Análise de correlação entre fatores ambientais e sociais com o número de casos de Doença de Chagas no Brasil

Authors

  • Eric Delgado dos Santos Mafra Lino
  • Samanta Cristina das Chagas Xavier Azeredo
  • Raquel Aparecida Abrahão Costa e Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-195

Keywords:

Doença de Chagas, Epidemiologia, Análise Espacial, Correlação de Pearson, Índice de Moran

Abstract

A doença de Chagas é uma condição causada pelo Trypanosoma cruzi, um parasita transmitido a mamíferos de mamíferos por certas espécies de triatomíneos, popularmente denominados como Barbeiro. Esta enfermidade ocorre em grande parte da américa do sul e central, com alguns casos isolados na américa do norte. No Brasil, os casos se concentram principalmente na porção norte do território brasileiro e somente o Brasil é responsável por mais de 2/3 dos casos que ocorrem no mundo, tornando-o uma peça fundamental para controle desta enfermidade a nível global. Considerando que grande parte destes casos estão restritos ao estado do Pará, este estudo busca analisar a distribuição temporal e espacial dos casos ocorridos no estado compreendidos em uma série histórica de dez anos (2004-2014) e testar estatisticamente se há correlação com variáveis que estão associadas com os vetores ou com o parasita. Foram usadas variáveis climáticas (umidade, precipitação e temperatura), ambientais (uso da terra) e socioeconômicas (densidade populacional, produção de açaí em toneladas e zona com o maior número de casos). Este estudo é pioneiro ao incluir dados da produção de açaí e testar estatisticamente sua correlação com a doença, visto o elevado número de casos oriundos de contaminação por via oral exclusivamente na região norte. O Índice de Moran indicou forte correlação espacial após 2005 e a análise de correlação evidenciou que as variáveis referentes à população e área urbana são as mais relevantes no número de casos, seguido pela umidade e precipitação. A área vegetada por sua vez teve fraca correlação.

References

ANGOLA. Portal Oficial do Governo da República de Angola. Disponível em: <http://www.governo.gov.ao>. Acesso em: 1 nov. 2017.

ANSELIN, L. Exploring Spatial Data with GeoDa: A Workbook. [s.l: s.n.].

AUFDERHEIDE, A. C. et al. A 9,000-year record of Chagas’ disease. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 101, n. 7, p. 2034–2039, 2004. DOI: https://doi.org/10.1073/pnas.0307312101

CARCAVALLO, R. Climatic factors related to Chagas disease transmission. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 99, n. 4, p. 535–44, 2009.

CARRASCO, H. J. et al. Geographical distribution of trypanosoma cruzi genotypes in venezuela. PLoS Neglected Tropical Diseases, v. 6, n. 6, 2012. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0001707

GETIS, A.; ORD, J. K. The Analysis of Spatial Association by Use of Distance Statistics. Geographical Analysis, v. 24, n. 3, p. 189–206, 3 set. 1992. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1538-4632.1992.tb00261.x

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Conheça O Nosso Pará. Disponível em: <http://www.pa.gov.br/O_Para/>. Acesso em: 13 jul. 2017.

LOYOLA, R. D. et al. Integrating economic costs and biological traits into global conservation priorities for carnivores. PLoS ONE, v. 4, n. 8, p. e6807, 27 ago. 2009. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0006807

MAPBIOMAS. O que é o MapBiomas. Disponível em: <http://mapbiomas.org/pages/about/about>. Acesso em: 8 jul. 2017.

MONCAYO, Á.; SILVEIRA, A. C. Current epidemiological trends for Chagas disease in Latin America and future challenges in epidemiology, surveillance and health policy. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 104, n. 1, p. 334–6, jul. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0074-02762009000900005

MOREIRA, D.; LÓPEZ-GARCÍA, P.; VICKERMAN, K. An updated view of kinetoplastid phylogeny using environmental sequences and a closer outgroup: Proposal for a new classification of the class Kinetoplastea. International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology, v. 54, n. 5, p. 1861–1875, 2004. DOI: https://doi.org/10.1099/ijs.0.63081-0

NÓBREGA, A. A. et al. Oral transmission of chagas disease by consumption of Açaí palm fruit, Brazil. Emerging Infectious Diseases, v. 15, n. 4, p. 653–655, 2009. DOI: https://doi.org/10.3201/eid1504.081450

R CORE TEAM. R: The R Project for Statistical Computing, [s.d.]. Disponível em: <https://www.r-project.org/>. Acesso em: 29 ago. 2023

SCHOBER, P.; SCHWARTE, L. A. Correlation coefficients: Appropriate use and interpretation. Anesthesia and Analgesia, v. 126, n. 5, p. 1763–1768, 1 maio 2018. DOI: https://doi.org/10.1213/ANE.0000000000002864

SHIKANAI-YASUDA, M. A.; CARVALHO, N. B. Oral transmission of chagas disease. Clinical Infectious Diseases, v. 54, n. 6, p. 845–852, 2012. DOI: https://doi.org/10.1093/cid/cir956

STEARNS, S. C. Sustaining Life: How Human Health Depends on Biodiversity. Acta paediatrica, v. 117, n. 6, p. A266, 2009. DOI: https://doi.org/10.1289/ehp.117-a266a

SUTHERST, R. W. Global change and human vulnerability to vector-borne diseases. [s.l: s.n.]. v. 17 DOI: https://doi.org/10.1128/CMR.17.1.136-173.2004

Published

2024-05-27

How to Cite

Lino, E. D. dos S. M., Azeredo, S. C. das C. X., & Oliveira, R. A. A. C. e. (2024). Análise de correlação entre fatores ambientais e sociais com o número de casos de Doença de Chagas no Brasil. Caderno Pedagógico, 21(5), e4539. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-195

Issue

Section

Articles