A rede de atenção e suporte a população dissidente de gênero e sexualidade em João Pessoa: direitos e cidadania em foco sob as perpectivas dos gestores

Authors

  • Ricardo Ramos de Azevedo Lima Filho
  • Iara Falleiros Braga
  • Jefferson Polari de Souza Filho
  • Bárbara Iansã de Lima Barroso
  • Davi Antônio Silva
  • Luciano Dias Monteiro Filho

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-070

Keywords:

Gênero, Sexualidade, Apoio Social, Rede Social de Suporte, Cidadania

Abstract

Este estudo investigou a estrutura da rede de apoio social em João Pessoa para pessoas dissidentes de gênero e sexualidade, sob a perspectiva dos gestores de serviços. Destaca-se a relevância da construção ou fortalecimento dessas redes de apoio, pois elas desempenham um papel crucial em fortalecer laços protetivos para garantir direitos e lidar com a complexidade das demandas geradas pela violência enfrentada por essa população. O objetivo primordial desta pesquisa foi compreender, debater e analisar a rede de apoio social destinada à comunidade dissidente de gênero e sexualidade em João Pessoa, segundo a visão dos gestores. O estudo foi conduzido por meio de pesquisa de campo com gestores dos serviços e ações que compõem essa rede de apoio. Utilizou-se a técnica de entrevista semiestruturada para a coleta de dados. A análise dos dados foi realizada por meio do método de análise de conteúdo, utilizando categorias predefinidas. Observa-se que a rede de apoio está em processo de desenvolvimento, com esforços de articulação entre o governo municipal e estadual para compreender as políticas e particularidades dessa população. A pesquisa evidenciou a existência de um movimento rumo à consolidação da rede, destacando-se a disposição dos órgãos governamentais em compreender as necessidades específicas da comunidade dissidente de gênero e sexualidade. Essas redes de apoio desempenham um papel fundamental na promoção da autonomia e na ampliação das possibilidades de participação social dessa população. Ao fortalecer os laços comunitários e proporcionar suporte emocional e prático, essas redes contribuem para mitigar os fatores de vulnerabilidade enfrentados por indivíduos dissidentes de gênero e sexualidade. Em suma, a pesquisa destaca a importância da construção de redes de apoio sólidas e sensíveis às necessidades específicas da comunidade dissidente de gênero e sexualidade em João Pessoa, enfatizando a necessidade de um esforço contínuo para fortalecer e expandir essas redes visando ao bem-estar e à inclusão social dessa população.

References

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 189-217.

BRAH, A. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, 2006, p. 239276.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.836, de 1º de dezembro de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 dez. 2011. Seção 1, p. 35.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CALIXTO, A. A.; CÔRTES, G. R.; SOARES, G. S. Rompendo o silêncio: a informação no espaço LGBT do estado da Paraíba. Archeion Online, João Pessoa, v. 4, n. 2, p. 83-105, jul./dez. 2016.

CASTEL, R. Da indigência à exclusão, a desfiliação. Precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: LANCETTI, A. (Org.). Saúde Loucura, n. 4. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 21-48.

DESLANDES, S. F. Redes de proteção social e redes sociais: uma práxis integradora. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Violência faz mal à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

COIMBRA, LOBO, N. Por uma invenção ética para os Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Periódicos UFF, 2009.

DESLANDES, S. F. Redes de proteção social e redes sociais: uma práxis integradora. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Violência faz mal à saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

FERRAZ, D.; KRAICZYK, J. Gênero e políticas públicas de saúde: construindo respostas para o enfrentamento das desigualdades no âmbito do SUS. Revista de Psicologia da Unesp, Assis, v. 9, n. 1, p. 70-82, 2010.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2005.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2009. p. 79-108.

GROSS, C. O SUS fora do armário: concepções de gestores municipais de saúde sobre a população LGBT. Saude soc., São Paulo, v. 27, n. 4, out./dez. 2018.

LEITE, J. R; LOPES, R. E. Travestilidade, transexualidade e demandas para a formação de terapeutas ocupacionais. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 25, p. 481-496, 2017.

MELO, K. M. M. Terapia Ocupacional Social, pessoas trans e Teoria Queer: (re)pensando concepções normativas baseadas no gênero e na sexualidade. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 1, p. 215-223, 2016.

MELO, K. M. M.; MONZELI, G. A.; LEITE JUNIOR, J. D. A formação de terapeutas ocupacionais e a questão dos gêneros e das sexualidades. In: SILVA, R. A. S.; BIACHI, P. C.; CALHEIROS, D. S.(Org.). Formação em Terapia Ocupacional no Brasil: pesquisas e experiências no âmbito da graduação e pós-graduação. São Paulo: FiloCzar, 2018. v. 1, p. 225-242.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis. Rio de Janeiro. Vozes, 2018.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: a pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

MISKOLCI, R. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, n. 21, p. 150-182, 2009.

MONZELI, G. A.; FERREIRA, V. S.; LOPES, R.E. Entre proteção, exposição e admissões condicionadas: travestilidades e espaços de sociabilidade. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 23, p. 451-462, 2015.

MONZELI, G. A. Em casa, na pista ou na escola é tanto babado: espaços de sociabilidade de jovens travestis. 2013. 101 f. Dissertação de Mestrado em Ciências Biológicas e da Saúde – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

MONZELI, G. A. Terapia ocupacional social, gêneros e sexualidades. In: LOPES, R. E.; MALFITANO, A. P. S. (Org.). Terapia Ocupacional Social: desenhos teóricos e contornos práticos. São Carlos: EDUFSCar, 2016. p. 359-364.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

SOUZA NETTO, M. R. Midiatização, representações, violência: paradoxos das experiências LGBT no Brasil contemporâneo. Periódicos UFMS, Mato Grosso do Sul, v. 7, n. 13, p. 122-148, 2015.

SLUZKI, C. E. A Rede Social na Prática Sistêmica: alternativas terapêuticas. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

SLUZKI, C. E. Redes pessoais sociais e saúde: implicações conceituais e clínicos de seu impacto recíproco. Famílias, Sistemas & Saúde, v. 28, n. 1, p. 1-18, 2010.

Published

2024-06-10

How to Cite

Lima Filho, R. R. de A., Braga, I. F., Souza Filho, J. P. de, Barroso, B. I. de L., Silva, D. A., & Monteiro Filho, L. D. (2024). A rede de atenção e suporte a população dissidente de gênero e sexualidade em João Pessoa: direitos e cidadania em foco sob as perpectivas dos gestores. Caderno Pedagógico, 21(6), e4824 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-070

Issue

Section

Articles