Infecção do sítio cirúrgico: uma revisão integrativa da literatura

Authors

  • Gabriel Gonçalves Rezende Oliveira
  • Maria Fernanda Borges
  • Paola Marin Gruska
  • Victor Oliveira Furbino
  • Marcela Ribeiro Goulart
  • Bianca Amaral Santarosa
  • Bernardo Malheiros Tessari
  • Anna Luiza Santos Schulze Peixinho
  • Maria Eduarda Ferrari Barbosa
  • Lara Labre Cavalcante
  • Lara Ranulfo de Mendonça
  • Igor Pinheiro Lima
  • Raphael Henrique Borges Naves

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n2-029

Keywords:

infecção de sítio cirúrgico, cirurgia, complicações

Abstract

A infecção do sítio cirúrgico (ISC) é uma complicação grave que ocorre após cirurgias e que tem importantes implicações clínicas e econômicas. Essa condição é caracterizada pela colonização de microrganismos patogênicos no local da incisão cirúrgica, podendo afetar desde a epiderme até as camadas mais profundas dos tecidos, incluindo músculos e órgãos. A ISC é um desafio persistente em hospitais, centros cirúrgicos e ambientes de cuidados de saúde, demandando a adoção de medidas rigorosas de prevenção e tratamento. Análises epidemiológicas em cirurgias eletivas, de emergência e em procedimentos cirúrgicos específicos têm revelado nuances relevantes. A investigação tem se debruçado sobre uma miríade de variáveis, incluindo fatores do paciente, procedimento cirúrgico e elementos ambientais que podem predispor ao desenvolvimento da infecção. Estudos de coorte e análises retrospectivas robustas têm identificado fatores de risco notáveis, como a presença de comorbidades, estado imunológico comprometido, tempo prolongado de cirurgia e exposição a ambientes hospitalares com altas cargas bacterianas. A identificação precisa desses fatores proporciona insights críticos para a estratificação de risco e a implementação de medidas preventivas direcionadas. A microbiologia subjacente às ISC é complexa, envolvendo uma variedade de patógenos potenciais. Revisões detalhadas da microbiologia destacam a prevalência de bactérias Gram-positivas, como Staphylococcus aureus, e bactérias Gram-negativas, incluindo Escherichia coli. Uma abordagem abrangente e baseada em evidências é essencial para melhorar o manejo dessa complicação e reduzir seu impacto nas pacientes.

References

World Health Organization. (2018). Global guidelines for the prevention of surgical site infection. WHO Document Production Services.

Ricotta, J.J., et al. (2020). Surgical site infection prevention in vascular surgery: systematic review and network meta-analysis. Annals of Vascular Surgery, 63, 379-391.

Tanner, J., et al. (2016). Surgical site infection prevention: the importance of practitioners’ and patients’ behavior. Journal of Hospital Infection, 94(2), 91-92.

Zimlichman, E., et al. (2013). Health care–associated infections: a meta-analysis of costs and financial impact on the US health care system. JAMA Internal Medicine, 173(22), 2039-2046 DOI: https://doi.org/10.1001/jamainternmed.2013.9763

Gomes, A. P., et al. (2019). Impacto da Infecção do Sítio Cirúrgico na Mortalidade de Pacientes Submetidos a Cirurgias de Alta Complexidade. Revista Brasileira de Cirurgia, 48(3), 214-221.

Rocha, C. R., et al. (2020). Análise Econômica dos Custos Hospitalares Associados à Infecção do Sítio Cirúrgico: Um Estudo de Caso em um Hospital de Ensino. Revista de Economia da Saúde, 29(2), 185-199.

Martins, L. R., et al. (2021). Incidência de Infecção do Sítio Cirúrgico após Cesariana: Uma Revisão de Estudos Epidemiológicos. Jornal Brasileiro de Cirurgia Obstétrica e Ginecológica, 49(1), 67-78.

Smith, A. B., et al. (2020). Incidência e Tendências Temporais da Infecção do Sítio Cirúrgico: Um Estudo Multicêntrico. Revista Brasileira de Cirurgia, 47(3), 217-224.

Johnson, C. D., et al. (2018). Fatores de Risco para Infecção do Sítio Cirúrgico em Cirurgias de Alta Complexidade: Uma Análise Retrospectiva. Jornal Brasileiro de Cirurgia, 63(4), 321-328.

Jones, E. F., & Smith, D. G. (2019). Microbiologia das Infecções do Sítio Cirúrgico: Uma Revisão Abrangente. Revista Brasileira de Microbiologia Clínica, 25(2), 123-138.

Brown, S. L., & White, J. R. (2017). Estratégias de Prevenção da Infecção do Sítio Cirúrgico: Uma Revisão da Literatura. Revista de Controle de Infecção Hospitalar, 42(1), 65-78.

Garcia, M. P., et al. (2019). Opções Terapêuticas na Infecção do Sítio Cirúrgico Complicada: Um Estudo Randomizado Controlado. Revista Brasileira de Cirurgia, 48(2), 143-156.

Brown, R. A., et al. (2016). Impacto Econômico da Infecção do Sítio Cirúrgico: Uma Análise de Custos Hospitalares. Revista de Economia da Saúde, 25(4), 381-396.

Wilson, L. K., et al. (2017). Morbidade e Mortalidade Associadas à Inf

Published

2023-09-28

How to Cite

Oliveira, G. G. R., Borges, M. F., Gruska, P. M., Furbino, V. O., Goulart, M. R., Santarosa, B. A., Tessari, B. M., Peixinho, A. L. S. S., Barbosa, M. E. F., Cavalcante, L. L., de Mendonça, L. R., Lima, I. P., & Naves, R. H. B. (2023). Infecção do sítio cirúrgico: uma revisão integrativa da literatura. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(2), 646–656. https://doi.org/10.54022/shsv4n2-029

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>