Indicadores de resiliência institucional em situações de emergência: o caso de Jaboatão dos Guararapes – PE

Authors

  • Roberto Quental Coutinho
  • Rejane Lucena
  • Hugo Manoel Henrique
  • Danisete Pereira de Souza Neto

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-088

Keywords:

Gestão em Situação de Emergência, Resiliência Institucional, Deslizamentos, Planejamento Urbano

Abstract

Com o crescente aumento das emergências climáticas em áreas urbanas, torna-se fundamental investigar como as cidades estão organizando suas ferramentas para fortalecer a atuação institucional e monitorar ações de mitigação, preparação e resposta às emergências. Esse esforço inclui a participação das comunidades e a promoção de mudanças comportamentais visando à construção da resiliência aos desastres. Este estudo integra as pesquisas desenvolvidas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) através do Grupo de Engenharia Geotécnica de Encostas, Planícies e Desastres (GEGEP) e é parte da tese de doutorado sobre governança de riscos de desastres em Jaboatão dos Guararapes – PE (Lucena, 2019). No artigo, apresentamos indicadores criados para auxiliar na avaliação das capacidades de gestão integrada de emergências. Realizou-se uma análise do grau de resiliência institucional da gestão municipal de Jaboatão dos Guararapes, bem como sua eficácia no desenvolvimento de ações durante o desastre ocorrido entre maio e junho de 2022. Os resultados mostram que a gestão municipal apresentou um grau de resiliência médio, revelando a necessidade de implementar sistemas de alerta e alarme nas comunidades e outras ferramentas essenciais para aprimorar a resposta aos desastres. Adicionalmente, foram identificadas lacunas na formação contínua dos agentes de defesa civil e na integração das políticas de planejamento urbano com as estratégias de redução de risco. Para um avanço substancial na governança de riscos, é fundamental um investimento contínuo em tecnologia e capacitação. Além disso, destaca-se a importância de desenvolver programas educativos para conscientizar a população sobre a prevenção e resposta a desastres. A colaboração entre diferentes níveis de governo e a sociedade civil é essencial para a construção de uma resiliência efetiva e sustentável.

References

BECK, U. Sociedade de risco. Rumo a uma outra modernidade. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

BRASIL. Lei n. 12.608, de 10 de abril (2012). Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil – PNPDEC. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1, edição nº 70, 2012.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Regional (2022). Sistema Integrado de Informações sobre Desastres – S2ID. Brasília, 2022. Disponível em https://s2id.mi.gov.br/paginas/registros/registro.xhtml?id=TVRJeU1qZ3c

BURTON, I.; KATES, R. W.; WHITE, G. F. The environment as hazards. 2. ed. New York: The Guilford Press, 1993

COUTINHO, R. Q; SILVA, M. M. Apostila de Estabilidade de Taludes. Desenvolvimento de material didático ou instrucional. Recife – Depto de Eng. Civil – UFPE, 2006.

COUTINHO, R. Q. Relatório Final do Mapeamento de Suscetibilidade a Movimento de Massa nos municípios de Jaboatão dos Guararapes, Abreu e Lima, Camaragibe e Cabo de Santo Agostinho: meta 3. BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria de Programas Urbanos. Brasília, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População em áreas de risco no Brasil. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

LEAL FILHO, W. et al. Assessing the impacts of climate change in cities and their adaptive capacity: Towards transformative approaches to climate change adaptation and poverty reduction in urban areas in a set of developing countries. Sci Total Environ, v. 692, p. 1175–1190, 2019.

MARCHEZINI, V. (). Pesquisa transdisciplinar como suporte ao planejamento de ações de gestão de risco de desastres. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 44, n. especial 2, p. 33-47, 2020.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório de desenvolvimento humano: Sustentar o progresso humano: reduzir as vulnerabilidades e reforçar a resiliência. Portugal: PNUD, 2014.

PMJG. Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes. Gabinete Integrado de Emergências. Boletim, 2022.

SUASSUNA, C. C. de A. Cidade resiliente: sistema de indicadores dos aspectos institucionais. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação, Desenvolvimento Urbano, 2014.

UNISDR. United Nations International Strategy for Disaster Reduction. Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015-2030. UN world conference on disaster risk reduction, 2015.March 14–18, Sendai, Japan. Geneva: United Nations Office for Disaster Risk Reduction; 2015.

UNISDR. Report of the open-ended intergovernmental expert working group on indicators and terminology relating to disaster risk reduction. Escritório Internacional das Nações Unidas para a Redução de Risco de Desastres, 2016.

VALENCIO, N. F. L da S. Para além do “dia do desastre” – o caso brasileiro. Curitiba: Appris, 2012.

Published

2024-06-11

How to Cite

Coutinho, R. Q., Lucena, R., Henrique, H. M., & Souza Neto, D. P. de. (2024). Indicadores de resiliência institucional em situações de emergência: o caso de Jaboatão dos Guararapes – PE. Caderno Pedagógico, 21(6), e4723 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-088

Issue

Section

Articles