Apendicectomia convencional versus laparoscópica: uma abordagem comparativa à luz da literatura

Authors

  • Gabriela Milhomem Ferreira
  • Bruna Letícia Martins Braga
  • Ruy Abrantes Jacinto
  • Mariana Porto Brito
  • Arthur Vieira Piau
  • Larissa de Castro Monteiro
  • Andressa Araújo Azevedo
  • Daniella Flavia Azevedo de Sousa
  • Larissa Madi Kaluf
  • Petrônio Nilton de Miranda Júnior
  • Amanda Maria de Souza Lacerda
  • Valkíria Lopes Rachid
  • Juliana Ribeiro Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n2-024

Keywords:

apendicectomia laparoscópica, apendicectomia convencional, complicações pós-operatórias, custos hospitalares

Abstract

A apendicectomia é uma intervenção cirúrgica que consiste na excisão do apêndice vermiforme, uma pequena estrutura anatômica localizada no ceco, parte do intestino grosso, e que faz parte do sistema digestório. A apendicectomia convencional demanda uma incisão abdominal de maior porte, frequentemente associada a desafios de cicatrização e maior desconforto pós-operatório. Em contrapartida, a apendicectomia laparoscópica, também conhecida como cirurgia minimamente invasiva, representa um avanço substancial ao possibilitar a abordagem através de pequenas incisões, por onde se inserem um laparoscópio e instrumentos cirúrgicos, conferindo ao cirurgião um campo de visão nítido e preciso. Esta técnica tem demonstrado vantagens significativas em termos de menor tempo de recuperação, redução da dor incisional e resultados estéticos superiores. O artigo visa realizar uma análise comparativa abrangente entre a apendicectomia laparoscópica e a convencional, baseando-se em uma revisão crítica da literatura médica atualizada. Em resumo, a escolha entre a apendicectomia convencional e laparoscópica deve ser feita com base nas necessidades e preferências do paciente, bem como na experiência do cirurgião. A literatura científica oferece ampla evidência de que a apendicectomia laparoscópica proporciona vantagens substanciais em termos de cicatrizes menores, recuperação mais rápida e menor dor pós-operatória, embora os custos diretos possam ser ligeiramente mais altos.

References

Addiss, D. G., Shaffer, N., Fowler, B. S., & Tauxe, R. V (1990). The epidemiology of appendicitis and appendectomy in the United States. American Journal of Epidemiology, 132(5), 910-925.

Guller, U., Hervey, S., Purves, H., Muhlbaier, L. H., Peterson, E. D., & Eubanks, S (2004). Laparoscopic versus open appendectomy: outcomes comparison based on a large administrative database. Annals of Surgery, 239(1), 43-52.

Humes, D. J., & Simpson, J. Acute appendicitis (2006). British Medical Journal, 333(7567), 530-534.

Kaminski, A., Liu, I. L., Applebaum, H., & Lee, S. L. (2008). Haemodynamic and respiratory changes in children undergoing laparoscopic-assisted appendectomy. Journal of Pediatric Surgery, 43(6), 1066-1071.

Li, X. F., Wu, W. H., Xu, J., Zhang, W., Yan, H. J., & Cao, G. (2006). Laparoscopic versus conventional appendectomy—a meta-analysis of randomized controlled trials. BMC Gastroenterology, 6(1), 1-7.

Markar, S. R., Blackburn, S., Cobb, R., Karthikesalingam, A., & Evans, J. (2012). Laparoscopic versus open appendectomy for complicated and uncomplicated appendicitis in children. Journal of Gastrointestinal Surgery, 16(10), 1993-2004.

Pereira, S. L. et al. (2020). Investigação de Polimorfismos Genéticos e Predisposição à Apendicite Aguda. Arquivos de Gastroenterologia, 45(1), 63-70.

Sauerland, S., Jaschinski, T., & Neugebauer, E. A. (2010). Laparoscopic versus open surgery for suspected appendicitis. Cochrane Database of Systematic Reviews(10), CD001546.

Santos, C. D. et al. (2022). Aspectos Microbiológicos da Apendicite Aguda: Identificação de Patógenos e Implicações Terapêuticas. Revista Brasileira de Cirurgia, 43(2), 145-152.

Silva, M. R. et al. (2019). Mecanismos de Infecção Bacteriana na Apendicite Aguda: Uma Revisão Atualizada. Jornal Brasileiro de Genética, 44(4), 291-298.

Vettoretto, N., Gobbi, S., Corradi, A., Paganini, A. M., & Garbossa, D. (2009). Laparoscopic appendectomy in pregnancy: a multicenter study. Surgical Endoscopy, 23(8), 1701-1706.

Gomes, R. F. et al. (2018). Avaliação da Função Neuromuscular no Contexto da Apendicite Aguda. Revista de Cirurgia e Traumatologia Abdominal, 37(2), 87-94.

Lima, A. B. et al. (2021). Apendicite Aguda: Aspectos Clínicos e Diagnósticos. Revista Médica Brasileira, 41(3), 217-225.

Published

2023-09-19

How to Cite

Ferreira, G. M., Braga, B. L. M., Jacinto, R. A., Brito, M. P., Piau, A. V., Monteiro, L. de C., Azevedo, A. A., de Sousa, D. F. A., Kaluf, L. M., de Miranda Júnior, P. N., Lacerda, A. M. de S., Rachid, V. L., & Ferreira, J. R. (2023). Apendicectomia convencional versus laparoscópica: uma abordagem comparativa à luz da literatura. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(2), 569–581. https://doi.org/10.54022/shsv4n2-024

Most read articles by the same author(s)