A oratória no júri e o discurso religioso: analogias na linguagem utilizada para o convencimento

Authors

  • Dório Henrique Ferreira Grossi

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-033

Keywords:

Oratória, Tribunal do Júri, Discurso Religioso, Convencimento

Abstract

Muito longe de ser somente um procedimento utilizado pelos operadores do Direito, o tribunal do júri, órgão do poder judiciário que detém a competência para julgar os crimes dolosos contra a vida, está envolvido por uma intensa carga discursiva estruturada, que repercute sobremaneira nas decisões dos jurados e, consequentemente, na própria sociedade. Por outro lado, a linguagem que termina por ser empregada por alguns líderes religiosos, que influencia e acolhe várias pessoas, também depende, sobremodo, de um discurso organizado e técnico para alcançar todo e qualquer ouvinte. Assim, com o propósito de levar a ideia da forma mais inequívoca possível ao receptor da mensagem, exercendo o seu convencimento, os discursos utilizados pelos tribunos no júri, bem como por alguns membros de determinadas religiões são marcados fortemente pela retórica, sem o apego exclusivo à razão. Na estrutura discursiva dos dois universos, em princípio, entram toda e qualquer espécie de argumentos, tais como, jurídicos, sociológicos, emocionais e psicológicos. Desse modo, a intenção que esta comunicação carrega é a de analisar as analogias e as interseções existentes entre a oratória no tribunal do júri e os discursos religiosos. Tal análise, a partir de pesquisa de natureza bibliográfica, dar-se-á mediante a comparação de dispositivos legais e de livros e artigos redigidos por especialistas das áreas das Ciências da Religião, da Teologia, da Sociologia e do Direito. Como resultado geral, a partir de toda a pesquisa, os recortes e as análises, tem-se a existência de uma estrutura discursiva com significativas semelhanças que objetiva persuadir o público receptor da informação.

References

CÂMARA, João Meireles. Técnicas de oratória forense e parlamentar. São Paulo: Acadêmica, 1989.

CAMPOS, Nathally R. M. Nunes; VIERA, Roberta da Costa Vieira. A persuasividade no discurso religioso. Linguagens: Revista de Letras, Artes e Comunicação, v. 8, n. 1, p. 39-54, 2014.

CHALITA, Gabriel. A sedução no discurso: o poder da linguagem nos tribunais de júri. São Paulo: Max Limonad, 1999.

DE PLÁCIDO E SILVA. Vocabulário jurídico. Rio de Janeiro: Forense, 1999.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

LIMA, Carlos de Araújo. Os grandes processos do júri. 6. ed. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 1996. v. I e II.

MACEDO, Edir. A menor distância entre o querer e o realizar. Folha Universal. Ano 19, n. 1006, 17 a 23 jul. 2011, p. 3i. Disponível em: https://www.calameo.

com/read/0007247973bf57d4131dc. Acesso em: 10 ago. 2023.

PEREIRA, Heloisa Cristina Romão; JOHN, Valquiria Michela. A venda da fé pela mídia: análise do discurso religioso apresentado no programa de TV da Igreja Mundial do Poder de Deus. Anagrama, v. 9, n. 2, p. 1-15, 2015.

POLITO, Reinaldo. A influência da emoção do orador no processo de conquista dos ouvintes. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

PREGAÇÃO chocante – Paul Washer. [S. l.: s. n.]. 2015. 1 vídeo (59 min). Publicado pelo canal Defesa do Evangelho Oficial. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KGbi0FbyCTQ. Acesso em: 10 ago. 2023.

VISITA apostólica do Papa Francisco ao Brasil por ocasião da XXVIII Jornada Mundial da Juventude. Palavras improvisadas do Santo Padre depois da santa missa na Basílica do Santuário de Nossa Senhora Aparecida. 24 de julho de 2013. Disponível em: https://www.vatican.va/content/francesco/pt/

speeches/2013/july/documents/papa-francesco_20130724_gmg-balcone-aparecida.pdf. Acesso em: 12 ago.2023.

Published

2024-06-05

How to Cite

Grossi, D. H. F. (2024). A oratória no júri e o discurso religioso: analogias na linguagem utilizada para o convencimento. Caderno Pedagógico, 21(6), e4741. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-033

Issue

Section

Articles