A relevância da afetividade na interrelação professor-aluno no processo de aprendizagem

Authors

  • José Leonardo Diniz de Melo Santos
  • Hugo Monteiro Ferreira
  • Maxuel Carlos de Melo
  • Maurício Aires Vieira
  • Jocilaine Moreira Batista do Vale
  • Katiana Oliveira dos Santos
  • Maria de Lourdes do Nascimento
  • Thiago Alves Saturnino
  • Marcos Vinicios Alves de Sá
  • Isac Sales Pinheiro Filho
  • Ana Beatriz da Silva Carmo

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-007

Keywords:

Aprendizagem, Relação Professor-Aluno, Afetividade, Escola

Abstract

A pesquisa teve como objetivo analisar os aspectos emocionais da interação professor-aluno no contexto do processo de aprendizagem, fundamentando-se em referenciais teóricos-metodológicos elaborados a partir das contribuições de diversos autores, especialmente no campo da psicologia. Lev Vygotsky e Henri Wallon emergem como figuras centrais, oferecendo discussões cruciais sobre desenvolvimento e aprendizagem. No âmbito educacional, as reflexões críticas de Paulo Freire, particularmente sua crítica à educação bancária, também são consideradas. As bases teóricas de Wallon (1971) e Vygotsky (1984) enfatizam a importância da interação social nos processos de aprendizado. Para Vygotsky (1991), a aprendizagem é um constructo elaborado pelas recombinações realizadas pelo sujeito ativo nos contextos culturais e de conhecimento. Wallon (1971), por sua vez, destaca que as expressões do sujeito, como gestos e até mesmo a respiração descompassada, podem ser observadas e identificadas no processo de aprendizagem. Freire (1987) ressalta a necessidade de o sujeito questionar o conteúdo ensinado para encontrar significado no aprendizado, promovendo uma educação mais dialogante e participativa. Esta pesquisa investigou também as características da interação professor-aluno e os aspectos emocionais envolvidos no processo de aprendizagem. A motivação do aluno em sala de aula foi particularmente destacada, buscando relacioná-la com os aspectos interacionais. Os resultados deste estudo ofereceram insights valiosos sobre a relação dos alunos com a escola e evidenciaram o impacto dos sentimentos e motivações no processo educacional. Este estudo proporciona uma oportunidade para repensar os modelos educacionais existentes, que muitas vezes são caracterizados por uma abordagem pouco dialógica, silenciadora e carente de participação, abrindo assim novos horizontes para o campo educacional.

References

ALMEIDA, L. R. Wallon e a Educação. In: ALMEIDA, L.; MAHONEY, A. A. (orgs.). Henri Wallon – Psicologia e Educação. 10. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2011.

ARROYO M. G. A Infância Interroga a Pedagogia. In: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis RJ, Vozes, 2008.

CASTRO, L. R. O futuro da infância e outros escritos. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

DANTAS, H. A Afetividade e a Construção do Sujeito na Psicogenética de Wallon. In: LA TAILLE, Y.; DANTAS, H. H.; OLIVEIRA, M. K. (ORGS.). Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

DAYRELL, J. A escola como espaço sociocultural. In: DAYRELL, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1996.

DAYRELL, J. A escola “faz” as juventudes? Reflexões sobre a socialização da juventude. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, 2007. p. 1.105-1.129.

FREITAS M. T. de A. Vygotsky Um Século Depois... Juiz de Fora: EDUFJE, 1998.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996 (Coleção leitura).

FREIRE, P. Professora sim, tia não cartas a quem ousa ensinar. São Paulo- SP: Olho d´Água, 1997.

GALVÃO, I. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. (Educação e conhecimento)

ISAIA S.M. de Aguiar Contribuições da Teoria Vygostiana Para Uma Fundamentação Psico-Epistemológica da Educação. In: FREITAS M. T. de A. Vygotsky um Século Depois... Juiz de Fora: EDUFJE,1998.

MEIRA, M. E. M. Para uma Crítica da Medicalização na Educação. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 16, n. 1, Jan./June 2012.

OLIVEIRA, M. K. O problema da afetividade em Vygotsky. In: LA TAILLE, Y.; DANTAS, H. H.; OLIVEIRA, M. K. (Orgs.). Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial, 1992.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky e o Processo da Formação de Conceitos In: LA TAILLE, Y.; DANTAS, H. H.; OLIVEIRA, M. K. (Orgs.). Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial, 1992.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky – aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio- histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PENNA F. A. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: Frigotto, G. (org.). Escola ‘sem’ partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: LPP/Uerj, 2017.

REGO, T. C. Vygotsky, Uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

SOUZA, M. P. de C. e Políticas e práticas de avaliação na creche: uma pesquisa na rede pública do Município do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Educação. 2017.

TACCA, M. C. V. R.; GONZALEZ Rey, F. L. Produção de sentido subjetivo: as singularidades dos alunos no processo de aprender. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 28, n. 1, mar. 2008.

VYGOSTKI, L. S. A Formação Social da Mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1984, 1991, 2007.

VYGOSTKI, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 1968.

WALLON, H. As Origens do Caráter da Criança. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1971.

Published

2024-06-03

How to Cite

Santos, J. L. D. de M., Ferreira, H. M., Melo, M. C. de, Vieira, M. A., Vale, J. M. B. do, Santos, K. O. dos, Nascimento, M. de L. do, Saturnino, T. A., Sá, M. V. A. de, Pinheiro Filho, I. S., & Carmo, A. B. da S. (2024). A relevância da afetividade na interrelação professor-aluno no processo de aprendizagem. Caderno Pedagógico, 21(6), e4670. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-007

Issue

Section

Articles