Osteometria da sétima vértebra cervical e sua relação com o dimorfismo sexual em uma população da região nordeste do Brasil

Authors

  • Sarah Soares de Melo
  • Aiana Macedo Coelho
  • Aline Araújo Lacerda
  • Estênio Gabriel Miranda
  • João Antônio Gonçalves Filho
  • Maria Clara de Brito Cabral
  • Erasmo de Almeida Júnior
  • Émerson de Oliveira Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.54022/shsv4n2-022

Keywords:

osteometria, vértebras, sexo

Abstract

A Antropologia Forense é o ramo da Antropologia Física que lida com as perícias criminais de ossadas e de cadáveres carbonizados ou em estado avançado de decomposição. A estimativa do sexo é uma etapa essencial para identificar indivíduos desconhecidos e geralmente depende da presença de ossos altamente dimórficos, como a pelve e o crânio. Na ausência do crânio e da pelve, as vértebras podem ser utilizadas para a estimativa do sexo, pois é um osso favorecido pela preservação, dentre elas a sétima vértebra. O objetivo do nosso estudo foi de realizar um estudo osteométrico em sétimas vértebras cervicais secas de adultos e relacionar os resultados com o sexo. Para isto utilizamos uma amostra de 118 vértebras, sendo 75 do sexo masculino e 43 do sexo feminino, todas pertencentes ao Centro de Antropologia Forense da FAP-Araripina. Realizamos quatro medidas lineares nestas vértebras: diâmetro anteroposterior máximo, diâmetro transverso máximo, diâmetro transverso do forame vertebral e diâmetro anteroposterior do corpo. Todas as medidas foram realizadas com auxílio de um paquímetro digital de precisão da marca Vonder. De acordo com os nossos resultados, as quatro medidas se apresentaram com médias maiores no sexo masculino, estando de acordo com a literatura. Esperamos que mais estudos em nossa população sejam realizados, principalmente em diferentes regiões, devido à grande área territorial do Brasil e a grande miscigenação existente em nosso país. 

References

AMORES-AMPUERO, A.; VICIANO, J. Sexual dimorphism from vertebrae: its potential use for sex estimation in na identified osteological sample. Australian Journal of Forensic Sciences, v. 54, n.4, 2022.

AMORES, A. ;BOTELLA, M.C.; ALEMAN, I. Sexual dimorphism in the 7th cervical and 12th thoracic vertebrae from a mediterranean population. J. Forensic Sci., v. 59, n. 2, 2014.

GAMA, I.; NAVEGA, D.; CUNHA, E. Sex estimation using the second cervical vertebra: a morphometric analysis in a documented Portuguese skeletal sample. Int j Legal Med., v.129, n. 2, p. 365-72, 2015.

HAMED, A.A. et al. Estimation of sex in a contemporary Sauid population based on sternal measurements using multidetector computed tomography. Journal of Comparative Human Biology, v. 68, p. 411-421, 2017

KARACA, A.M.; SENOL, E.; ERASLAN,C. Evaluation of the usage of the cervical 7th vertebra in sex estimation with measurements on computerized tomography images. Leg. Med., v. 62, 2023.

MARCONI, M. A.; PRESSOTO, Z. M. N. Antropologia: uma introdução. 7.ed. 3reimp. São Paulo: Atlas, 2010

MOORE, K.L. Anatomia orientada para a clínica. 8 Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2019.

MOOSA, S.S. et al. Sexual dimorphic parameters of femur: a clinical guide in orthopedics and forensic studies. J.Med. Life, v. 14, p. 762-768, 2021

PADOVAN, L. Dimorfismo sexual pelo estudo da vértebra atlas em brasileiros. Faculdade de Odontologia de Piracicaba-FOP/UNICAMP. [Dissertação]. Piracicaba-SP. 2018, p.136.

SOARES, A. T. C.; GUIMARÃES, M. A. Dois anos de antropologia forense no centro de medicina legal (CEMEL) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Medicina (Ribeirão Preto), v. 41, n.1, p. 7-11, 2008.

WESCOTT, D.J. Sex variation in the second cervical vertebra. Journal Forensic Science, v.45, n.2, p. 462-6, 2000.

Downloads

Published

2023-08-28

How to Cite

de Melo, S. S., Coelho, A. M., Lacerda, A. A., Miranda, E. G., Gonçalves Filho, J. A., Cabral, M. C. de B., de Almeida Júnior, E., & Ferreira, Émerson de O. (2023). Osteometria da sétima vértebra cervical e sua relação com o dimorfismo sexual em uma população da região nordeste do Brasil. STUDIES IN HEALTH SCIENCES, 4(2), 548–557. https://doi.org/10.54022/shsv4n2-022

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>