Ensino colaborativo e as práticas de sucesso na inclusão: uma revisão sistemática da literatura

Authors

  • Cristiane Gonçalves da Silva
  • Gisele Rodegheiro de Moraes Anthonisen
  • Ana Cláudia Oliveira Pavão

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-179

Keywords:

Ensino Colaborativo, AEE, Boas Práticas, Inclusão

Abstract

Históricamente, o atendimento do aluno, público alvo da educação especial, é realizado em salas de recursos multifuncionais, geralmente de forma individualizada. Contudo, quando os professores da sala regular e da educação especial se unem para atender esses alunos aumentam as possibilidades de sucesso na aprendizagem. O ensino colaborativo é entendido como o trabalho realizado pelo professor da sala de ensino regular e o professor da educação especial, que juntos articulam estratégias e metodologias para atender aos alunos da educação especial. O presente artigo objetiva identificar e analisar as produções referentes ao ensino colaborativo e práticas de sucesso na inclusão escolar. Trata-se de uma Revisão Sistemática de Literatura, a qual buscou os dados para análise nos indexadores Scielo e no Portal de Periódicos da Capes, com um recorte temporal preestabelecido entre os anos de 2019 a 2023, inclusive, publicados em língua portuguesa. Para essa busca foi utilizado o seguinte descritor: “ensino colaborativo AND inclusão”. Obteve-se um total de 130 artigos, que após a aplicação dos critérios de seleção e exclusão, resultaram em cinco artigos para compor a revisão. A partir da análise, foi possivel destacar duas unidades de referência, o ensino colaborativo, uma vez que os textos selecionados apresentavam mais que uma abordagem sobre a temática e a segunda unidade sobre as práticas de sucesso encontradas na análise. Ao longo da revisão, destaca-se que o ensino colaborativo é uma ferramenta viável e que pode apresentar bons resultados para o processo de inclusão. Verificou-se também que há muitas experiências exitosas de ensino colaborativo, entretanto destacam a atuação dos profissionais, partindo da clareza dos papéis de cada um, professor de ensino comum e professor do Atendimento Educacional Especializado, em uma relação de reciprocidade. Vale ressaltar que a pesquisa também identificou uma baixa produção bibliográfica na área, o que pode ser objeto para o desenvolvimento de trabalhos futuros na área.

References

BRASIL, Senado Federal. Constituição da república federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. BRASIL.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Plano Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva - PNEEPEI/MEC. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2008.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 4, DE 2 DE OUTUBRO DE 2009: Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial, 2009.

BRASIL. Nota Técnica – SEESP/GAB/N. 9/2010. Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado. SEESP/MEC, 2010a.

CAMPOS, R. P. Rumo a uma metodologia para o estudo de boas práticas em cooperação internacional em saúde. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, [S. l.], v. 4, n. 1, 2010. DOI: 10.3395/reciis.v4i1.722. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/722. Acesso em: 8 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.3395/reciis.v4i1.356pt

CAPELLINI, V. L. M. F.; ZERBATO, A. P. O que é o ensino colaborativo. 1. ed. – São Paulo: Edicon, 2019.

DAMIANI, Magda Floriana. Entendendo o ensino colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602008000100013

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, Salamanca-Espanha, 1994.

ERBEN, E.; MELLO, K. B. DE. (2023). Um estudo sobre as políticas públicas que dão suporte ao Ensino Colaborativo em países como Estados Unidos, Itália e Brasil. Revista Educação Especial, 36(1), e10/1–20, 2023. DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X72108

GATTI, M. R.; MUNSTER, M. DE A. VAN. Coensino e Educação Física escolar: intervenções voltadas à inclusão de estudantes com deficiência. Revista Educação Especial, 34, e55/1–26, 2021. DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X65968

LITTLE, J. The Persistence of privacy: autonomy and initiative in teachers’ professional relations. Teachers College Record, v. 91, n. 4, p. 509-536, 1990. DOI: https://doi.org/10.1177/016146819009100403

LOPES RIBEIRO GOMES, K. M., & DE OLIVEIRA MACHADO BARBY, A. A. Coensino, ensino colaborativo e docência compartilhada na inclusão de estudantes com transtorno do espectro autista: uma revisão integrativa. Educação Em Revista, 23(1), 287–304, 2022. DOI: https://doi.org/10.36311/2236-5192.2022.v23n1.p287

MENDES, K.D.S., SILVEIRA, R.C.C.P. & GALVÃO, C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Revista Texto e Contexto-Enfermagem, 2008. 17(4), 758-764. Doi: 10.1590/S0104-07072008000400018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

MENDES, E. G.; VILARONGA, C. A. R.; ZERBATO, A. P. Ensino colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: UFSCar, 2014.

PEREIRA, A. C. S. Ensino colaborativo para aumento de repertório adequado de Crianças com autismo em sala de aula. Dissertação. (Mestrado em Educação Especial). Universidade de São Carlos. São Paulo. 2017. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/9726?show=full#:~:text=Considerando%20a%20import%C3%A2ncia%20do%20ensino,PAEE)%20e%20o%20potencial%20do. Acesso em 27 jun. de 2023.

RABELO, L. C. C.; SANTOS, R. T. Ensino colaborativo e a inclusão do aluno com autismo na Educação infantil. VII encontro da associação brasileira de pesquisadores em educação especial. Anais eletrônicos, p. 1915-1924, 2011.

RODRIGUEZ PAZ, A. C.; LOPES VICTOR, S. Reflexões iniciais sobre a prática colaborativa e a educação especial. Revista Educação em Questão, 58(55), 2020. DOI: https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n55ID18936

SOUZA, M.T.; SILVA M.D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein [Internet]. Mar 09];8(1Pt1):102-6. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/1679-4508-eins-8-1-0102.pdf [Links > Acesso em: maio de 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

SHIBUKAWA, P. H. S; DE OLIVEIRA RINALDO, S. C. Práticas pedagógicas colaborativas na alfabetização do aluno com transtorno do espectro autista. Colloquium Humanarum. v. 13, n. 2, p. 87–94, 2016. Disponível em: https://journal.unoeste.br/index.php/ch/article/view/1309. Acesso em: 27 jun. 2023. DOI: https://doi.org/10.5747/ch.2016.v13.n2.h256

TEIXEIRA, A. M. de O. et al. Consultoria Colaborativa e a Inclusão Escolar de alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) - relato de experiência. In: Anais... 8º congresso Brasileiro de Educação Especial, São Carlos. 2018.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: UNESCO, 1990.

Published

2024-05-22

How to Cite

Silva, C. G. da, Anthonisen, G. R. de M., & Pavão, A. C. O. (2024). Ensino colaborativo e as práticas de sucesso na inclusão: uma revisão sistemática da literatura. Caderno Pedagógico, 21(5), 10.54033/cadpedv21n5–179. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-179

Issue

Section

Articles