O plano de ensino como alicerce para práticas interdisciplinares em Educação Ambiental

Authors

  • Marilda de Souza
  • Rivail Vanin de Andrade

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-015

Keywords:

Planejamento, Interdisciplinaridade, Educação Ambiental, Pensamento Crítico

Abstract

O planejamento educacional é um elemento fundamental para os professores, exigindo constante atualização diante das transformações na área da educação. Esse artigo destaca que o processo não se limita apenas à organização de conteúdos, mas também envolve uma profunda reflexão sobre as práticas pedagógicas, a alocação de recursos disponíveis e os objetivos educacionais a serem alcançados. É essencial que os educadores adotem uma postura crítica em relação ao planejamento, compreendendo-o como uma oportunidade para promover uma educação de qualidade, ao invés de encará-lo como uma simples obrigação burocrática. No contexto da Educação Ambiental, a formação de indivíduos críticos e engajados com o meio ambiente desempenha um papel crucial. A interdisciplinaridade emerge como um princípio essencial para a construção da cidadania ambiental, permitindo uma abordagem holística e integrada das questões socioambientais. Nesse sentido, os professores desempenham um papel fundamental na concepção de planejamentos educacionais que promovam a conexão entre teoria e prática, oferecendo experiências significativas aos alunos no contexto das questões ambientais. Além disso, é necessário destacar a importância de uma abordagem pedagógica centrada na aprendizagem ativa e exploratória. Os educadores devem buscar estratégias que estimulem a participação ativa dos alunos, incentivando-os a explorar, questionar e construir conhecimento de forma colaborativa. Dessa forma, os planejamentos de aula se tornam mais eficazes, proporcionando experiências de aprendizagem enriquecedoras e significativas. Por fim, é crucial ressaltar o papel da conscientização ambiental na formação de cidadãos responsáveis e comprometidos com a sustentabilidade. Por meio de uma abordagem interdisciplinar e colaborativa, a Educação Ambiental pode desempenhar um papel fundamental na promoção da consciência crítica e na capacitação dos indivíduos para a ação em prol de um futuro mais sustentável.

References

ALIAS, S. N.; IBRAHIM, F. The Use of Bloom’s Taxonomy to Inform Students’ Cognitive Levels. International Journal of Multicultural and Multireligious Understanding, v. 3, n. 3, p. 1-5, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18415/ijmmu.v3i3.48. DOI: https://doi.org/10.18415/ijmmu.v3i3.48

ALMEIDA & PRADO, MAIA E. B. B. Integração Tecnológica, Linguagem e Representação. Disponível em: <http://www.tvbrasil.com.br/ salto. Acesso em: 19 abr. 2011.

ALVES, P.; SANTOS, M. M. C. DOS; ALMEIDA, R. M. Educação ambiental, um estudo comparativo em duas escolas do município de Santarém, Pará, Brasil. Educação Ambiental em Ação. n. 72, 2020. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2023.

ANDERSON, L. W. et al. A Taxonomy for Learning, Teaching, and Assessing: A Revision of Bloom's Taxonomy of Educational Objectives. Londres: Person, 2013.

AZEVEDO, Maria Cristina P. Stella de. Ensino por Investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. Organização: Ana Maria Pessoa de Carvalho. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

BAFFI, M. A. T. O planejamento em educação: revisando conceitos para mudar concepções práticas. In.: Bello, J.L.P. Petrópolis: Pedagogia em Foco, 2002

BERGMANN, Jonathan. Aprendizagem invertida para resolver o problema do dever de casa. Tradução: Henrique de Oliveira Guerra. Revisão Técnica: Marcelo Gabriel. Porto Alegre: Penso, 2018

BOAVIDA, Ana Maria; PONTE, João Pedro. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In GTI (org). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002. p. 43-55.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: Almedina, 2011

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2013. 281p

BARRA, V. M. M. Exploração de necessidades socioeducativas e análise de modelos de programas formativos de educação ambiental com caráter experimental. 2000 DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.450

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Resolução nº 2 estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Ambiental. DOU. 18.06.2012. Disponível em: <http://conferenciainfanto.mec.gov.br/images/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em 21 de jan. de 2023.

BRASIL. Agenda 21 Global. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, Rio 92. Rio de Janeiro, RJ. 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 de janeiro 2023.

BRASIL. Constituição Federal de 1891. Rio de Janeiro: Senado Federal, 1891.Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm>. Acesso em 10 de jan. de 2023.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em 10 de jan. de 2023.

BRASIL. Decreto nº 5.622 de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário oficial da união. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm>. Acesso em 17 de dez. de 2022.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.530 de 2 de janeiro de 1946. Decreta a Lei Orgânica do Ensino Normal. Disponível em; <http://www2.camara.gov.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-norma-pe.html>. Acesso em 10 de jan. de 2023.

BRASIL. Lei 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário oficial da união. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2001. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em 20 jan. de 2023.

BROOKHART, S. (2013). How to create and use rubrics for formative assessment and grading. ASCD. DOI: https://doi.org/10.4135/9781452218649.n15

BRÜGGER, Paula. (1994) Educação ou Adestramento Ambiental? Ilha de Santa Catarina, SC: Letras Contemporâneas.

CAPES. Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – ARFOR. Consulta em 25/09/2013. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/educacao-basica/parfor>. Acesso em 21 janeiro 2023.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: Philippe Pomier Layrargues, Identidades da Educação Ambiental brasileira, Brasília, p. 13-24. 2004

CARVALHO, L. M. de; TOMAZELLO, M. G. C.; OLIVEIRA, H. T. de. Pesquisa em educação ambiental: panorama da produção brasileira e alguns de seus dilemas. Caderno Cedes, Campinas, vol. 29, n. 77, jan./abr. 2009, p. 13-2713. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2023 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622009000100002

CAPRA, Fritjof. As Conexões Ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix. 2002.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Critérios Estruturantes para o Ensino de Ciências Exatas. In: Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. Organização: Ana Maria Pessoa de Carvalho. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

CARVALHO, Maria do Rosário de Fátima. F. As representações sociais na mediação do processo de ensino-aprendizagem. In: CARVALHO, Maria do Rosário de Fátima; PASSEGGI, Maria da Conceição; DOMINGOS SOBRINHO, Moisés (org.). Representações sociais: teoria e pesquisa. Mossoró: Fundação Guimarães Duque, Fundação Vingt-um Rosado, 2003.

CASTRO, M. L. de. Educação Ambiental como Instrumento de Participação. In: PHILIPPI Jr., A.; PELICIONI, M. C. F. Educação ambiental e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, p. 401- 411, 2005

COELHO, W. D. N. B., & Dias, S. B. (2020). Relações raciais na escola: entre legislações e coordenações pedagógicas. Revista ABPN, 12, 46-67. DOI: https://doi.org/10.31418/2177-2770.2020.v12.n.32.p46-67

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Relationships of knowledge and practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, v 24, p. 249-306, 1999a. DOI: https://doi.org/10.2307/1167272

COCHRAN-SMITH, M; FRIES, K. Paradigms and politics: researching teacher education in changing times. In COCHRAN-SMITH, Marilyn; ZEICHNER, Kenneth. (Ed.). Studying teacher education: The report of the AERA Panel on Research and Teacher Education. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum. 2005. p. 69- 110

COHEN, E. G.; LOTAN, R. A. Planejando o trabalho em grupo: estratégias para salas de aula heterogêneas. Instituto Sidarta, 2017.

CONKLIN, J. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Blooms’s taxonomy of educational objectives. Educational Horizons, v. 83, n. 3, p. 153-159, 2005

DIAS, G. F. Atividades interdisciplinares de educação ambiental: práticas inovadoras de educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Gaia, 2006.

DIAS, M. S.; SOUZA, N. M. M. A atividade de formação do professor na licenciatura e na docência. In: MOURA, M. O. de. (org.). Educação escolar e pesquisa na teoria histórico cultural. São Paulo: Loyola, 2017.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

DEBESSE, Maurice; Mialaret Gaston (Ed) La Formación de los Ensenãntes. Barcelona: Oikos - Tau, 1982

EVANGELISTA, I. A. S. Planejamento educacional: concepções e fundamentos. Perspectiva Amazônica - Santarém - PA. Ano I. Vol. 2 p. 54-67 ago. 2011.

FAGGIONATO, S. Percepção ambiental. Materiais e Textos, n. 4, 2005. Disponível em: http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/m_a_txt4.html. Acesso em: 11 set. 2023.

FERNANDES, Ionglia Fontana Sampaio, revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 2019.

FERRY. Gilles. Le Trajet de la Formation: les enseignants entre la théorie et la pratique. paris: dunod 1991

FREIRE, M. et al. Avaliação e planejamento: A prática educativa em questão Instrumentos metodológicos II. São Paulo: Espaço Aberto, 1997

FILHO, E. B.; SILVA, A. O. D.; FAVARETTO, D. V. Um jogo de tabuleiro utilizando tópicos contextualizados em Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 42, p. 1-9, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2019-0356

FIGUEIREDO, R. X.; DA SILVA JÚNIOR, M. F. Matemática: contextualização, limites socioculturais e ambientais de sua aplicação no cotidiano discente. Educação: Teoria e Prática, v. 24, n. 46, p. 76-96, 2014 DOI: https://doi.org/10.18675/1981-8106.vol24.n46.p76-96

FLICK, Maria Estér Pereira. educação ambiental e a formação de professores. 2018

FOCHI, Paulo. (2015). Planejar para tornar visível a intenção educativa. Revista Pátio Educação Infantil. 45.

FONSECA, V. Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FUSARI, J. C. O planejamento do trabalho pedagógico: algumas indagações e tentativas de respostas. Série Ideias, v. 8, p. 44-53, 1990.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra e cultura de Sustentabilidade. revista lusófona de educação, 2005

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. 6º edição. Editora Fundação Peirópolis Ltda. 2009.

GARCIA, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: Os professores e a sua Formação. publicações Don Quixote. Lisboa, 1992

GARET, M., Porter, A., Desimone, L., Birman, B., Yoon, K. (2001). What makes professional development effective? Results from a national sample of teachers. American Educational Research Journal, Vol. 38, No. 4, pp. 915–945. DOI: https://doi.org/10.3102/00028312038004915

GASQUE, K. C. G. D. O papel da experiência na aprendizagem: perspectivas na busca e no uso da informação. Transinformação, campinas 2008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-37862008000200003

GATTI, B. A. BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios.

Brasília: UNESCO 2009.

Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682por.pdf

Acesso em 25 jan 2023.

GATTI, Bernardete A.; NUNES, Marina Muniz R (orgs.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC/DPE, 2009. Consulta em 14 jan 2023.

Disponível no site: <http://www.fcc.org.br/biblioteca/publicacoes/textos_fcc/arquivos/1463/arquivoAnexa do.pdf >

GATTI, Bernardete Angelina, BARRETTO, Elba Siqueira de Sá e ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. 265 p.

GIL, Antônio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2005. Didática do Ensino Superior. São Paulo: Atlas, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOMES, R. W. Por uma educação ambiental crítica/emancipatória: Dialogando com alunos de uma escola privada no Município de Rio Grande/RS. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM. v. 36, n. 3, p. 430–440, 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2023. DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X13171

GIROUX, Henry A. Os Professores como Intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997

GIROUX, H. Atos impuros. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

GRUN, Mauro; TAMANINI, Elisabete, SIQUEIRA; Valdemar; PEIXER; Zilma I Educação Ambiental e Educação popular nas interfaces com o Biorregionalismo: proposições teórico metodológicas para o contexto da Serra Catarinense. revista Educação e realidade, 2008

GRÜN, M. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. São Paulo: Papirus, 1996

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HAYDT, R. C. C. Curso de didática geral. 7ª ed. São Paulo: Ática, 2006.

JACOBIÉ, Pedro Roberto. Políticas Sociais e Ampliação da Cidadania (2000), Cidade e Meio Ambiente: percepções e práticas em São Paulo (1999), coautor de Citizens at risk (2001) e coeditor da revista Ambiente e Sociedade.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. São Paulo: Cortez, 2003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742003000100008

JILK, Lisa. Supporting teacher noticing of students’ mathematical strengths. Mathematics Teacher Education. Vol. 4, No. 2, 2016. DOI: https://doi.org/10.5951/mathteaceduc.4.2.0188

JOHNSON, D.W.; JOHNSON, R.T.; HOLUBEC, E.J. El aprendizaje cooperative en el aula. Quilmes (Argentina): Paidós SAICF, 1999

KAYE, A. learning Together Apart. In COLLABORATIVE learning Through Computer Conferencing,1991, aput LOPES; SILVA, 2009 DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-642-77684-7

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Editora Papirus. 2012.

KANE, Thomas; GREENBERG, Mirian. Best Foot Forward: a toolkit for fast-forwarding classroom observations using video. Boston: Center for Education Policy Research at Harvard University, 2015.

KINDEL, EAI A educação ambiental: vários olhares e várias práticas. Mediação, Porto Alegre.

LARCHERT, J. M. O planejamento pedagógico e a organização do trabalho docente. Didática e tecnologias I. 1. ed. Ilhéus: Editus, 2010. v. I. p. 57-80.

LACERDA, A. C. R. (2017). Efeitos da Capacidade de Absorção do Conhecimento Individual no Domínio de Aprendizagem com Base na Taxonomia de Bloom. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie.

LEITE, J. K. da S.; GONÇALVES BRITO DE ARRUDA, S.; ALVES, L.; CAMPOS, L. A. de À. Envolvimento Sustentável: O UFPE na Praça incentivando a Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), [S. l.], v. 10, n. 1, p. 301–315, 2015. DOI: 10.34024/revbio. 2015.v10.2010. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea/article/view/2010. Acesso em: 20 fev. 2023. DOI: https://doi.org/10.34024/revbea.2015.v10.2010

LEFF, Enrique. Tiempo de sustentabilidad. Ambiente & Sociedad. Campinas, 2000 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2000000100001

LEFF. E. Saber Ambiental. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 2018.

LEFF, H. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015. LOUREIRO C, F, B.; LAYRARGUES P. P. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1981

LIMA, G.F da. Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente & Sociedade, 2018; 5(2):135-153. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X1999000200010

LIMA, Jorge Ávila. Culturas colaborativas nas escolas: Estruturas, Processos e Conteúdos. Porto Editora, 2002.

LIMA, G. F. da C. Formação e dinâmica do campo da educação ambiental no Brasil: emergência, identidades, desafios. 2005. 207f. Tese (Doutorado em Ciências sociais) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUZANO, Paula; MORICONI, Gabriela Miranda. Visión de la docência y características de los sistemas de formacion docente em Finlandia, Singapur y Estados Unidos. Cadernos Cenpec, São Paulo dez 2014 DOI: https://doi.org/10.18676/2237-998322014287

LUCIO, Pilar; COLLADO, C. F.; SAMPIERI, R. H. Fundamentos de metodologia de la investigación. México: McGraw, 2007.

LUCKESI C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. São Paulo – Cortez 2003

LUCKESI, Cipriano Carlos. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem?2000. Disponível em:http://fisica.uems.br/profsergiochoitiyamazaki/2008/texto3%20pratica2_not_2008. doc. Acesso em 03 setembro de 2023.

MACHADO, Júlia Teixeira. Educação Ambiental: um estudo sobre a ambientalização do cotidiano escolar. 2014. 244f. Tese (Doutorado) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Centro de Energia Nuclear na Agricultura. Piracicaba - São Paulo.

MALHOTRA, Naresh K. et al. Introdução a pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2005.

MÁRQUEZ, Valdés, AM, Santamaría Cuesta, DL, Suarez Pedroso, M.” Estratégia pedagógica para a formação inicial de pesquisa de professores fonoaudiólogos” pp. 369-384 Disponível em: https://mendive. upr.edu.cu/ index.php/MendiveUPR/article/view/2633

MARSH, J. A., KERR, K. A., IKEMOTO, G. S., DARILEK, H., SUTTORP, M., ZIMMER, R. W. e BARNEY, H. The role of districts in fostering instructional improvement: Lessons from three urban districts partnered with the Institute for Learning (RAND Corporation Monograph No. 361). Santa Monica, California: RAND Corporation, 2005. DOI: https://doi.org/10.7249/MG361

MARX, Karl, ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009. 128p.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I, v 2. 26ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I, v I. 23ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. Boitempo, 2008. 126p.

MÉSZÁROS, I. O poder da ideologia. Boitempo, 2012.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo, Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS. István. A educação para além do capital. 2 eds. São Paulo: Boitempo, 2008.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2012.

MININI, N. A formação dos professores em Educação Ambiental. In: Textos sobre capacitação em Educação Ambiental. Oficina Panorama da Educação Ambiental, MEC-SEF-DPEF- Coordenação de Educação Ambiental, Brasília 2000

MOLINA, M.C. Contribuições das licenciaturas em educação do campo para as políticas de formação de educadores Campinas, v. 38, nº. 140, p.587-609, jul.-set., 2017 das Licenciaturas em Educação do Campo. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017181170

MONTGOMERY, W. Criando uma sala de aula culturalmente responsiva e inclusiva. Ensinando crianças excepcionais. Vol 33, 2001

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

MORIN, Edgar; ALMEIDA, Maria da Conceição de; CARVALHO, Edgard de Assis (orgs.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 4. ed. –São Paulo: Cortez: 2007.

MOSS, Connie M; BROOKHART, Susan M. Learning Targets: Helping students aim for understanding in today’s lesson. Alexandria, VA: ASCD, 2012.

MUNHOZ, Déborah. Alfabetização ecológica de indivíduos às empresas do século XXI. In: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE; DIRETORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

NEPOMUCENO, A. L. DE O.; MODESTO, M. A.; FONSECA, M. R.; SANTOS, H. C. dos A. O não lugar da formação ambiental na educação básica: reflexões à luz da

BNCC e da BNC formação. Educação em Revista [online], v. 37, p. 1-14, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-469826552. Acesso em 20 fev. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-469826552

NIETO-CARAVEO, L. M. Modalidades de Educación Ambiental: diversidad e desafíos. IN: Santos, José; Sato, Michele (orgs.). A contribuição da Educação Ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: Rima, 2001.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p.14-33.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 6 ed. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 2014.

OLIVEIRA, D. A. Os trabalhadores da educação e a construção política da profissão docente no Brasil. Educar em Revista, Curitiba Pr, Brasil Editora UFPR 2010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602010000400002

PÁDUA, S M. TABANEZ, M F (org.) Educação Ambiental: Caminhos trilhados no Brasil, Brasília: FNMA/IPÊ, 1997

PADILHA, R.P. Planejamento dialógico, 2001.

PAIVA, M.R.F; PARENTE J.R.F; BRANDÃO I.R.; QUEIROZ A.H.B Metodologias ativas Ensino e aprendizagem: Revisão integrativa active teaching-learning methodologies.

PAYNE, E. T. Implementing walkthroughs: one school’s journey. Tese de Doutoramento. Virginia State University, 2010.

PONTE, João Pedro; QUARESMA, Marisa; BAPTISTA, Mónica; MATA-PEREIRA, Joana. Os estudos de aula como processo colaborativo e reflexivo de desenvolvimento profissional. In: SOUSA, Josimar de; CEVALLOS, Ivete (ed.). A formação, os saberes e os desafios do professor que ensina matemática. Curitiba: Editora CRV, 2014. p. 61-82

PENUEL, W. R.; GALLAGHER, L. P.; MOORTHY, S. Preparing Teachers to Design Sequences of Instruction in Earth Systems Science: A Comparison of Three Professional Development Programs. American Educational Research Association. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.3102/0002831211410864

PEREIRA, Alexandre Macedo. A Educação Ambiental Empresarial na Amazônia Paraense: Estudo de Caso do Projeto Sossego (Vale S/A) e a Vila Bom Jesus no Município de Canaã dos Carajás-PA, Belém 2011.

PIAGET, J. Psicologia da inteligência. Brasil: Fundo de Cultura, 1967.

PILETTI, C. Didática Geral. 23ª ed. São Paulo: Ática, 2004.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: Identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S.G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999. Estágio e docência (Livro eletrônico). São Paulo: Cortez, 2000. ISBN 978-85-249-2645-7. Acesso: 02 jun. 2018.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores – unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez, 1994

PINSKY, C. História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2003

PISTRAK, M.M. Fundamentos da Escola do Trabalho. 3ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo: editora Brasili-ense, 1994.

REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação Social. São Paulo: Cor-tez, 2002.

REA, Louis; PARKER, Richard. Metodologia de pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, 2000

REIS, Márcia Lopes; BIZELLI, José Luís (Orgs). Prometeu revisitado: gestão e tecnologias educacionais. 1ª Ed: Gradus Editora, 2020. Bauru, São Paulo.

REIS, P. Observação de aulas e avaliação do desempenho docente. Lisboa: Ministério da Educação/Conselho Científico para a Avaliação de Professores, 2011.

RITCHHART, R. Creating cultures of thinking: the 8 forces we must maser in transform our schools. São Francisco: Jossey-Bass, 2015.

RUSSELL, Michael K.; AIRASIAN, Peter W. Avaliação em sala de aula: conceitos e aplicações. Trad. Marcelo de Abreu Almeida. Porto Alegre: AMGH Editora, 2014, 7 ed.

RUDNICKI, Dani; CARLOS, Paula Pinhal; MÜLLER, Felipe. O uso da entrevista na pesquisa jurídica brasileira. Revista Brasileira de Sociologia do Direito, Niterói, v. 8, n. 2, maio/ago. 2021. Disponível em: https://revista.abrasd.com.br/index.php/rbsd/article/view/525. Acesso em:08 out. 2023 DOI: https://doi.org/10.21910/rbsd.v8i2.525

SACRISTÁN, J. G. O que significa currículo? In SACRISTAN, J. G. (org.) Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013

SANTOS, V. G. C. (2017). Efeitos da Capacidade de Absorção na Orientação Acadêmica Mediado pelo Domínio de Aprendizagem, de Acordo com a Taxonomia de Bloom. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie.

SAMPIERI, Roberto Hernandez; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maríadel Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SARAMAGO, José, Novo capitalismo. In cadernos de Saramago 2008. disponível em: http:// caderno.josesaramago.org. Disponível em 20 fev de 2023.

SZYMANSKI, Heloisa (org.). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. 3. ed. Brasília: Liber Livro, 2010

WEBB, Norman L. Guia Web da complexidade do conhecimento

SAVIANI, Demerval. Formação de professores no brasil: dilemas e perspectivas. Poísis Pedagógica. v.9, n.1, p.07-19, 2011. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v9i1.15667

SATO, Michele. Formação em Educação Ambiental – da escola à comunidade. In: Panorama da Educação Ambiental no Ensino Fundamental, Brasília, 2001. p. 7-15.

SAYÃO, Marcelo Nunes; MUNIZ, Neyse Luz. O planejamento da Educação Física escolar: um possível caminho para a formação de um novo homem. Pensar na prática. Revista da pós-graduação em Educação Física/ Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Educação Física, Goiânia, vol. 7, nº 2, p.187-203, 2004.

SAUVÉ, Lucie. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa. v. 31, n. 2, p. 317-322, maio/ago. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000200012

SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia. Edição Comemorativa. Campinas: Autores Associados, 2008.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007. DOI: https://doi.org/10.36311/2007.978-85-249-1311-2

SILVA, M. L. A educação ambiental no ensino superior brasileiro: do panorama nacional às concepções de alunos (as) de pedagogia na Amazônia. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambiental, v. especial, p. 18-33, mar. 2013.ISSN 1517-1256. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3438. Acessado em: 13. jan. 2023.

SILVA, Lorrane Stéfane; OLIVEIRA, Guilherme Saramago, SALGE, Eliana Helena Corrêa Neves. Entrevista na pesquisa em educação de abordagem qualitativa: algumas considerações teóricas e práticas. Revista Prisma, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 110-122, 2021. Disponível em:

https://revistaprisma.emnuvens.com.br/prisma/article/view/46. Acesso em:05 out. 2023

SILVA, Edileuza Fernandes. O planejamento no contexto escolar: pela qualificação do trabalho docente e discente. In: VILLAS BOAS, Benigna (Org.). Avaliação: interações com o trabalho pedagógico. Campinas: Papirus, 2017. p. 25-38.

SILVA, AA; BERTOLETTI, V. Formação de professores para a Educação Ambiental crítica: reflexões a partir da práxis docente. Revista Eletrônica de Educação em Ciências, v. 11, n. 2, pág. 29-42, 2016.

SLAVIN, R. Research on cooperative learning and achievement: What we know, what we need to know. Center for Research on the Education student placed at risk johns Hopkins University, 1995, apud Lopes; Siva, 2009, p.5

SNOW-RENNER, R., Lauer, P. (2005). Professional Development Analysis. McREL Insights. Denver, CO: Mid-Continent Research for Education and Learning (McREL).

SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia; FERRARO-JUNIOR, Luis Antonio. Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa. v. 31, n. 2, p. 285 - 299, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022005000200010

SORRENTINO, 2012 Educação Ambiental e teoria da complexidade. In J Dourado, F Belizário. reflexão e práticas ambientais: discutindo o consumo e a geração de resíduos. Oficina de textos, SP.

TALIZINA, N. F. La teoría de la actividad aplicada a la enseñanza. México: Benemérita Universidad Autónoma de Puebla, 2009.

VACCAS, Amanda Arajs Marques, A significação de um planejamento de ensino em uma formação de professores. Universidade de São Paulo, 2012

VASCONCELLOS, Celso dos S. Metodologia Dialética em Sala de Aula. In: Revista de Educação AEC. Brasília: abril de 1999

VEERAVAGU, J. et al. Using Bloom's Taxonomy to Gauge Students' Reading Comprehension Performance. Canadian Social Science, v. 6, n. 3, p. 205-212, 2010

VIANA, D. M.; CARVALHO, A. M. P. Formação permanente: a necessidade da interação entre a ciência dos cientistas e a ciência da sala de aula. Ciência & Educação, Bauru, v. 6, n. 1, p. 31-42, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132000000100004

VIANNA, Heraldo M. Pesquisa em Educação: observação. Brasília: Plano editora, 2003

VIANNA, Heraldo Marelim. Pesquisa em Educação: a observação. Brasília: Líber Livro Editora, 2007.

VIEIRA, S. R.; MORAIS, J. L. DE; CAMPOS, M. A. T. Indicadores para avaliação das políticas públicas de Educação Ambiental nas escolas: uma análise à luz do ciclo de políticas e da teoria da atuação. Educar em Revista [online], v. 37, p. 1-20, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-4060.78220. Acesso em 22 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.78220

WIGGINS, Grant; McTIGHE, Jay. Planejamento para a compreensão: alinhando currículo, avaliação e ensino por meio do planejamento reverso. Tradução: Sandra Maria Mallmann Da Rosa. Revisão Técnica: Bárbara Born e Andrea Boccia Porto Alegre: Penso, 2019

WIGGINS, Grant; McTighe, Jay. The Understanding by Design Guide to creating high-quality units. Alexandria, VA: ASCD, 2011.

WIGGINS, Grant; McTighe, Jay. The Understanding by Design Guide to advanced concepts in creating and Reviewing Units. Alexandria, VA: ASCD, 2012.

ZEICHNER, K. M. The promise and pitfalls of reflective teacher education. In: III Congresso Nacional de Investigação Educativa. Cidade do México: Universidade Pedagógica Nacional, Anais. 1995.

Published

2024-06-03

How to Cite

Souza, M. de, & Andrade, R. V. de. (2024). O plano de ensino como alicerce para práticas interdisciplinares em Educação Ambiental. Caderno Pedagógico, 21(6), e4678. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-015

Issue

Section

Articles