Ruído e vibração ocupacional, o conforto acústico em uma central de material esterilizado, um estudo de caso

Authors

  • Davi Avelino da Silva
  • Antônio Renato Pereira Moro

DOI:

https://doi.org/10.54021/seesv5n1-141

Keywords:

análise ergonômica, central de material esterilizado, expurgo, ruído ocupacional, vibração ocupacional

Abstract

Os riscos no ambiente laboral podem causar danos à saúde e à integridade física do trabalhador devido à sua natureza, suscetibilidade, intensidade, tempo de exposição e concentração. O presente estudo de caso relaciona as queixas dos trabalhores em um expugo de uma Central de Material Esterelizado (CME) com as medições quantitativas de ruído e vibração, focado na principal fonte geradora dos riscos. A metodologia utilizada foi as avaliações quantitativas através de dosimetro de ruído e vibração, com a metodologia descrita nas Normas Regulamentadoras 9 e 15 do Ministério do Trabalho. Devido a necessidade de se estudar a possibilidade da existência, a médio e a longo przo de uma doeçna Ocupacional denominda Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR) entre os trabalhadores que laboram no Setor referenciado, levando-se em conta que o Setor conta com um Servidor portador de perda auditiva completa, que faz uso de implante coclear, foi elaborado o presente estudo de caso que levou em cdonsideração a atividade na pior situação durante uma swemana completa, analisando o rodízio das atividades. Os resultados demonstraram a prevalência do ruído ocupacional acima dos limites de tolerância regulamentandos por Norma Rgulamentadora vigente e a vibração ocupacional em limite abaixo do limite de tolerância regulamentado, quando do uso da pistola de ar comprimido, sendo este o equipamento que produz o maior volume de ruído durante a ativiade no Setor. O período em que os ruídos ocupacionais estão acima do limite de tolerância coincide com o período em que o uso da pistola de ar comprimido para secagem dos utensílios cirúrgicos é utilizada.

References

ANGELI, João Carlos Pereira; NETO, Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes; CUNHA, Isabel Cristina Kowal Olm. Avaliação dos riscos à saúde dos trabalhadores de Enfermagem do pronto socorro de um hospital universitário. Enfermagem em Foco, v. 11, n. 4, 2020.

ARAÚJO-DOS-SANTOS, Tatiane et al. Associação entre variáveis relacionadas à precarização e afastamento do trabalho no campo da enfermagem. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 123-133, 2019.

AREZES, Pedro M.; MIGUEL, A. Sérgio. Hearing protection use in industry: The role of risk perception. Safety science, v. 43, n. 4, p. 253-267, 2005.

ASSUNÇÃO, Ada Ávila; ABREU, Mery Natali Silva; SOUZA, Priscila Sílvia Nunes. Prevalência de exposição a ruído ocupacional em trabalhadores brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, 2019.

ATLAS, EQUIPE. Manual de legislação, segurança e medicina do trabalho. Atlas, 2020.

CHONG, Dan et al. Occupational noise-related perception and personal protection behavior among Chinese construction workers. Safety Science, v. 147, p. 105629, 2022.

FERREIRA, Aldo Pacheco et al. Revisão da literatura sobre os riscos do ambiente de trabalho quanto às condições laborais e o impacto na saúde do trabalhador. Rev Bras Med Trab, v. 16, n. 3, p. 360-70, 2018.

FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO-FUNDACENTRO. Norma de Higiene Ocupacional-Procedimento Técnico: Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído-NHO 01. 2001.

GIAMPAOLI, Eduardo; CUNHA, Irlon de Ângelo da. NHO 10–Procedimento Técnico-Avaliação da exposição ocupacional a vibrações em mãos e braços. São Paulo: Fundacentro, 2012.

GRIFFIN, M. J. Medição, avaliação e avaliação de exposições ocupacionais a vibrações transmitidas manualmente. Medicina do trabalho e do ambiente, v. 54, n. 2, pág. 73-89, 1997.

GRIFFIN, M. Manual de vibração humana. Grifo. Londres: Academic Press, 1990. p. 1-1008.

GUSMÃO, A. C.; MEIRA, T. C.; FERRITE, S. Fatores associados à notificação de perda auditiva induzida por ruído no Brasil, 2013-2015: estudo ecológico. Epidemiol Serv Saude, v. 30, n. 2, p. e2020607, Jun 2021.

KIM, Seung Won et al. População de exposição estimada a ruídos perigosos no local de trabalho entre trabalhadores coreanos. Jornal da Sociedade Coreana de Higiene Ocupacional e Ambiental, v. 28, n. 4, p. 416-424, 2018.

MOORE, Pamela V.; LUSK, Sally L. Exposições ao ruído: efeitos na audição e prevenção da perda auditiva induzida por ruído. Jornal AAOHN, v. 45, n. 8, p. 397-410, 1997.

PADILHA, Ricardo Antonio Bettinelli; CATAI, Rodrigo Eduardo. Análise experimental de vibração ocupacional de mãos e braços na utilização de ferramentas pneumáticas em montadora. Análise, v. 38, n. 22, 2017.

PARK, Minah et al. Association between occupational noise and vibration and anxiety in the South Korean working population: a cross-sectional study. Journal of Occupational Medicine and Toxicology, v. 17, n. 1, p. 1-9, 2022.

Perda auditiva induzida por ruído – Pair / Noise Induced Hearing Loss – Pair. São Paulo (Estado) Secretaria da Saúde. Coordenadoria de Controle de Doenças.São Paulo; SES/SP; 2021. 37 p.

Pistola para limpeza a ar. Disponível em: https://www.dormed.com.br/pistola-para-limpeza-ar---agua-br-pag---brasmedical/p. Acesso em: 02 set. 2022.

SAMELLI, Alessandra Giannella et al. Revisão sistemática de intervenções para prevenção da perda auditiva induzida por ruído ocupacional–uma atualização. In: CoDAS. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 2021.

THEPAKSORN, Phayong et al. Relationship between noise-related risk perception, knowledge, and the use of hearing protection devices among para rubber wood sawmill workers. Safety and health at work, v. 9, n. 1, p. 25-29, 2018.

TINOCO, Helder Cesar et al. Risk perception in the use of personal protective equipment against noise-induced hearing loss. Gestão & Produção, v. 26, 2019.

Published

2024-06-11

How to Cite

Silva, D. A. da, & Moro, A. R. P. (2024). Ruído e vibração ocupacional, o conforto acústico em uma central de material esterilizado, um estudo de caso. STUDIES IN ENGINEERING AND EXACT SCIENCES, 5(1), 2841–2854. https://doi.org/10.54021/seesv5n1-141