Des-emoção no ensino médio: virtualidade e ideais neoliberais na pandemia

Authors

  • Alfredo César da Veiga

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-031

Keywords:

Des-emoção, Ensino Médio, Neoliberalismo, Conversar

Abstract

Este artigo investiga a des-emoção entre estudantes do Ensino Médio durante o retorno às aulas presenciais em meio à pandemia de COVID-19, focando em uma escola pública do Estado de São Paulo. A análise parte da etimologia da palavra "emoção" e introduz o neologismo des-emoção para descrever o impacto de uma educação sustentada por pilares neoliberais, acentuada pelo colapso econômico e social decorrente da pandemia. Utilizando o conceito de conversar, que Humberto Maturana enxerga como uma ação carregada de um emocionar, o autor-professor conduziu conversas informais com alunos do terceiro ano do Ensino Médio, com o objetivo de perceber as emoções que se faziam presentes no primeiro dia de retomada das aulas presenciais ao final da pandemia do Coronavírus. As interações revelaram um estado de desmotivação e até de certo luto entre os estudantes, que se mostraram indispostos e desanimados com o retorno presencial. Tal fenômeno pode ser atribuído à realidade imposta pelo tempo de isolamento e à pressão do sistema neoliberal, que intensifica a exclusão e a opressão. Um dos fatos observados foi que essa des-emoção não seria outra coisa que o efeito direto de um sistema educacional que, ao priorizar a eficiência e a produtividade, desumaniza, ao destinar estudantes para um mundo tecnocrata, frio e robotizado, sem prepará-lo para a vivência dessa realidade. Como proposta de intervenção, o estudo sugere a criação de um ambiente educacional que incentive e promova o diálogo, onde essas questões sejam abertamente discutidas. Propõe-se, ainda, uma pedagogia que valorize as emoções a fim de despertar a criatividade e valorizar as relações intrapessoais, que incentive a expressão livre e segura dos alunos, proporcionando um espaço onde possam ser ouvidos sem julgamentos. A implementação de práticas educacionais que favoreçam a conexão emocional e o engajamento pode contribuir para a recuperação da emoção na educação, contrabalançando os efeitos desumanizadores do neoliberalismo.

References

AGAMBEN, Giorgio. Reflexões sobre a peste: Ensaios em tempos de pandemia. Boitempo, 2020.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: A busca por segurança no mundo atual. Jorge Zahar.

BEALE, Russell; PETER, Christian. The role of affect and emotion in Human-Computer Interaction: From theory to applications. Springer Verlag, 2008.

BERLANT, Lauren. Cruel Optmism. Duke University Press, 2011.

BINKLEY, Sam. Happiness as enterprise: An essay on neoliberal life. University of New York, 2014.

BONA, Camila; RIBEIRO, Pablo. Sobre a produtividade e a semântica do prefixo des- no português brasileiro atual. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 34, n. 2, p. 611-634, 2018.

BROWN, Wendy. Undoing the demos: Neoliberalism’s stealth revolution. MIT Press, 2016.

BUCCI, Eugênio. A superindústria do imaginário: Como o capital transformou o olhar em trabalho e se apropriou de tudo que é visível. Autêntica, 2021.

COYNE, Richard. Mood and mobility: Navigating the emotional spaces of digital social networks. The MIT Press, 2016.

COULDRY, Nick; MEJÍAS, Ulises. El costo de la conexión: Como los datos colonizan la vida humana y se la aproprian para el capitalismo. Egodot, 2002.

D’AOUST, Anne-Marie. Affective economies, neoliberalism and governmentality. Routlege, 2015.

ELLAKANY, Passent; ZUÑIGA, Roberto Ariel Abeldaño et al. Impact of the COVID-19 pandemic on student' sleep patterns, sexual activity, screen use, and food intake: A global survey. PloS one, v. 17, n. 1, 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra, 2011.

FERREIRA, Paula. Brasil é o segundo país onde alunos passam mais tempo na internet nas horas vagas. O Globo. Disponível em: <https://oglobo.globo.

com/brasil/educacao/brasil-o-segundo-pais-onde-alunos-passam-mais-tempo-na-internet-nas-horas-vagas-21227360>. Acesso em: 03 jan. 2024.

FROYUM, Carissa. Making “good girls”: sexual agency in the sexuality education of low-income black girls. Culture, Health & Sexuality, v. 12, n. 1, p. 59–72, 2010.

GEMIGNANI Marco; HERNÁNDEZ-ALBÚJAR Yolanda. Neoliberal and pandemic subjectivation processes: Clapping and singing as affective (re)actions during the Covid-19 home confinement. Emotion, Space and Society, v. 43, p. 100882-100882, 2022.

GIROUX, Henry. Pedagogías disruptivas y el desafío de la justicia social bajo regímenes neoliberales. Revista Internacional de Educación para la Justicia Social (RIEJS), v. 4, n. 2, p. 13-27, 2015. Disponível em: https://dialnet.

unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5293110 Acesso em: 04 jan. 2024.

SCHÖNGUT Grollmus, N.; PUJOL, Tarrés J. Stories about Methodology: Diffracting Narrative Research Experiences. Forum Qualitative Sozialforschung Forum: Qualitative Social Research, v. 16, n. 2, 2015.

HAN, Byung-Chul. Psychopolitics: Neoliberalism and new technologies of power. Barcelona: Verso, 2017.

HAN, Byung-Chul. Infocracia: Digitalização e a crise da democracia. Petrópolis: Vozes, 2022.

HARVEY, David. A brief history of neoliberalism. New York: Oxford University Press, 2005.

HARVEY, David. Anticapitalismo em tempos de pandemia: Marxismo e ação coletiva. São Paulo: Boitempo, 2020.

HEALEY, Richard; BARISH, Judith. Beyond Neoliberalism: A narrative approach. 2022. Disponível em: https://narrativeinitiative.org/resource/beyond-neoliberalism-a-narrative-approach/ Acesso em: 04 jan. 2024.

HYNES, Mike. The social, cultural and environmental costs of hyper-connectivity: Sleeping through the revolution. Wagon Lane, UK: Emerald Publishing Limited, 2021.

HOCHSCHILD, Arlie Russell. Emotion work, feeling rules, and social structure. In: BRANAMAN, Ann. (Ed.). Self and society. Blackwell Publishing, 2001. p. 138–155. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/2000-05870-005 Acesso em: 04 jan. 2024.

HOCHSCHILD, Arlie Russell. The managed heart: Commercialization of human feeling. Los Angeles, CA: University of California Press, 2012.

ILLOUZ, Eva. Emotions as commodities: Capitalism, consumption and authenticity. New York: Routledge, 2018.

ILLOUZ, Eva. Cold intimacies: The making of emotional capitalism. Cambridge, UK: Polity Press, 2007.

KANAI, Akane; GILL, Rosalind. Affect, neoliberalism, marginalized identities and consumer culture. New Formations, v. 102, p. 10-27, 2021.

MASCARO, Alysson L. Crise e pandemia. São Paulo: Boitempo, 2020.

MATOS, Andityas S. M. C; COLLADO, Francis G. Para além da biopolítica. São Paulo: Sob Influência, 2021.

MATURANA, Humberto. Amar e brincar: Fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Athena, 2015.

MATURANA, Humberto. Conversações matrísticas e patriarcais. 2009. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/6513528/mod_

resource/content/10/Conversa%C3%A7%C3%B5es%20matr%C3%ADsticas%20e%20patriarcais.pdf. Acesso em: 27 nov. 2023.

NASH, Adam. Affect, people, and digital social networks. In: TETTEGAH, Sharon (Org.). Emotions, technology, and social media. London: Elsevier, 2016. p. 23-44.

PINHO, Angela. Menos de metade dos alunos da rede estadual de SP acessa ensino online na quarentena. Folha de São Paulo, São Paulo, Saúde, ano 100, n. 33279, p. B1, 14 maio 2020.

PALHARES, Isabela. Depressão e ansiedade afetam 69% dos alunos da rede estadual de São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, 2 abr. 2022. Cotidiano

POLKINGHORNE, Donald E. Narrative knowing and the Human Sciences. Albany, N.Y: State University of New York Press, 1988.

RIESSMAN, Catherine Kohler. Narrative methods for the Human Sciences. Thousand Oaks, CA: Sage, 2008.

SAFATLE, Vladimir; JUNIOR, Nelson da S.; DUNKER, Christian (Orgs.). Neoliberalismo: Como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

SANTOS, Boaventura Souza. A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Boitempo, 2020.

SANTOS, Alice Pereifa. Origem e desenvolvimento dos prefixos de- e des-. Filologia e Linguística Portuguesa. Revista USP, v. 22, (Número Especial), p. 167-187. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/flp/article/view/165701. Acesso em: 15 jan. 2024.

SCUSSEL, Fernanda; SUAREZ, Maribel C. Luto do consumidor: Entendendo como os consumidores lidam com a perda de experiências extraordinárias. Cad. EBAPE.BR, v. 20, n. 3. Rio de Janeiro, maio/jun. 2022, p. 339-351

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: Consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 16. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SILVA, Maria Cristina Figueiredo; MIOTO, Carlos. Considerações sobre a prefixação. ReVEL, v. 7, n. 12, 2009, p. 1-23

SORIA, Krista; HORGOS, Bonnie; ROBERTS, Brayden. The COVID-19 pandemic and student’s mental health. New Directions for Student Services. v. 2021, n. 176, pp. 37-45. Fev.2022.

TURGEON, Brianna; ROOT, Kaitlyn; RAY, Kasey; TAYLOR, Tiffany. “It’s embarrassing to come here”: Welfare-to-work, emotion rules, and emotional capital. Poverty & Public Policy, n. 14, p. 8-24, 2002.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 226–237, maio/ago. 2006.

ZIZEK, Slavoj. Pandemia: Covid-19 e a reinvenção do Comunismo. São Paulo: Boitempo, 2020.

ZUÑIGA, Claudia C, et al. The impact of the COVID-19 pandemic on student’s feelings at high school, undergraduate, and postgraduate levels. Heliyon, v. 7, n. 2021, p. 1-11, 2021.

Published

2024-06-05

How to Cite

Veiga, A. C. da. (2024). Des-emoção no ensino médio: virtualidade e ideais neoliberais na pandemia. Caderno Pedagógico, 21(6), e4740. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-031

Issue

Section

Articles