A violência escolar simbólica na visão de Pierre Bourdieu

Authors

  • Sonaí Maria da Silva

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-187

Keywords:

Violência Simbólica, Educação, Desigualdades Sociais, Escola

Abstract

Este estudo aborda a noção de violência escolar simbólica sob a perspectiva de Pierre Bourdieu, destacando como as estruturas educacionais perpetuam desigualdades através de práticas e discursos que naturalizam hierarquias sociais e culturais. A educação é frequentemente celebrada como uma ferramenta de emancipação e ascensão social, capaz de nivelar desigualdades e abrir portas para oportunidades inéditas. No entanto, ao observarmos o cenário educacional sob uma lente crítica, emergem aspectos que contradizem essa visão idealizada. Um desses aspectos é a violência escolar simbólica, uma forma de violência menos óbvia e mais insidiosa, que perpetua e legitima desigualdades sociais e culturais. Ao investigar a escola enquanto espaço de reprodução de violências simbólicas, este trabalho busca desvendar os mecanismos pelos quais o sistema educacional contribui para a manutenção da ordem social vigente, privilegiando certos grupos em detrimento de outros. O objetivo geral é analisar o conceito de violência simbólica na educação, conforme proposto por Bourdieu, para compreender suas implicações na reprodução das desigualdades sociais. Os objetivos específicos incluem: identificar as formas como a violência simbólica se manifesta no contexto escolar; examinar o papel da instituição escolar na legitimação de desigualdades sociais; e avaliar as consequências da violência simbólica para os indivíduos afetados. O problema de pesquisa se articula em torno da questão: Como a violência simbólica, na visão de Pierre Bourdieu, se manifesta no ambiente escolar e contribui para a reprodução de desigualdades sociais? Adotou-se uma metodologia bibliográfica, revisando-se literaturas que discutem a teoria de Bourdieu sobre capital cultural, habitus e violência simbólica, bem como estudos que aplicam esses conceitos ao campo da educação. Os resultados indicam que a violência escolar simbólica, embora velada, exerce um papel fundamental na perpetuação de estruturas sociais desiguais. Conclui-se que o reconhecimento e a crítica dessa forma de violência são passos essenciais para a construção de práticas educacionais mais justas e inclusivas.

References

ALMEIDA, Lenildes Ribeiro da Silva. Pierre Bourdieu:a transformação social no contexto de “A reprodução”. Inter-Ação,UFG,p. 139-155,jan/jul 2005

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 2.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982

CAESAR, G. Brasil tem a 5ª pior taxa de homicídios de crianças e adolescentes, diz Unicef.G1- Globo, o Mundo. Disponível em: <https://g1.globo.com/mundo/noticia/brasil- tem-a-5-pior-taxa-de-homicidios-de-criancas-e-adolescentes-diz-unicef.ghtml>. Acesso em 12 de março de 2024.

CALIMAN, Geraldo. Matrizes Estruturais e Culturais na Geração da Violência nas Escolas. Unama – Universidade da Amazônia, 2010. Disponível em:

CHARLOT, Bernard. A violência na escola:como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jul/dez. 2002

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Ceará: Universidade Estadual do Ceará, 2002

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa.4º ed. São Paulo: Atlas, 2002

LEITE, Amanda Maurício Pereira; ROSA, Rogério Machado (Org.). Módulo 3:educação, escola e violências. Florianópolis: NUVIC – CED – UFSC, 2011

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica.5. ed. São Paulo: Atlas, 2003

MINAYO, Maria Cecília de Sousa (Org.). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001

NOGUEIRA; Cláudio Marques Martins; NOGUEIRA, Maria Alice. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu:Limites e contribuições. Educação & Sociedade, ano XXIII, n. 78, abr. 2002

ONUBR, Nações Unidas no Brasil.Brasil tem 7ª maior taxa de homicídios de jovens de todo o mundo, aponta UNICEF.Disponível em:<https://nacoesunidas.org/brasil-tem-7a-maior-taxa- de-homicidios-de-jovens-de-todo-o-mundo-aponta-unicef>. Acesso em 12 de março de 2024.

PRIOTTO, Elis Palma; BONETI, Lindomar Wessler. Violência escolar:na escola, da escola e contra a escola. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p. 161-179, jan/abr. 2009

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1997

ROLIM, Marcos. Mais educação, menos violência:caminhos inovadores do programa deabertura das escolas públicasnos fins de semana. Brasília: UNESCO, Fundação Vale, 2008

SOUZA, Liliane Pereira de. A violência simbólica na escola: contribuições de sociólogos franceses ao fenômeno da violência escolar brasileira. Revista Labor, v. 1, n. 7, 2012

TIRADENTES, Adrielly Rocha. Violência simbólica no contexto escolar: discriminação, inclusão e o direito à educação. Revista eletrônica do Curso de Direito,PUC Minas Serro, n. 12, agosto/dez. 2015

Published

2024-05-23

How to Cite

Silva, S. M. da. (2024). A violência escolar simbólica na visão de Pierre Bourdieu. Caderno Pedagógico, 21(5), e4489. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-187

Issue

Section

Articles