Por uma educação para morte em tempos de luto

Authors

  • Esther Isabella da Trindade Vieira
  • Daniela Sulamita Trindade da Silva
  • Artemis de Araújo Soares

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-078

Keywords:

Morte, Corpo, Educação, Ontologia

Abstract

Este artigo pretende realizar um estudo sobre a desmistificação da morte como tabu no ambiente educacional, para isso foi feito um projeto intitulado Tanatos: O corpo é a obra com alunas do Centro Educacional La Salle- Manaus/AM em 2021, ainda no período da Pandemia de Covid-19 no Brasil. A nossa metodologia aborda uma pesquisa qualitativa. Essa pesquisa é fruto da dissertação Corpo, Pandemia e Morte: Ontologias em Quarentena (2022) em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e a Universidade Federal do Amazonas (UFAM). A coleta de dados foi concebida pela técnica da entrevista profunda e semiestruturada, observação participante e gravação das reuniões através da plataforma digital Google Meet. A pesquisa também recebeu aprovação do Comitê de Ética para a sua realização e todas as participantes apresentaram Termos de Consentimento devidamente assinados por seus responsáveis. Encontramos muitas dificuldades para implementar o projeto, pois as escolas que procurávamos seus alunos não tinham interesse em participar ou possuíam medo do que iriam descobrir, felizmente fomos sorteados com a participação de quatro alunas de um centro educacional que aceitaram embarcar conosco nesse mar de novas descobertas. No final do projeto, a última oficina permitiu verificar que as alunas demonstraram profunda sensibilidade ao representar suas percepções sobre a morte, e como cada uma carrega consigo influências de suas histórias de vida na interpretação do ciclo da vida. Nós nos debruçamos a esmiuçar os elementos das artes apresentadas pelas alunas e o resultado é esse artigo feito com tanta ternura. É necessário uma epistemologia e uma ontologia que se interessem pelo cuidado, ainda vivemos os reflexos da pandemia e de nós educadores é preciso emanar afeto por nossos educandos para entender seus traumas e ajudar a desconstruir os tabus que os atormentam.

References

ARIÈS, Phillippe. História da morte no Ocidente. Lisboa: Teorema, 2017.

CASTRO, Eduardo Eduardo Viveiros de. A floresta de cristal: notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos. Cadernos de Campo, v. 14/15, 319-338. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/

Acesso em: 19 jun. 2021.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FREUD, Sigmund. Os instintos e suas vicissitudes. In: FREUD, Sigmund. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 115-144. (v. XIV; A história do movimento psicanalítico, Artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos (1914-1916)

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. Vol. 1.

KUBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a morte e o morrer. Rio de Janeiro: Martins Fontes; 1991.

LE BRETON, David. Antropologia da Dor. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Fap-Unifesp, 2013.

LE BRETON, David. Antropologia dos Sentidos. Petrópolis: Vozes, 2016.

PEREIRA, Ronan Alves. O Budismo Japonês: sua história, modernização e

transnacionalização. 2006. Disponível em: http://fjsp.org.br/artigo/o-Budismo-japones-suahistoria-modernizacao-e-transnacionalizacao/. Acesso em: 10 jul. 2020.

SANTOS, Franklin; INCONTRI, Dora. A educação para a vida e para a morte: do ensino Fundamental à Universidade. In: SANTOS, Franklin Santana. A arte de morrer: visões plurais. Bragança Paulista: Comenius; 2010. p.15-29.

Published

2024-06-10

How to Cite

Vieira, E. I. da T., Silva, D. S. T. da, & Soares, A. de A. (2024). Por uma educação para morte em tempos de luto. Caderno Pedagógico, 21(6), e4830 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-078

Issue

Section

Articles