Investigação do uso de medicamentos biológicos em doenças gastrointestinais inflamatórias: uma revisão abrangente à luz da literatura

Authors

  • Maria Gabriella Oliveira Martins
  • Victória César Monteiro
  • Gabriel Andrade Borges
  • Ana Luíza Espíndula Rocha
  • Gabriel Duarte do Nascimento
  • Carolina Almeida Silva
  • Maria Eugênia Ribeiro Carvalho de Oliveira
  • Yhasmine Campos Rezende Oliveira
  • Daniela Franco Campos
  • Sabrina Picin Domingues
  • João Victor Araújo Feitosa
  • Gabriela de Araújo Feitosa
  • Letícia Sibioni Colaboni
  • Izabela Christina Reis Zanellati
  • Luís Felipe de Freitas Cafrune Carvalho
  • Juliana de Lima Lopes
  • Leonardo da Silva Gonçalves
  • Camila Amaral Marques

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n4-004

Keywords:

medicamentos biológicos, doenças gastrointestinais inflamatória, tratamento

Abstract

As doenças inflamatórias intestinais (DII), incluindo a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa, são condições crônicas que afetam o trato gastrointestinal e, às vezes, outros sistemas do corpo. O tratamento dessas doenças evoluiu com a introdução de medicamentos biológicos, como inibidores do fator de necrose tumoral (TNF), que são eficazes na indução e manutenção da remissão. O tempo de tratamento com imunobiológicos em pacientes com DII varia e depende de fatores como a gravidade da doença, a resposta individual ao tratamento, a tolerabilidade e a presença de complicações. Em muitos casos, o tratamento é de longo prazo, com o objetivo de prevenir recorrências da doença. A descontinuação do tratamento com imunobiológicos deve ser feita com cuidado, uma vez que a interrupção abrupta pode levar a recaídas. A decisão de interromper o tratamento é baseada em avaliações regulares, incluindo exames e biomarcadores. A abordagem do tratamento das DII com imunobiológicos é multidisciplinar e individualizada, considerando a resposta do paciente, a monitorização da doença e a avaliação dos riscos e benefícios a longo prazo. A constante evolução da terapia com medicamentos biológicos oferece perspectivas promissoras para o controle eficaz das DII, visando à melhoria da qualidade de vida dos pacientes.

References

Bezzio, C., Festa, S., Saibeni, S., Papi, C., Sbravati, F., Daperno, M., & Ardizzone, S. (2017). Infliximab discontinuation in Crohn’s disease: a single-center experience. Alimentary Pharmacology & Therapeutics, 46(10), 917-924.

Feagan, B. G., & Sandborn, W. J. (2019). Inflammatory bowel disease: an evidence-based practical guide. CRC Press.

Jostins, L., Ripke, S., Weersma, R. K., Duerr, R. H., McGovern, D. P., Hui, K. Y., ... & Cho, J. H. (2012). Host–microbe interactions have shaped the genetic architecture of inflammatory bowel disease. Nature, 491(7422), 119-124.

Liu, J. Z., van Sommeren, S., Huang, H., Ng, S. C., Alberts, R., Takahashi, A., & Wu, J. C. (2015). Association analyses identify 38 susceptibility loci for inflammatory bowel disease and highlight shared genetic risk across populations. Nature Genetics, 47(9), 979-986.

Neurath, M. F. (2019). Targeting immune cell circuits and trafficking in inflammatory bowel disease. Nature Immunology, 20(8), 970-979.

Ng, S. C., Shi, H. Y., Hamidi, N., Underwood, F. E., Tang, W., Benchimol, E. I., ... & Kaplan, G. G. (2017). Worldwide incidence and prevalence of inflammatory bowel disease in the 21st century: a systematic review of population-based studies. The Lancet, 390(10114), 2769-2778.

Rutgeerts, P., Sandborn, W. J., Feagan, B. G., Reinisch, W., Olson, A., Johanns, J., ... & Hanauer, S. B. (2005). Infliximab for induction and maintenance therapy for ulcerative colitis. New England Journal of Medicine, 353(23), 2462-2476.

Sandborn, W. J., Schreiber, S., Feagan, B. G., Rutgeerts, P., Younes, Z. H., Bloomfield, R., & Targan, S. (2012). Certolizumab pegol for active Crohn's disease: a placebo-controlled, randomized trial. Clinical Gastroenterology and Hepatology, 5(10), 1184-1191.

Schreiber, S., Khaliq-Kareemi, M., Lawrance, I. C., Thomsen, O., Hanauer, S. B., McColm, J., & Sandborn, W. J. (2012). Maintenance therapy with certolizumab pegol for Crohn’s disease. New England Journal of Medicine, 357(3), 239-250.

Xavier, R. J., Podolsky, D. K. (2007). Unravelling the pathogenesis of inflammatory bowel disease. Nature, 448(7152), 427-434.

Published

2023-10-23

How to Cite

Martins , M. G. O., Monteiro, V. C., Borges, G. A., Rocha , A. L. E., do Nascimento , G. D., Silva , C. A., de Oliveira, M. E. R. C., Oliveira , Y. C. R., Campos, D. F., Domingues , S. P., Feitosa, J. V. A., Feitosa, G. de A., Colaboni, L. S., Zanellati, I. C. R., Carvalho , L. F. de F. C., Lopes, J. de L., Gonçalves, L. da S., & Marques, C. A. (2023). Investigação do uso de medicamentos biológicos em doenças gastrointestinais inflamatórias: uma revisão abrangente à luz da literatura. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(4), 1144–1158. https://doi.org/10.54022/shsv4n4-004

Most read articles by the same author(s)