Monitorização das principais comorbidades cardiovasculares e medicações utilizadas por hipertensos e portadores de diabetes na atenção primária de uma cidade do interior do Piauí

Authors

  • Fábio Dias Nogueira
  • Wanderson da Silva Nery
  • Marlilia Moura Coelho Sousa
  • Lorena Vitória Moreira de Sousa
  • Felipe Manoel Moreira Lima Matias da Paz
  • Tiago Moreira Gonçalves
  • Thadeu do Lago Baratta Monteiro

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n4-012

Keywords:

Hipertensão, Diabetes Mellitus, atenção primária a saúde, polifarmácia

Abstract

INTRODUÇÃO: O cuidado com os portadores de doenças crônicas é um dos principais desafios das equipes da atenção primária à saúde, visto que elas consistem em condições multifatoriais com influência de determinantes biológicos, socioculturais, além de aumentar proporcionalmente conforme os indivíduos envelhecem. Verifica-se que a hipertensão e a diabetes mellitus tipo 2 são consideradas patologias negligenciadas tanto pela população quanto pelas equipes de saúde, pois ainda que seu diagnóstico, prevenção e tratamento sejam facilmente acessíveis, seu progresso ainda contribui com a geração de inúmeros óbitos de origem cardiovascular no Brasil.OBJETIVOS: Esse estudo objetivou analisar as principais medicações utilizadas na atenção básica bem como as principais comorbidades presente na população. O estudo tem caráter quantitativo descritivo e usou de uma abordagem exploratória. A coleta dos dados foi realizada a partir de prontuários de pacientes atendidos numa unidade básica de saúde da cidade de Parnaíba localizada no interior do Piauí de agosto a dezembro de 2022. Analisou-se as seguintes características de uma amostra de 100 pacientes: sexo, idade, comorbidades cardiovasculares, pressão arterial e medicações em uso. RESULTADOS: DOS 100 pacientes 46 eram mulheres e 54 homens. Com idade variando entre 18 e 80 anos (média = 53,07 anos e moda = 55 anos). Dentre os prontuários coletados 55 pacientes apresentaram hipertensão e 45 diabetes, em termos de dados pressóricos a média das pressões foi de 135x85mmHg e a moda foi de 130x80mmHg. No que se refere a complicações cardiovasculares registraram-se 3 acidentes vasculares cerebrais, 1 amputação secundária ao diabetes e 2 retinopatias diabéticas (esses pacientes também possuíam HAS). CONCLUSÃO: Espera-se, com a realização deste estudo, um maior controle sob os pacientes com HAS, com manejo adequado de sua condição, feito por meio de estratificação laboratorial, do risco cardiovascular e do exame físico, que quando avaliados junto a história clínica dos pacientes poderão determinar reajustes no tratamento. Ressalta-se a necessidade do subsídio de mais pesquisas neste âmbito, visando identificar novas estratégias em educação em saúde para melhorar as taxas de abandono ao tratamento e as falhas no controle pressórico que levam as diversas complicações que levam as taxas altas de mortalidade.

References

GIROTTO, Edmarlon et al. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 1763-1772, 2013.

GIRÃO, Ana Lívia Araújo; FREITAS, Consuelo Helena Aires de. Usuários hipertensos na atenção primária à saúde: acesso, vínculo e acolhimento à demanda espontânea. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 37, p. e60015, 2016.

GEWEHR, Daiana Meggiolaro et al. Adesão ao tratamento farmacológico da hipertensão arterial na Atenção Primária à Saúde. Saúde em debate, v. 42, p. 179-190, 2018.

COSTA, Ana Júlia Ribeiro et al. Tratamento não farmacológico da hipertensão na atenção primária: Uma revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 10, n. 7, p. e46110716644-e46110716644, 2021.

MALACHIAS, Marcus Vinicius Bolivar. Os desafios do controle da hipertensão arterial em idosos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 112, p. 279-280, 2019.

PORTELA, Raquel de Aguiar et al. Diabetes mellitus tipo 2: fatores relacionados com a adesão ao autocuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 75, 2022.

GOMES, Andreia Coelho et al. Adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso em adultos com diabetes tipo 2. O Mundo da Saúde, v. 44, n. s/n, p. 381-396, 2020.

PEREIRA, Jaqueline et al. ADESÃO AO TRATAMENTO MEDICAMENTOSO ENTRE HIPERTENSOS NA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA. Revista Integralização Universitária, n. 20, p. 106-116, 2019.

DA SILVA, Alice Dias et al. Estado nutricional, fatores de risco e comorbidades em adultos portadores de diabetes mellitus tipo 2. HU Revista, v. 46, p. 1-9, 2020.

DE SÁ GODOI, Danillo Rodrigues et al. Polifarmácia e ocorrência de interações medicamentosas em idosos. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 3, p. 30946-30959, 2021.

NEVES, Joice Milena dos Santos et al. Consequências da polifarmácia em pacientes idosos hipertensos: uma revisão. 2019.

BARROSO, Weimar Kunz Sebba et al. Diretrizes brasileiras de hipertensão arterial–2020. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 116, p. 516-658, 2021.

PEREIRA, Bianca Denadai et al. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL VINCULADO AO ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Cadernos Camilliani e-ISSN: 2594-9640, v. 18, n. 4, p. 3361-3382, 2021.

BRASIL. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. Brasília: Sociedade Brasileira de Diabetes, 2019. 491 p. ISBN: 978-85-93746-02-4.

SZERWIESKI, LAURA LIGIANA DIAS. Doenças crônicas não transmissíveis e a polifarmácia em idosos. Uningá Review, v. 27, n. 2, 2016.

DO PRADO, João Paulo Moreira. Hipertensão arterial sistêmica: revisão sobre as últimas atualizações. Revista Eletrônica Acervo Médico, v. 20, p. e11555-e11555, 2022.

Published

2023-11-09

How to Cite

Nogueira, F. D., Nery, W. da S., Sousa, M. M. C., de Sousa, L. V. M., da Paz, F. M. M. L. M., Gonçalves, T. M., & Monteiro, T. do L. B. (2023). Monitorização das principais comorbidades cardiovasculares e medicações utilizadas por hipertensos e portadores de diabetes na atenção primária de uma cidade do interior do Piauí. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(4), 1262–1277. https://doi.org/10.54022/shsv4n4-012