Identificação de fatores de riscos ergonômicos na atividade de expurgo de uma central de esterilização hospitalar

Authors

  • Davi Avelino da Silva
  • Jerko Ledic Neto
  • Michela Lizzi Lagranha
  • Tiago Aurélio Alves
  • Antônio Renato Pereira Moro
  • Lizandra Garcia Lupi Vergara

DOI:

https://doi.org/10.54021/seesv5n1-096

Keywords:

riscos ergonômicos, LER/DORT, central de esterilização hospitalar, desconforto corporal

Abstract

Objetivos: O presente estudo teve por objetivo identificar os fatores de riscos ergonômicos presentes na atividade de trabalho no setor de expurgo da Central de Material e Esterilização (CME) de um Hospital Universitário (HU), bem como, analisar o perfil sociodemográfico e profissional dos Técnicos de Enfermagem que atuam no setor. Metodologia: Participaram do estudo 22 trabalhadores enquadrados no cargo de Técnico de Enfermagem, conforme a Classificação Brasileira de Ocupação (CBO) 3222-05. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um roteiro elaborado pelos autores e o Questionário Nórdico para sintomas musculoesqueléticos, ambos aplicados in loco em outubro de 2021. O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC e protocolado com o nº CAAE 51539021.9.0000.0121, sendo aprovado sob nº 5.003.058 em 28/09/2021 Resultados: As principais atividades identificadas que apresentam risco ergonômico foram a permanência na posição em pé, a inserção de materiais na lavadora termodesinfectora, a repetitividade de lavação e a esfregação dos materiais foram as principais. Ainda, 77,8% dos entrevistados declararam sentir ou terem sentido dor nos punhos e mãos, 66,7% no quadril e coxas e 55,0 % no pescoço e ombros nos últimos 12 meses. Considerações Finais: Conclui-se que as atividades desempenhadas no setor da CME possuem relação com os distúrbios Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho identificados, cujas regiões corporais afetadas tem histórico de nexo causal com as atividades desempenhadas pelos profissionais vinculados ao setor. Portanto, para a melhora das condições de saúde desses profissionais, seria imprescindível repensar as condições ergonômicas no local, bem como repensar o fluxo das atividades, fatores que contribuem para a melhoria da qualidade de vida no trabalho.

References

ANTONIOLLI, L. et al. Efeitos do Trabalho em Turnos e Coping em Profissionais de Enfermagem Hospitalar. Revista Cuidarte, v. 12, n. 2, 2021.

Anuário Estatístico da Previdência Social. Disponível em https://www.gov.

br/previdencia/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/previdencia-social-regim

e-geral-inss/dados-abertos-previdencia-social. Acesso em: 14 ago. 2021.

ANVISA. RDC 15, de 15/03/2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/

saudelegis/anvisa/2012/rdc0015_15_03_2012.html. Acesso em: 14 ago. 2021.

BAPTISTA, A. T. P. et al. Doença entre trabalhadores de enfermagem no contexto hospitalar/Adoecimento de trabalhador de enfermagem no contexto hospitalar/Enfermedad de los trabajadores de enfermeria en el contexto del hospital. Enfermagem UERJ, v. 26, 2018. DOI: 10.12957/reuerj.2018.31170

BORGHETI, S. P.; VIEGAS, K.; CAREGNATO, R. C. A. Biossegurança no centro de materiais e esterilização: dúvidas dos profissionais. Revista SOBECC, v. 21, n. 1, p. 3-12, 2016.

BRASIL. Instrução Normativa INSS/PRES nº 31, de 10 de setembro de 2008. Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Previdenciário, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 11 set 2008. Seção 1:58.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução - RDC Nº 15, de 15 de março de 2012. Dispõe sobre requisitos de boas práticas para o processamento de produtos para saúde e dá outras providências. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2018 uma análise de situação de saúde e das doenças e agravos crônicos: desafios e perspectivas. 2019. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2018_analise_situacao_saude_doencas_agravos_cronicos_desafios_perspectivas.pdf

BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria nº 3.214, de 8 de junho de 1978. Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho. Diário Oficial da União. 6 jul 1978. Suplemento.

BRASIL. Portaria DNSST nº 5, de 17 de agosto de 1992, publicada no DOU de 20.ago.1992. Disponível em: https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br/composicao/orgaos-especificos/secretaria-de-trabalho/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/sst-portarias/1992/portaria-dnsst-05-1992.pdf. Acesso em: 14 ago. 2021.

BRASIL. Portaria MTB nº 876 de 24 de outubro de 2018, publicada no DOU de 26. Out. 2018. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=368

Acesso em: 14 ago. 2021

BRASIL. Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/normativas-conep?view=

default. Acesso em: 14 ago. 2021

BURDORF, A.; VAN DER BEEK, A. Estratégias de avaliação da exposição a fatores de risco relacionados ao trabalho para distúrbios musculoesqueléticos. Jornal escandinavo de trabalho, meio ambiente e saúde, p. 25-30, 1999.

CABRAL, L. A. A. Abre a CAT?: Nexo causal no acidente do trabalho e doença ocupacional. 4. ed. São Paulo: LTE; 2014.

CABRAL, L. A. A.; SOLER, Z. A. S. G.; WYSOCKI, A. D. Pluralidade do nexo causal em acidente de trabalho/doença ocupacional: estudo de base legal no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 43, 2018.

CALADO, J. Ergonomia no posto de trabalho. 2015. Disponível em: https://blog.

safemed.pt/ergonomia-no-posto-de-trabalho/. Acesso em: 14 ago. 2021.

CARARRO, T. E. et al. A biossegurança e segurança do paciente na visão de acadêmicos de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 33, p. 14-19, 2012.

CARDOSO JUNIOR, M. M. Avaliação ergonômica: Revisão dos métodos para avaliação postural. Revista produção online, v. 6, n. 3, 2006. Disponível em: www.produçãoonline.inf.br. Acesso em: 14 ago. 2022.

CARVALHO, R. de. Centro de material e esterilização. In: RODRIGUES, Andrea Bezerra et al. O guia de enfermagem: fundamentos para assistência. In: O guia da enfermagem: fundamentos para assistência. 2008. p. 424-424.

Contrato HU-UFSC. Disponível em https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/contratos-de-gestao/regiao-sul/hu-ufsc/contrato/view Acesso em 14 ago. 2021.

COSTA, C. C. P. da; SOUZA, N. V. D. de O.; PIRES, A. da S. Perfil dos trabalhadores de uma central de material e esterilização: uma análise das características socioprofissionais. Revista de Pesquisa Cuidado é fundamental Online, RJ, v. 8, n. 1, pág. 3633-45, 2016. DOI: 10.9789/2175-5361

DA SILVA, J. C. dos R.; DA SILVA BITTENCOURT, O. N. Valorização das equipes de enfermagem mediada pela macroergonomia como complemento estratégico nas organizações de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 44, n. 3, p. 111-128, 2020.

DIAS, E. G.; SOUZA, S. P. D.; GOMES, J. P. A obtenção de conhecimento sobre ergonomia e percepção do risco ergonômico na perspectiva do enfermeiro. Revista Cubana de Enfermería, v. 36, n. 4, 2020.

DUARTE, N. S.; MAURO, M. Y. C. Análise dos fatores de riscos ocupacionais do trabalho de enfermagem sob a ótica dos enfermeiros. Revista brasileira de saúde ocupacional, v. 35, p. 157-167, 2010.

ESPINDOLA, M. C. G.; FONTANA, R. T. Riscos ocupacionais e mecanismos de autocuidado do trabalhador de um centro de material e esterilização. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 33, p. 116-123, 2012.

FERNANDES, R. de C. P. et al. Mensurando a demanda física no trabalho: estrutura fatorial e confiabilidade de itens sobre posturas, manuseio de carga e repetitividade. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, p. e00123218, 2019. doi: 10.1590/0102-311X00123218

GIL, R. F.; CAMELO, S. H.; LAUS, A. M. Atividades do enfermeiro de Centro de Material e Esterilização em instituições hospitalares. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 22, p. 927-934, 2013.

GOUVEIA, M. T. de O.; OLIVEIRA, V. C.; LIRA, I. M. da S. Riscos ergonômicos em um Centro de Material e Esterilização. Rev. enferm. UFPI, p. 42-47, 2016.

HAEFFNER, R. et al. Prevalência de lombalgia e fatores associados em trabalhadores de uma empresa agropecuária do sul do Brasil/Prevalência de lombalgia e fatores associados em trabalhadores de uma empresa agropecuária do sul do Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 13, n. 1, pág. 35-43, 2015.

IBGE. População. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/

populacao.html. Acesso em: 14 ago. 2021.

IIDA, I.; BUARQUE, L. Ergonomia: Projeto e Produção. São Paulo: Blucher, 2016.

INSS. Instrução Normativa do Instituto Nacional do Seguro Social INSS - nº 31 de 10.09.2008. Disponível em: http://www.normaslegais.com.br/legislacao/

ininss31_2008.htm. Acesso em: 28 dez. 2021.

LEDIC, J. et al. Escala para avaliar qualidade de vida no trabalho em ambiente universitário por meio da teoria de resposta ao item. BATER. Revista de Administração Mackenzie , v. 23, 2022. See More doi:10.1590/1678-6971/eRAMG220102.en

MASCARENHAS, A. L. M.; FERNANDES, R. de C. P. Aptidão física e trabalho físico pesado: como interagem para a ocorrência de distúrbio musculoesquelético?. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, p. 2187-2198, 2014.

NETO, J. L. et al. Análise ergonômica do trabalho do setor de almoxarifado do restaurante universitário da UFSC: Ergonomic analysis of the work in the storeroom sector of the university restaurant at UFSC. Studies in Engineering and Exact Sciences, v. 3, n. 4, p. 591-610, 2022. doi:10.54021/sesv3n4-003

PRÁTICAS Recomendadas SOBECC. Centro de Materiais e Esterilização, Centro cirúrgico e Recuperação Pós-Operatória. 7. ed. São Paulo: SOBECC. 2021.

Procedimento Operacional Padrão – POP do Serviço de Centro de Esterilização. HU-UFSC, 2017.

QUIÑONES-VIENTÓS, S. Quantificando a Fadiga Muscular Localizada do Antebraço Durante Simulações de Tarefas de Lança de Limpeza de Alta Pressão. 2005. Tese (Doutorado) – Virgínia Tech.

RIBEIRO, H. P. Lesões por esforços repetitivos (LER): uma doença emblemática. Cadernos de Saúde Pública, v. 13, p. S85-S93, 1997.

RIBEIRO, R. P.; VIANNA, L. A. C. Uso dos equipamentos de proteção individual entre trabalhadores das centrais de material e esterilização. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 11, p. 199-203, 2012.

TEIXEIRA, P.; VALLE, S. Biossegurança: uma abordagem multidisciplinar. SciELO-Editora FIOCRUZ, 2010.

WERMELINGER, M. et al. A Força de trabalho do setor de saúde no Brasil: focalizando a feminização. Divulg saúde debate, n. 45, p. 55-71, 2010.

Published

2024-05-17

How to Cite

Silva, D. A. da, Ledic Neto, J., Lagranha, M. L., Alves, T. A., Moro, A. R. P., & Vergara, L. G. L. (2024). Identificação de fatores de riscos ergonômicos na atividade de expurgo de uma central de esterilização hospitalar. STUDIES IN ENGINEERING AND EXACT SCIENCES, 5(1), 1918–1948. https://doi.org/10.54021/seesv5n1-096