Estudo da utilização do residuo de cerâmica vermelha como agregado graudo na composição do concreto

Authors

  • José Atila Matos Aroucha Junior
  • Wanderson Moraes Soares
  • Mariana Silva Pires
  • Solon Tupinambá Leite Neto
  • Marcos Henrique Costa Coelho Filho
  • Caio Augusto Serra Rosa
  • Antônio Pereira de Sousa Neto

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-169

Keywords:

Resíduo, Cerâmica, Vermelha, Canteiro, Laboratório

Abstract

O estudo investiga a viabilidade de substituir o agregado graúdo (brita) por resíduo de cerâmica vermelha no concreto, visando reduzir custos na construção ao reutilizar material descartado. Comumente disponível em canteiros ou obtido gratuitamente em fábricas de cerâmica vermelha, esse resíduo é considerado uma alternativa econômica e ambientalmente sustentável. Foram produzidos 48 corpos de prova no laboratório da Universidade Estadual do Maranhão, testando diferentes percentuais de substituição (30%, 50% e 100%) para avaliar suas resistências finais. Os resultados indicaram que a substituição da brita pelo resíduo de cerâmica vermelha é factível em certas aplicações, como na construção de sarjetas e calçadas. O estudo delineou o problema que motivou sua realização e empregou uma revisão bibliográfica embasada em normas técnicas, especialmente as NBR’s, para respaldar cientificamente a possibilidade dessa substituição. A pesquisa busca alinhar-se aos procedimentos necessários para assegurar sua validade técnica. A análise experimental revelou que a resistência do concreto com substituição variou conforme o percentual adotado. Isso implica que, embora viável em determinados contextos, a substituição não é universalmente aplicável e deve ser considerada caso a caso, levando em conta as exigências estruturais e de desempenho do concreto. Além disso, a utilização desse resíduo contribui para a gestão sustentável de resíduos na construção civil, promovendo a economia de recursos naturais e reduzindo o impacto ambiental. Em síntese, o estudo demonstra a importância de investigar alternativas de materiais na construção civil, destacando a possibilidade de utilizar resíduos de cerâmica vermelha como substituto da brita em determinadas situações, embasado em evidências experimentais e normativas técnicas.

References

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM 248: Agregados - Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9776: Agregados - Determinação da massa específica de agregados miúdos por meio do frasco Chapman: Método de ensaio. Rio de Janeiro, 1988.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16674: Agregado graúdo - Ensaio de abrasão Los Angeles. Rio de Janeiro, 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM52: Agregado miúdo - Determinação de massa específica e massa específica aparente. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7211: Agregados para concreto - Especificação. Rio de Janeiro, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM 0027: Agregados - Redução da amostra de campo para ensaios. Rio de Janeiro,2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15900: Água para amassamento do concreto -

Parte 1: Requisitos. Rio de Janeiro, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9778: Argamassa e concreto endurecidos - Determinação da absorção de água, índice de vazios e massa específica. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9779: Argamassa e concreto endurecidos — Determinação da absorção de água por capilaridade. Rio de Janeiro, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16605: Cimento Portland e outros materiais em pó – Determinação da massa específica. Rio de Janeiro, 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16697: Cimento Portland – Requisitos. Rio de Janeiro,2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM33: Concreto - Amostragem de concreto fresco. Rio de Janeiro, 1998.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM67: Concreto - Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro, 1998.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16889: Concreto — Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro,2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8522: Concreto – Determinação do módulo estático de elasticidade à compressão. Rio de Janeiro,2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7222: Concreto e argamassa — Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro,2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10786: Concreto Endurecido — Determinação do coeficiente de permeabilidade à água. Rio de Janeiro, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10787: Concreto Endurecido — Determinação da penetração de água sob pressão. Rio de Janeiro, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5739: Concreto - Ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. Rio de Janeiro, 1994.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7680: Concreto - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto

Parte 1: Resistência à compressão axial. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12655: Concreto de cimento Portland – Preparo, controle e recebimento – Procedimento. Rio de Janeiro,2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5738: Concreto - Moldagem e cura de corpos-de-prova cilíndricos ou prismáticos de concreto. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8953: Concreto para fins estruturais - Classificação pela massa específica, por grupos de resistência e consistência. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15823: Determinação do espalhamento, do tempo de escoamento e do índice de estabilidade visual - Método do cone de Abrams. Rio de Janeiro,2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 100004: Resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2014.

ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais - Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – 2014.

AMBROZEWICZ, Paulo H. L. Materiais de Construção. Normas, Especificações, Aplicação e Ensaios de Laboratório. Editora: PINI, 2012.

BAUER, Falcão L.A. Materiais de Construção: novos materiais para construção civil. 5 ed. Vol 1. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2000. 447p.

ECYCLE. Construção e Demolição: Cimento: origem, importância, riscos e alternativas. Disponível em: https://www.ecycle.com.br/o-que-e-o-cimento/.

JOHN, V.M. Reciclagem de resíduos na construção civil – Contribuição à Metodologia de Pesquisa e Desenvolvimento. São Paulo, 2000. 102p. Tese (livre docência) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

Published

2024-05-22

How to Cite

Aroucha Junior, J. A. M., Soares, W. M., Pires, M. S., Leite Neto, S. T., Coelho Filho, M. H. C., Rosa, C. A. S., & Sousa Neto, A. P. de. (2024). Estudo da utilização do residuo de cerâmica vermelha como agregado graudo na composição do concreto. Caderno Pedagógico, 21(5), e4433. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-169

Issue

Section

Articles