibilidade e na segurança dos medicamentos genéricos quando comparados com os de referência de janela terapêutica curta. Foi realizado um levantamento bibliográfico no ano de 2019, nas bases de dados Scielo, Medline e Lilacs, buscando os termos medicamento genérico, medicamento referência, bioequivalência, segurança, janela terapêutica. Concluiu-se que para medicamentos de faixa terapêutica estreita, a prescrição do medicamento referência é de maior seguridade, visto que o genérico pode ultrapassar tal faixa - causando efeitos colaterais indesejáveis e até toxicidade - ou nem atingi-la, sendo ineficaz.

References

Brasil. Lei n. 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei n. 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Diário Oficial da União. 30 abr 2019.

Categorias de medicamentos. [publicação online]; [acesso em 30 abr 2019]. Portal ANVISA. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/medicamentos/conceitos-e-definicoes

Clarisse Castro. Laboratório da Fiocruz realiza testes de segurança farmacêutica. [publicação online]; 2014 [acesso em 30 abr 2019]. Fiocruz. Disponível em https://portal.fiocruz.br/noticia/laboratorio-da-fiocruz-realiza-testes-de-seguranca-farmaceutica

Goodman & Gilman. (2012). As Bases Farmacológicas da Terapêutica. Rio de Janeiro, v.12 p.35.

Introdução a Farmacologia. [publicação online]; 2013 [acesso em 30 abr 2019]. Farmacologia UEFS. Disponível em https://farmacologiauefs.wordpress.com/introducao-a-farmacologia/

Resolução-RDC nº 214, de 12 de dezembro de 2006. [publicação online]; 2006 [acesso em 18 abr 2019]. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2006/rdc0214_12_12_2006.html

Davi Rumel, Sérgio de Andrade Nishioka, Adélia Aparecida Marçal dos Santos. (2006). Intercambialidade de medicamentos: abordagem clínica e o ponto de vista do consumidor. Revista de Saúde Pública. Brasília, v. 5, n. 40, p.921-927.

Resolução--RDC nº 31, de 11 de agosto de 2010. [publicação online]; 2010 [acesso em 08 maio 2019]. Portal ANVISA. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0031_11_08_2010.pdf/5e157d15-d3d5-4bb9-98db-5667e4d9e0c8

Marcia Martini Bueno. [publicação online]; 2005. Implantação, evolução, aspectos técnicos e perspectivas da regulamentação técnica de biodisponibilidade relativa e bioequivalência de medicamentos genéricos e similares no Brasil [dissertação de mestrado]. Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9139/tde-02022009-101019/pt-br.php

Gisele P. Tavares et al. (08 dez 2016). Avaliação do Polimorfismo e Perfil de Dissolução de Formulações de Carbamazepina. Scientia Cum Industria. Caxias do Sul, v.4, n.3, p.161-166.

Julian H. Fincher. (1986). Particle size of drugs and its relationship to absorption and activity. J. Pharm. Sci. Washington, v.57, n.11, p.1825-1968.

Gerhard Levy. (1971). Effect of complex formation on drug absorption. Acta Pharmacol. Toxicol., Copenhagen, v.29, suppl.3, p.56-67.

Francisco José Roma Paumgartten, Ana Cecilia Amado Xavier de Oliveira. (10 abr 2017). Intercambialidade de medicamentos não-bioequivalentes, segurança do paciente e dinâmica do mercado farmacêutico no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.22 n.8, p.2549-2558.

Elza Márcia T. Yacubian. (2007). Medicamentos Genéricos no Tratamento das Epilepsias. Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology. São Paulo, v.13, n.3, p.127-130.

Barbara C. Jobst, Gregory L. Holmes. (2004). Prescribing antiepileptic drugs. Should patients be switched on the basis of cost? CNS Drugs. Reino Unido, v.18, n.10, p.617-28.

Ana A. Argumosa, José Luis Herranz. (2005). Impacto clínico e económico de los fármacos genéricos en el tratamiento de la epilepsia. Revista de Neurologia. Espanha, v.41, p.45-49.

Silvia Storpirtis, Pedro Gonçalves de Oliveira et al. (1999). Considerações biofarmacotécnicas relevantes na fabricação de medicamentos genéricos: fatores que afetam a dissolução e a absorção de fármacos. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. São Paulo, v.35, n.1, p.1-16, 1999.

E. S. Cajueiro, et. al (2014). Isotretinoína e suas propriedades farmacológicas. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, vol.7, nº.1, pub.4, Janeiro 2014.

D. G. A. Diniz, E. M. Lima, N. R. Antoniosi Filho (2002). Isotretinoína: perfis farmacológico, farmacocinético e analítico. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. vol.38, nº.4. 2002.

Protocolo do uso da isotretinoína no tratamento da acne grave. Portal Saúde SC. [acesso em 25 mar 2021].

Resolução-RDC Nº 67, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007. Portal ANVISA. [acesso em 26 mar 2021].

Simonart, T (2012). Newer approaches to the treatment of acne vulgaris. Revista Am J Clin Dermatol. vol.13, pág.357–364. 2002.. Disponível em: https://doi.org/10.2165/11632500-000000000-00000

Published

2023-11-09

How to Cite

Tosin, C., Costa, P. H. A., Vieira, I. B. G., & Weissheimer, A. J. C. (2023). O outro lado da pílula: a produção e o uso de medicamentos referência versus medicamentos genéricos, com enfoque em fármacos com janela terapêutica curta. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(4), 1205–1220. https://doi.org/10.54022/shsv4n4-008

Most read articles by the same author(s)