A educação escolar em escolas do campo e em escolas indígenas: desafios e possibilidades na visão de egressos de um curso de licenciatura em ciências Biológicas de uma Universidade Federal da região norte do Brasil

Authors

  • Reginaldo dos Santos
  • André Carlos da Silva Costa
  • Francisco Alex Oliveira Figueredo
  • Hércules Oliveira da Silva
  • João Gabriel Silva Silva
  • Ryan Araújo de Sousa

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-023

Keywords:

Educação Escolar, Formação Inicial Docente, Educação Escolar Indígena, Escola em Reserva Extrativista

Abstract

Conforme está posto pela Constituição Federal, Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica e Base Nacional Comum Curricular, a educação/ escolar é um direito que o Estado deve garantir a todas as pessoas. Então, para que essa educação seja ofertada para todos com o mesmo padrão de qualidade e eficiência, o ensino escolar pode ser organizado em diferentes modalidades, conforme o público-alvo a ser atendido. Entre essas modalidades tem-se então a Educação Escolar Indígena, a Educação Escolar Quilombola e a Educação do Campo que envolve as escolas das comunidades ribeirinhas, das comunidades extrativistas, dos assentamentos dos projetos de reforma agrária entre outras. Por diferentes razões, a oferta da educação escolar nessas escolas se mostra, quase sempre, como um importante desafio, tanto para as secretarias de educação, como para os cursos de formação de professores. Frente ao exposto, este artigo trata sobre uma pesquisa de abordagem qualitativa desenvolvida no ano de 2024 com o objetivo de conhecer e analisar desafios e possibilidades didático-pedagógicas das escolas indígenas e de educação do campo, na visão de quatro professores de Ciências em início de carreira no magistério, atuando nessas escolas. Como técnica e instrumento de coleta de dados, a pesquisa realizou entrevista gravada em áudio seguindo roteiro semiestruturado. Após transcritas, o conteúdo dessas entrevistas foi analisado pela técnica de análise de conteúdo e os resultados revelam que nessas escolas há fragilidade de infraestrutura e recursos didáticos para a efetivação de um ensino escolar eficiente. Além disso, os resultados revelam que um importante elemento obstaculizador para o ensino-aprendizagem nessas escolas é o fato de, por diferentes razões, haver alunos que ascenderem aos últimos anos do Ensino Fundamental sem o domínio satisfatório da leitura e da escrita. Então, esses resultados sinalizam para dois pontos: 1. A necessidade de políticas públicas adequadas e eficientes para essas escolas; e 2. Adequação dos Projetos Pedagógicos de Curso, dos cursos de licenciatura que formam professores para trabalharem nessas escolas.

References

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da União], Brasília, DF, 16 de jul. 1990. Seção I – p. 13.563. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em 10 mar. 2024.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da União], Brasília, DF, 23 de dez. 1996. Seção I – p. 27.833. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/

ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 10 mar. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológico. Conselho Nacional de Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017-2018.

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em Ciências Humanas. Tradução Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LIBÂNEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

OLIVEIRA, Marta Kohl. Vygotsky – aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione, 2000.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Tradução de João Batista Kreuch. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Tradução de Francisco Pereira. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

Published

2024-06-03

How to Cite

Santos, R. dos, Costa, A. C. da S., Figueredo, F. A. O., Silva, H. O. da, Silva, J. G. S., & Sousa, R. A. de. (2024). A educação escolar em escolas do campo e em escolas indígenas: desafios e possibilidades na visão de egressos de um curso de licenciatura em ciências Biológicas de uma Universidade Federal da região norte do Brasil. Caderno Pedagógico, 21(6), e4688. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-023

Issue

Section

Articles