Efeitos da Croton Urucurana em Candida Albicans: será citotóxica?

Authors

  • Thalita Lisboa Cunha
  • Camila Beraldo Negreiros
  • Paola Souza Manzi
  • Scarleth Reis de Oliveira Santos
  • Geovanna Camargo Salazar
  • João Victor Beraldo Negreiros
  • Rodrigo Scaliante de Moura

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n4-014

Keywords:

Candida albicans, Candidíase, Croton urucurana, fitoterapia

Abstract

A Sangra d´água, denominada cientificamente como Croton urucurana é uma árvore da espécie da família das euforbiáceas, sendo encontradas no Uruguai, Paraguai, Argentina e Brasil. Estudos relatam que a planta adquiriu inúmeras aplicabilidades na medicina popular, diante de seus prováveis resultados analgésicos, cicatrizador, anti-inflamatório, antidiarreico, em úlceras e gastrites. Além disso, há evidências de que certas espécies do gênero Croton dispõem de uma relevante atividade antifúngica e antimicrobiana aliada a uma apreciável modulação da ação de fármacos já disponíveis. Produtos naturais oriundos de vegetais, animais ou minerais têm sido largamente utilizados para tratamento de inúmeras doenças, já que têm ampla aceitação e confiabilidade popular para sua prescrição e seu uso. Esses derivados têm contribuído para o desenvolvimento de novos fármacos com o advento da engenharia genética e da tecnologia, servindo como matéria-prima e base de pesquisa. Além disso, a utilização dos insetos, especialmente dos gêneros Tenebrio ou Galleria, como alternativa aos modelos experimentais na avaliação de novos fitoterápicos se mostra muito proveitosa. Em decorrência desse fator, estes animais estão sendo selecionados como modelo para estudos relacionados a infecções microbianas. Diante desse contexto, o presente trabalho teve como objetivo identificar o tipo de ação gerada por C. urucurana em C. Albicans, com a utilização de insetos do gênero Tenebrio para tal finalidade. Para isso, foi realizado um estudo de caráter experimental, de abordagem intuitiva, no qual se obteve o extrato hidroalcóolico de C. urucurana, com rendimento no valor de 1,7%. Constatou-se que o extrato inibe o crescimento de células leveduriformes de C. albicans de modo dose-dependente, apresentando efeitos danosos à atividade mitocondrial fúngica e à parede celular, não apresentando efeitos deletérios sobre a membrana celular. Além disso, nas mesmas concentrações testadas, apresenta-se citotóxica às células humanas. Ademais, foi demonstrado um importante efeito citotóxico do extrato sobre as larvas de Tenebrio. Destarte, conclui-se que C. urucurana apresenta atividade antifúngica ao exercer efeitos sobre a parede celular e mitocôndrias fúngicas, no entanto, na mesma concentração, apresenta-se citotóxica às células humanas.

References

ALONSO-VALLE, H., et al. Candidemia in tertiary care hospital: epidemiology and factors influencing mortality. Europ Clin Microbiol Infect Dis, v. 22, p. 254-7, 2003.

ANTONIAZZI, C.A., et al. Estudo etnobotânico de croton urucurana baill (euphorbiaceae) na comunidade salobra grande, porto estrela-mt. Biodiversidade. V. 15, n. 2, p: 40 -52, 2016.

BARBIERI, D.S.V., et al. Antiadherent activity of Schinus terebinthifolius and Croton urucurana extracts on in vitro biofilm formation of Candida albicans and Streptococcus mutans. Archives of oral biology, v. 59, p. 887-96, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de políticas de saúde. Departamento de atenção básica área técnica de dermatologia sanitária. Dermatologia na Atenção Básica de Saúde. Cadernos de Atenção Básica Nº 9 Série A - Normas de Manuais Técnicos; n° 174. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento de DST, Aids e hepatites virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BUTLER, M.S. The Role of Natural Product Chemistry in Drug Discovery. Journal of Natural Products, v. 12, n. 67, p. 2141-2153, 2004.

CANTERI, P.S. et al. An invertebrate host to study fungal infections, mycotoxins and antifungal drugs: Tenebrio molitor. Journal of Fungi, v. 4, n. 4, p.125, 2018.

CASÃO, T.D.R.L., et al. Croton urucurana Baillon stem bark ointment accelerates the closure of cutaneous wounds in knockout IL-10 mice. Journal of Ethnopharmacology, v. 261, 2020.

CORDEIRO, K.W., et al. Anti-inflamatory and antinociceptive activities of Croton urucurana Baillon bark. Journal of Ethnopharmacology, v. 183, p. 128-135, 2016.

CORTÉS, J.A., et al. Candidemia in Colombia. Biomedica, v. 40, n. 1, p. 195-207, 2020.

FARNSWORTH, N.R., et al. Medicinal Plants in therapy. Bulletin of the World Health Organization, v. 6, n. 63, p. 965-981, 1985.

GIOLO, M.P.; SVIDZINSKI, T.I.E. Fisiopatogenia, epidemiologia e diagnóstico laboratorial da candidemia. Bras Patol Med, v.46, n.3, p. 225-234, 2010.

HILAL-DANDAN, RANDA, E LAURENCE BRUNTON. Manual de Farmacologia e Terapêutica de Goodman & Gilman. Disponível em: Minha Biblioteca, (2nd edição). Grupo A, 2015.

LAHLOU, M. The Success of Natural Products in Drug Discovery. Pharmacology & Pharmacy, v. 4, p. 17-31, 2013.

LATADO, A., et al. Tratamento de Infecções Fúngicas. Núcleo de Epidemiologia Clínica e Medicina Baseada em Evidências (NEC), 2012.

LEITE, T., et al. Antimicrobial, modulatory and chemical analysis of the oil of Croton limae. Pharmaceutical Biology, v. 55, n.1, p.2015–2019, 2017.

LIMA T., et al. Candida albicans de mucosa vaginal: morfotipagem e produção de proteinase. Revista de Patologia Tropical, v. 33, n. 1, p. 6570, 2004.

MAYER, F.L.; WILSON, D.; HUBE, B. Candida albicans pathogenicity mechanism. Virulence, v.4, n.2, p.119-128, 2013.

MESQUITA, D.D; CIAPPINA, A.L, ALMEIDA., L.M., Avaliação do potencial tóxico do látec de Croton urucuruana. In: III congresso de ensino, pesquisa e extensão UEG. 2016.

MORAES, T.M.S., et al. Antimycobacterial Activity and Alkaloid Prospection of Psychotria Species (Rubiaceae) from the Brazilian Atlantic Rain Forest. Planta Med, n.77, p. 964-970, 2010

NICHOLLS, S., et al. Ativação do fator de transcrição de choque térmico Hsf1 é essencial para a virulência completa do patógeno fúngico Candida albicans. Fungo Genet Biol, v. 48, p. 297-305, 2011.

OLIVEIRA, V.B., et al. Efeito de diferentes técnicas extrativas no rendimento, atividade antioxidante, doseamentos totais e no perfil por clae-dad de dicksonia sellowiana (presl.). Hook, dicksoniaceae. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n.1, p.230-239, 2016.

PACHECO, D.R., et al. Avaliação da atividade antifúngica de Curcuma longa sobre Candida parapsilosis. Rev Patol Trop, v. 44, n.3, p. 258-270, 2015.

PAPPAS, P.G., et al. Clinical Practice Guideline for the Management of Candidiasis: 2016 Update by the Infectious Diseases Society of America. Clinical Infectious Diseases, v. 62, n. 4, p. 1-50, 2016.

PERES, M., et al. Analgesic compounds of Croton urucurana Baillon. Pharmaco‐chemical criteria used in their isolation. Phytotherapy Research, v. 12, n. 3, p. 209-211, 1998.

PERES, M.T., et al. Chemical composition and antimicrobial activity of Croton urucurana Baillon (Euphorbiaceae). Journal of Ethnopharmacology, v. 56, n. 3, p. 223-226, 1997.

PFALLER, M.A.; DIEKEMA D.J. Epidemiologia das micoses invasivas na América do Norte. Crit Rev Microbiol, v.36, p.1-53, 2010.

RANE, H., et al. Candida albicans VMA3 is necessary for V-ATPase Assemble and function and contributes to secretion and filamentation. Eukaryotic Cell, v.12, n.10, 2013.

RISS, T.L., et al. Cell Viability assays. Assay Guidance Manual, 2014.

SARDI, J.C.O., et al. Candida Species: current epidemiology, pathogenecity, biofilm formation, natural antifungal products and new therapeutic options. Journal of medical Microbiology, v. 62, p. 10-24, 2013.

SILVA, L.C., et al. Antifungal activity of Copaíba resin oil in solution and nanoemulsion against Paracoccidioides spp. Brazilian Journal of Microbiology, v. 51, n. 1, p. 125-134, 2020.

SIMIONATTO, E., et al. Chemical Composition and Evaluation of Antibacterial and Antioxidant Activities of the Essential oil of Croton urucurana Baillon (Euphorbiaceae) Stem Bark. J. Braz. Chem. Soc, v. 18, n. 5, p. 879-885, 2007.

TIWARI, P. et al. Phytochemical screening and Extraction: A Review. Internationale Pharmaceutica Sciencia, v.1, n.1, p.98-106, 2011.

TURECKA, K., et al.Antifungal Activity and Mechanism of Action of the Co (III) Coordination Complexes With Diamine Chelate Ligands Against Reference and Clinical Strains od Candida spp. Front. Microbiol., v.9, p.1-14, 2018.

VASCONCELOS, L.C., et al. Cell viability of candida albicans against the antifungal activity of thymol. Brazilian Dental Journal, v. 25, n. 4, p. 277-281, 2014.

VIEIRA, G.T, tret al. Atividade citotóxica do extrato de Croton urucurana Baill contra linhagens de células leucêmicas humanas U937 e THP1. Ciência e Natura, v. 39, n.3, p. 512-519, 2017.

WOLFF, C.K., et al. Antiulcerogenic effect of Croton urucurana Baillon bark. Journal of Ethnopharmacology, v. 143, n. 1, p. 331–337, 2012.

Published

2023-11-09

How to Cite

Cunha, T. L., Negreiros, C. B., Manzi, P. S., Santos, S. R. de O., Salazar, G. C., Negreiros, J. V. B., & de Moura , R. S. (2023). Efeitos da Croton Urucurana em Candida Albicans: será citotóxica?. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(4), 1296–1311. https://doi.org/10.54022/shsv4n4-014

Most read articles by the same author(s)