Práticas pedagógicas na educação infantil: desafios dos professores no ensino de crianças com TEA em escolas da rede privada e pública

Authors

  • Maria Eliana Alves Lima
  • Priscila de Sousa Barbosa Castelo Branco
  • Vitória Maria Galvão Coqueiro

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-154

Keywords:

Autismo, Educação Infantil, Trabalho Docente, Intervenção Pedagógica, Desafio Docente

Abstract

O artigo discorre sobre os conceitos fundamentais do trabalho pedagógico com estudantes que apresentam transtorno do espectro autista (TEA) e promove uma reflexão sobre as dificuldades dos docentes na prática pedagógica escolar com o autismo, sobre os desafios dos professores na organização de rotina pedagógica, no uso de espaços escolares e no relacionamento com a família. Parece contraditório que a escola, um espaço essencialmente inclusivo, não consiga atender às necessidades dos estudantes que carecem de intervenção pedagógica diferenciada e deixe sob a responsabilidade dos professores os processos de formação nessa temática. Para percorrer os fenômenos subjetivos a essa discussão, a pesquisa caminha numa perspectiva metodológica de caráter quanti-qualitativa, fundamentada nos principais autores que dissertam sobre o tema, tais como Alves (2006), Amorim (2015), Greenspan e Wieder (2006), Garcia (2008), Facion (2013), Leo Kanner (1943), entre outros. Para tanto, utiliza-se de observação em duas escolas de educação infantil, sendo uma pública e uma privada, além de aplicação de questionário para dez professoras com foco na prática pedagógica, na formação inicial e continuada e nas condições estruturais de atendimento aos estudantes. O objetivo da pesquisa foi evidenciar as vivências dos docentes nas redes pública e privada sobre as práticas pedagógicas na educação infantil com estudantes que apresentam TEA. Com os resultados obtidos foi possível identificar que entre as principais dificuldades dos docentes estão: pouco conhecimento e/ou preparação sobre o autismo, ausência de apoio pedagógico, inexistência ou carência de materiais e recursos necessários, adaptação do currículo para o trabalho com crianças autistas. A conclusão apresenta tais dificuldades, deixando evidente a necessidade de que haja investimentos e políticas públicas educacionais nessa área, sobretudo para as ações formativas de caráter inicial e de formação continuada para os professores.

References

ALVES, Denise de Oliveira. Sala de recursos multifuncionais: um espaço para atendimento educacional especializado, Brasília, DF: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Especial, 2006.

AMORIM, G. C. Organização e funcionamento do atendimento educacional especializado na educação infantil: estudo de caso. 2015. 139f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho’’, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2015.

BRASIL, LEI 8.069, de 13 de julho de 1990 Estatuto da Crianças e do Adolescente. Brasília: Presidência da República, 1990. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acessado em 13 de jul., 2023.

BRASIL, Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência). Brasília: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm > Acessado em 13 de julho de 2023.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro gráfico,1988

BRASIL. Decreto nº 7.611 de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília DF 18 nov. 2011. P.12 Disponível em:<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20112014/2011/decreto/d7611.htm. Acessado em 12 de junho de 2023.

BRASIL. LEI n° 12.764 de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o 3º do art. 98 da lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm> Acessado em: 13 de junho de 2023.

BRASIL. LEI n° 13.005 de 25 de junho de 2014 – Presidência da República – Congresso Nacional. Plano Nacional de Educação (PNE) Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm#:~:text=O%20Sistema%20Nacional%20de%20Avalia%C3%A7%C3%A3o,p%C3%BAblicas%20desse%20n%C3%ADvel%20de%20ensino. Acessado em 15 de junho de 2023.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República.

BRASIL. Resolução nº º 4, de 2 de outubro DE 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Poder Executivo, Brasília. DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC, 2017.

CAMARGO, S.P.H.; SILVA, G.L. da; CRESPO, R.O.; OLIVEIRA, C.R. de; MAGALHÃES, S.L. Desafios no processo de escolarização de crianças com autismo no contexto inclusivo: Diretrizes para formação continuada na perspectiva dos professores. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.36, 2020.

CRUZ, J. G. M. et al. Práticas inclusivas de alunos com TEA: principais dificuldades na voz do professor e mediador. RPGE–Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 21, n. n. especial 2, p. 1031-1047, nov 2017. Disponível: file:///C:/Users/Windows/Downloads/6-10386-28774-1-sm.revisado.pdf. Acessado em 09/11/2023.

DSM-5. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5.ed. Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

DUTRA, C. P. Colóquio. Revista Inclusão, v.4, n. 1, p.18-32, 2008

FACION, José Raimundo. Transtornos do desenvolvimento do comportamento. Curitiba: Inter Saberes, 2013.

GAIATO, Mayra. S.O.S autismo: guia completo para entender o Transtorno do Espectro Autista 2. Ed. São Paulo: Versos, 2018.

GARCIA, Rosalba Maria C. Políticas inclusivas na educação: do global ao local. In: BAPTISTA, Cláudio Roberto; CAIADO, Kátia Regina Moreno; JESUS, Denise Meyrelles de (Org.) Educação Especial: Diálogo e pluralidade. Porto Alegre: Mediação, 2008.

GIL, Antônio C, Métodos e Técnicas de pesquisa social. 5ed. São Paulo: Atlas, 2006.

KANNER L. Distúrbios autistas do contato afetivo. Criança nervosa. 1943; 2:217-50

MACHADO, G. Caracterização das práticas do Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil de Dourados/MS. 2017. 111f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Dourados, Dourados, MS, 2017.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia cientifica: ciência e conhecimento cientifico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MINAYO, C.S. (Org.). (1994). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

MORAIS, Telma Liliana de Campos. Modelo teacch: intervenção pedagógica em crianças com perturbações do espectro autismo. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Escola Superior de Educação Almeida Garret, Lisboa, 2012.

OLIVEIRA, I. M.; PADILHA, A. M. L. Atendimento Educacional Especializado para crianças de zero a três anos. In JESUS, D. M.; BAPTISTA, C.R CAIADO, K. R. M. (Org.) Prática Pedagógica na Educação Especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara-SP: Junqueira & Marin, 2013. P. 23-47.

OMS (Organização Mundial da Saúde). CID-10: Classificação Estatística Internacional de Doenças. São Paulo: Udesp, 2008.

Plano Nacional de Educação (PNE). Lei Federal n.º 10.172, de 9/01/2001. Brasília: MEC, 2001. BRASIL.

ZANELLA, Cleunice. Metodologia de estudo de pesquisa em administração. Fascículo de Metodologia Cientifica, UFSC/MEC/CAPES/PNAP, Florianópolis, 2009.

Published

2024-05-20

How to Cite

Lima, M. E. A., Branco , P. de S. B. C., & Coqueiro , V. M. G. (2024). Práticas pedagógicas na educação infantil: desafios dos professores no ensino de crianças com TEA em escolas da rede privada e pública. Caderno Pedagógico, 21(5), e4387. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-154

Issue

Section

Articles