Estágio supervisionado na formação docente: possibilidades e limitações na integração ensino, pesquisa e extensão

Authors

  • Lindinalva Zagoto Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-066

Keywords:

Estágio Supervisionado, Integração Ensino, Pesquisa e Extensão, Possibilidades, Limitações

Abstract

Neste artigo, faz-se uma reflexão sobre possibilidades e limitações na integração ensino, pesquisa e extensão na formação docente, a partir do desenvolvimento de ações pedagógicas interdisciplinares no estágio supervisionado obrigatório dos Cursos de Letras de uma universidade federal da região centro-oeste. Fundamentando-se na concepção dialógica (Bakhtin, 1929; 2013) e histórico-sociointeracionista (Vigotsky, 1979) do processo de ensino e aprendizagem, as ações propostas envolveram pesquisa etnográfica exploratória, projetos de trabalho (Hernández, 1998; Hernández e Ventura, 1998), oficinas de ensino (González, 1991) e regências dialogadas (Lopes, 2011) e foram realizadas em instituições públicas de ensino fundamental, médio, de educação de jovens e adultos e em um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. A concepção de estágio supervisionado indissociável do ensino, pesquisa e da extensão foi motivada pela Resolução Nº 2, de 1º de julho de 2015, cujos princípios para a formação de profissionais da educação básica preveem atividades com as tecnologias da informação; narrativas orais e escritas de professores; produções de alunos; estudo de casos entre outros tipos de pesquisa e atividades de extensão, instituindo uma interação sistemática de formação compartilhada com as instituições conveniadas.  A análise das avaliações pelos partícipes do desenvolvimento das ações permitiu a verificação de possibilidades e limitações para a efetivação do estágio supervisionado como espaço de integração ensino, pesquisa e extensão na formação docente: por um lado, as possibilidades demonstraram a pertinência das ações propostas à formação docente qualificada na situação atual e real do contexto escolar brasileiro; por outro, apresentaram  limitações de diferentes ordens, pois envolvem a revisão da concepção de formação docente, de profissional da educação e de paradigmas de organização institucionais, educacionais e acadêmico-científicas.

References

ARAÚJO, Ulisses F. Escola, democracia e a construção de personalidades morais. 2000. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=29826207. Acesso em: 20 abr. 2014.

ANDER-EGG, Ezequiel. El taller: una alternativa de renovación pedagógica. Buenos Aires: Magisterio del Rio a la Plata, 1991.

ANDER-EGG, Ezequiel. Hacia una pedagogia autogestionaria. Buenos Aires: Humanitas, 1986.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem (1929). 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal (1979). São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de estilística no ensino da língua (1942-1945). Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2013.

BUENO, Luzia. A construção de representações sobre o trabalho docente: o papel do estágio. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 01, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, graduação plena. Disponível em: www.mec.gov.br/cne/pdf. Acesso em: 26 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 02, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores de Educação Básica em nível superior. Disponível em: www.mec.gov.br/cne/pdf. Acesso em: 26 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES 18, de 13 de março de 2002. Estabelece as diretrizes curriculares para os cursos de Letras. Disponível em: www.mec.gov.br/cne/pdf. Acesso em: 26 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 20 set. 2018.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 4. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2004. p. 169-91.

CANDAU, Vera. M. (Org.). Oficinas pedagógicas de Direitos Humanos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

FONSECA, Fernanda Irene. Da inseparabilidade entre o ensino da língua e o ensino da literatura. In: REIS, Carlos (org.). Didáctica da língua e da literatura. Coimbra: Almedina /ILLP Faculdade de Letras, 2000, p. 37-45.

GONZALEZ, María Teresa Cuberes. El taller de los talleres: aportes al

desarrollo de talleres educativos. Buenos Aires: Ángel Estrada, 1991.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

HERNÁNDEZ, Fernando; VENTURA, Montserrat. A organização do currículo por projetos de trabaho: o conhecimento é um caleidoscópio. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

INDISSOCIABILIDADE ensino-pesquisa-extensão e a flexibilização curricular: uma visão da extensão. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Porto Alegre: UFRGS; Brasília: MEC/Sesu, 2006.

KISNERMAN, Natalio. El taller: Integración de teoría y práctica. Buenos Aires: Humanitas, 1977.

KLEIMAN, Angela. Os estudos de letramento e a formação do professor de língua materna. Linguagem em (Dis)curso, v. 8, p. 519-541, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-76322008000300005

LEITE, Lúcia Helena Alvarez; OLIVEIRA, Maria Elisabete Penido de; MALDONADO, Mércia Diniz. Projetos de Trabalho. In: Cadernos da TV Escola: PCN na escola: diários, projetos de trabalho. Brasília-DF: Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação a Distância, 1998.

LEIS, Héctor Ricardo. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, n. 73, ago. 2005. Disponível em: http://www.cfh.ufsc.br/~dich/TextoCaderno73.pdf. Acesso em: 20 fev. 2013.

LOPES, Antonia Osima. Aula expositiva: superando o tradicional. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Técnicas de ensino: por que não? 23. ed. Campinas: Papirus, 2011.

MOSCOVICI, Serge. Notes towards a description of social representations. European Journal of Social Psychology, v.18, p. 211-250,1988. DOI: https://doi.org/10.1002/ejsp.2420180303

NUNAN, D. Research methods in language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

OLIVEIRA, Maria Bernadete Fernandes. Revisitando a formação de professores de língua materna: teoria, prática e construção de identidades. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 6, n. 1, p. 101-117, jan./abr. 2006.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 11. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. 4. ed. São Paulo. Cortez, 2009.

REICHMANN, Carla L. Tecendo o gênero profissional: o estágio como prática de letramento docente e formação identitária. In: REICHMANN, C. L.; MEDRADO, B. P. (org.). Projetos e práticas na formação de professores de língua inglesa. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012, p.101-124.

REICHMANN, Carla L. Práticas de letramento docente no estágio supervisionado de letras estrangeiras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. Belo Horizonte, p. 954, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-63982012000400013

REYES, Melba Gomez. El Taller en Trabajo Social. In: KISNERMAN, Natalio. El taller: integración de teoría y práctica. Buenos Aires: Humanitas,1977.

ROJO, Roxane Helena. Letramento e capacidade de leitura para a cidadania. In: FREITAS, M. T. A.; COSTA, S. R. (org.). Leitura e Escrita na Formação de Professores. Juiz de Fora: EDUFJF/COMPED/MUSA, 2002.

SACRISTÁN, José Gimeno. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre, Artes Médicas, 1999.

SILVA, Wagner Rodrigues (org.). Letramento do professor em formação inicial: interdisciplinaridade no estágio supervisionado da licenciatura. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. El desarrollo de los procesos psicológicos superiores. Barcelona: Crítica, 1979.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda., 1998.

Published

2024-06-07

How to Cite

Fernandes, L. Z. (2024). Estágio supervisionado na formação docente: possibilidades e limitações na integração ensino, pesquisa e extensão. Caderno Pedagógico, 21(6), e4794 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-066

Issue

Section

Articles