Hérnia direta e indireta: manejo terapêutico atualizado

Authors

  • Gabriel Gonçalves Rezende Oliveira
  • Geovanna Maria Gonçalves Nascimento
  • Wanessa Guimarães de Oliveira
  • Geovanna Silva Nunes Marçal
  • Bruna Castro Ferreira
  • Yohanna Rafaela Costa Oliveira
  • Ana Luiza Machado Pellizzer
  • Heloisa Garbugio Faraoni
  • Paulo Victor Tamura
  • Mariana Miquelão Sala
  • Giulia Miquelão Sala
  • João Vitor Alves Duram de Oliveira
  • Gabriela Milhomem Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n3-008

Keywords:

Hérnia, Hérnia Direta, Hérnia Indireta, tratamento, diagnóstico

Abstract

Uma hérnia é uma condição patológica caracterizada pela protrusão de um órgão ou tecido através de uma abertura anormal ou enfraquecida na parede anatômica que normalmente o contém. A patogênese das hérnias é multifatorial e envolve uma complexa interação entre fatores genéticos e ambientais. Realizou-se uma revisão integrativa da literatura, utilizando a classificação DeCS (Descritores em Ciências da Saúde) e consultou-se bases de dados renomadas como PubMed, Scopus e Web of Science, para analisar a fundo as hérnias inguinais diretas e indiretas, abordando suas características, diagnóstico, tratamento e impacto na qualidade de vida dos pacientes. As técnicas diagnósticas e tecnologias emergentes, que incluem ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, endoscopia e biomarcadores, representam um arsenal crescentemente sofisticado e preciso na detecção de hérnias inguinais diretas e indiretas, proporcionando maior clareza diagnóstica e embasamento clínico. A técnica de herniorrafia aberta (Bassini ou Shouldice) é frequentemente usada em pacientes com hérnias diretas de tamanho pequeno a moderado. A hernioplastia aberta com prótese (Lichtenstein) é apropriada para hérnias diretas, especialmente em casos de hérnias recorrentes ou de tamanho significativo. A técnica de herniorrafia aberta com técnica de Nyhus (PPLW) é adequada para hérnias inguinais indiretas, especialmente em crianças, onde a hérnia é frequentemente congênita. A hernioplastia laparoscópica é frequentemente preferida para hérnias indiretas em adultos, devido à menor dor pós-operatória e recuperação mais rápida.

References

Alves, A., et al. (2020). Imaging of Inguinal Hernias: A Pictorial Review. Insights into Imaging, 11(1), 1-13.

Döepel, J., et al. (2022). Biomarkers in the Diagnosis of Abdominal Wall Hernias: A Scoping Review. Hernia, 26(1), 1-10.

Hall, T. C., et al. (2019). Laparoscopic and Robotic Inguinal Hernia Repair: A Systematic Review and Meta-analysis. World Journal of Surgery, 43(9), 2248-2260.

Silva, A. F., et al. (2021). Inguinal Hernias: Ultrasound Evaluation and Reporting. Insights into Imaging, 12(1), 1-16.

Fitzgibbons Jr, R. J., et al. (2006). Watchful Waiting vs Repair of Inguinal Hernia in Minimally Symptomatic Men. The New England Journal of Medicine, 355(26), 2645-2655.

McCormack, K., et al. (2003). Laparoscopic Surgery for Inguinal Hernia Repair: Systematic Review of Effectiveness and Economic Evaluation. Health Technology Assessment, 7(18), 1-67.

Tang, C. L., & Jayaraman, S. (2017). Repair of Inguinal Hernia: A Review. JAMA, 318(12), 1154-1163.

Li, J., et al. (2018). Laparoscopic Versus Open Inguinal Hernia Repair: A Systematic Review and Meta-analysis of Randomized Controlled Trials. Hernia, 22(6), 923-936.

Associação Médica Brasileira. (2018). Diretrizes Brasileiras para o Tratamento da Hérnia Inguinal em Adultos. São Paulo: AMB.

Calveti, R. N. (Ed.). (2020). Cirurgia do Aparelho Digestivo: Uma Abordagem Multidisciplinar. Artmed.

Faria, G. R., et al. (2020). The Role of Genetics in Abdominal Wall Hernias: A Systematic Review of the Literature. Genetic Testing and Molecular Biomarkers, 24(6), 314-318.

Hernandes, F., et al. (2017). Inguinal Hernia: Anatomy and Embryology. In: Bendavid, R., et al. (Eds.), Abdominal Wall Hernias: Principles and Management. Springer, 3-12.

Organização Mundial da Saúde. (2019). Global Health Estimates 2016: Disease Burden by Cause, Age, Sex, by Country and by Region, 2000-2016. Genebra: WHO.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Laparoscópica. (2021). Hérnias Abdominais: Guia de Condutas Atuais. Rio de Janeiro: SBCI.

Strauch, G. O., et al. (2018). Hernia: What the Surgeon Wants to Know. In: Bendavid, R., et al. (Eds.), Abdominal Wall Hernias: Principles and Management. Springer, 13-26.

Silva, J. C. R., et al. (2019). Hérnias da Parede Abdominal: Abordagem Clínica e Cirúrgica. Guanabara Koogan.

Published

2023-10-02

How to Cite

Oliveira, G. G. R., Nascimento , G. M. G., de Oliveira, W. G., Marçal, G. S. N., Ferreira, B. C., Oliveira, Y. R. C., Pellizzer, A. L. M., Faraoni, H. G., Tamura, P. V., Sala, M. M., Sala, G. M., de Oliveira, J. V. A. D., & Ferreira, G. M. (2023). Hérnia direta e indireta: manejo terapêutico atualizado. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(3), 760–770. https://doi.org/10.54022/shsv4n3-008

Most read articles by the same author(s)