A automedicação para o alívio dos sintomas gastrointestinais dos alunos no curso de medicina da UniEVANGÉLICA

Authors

  • Danúbio Antônio de Oliveira
  • Vinícius Coutinho Mendanha
  • Gabriel de Oliveira Pereira
  • Hiago Vinícius de França
  • Emivaldo Peixoto dos Santos Júnior
  • Lucas Bacani de Moraes Coura

DOI:

https://doi.org/10.54019/sesv4n1-016

Keywords:

automedicação, condições patológicas, sinais e sintomas, estudantes de medicina

Abstract

Objetivos: neste estudo identificar os aspectos da automedicação gastrointestinal entre os estudantes de medicina da UniEVANGÉLICA. Buscou-se avaliar a sua incidência neste grupo, diferenciando-a por sexo, idade e período cursado, bem como identificou-se os medicamentos mais utilizados. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e quantitativo. Os dados foram coletados através de um questionário aplicado em 2022 entre os estudantes de medicina da UniEVANGÉLICA do primeiro ao oitavo período. Resultados: Obteve-se dados de 173 participantes, no qual 72,8% eram mulheres e a média de idade foi de 21,5 anos. Dentre os sintomáticos 78,6% apresentaram queimação. Dentre os medicamentos, 71,1%. utilizou antiácidos. Em 62,9% o conhecimento adquirido na formação influenciou o momento de procura ao médico e 66,5% se automedicaram para sintomas gastrintestinais. Observou-se predomínio do sexo feminino, em que 77,5% das mulheres automedicam, enquanto 62,3% dos homens realizam tal prática. Percentualmente, o 8° período se automedica mais (80%). 53,4% dos entrevistados negaram que seu conhecimento adquirido tem ligação com a automedicação, sendo que no 8° período 75% responderam que há influência. 53,6% alegaram que os conhecimentos adquiridos influenciaram na escolha do medicamento para se automedicar. Conclusão: Os sintomas mais prevalentes foram queimação, refluxo e dor epigástrica. Um número considerável se automedicou com prescrição médica prévia. Os medicamentos mais utilizados foram os antiácidos e IBP’s. Observou-se que o conhecimento adquirido ao longo do curso tem relevância em fatores que não necessariamente relacionam-se com a automedicação. Dessa forma, ressalta-se a necessidade de aprofundamento nessa problemática, além de maior promoção de conhecimento sobre automedicação.

References

Arrais PSD, Fernandes MEP, Pizzol T da SD, Ramos LR, Mengue SS, Luiza VL, et al. Prevalence of self-medication in Brazil and associated factors. Revista de Saúde Pública. 2016;50(suppl 2).

Leake CD. THE HISTORY OF SELF-MEDICATION. Annals of the New York Academy of Sciences. 1965 Jul;120(3 Home Medicati):815–22

Servidoni AB, Coelho L, Navarro M de L, Ávila FG de, Mezzalira R. Perfil da automedicação nos pacientes otorrinolaringológicos. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia [Internet]. 2006;72:83–8

Associação Médica Brasileira. Automedicação. vol.47, no.4, São Paulo, 2001

Loyola Filho AI de, Uchoa E, Guerra HL, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Revista de Saúde Pública. 2002 Feb;36(1):55–62.

Mehuys E, Bortel LV, Bolle LD, Tongelen IV, Remon J-P, Looze DD. Self-Medication of Upper Gastrointestinal Symptoms: A Community Pharmacy Study. Annals of Pharmacotherapy. 2009 May;43(5):890–8.

Zangirolami-Raimundo J, Echeimberg JDO, Leone C. Research methodology topics: Crosssectional studies. Journal of Human Growth and Development [Internet]. 2018 Nov 28;28(3):356–60

Albusalih F, Naqvi A, Ahmad R, Ahmad N. Prevalence of Self-Medication among Students of Pharmacy and Medicine Colleges of a Public Sector University in Dammam City, Saudi Arabia. Pharmacy. 2017 Sep 4;5(4):51.

Alves TDA, Malafaia G. Automedicação entre estudantes de uma instituição de ensino superior de Goiás. ABCS Health Sciences. 2014 Nov 14;39(3)

Ivo SED, Pereira AM, Soares LC. Uso de inibidores de bomba de prótons entre estudantes de medicina de uma instituição de ensino superior de Maringá-PR e as consequências à curto e longo prazo. Brazilian Journal of Development. 2021 Sep 10;7(9):88402–26.

Domingues PHF, Galvão TF, Andrade KRC de, Araújo PC, Silva MT, Pereira MG, et al. Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2017 Mar;26(2):319–30.

Dutra JR, Souza SM da F, Peixoto MC. A influência dos padrões de beleza veiculados pela mídia, como fator decisório na automedicação com moderadores de apetite por mulheres no município de Miracema-RJ. Revista Transformar [Internet]. 2015 Nov 30;(7):194–213.

Neto JAC, Sirimarco MT, Choi CMK, Barreto AU, Souza JB. Automedicação entre Estudantes de Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora. hu rev [Internet]. 2007;32(3):59-64.

Gushiken VO, Hayashida MN, Meletti JFA. Self-medication in Students of the Faculty of Medicine. Perspectivas Médicas. 2013 Jul 1;24(1):10–9.

Masson W, Furtado PL, Lazarini CA, Conterno L de O. Automedicação entre acadêmicos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research. 2012 Oct 1;

Bernardes HC, Costa FF, Wanderley JCS, Farias JP de, Liberato LS, Villela EF de M. Perfil epidemiológico de automedicação entre acadêmicos de medicina de uma universidade pública brasileira. Brazilian Journal of Health Review. 2020;3(4):8631–43.

Tognoli TDA, Tavares VDO, Ramos APD, Batigalia F, De Godoy JMP, Ramos RR. Automedicação entre acadêmicos de medicina de Fernandópolis – São Paulo. Journal of Health & Biological Sciences. 2019 Sep 30;7(4):382.

Published

2023-12-09

How to Cite

de Oliveira, D. A., Mendanha, V. C., Pereira, G. de O., de França, H. V., dos Santos Júnior, E. P., & Coura, L. B. de M. (2023). A automedicação para o alívio dos sintomas gastrointestinais dos alunos no curso de medicina da UniEVANGÉLICA. STUDIES IN EDUCATION SCIENCES, 4(1), 227–242. https://doi.org/10.54019/sesv4n1-016