Utilização da Inteligência Artificial para auxiliar na diferenciação de espécies de Plasmodium em esfregaços de sangue

Authors

  • Mikaela Aires Martins Ribeiro
  • Camila Beraldo Negreiros
  • Mariana Santos Mota
  • Laura Vaz Monteiro Côdo
  • Paola Souza Manzi
  • Thalita Lisboa Cunha
  • Rodrigo Scaliante de Moura
  • Jalsi Tacon Arruda

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n3-020

Keywords:

malária, Plasmodium, diagnóstico

Abstract

A malária é uma doença infecciosa aguda causada por protozoários do gênero Plasmodium. A transmissão pode ocorrer por via vetorial, transfusional e congênita. O diagnóstico e tratamento precisos são básicos na estratégia para o controle da doença, contribuindo para redução da morbimortalidade e interrupção da cadeia de transmissão. Considerando a dificuldade de se diferenciar morfologicamente as espécies de Plasmodium e os consequentes subtipos de Malária com testes eficazes e eficientes, o advento da Inteligência Artificial (IA) pode contribuir de forma pontual para o avanço dessas técnicas diagnósticas. Visto isso, o objetivo do trabalho é montar um banco de imagens para corroborar o diagnóstico de Plasmodium falciparum em esfregaços de sangue, fornecendo treinamento para alimentação de inteligências artificiais. Foi realizada uma revisão bibliográfica para a montagem de um banco de imagens, coletando imagens de esfregaços de sangue positivos para P. falciparum. O acervo recebe como título: “Banco de imagens Plasmodium falciparum”, contendo 350 imagens para alimentação da IA. Espera-se que a formulação do banco de imagens forneça uma ferramenta simples, mas confiável e com potencial aplicabilidade prática nos serviços de diagnósticos em saúde, por meio da sua utilização por inteligências artificiais para o diagnóstico de Malária.

References

ALGER, J. Diagnóstico microscópico de la malaria gota gruesa y extendido fino. Revista Médica Hondureña, v. 67, n. 3, p. 216-218, 1999.

ALVES, D. F. et al. Métodos de diagnóstico para a doença de Chagas: uma atualização. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 50, n. 4, p. 330-333, 2018.

ANABIRE, N. G.; ARYEE, P. A.; HELEGBE, G. K. Hematological abnormalities in patients with malaria and typhoid in Tamale Metropolis of Ghana. BMC Research Notes, v. 11, n. 1, p. 353, 2018.

BRAGA, A. V. et al. Inteligência na Medicina. CIPEEX - Congresso Internacional de Pesquisa, Ensino e Extensão, v. 2, p. 937-941, 2018.

BRASIL, P. et al. Outbreak of human malaria caused by Plasmodium simium in the Atlantic Forest in Rio de Janeiro: a molecular epidemiological investigation. The Lancet Global Health, v. 5, n.10, p. 1038–1046, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Descrição do processo de monitoramento dos testes de diagnóstico rápido de malária, Brasil, 2014 a 2016. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 50, n. 12, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento de vigilância epidemiológico. Manual de diagnóstico laboratorial da Malária. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Malária: monitoramento dos casos no Brasil em 2014. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 46, n. 25, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Situação epidemiológica da malária no Brasil, 2000 a 2011. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 44, n. 1, 2013.

BUSH, L. M.; VAZQUEZ-PERTEJO, M. T. Febre tifóide. Manual MSD, 2018. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/doen%C3%A7as-infecciosas/bacilos-gram-negativos/febre-tifoide. Acessado em: 08 de setembro de 2022.

GOMES, A. P. et al. Malária grave por Plasmodium falciparum. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 23, n. 3, p. 358-369, 2011.

LAWRENCE, C.; OLSON, J. A. Birefringent hemozoin identifies malaria. American Journal of Clinical Pathology, v. 86, n. 3, p. 360-363, 1986.

LEITE, A. A.; ERRANTE, P. R. Aspectos clínicos, prevenção e epidemiologia da febre amarela no Brasil. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 34, p. 169-184, 2017.

LOBO, L. C. Artificial intelligence and medicine. Revista Brasileira de Educação médica, v. 41, n. 2, p. 1-19, 2017.

OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde. Folha Informativa da Malária. Brasil, 2019.

POOSTCHI, M. et al. Image analysis and machine learning for detecting malaria. Translational Research, v. 194, p. 36-55, 2018.

SILVA, A. C. et al. Febre amarela. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 51, n. 1, p. 25-28, 2019.

TRAMPUZ, A. et al. Severe malaria. Critical Care, v. 7, n. 4, p. 315-323, 2003.

VANNIER, E.; GEWURZ, B. E.; KRAUSE, P. J. Human babesiosis. Infectious Disease Clinics of North America, v. 22, n. 3, p. 469-488, 2008.

VASCONCELOS, P. F. C. Febre amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 2, p. 275-293, 2003.

Published

2023-10-10

How to Cite

Ribeiro, M. A. M., Negreiros, C. B., Mota, M. S., Côdo, L. V. M., Manzi, P. S., Cunha, T. L., de Moura, R. S., & Arruda, J. T. (2023). Utilização da Inteligência Artificial para auxiliar na diferenciação de espécies de Plasmodium em esfregaços de sangue. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(3), 919–933. https://doi.org/10.54022/shsv4n3-020

Most read articles by the same author(s)