Análise da responsabilização criminal dos criadores e propagadores de “deep fakes” no ordenamento jurídico brasileiro

Authors

  • Bruno Moraes Alves
  • Ana Karen Vasconcelos Araújo
  • Juan Fonteles Cavalcante
  • Francisco Expedito Galdino Júnior
  • Luiz Henrique Lopes Rodrigues
  • Pedro Hygor Soares de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-075

Keywords:

Deep Fakes, Fake News, Crimes Cibernéticos, Inteligência Artificial

Abstract

O presente trabalho tem como objeto a investigação acerca da responsabilidade criminal dos criadores e difusores das “deep fakes”, a qual é uma tecnologia utilizada para adulterar vídeos. Essa tecnologia vem sendo utilizada para a prática de diversos crimes, tais como a adulteração de meios de prova, a propagação de “fake news”, a pornografia de vingança e a prática de crimes contra a honra, sendo importante averiguar se o direito brasileiro já possui meios eficazes de coibir tal conduta ou se é necessária a criação de um crime autônomo para punir a prática das “deep fakes”. O método de abordagem utilizado para a confecção deste trabalho foi o dedutivo, e a técnica de pesquisa adotada foi a bibliográfica, através da análise de livros, artigos, notícias e legislações nas searas do Direito Penal e do Direito Digital. A conclusão obtida foi que, apesar de não existir previsão específica criminalizando a prática das “deep fakes”, estas são utilizadas como meio de execução de outros crimes, de forma a não se fazer necessária a criação de um crime autônomo apenas para criminalizar tal conduta. Por outro lado, levando em consideração que a sensação de anonimato da internet, somada à dificuldade existente em se punir tais crimes, fazem com que os criminosos se sintam incentivados à prática de “deep fakes”, é essencial a edição de uma qualificadora ou causa de aumento de pena para crimes praticados por intermédio dessas tecnologias. No tocante à responsabilidade dos propagadores desses vídeos falsos, se faz necessário analisar se o crime praticado por meio dessa tecnologia contempla, em seu texto, a possibilidade de punição também de seus difusores. Caso a resposta seja afirmativa, será possível a responsabilização do propagador da “deep fake” não somente pelo crime praticado, mas também pela qualificadora/causa de aumento de pena relativa a utilização dessa tecnologia para a prática do crime.

References

AIRES, Regina Wundrack do Amaral; MOREIRA, Fernanda Kempner; FREIRE, Patricia de Sá. Indústria 4.0: competências requeridas aos profissionais da quarta revolução industrial. Anais do VII Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, v. 1, n. 1, 2017. Disponível em: https://proceeding.ciki.ufsc.br/index.php/ciki/article/view/314. Acesso em: 30 abr. 2024.

APÓS atingir pico de óbitos, Brasil tem queda de 90% na média diária de mortes por covid-19. GZH SAÚDE, 2021. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2021/10/apos-atingir-pico-de-obitos-brasil-tem-queda-de-90-na-media-diaria-de-mortes-por-covid-19-ckuxys2ts0007017fzwxl3u0e.html. Acesso em: 30 abr. 2024.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro, RJ: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em: 20 abr. 2024

BRASIL. Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Rio de Janeiro, RJ: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689compilado.htm. Acesso em: 20 abr. 2024.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del4657compilado.htm. Acesso em: 20 abr. 2024.

BRASIL. Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012. Dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos; altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_

ato2011-2014/2012/lei/l12737.htm. Acesso em: 21 abr. 2024.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 21 abr. 2024.

BRASIL. Projeto de Lei do Senado Federal nº 473 de 2017. Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para tipificar o crime de divulgação de notícia falsa. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/131758. Acesso em: 20 abr. 2024.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. CPI – Crimes Cibernéticos. Brasília: [s. n.], 2016. 254 p. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/

prop_mostrarintegra;jsessionid=214D61B364D3F74027CAB7F56C3E0C39.proposicoesWeb2?codteor=1455189&filename=REL+4/2016+CPICIBER+%3D%3E+RCP+10/2015. Acesso em: 30 abr. 2024.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: Parte Geral. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 645 p.

DA COSTA, Fernando José. Locus delicti nos crimes informáticos. 2011. 355 f. Tese de Doutorado (Doutorado) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2136/tde-24042012-112445/pt-br.php. Acesso em: 30 abr. 2024.

ESTEVÃO, Roberto da Freiria; BRITO FILHO, Cleudemir Malheiros. Princípio da proibição da proteção deficiente: função e missão do Direito Penal. In: Revista da AJURIS. Associação dos Juízes do Rio Grande.

FAUSTINO, André. Fake news e a liberdade de expressão nas redes sociais na sociedade da informação. 2018. 140 p. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Direito da Sociedade da Informação) — Faculdades Metropolitanas Unidas, São Paulo, 2018. Disponível em: http://arquivo.fmu.br/prodisc/mestradodir/af.pdf. Acesso em: 25 abr. 2024.

FURBINO, Clara Santos; SOUZA, Thiago Izac de. Fake news contribuindo para o cibercrime: regulação e necessidade de tipificação atreladas à legislações internacionais. In: XII Congresso RECAJ – UFMG Skema Business, 2021, Belo Horizonte. Criminologia e Cybercrimes. p. 44 a 50. 2021. Disponível em: http://site.conpedi.org.br/publicacoes/f0d20hl5/k6f200vz. Acesso em: 25 abr. 2024.

GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal: Parte Geral. 19.ed. Niterói: Impetus, 2017. v. 1. ISBN 978-85-7626-930-4.

GRIGORI, Pedro. 20 projetos de lei no Congresso pretendem criminalizar fake news. 11 maio 2018. Disponível em: https://apublica.org/2018/05/20-projetos-de-lei-no-congresso-pretendem-criminalizar-fake-news/. Acesso em: 24 abr. 2024.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: L&PM Editores, 20 abr. 2024.

JESUS, Damásio de; MILAGRE, José Antonio. Manual de Crimes Informáticos. São Paulo: Saraiva, 2016. 231 p. ISBN 978850262724-6.

LACERDA, Anna Carolina Alves Moreira de; SILVA, Amanda Pedroso. Cibercrime: evolução do crime e a banalização dos crimes virtuais. In: HORITA, Fernando Henrique da Silva; MORAIS, Fausto Santos de; OLIVEIRA, Camila Martins de. (Orgs.). Direito Penal e Cibercrimes. Belo Horizonte: Skema Business School, 2021. v. 1, p. 12-19.

LIMA FILHO, Paulo Roberto Aguiar de. O Direito Penal na Quarta Revolução Industrial. Delictae Revista De Estudos Interdisciplinares Sobre O Delito, v. 6, n. 10, p. 215-304, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.24861/

v6i10.150. Acesso em: 30 abr. 2024.

MAUES, Gustavo Brandão Koury; DUARTE, Kaique Campos; CARDOSO, Wladirson Ronny da Silva. Crimes virtuais: uma análise sobre a adequação da legislação penal brasileira. RIOS Eletrônica (FASETE), v. 18, p. 166-180, 2018. Disponível em: https://www.unirios.edu.br/revistarios/media/

revistas/2018/18/crimes_virtuais.pdf. Acesso em: 30 abr. 2024.

MEDON, Filipe. O direito à imagem na era das deepfakes. Revista Brasileira de Direito Civil – RBD Civil: Belo Horizonte, v. 27, p. 251-277, jan/mar. 2021. Disponível em: https://rbdcivil.ibdcivil.org.br/rbdc/article/viewFile/438/447. Acesso em: 30 abr. 2024.

PIAIA, Thami Covatti; COSTA, Bárbara Silva; WILLERS, Miriane Maria. Quarta revolução industrial e a proteção do indivíduo na sociedade digital: desafios para o direito. Revista Paradigma, v. 28, p. 122-140, 2019. Disponível em: https://revistas.unaerp.br/paradigma/article/view/1444/1287. Acesso em: 25 abr. 2024.

PINHEIRO, Patrícia Peck. Direito Digital. 7. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2021. 573 p. ISBN 9786555598438.

RUDOLFO, Fernanda Mambrini. A dupla face dos direitos fundamentais: a aplicação dos princípios da proibição de proteção deficiente e de excesso de proibição no direito penal, especialmente quanto aos crimes sexuais. 2011. 193 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/

handle/123456789/95755. Acesso em: 25 abr. 2024.

SANTOS, Marcelo Fernandes Pires dos. Retórica, teoria da argumentação e pathos: o problema das emoções no discurso jurídico. 2015. 151 f. Dissertação (Mestrado em Direito) — Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/18787#:~:text=Este%20estudo

%20objetiva%20compreender%20por,a%20explana%C3%A7%C3%A3o%20do%20sistema%20jur%C3%ADdico. Acesso em: 25 abr. 2024.

SCHWAB, Klaus. A Quarta Revolução Industrial. São Paulo: Edipro, 2016. 167 p. ISBN 978-85-7283-978-5.

TERRA, Cristiane Izabela de Souza; ORSINI, Adriana Goulart de Sena; ABREU, Camila Cristina de Moura. Crimes cibernéticos: phishing e fake news em tempos de pandemia. In: FREITAS, Sérgio Henriques Zandona; LANNES, Yuri Nathan da Costa; SILVA, Lucas Jerônimo Ribeiro da. (Orgs.). Criminologia e cybercrimes. Belo Horizonte: UFMG, 2021. v. p. 29-35. Disponível em: http://site.conpedi.org.br/publicacoes/f0d20hl5/k6f200vz. Acesso em: 26 abr. 2024.

WAKEFIELD, Jane. Guerra na Ucrânia: os ‘presidentes deepfake’ usados na propaganda do conflito. BBC News, São Paulo, SP, 18 de março de 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-60791955. Acesso em: 26 abr. 2024.

WALDMAN, Ricardo Libel; HORAS, Matheus dos Santos. Uma caracterização das fake news: o exemplo da greve dos caminhoneiros. Direito, governança e novas tecnologias I [Recurso eletrônico on-line] organização CONPEDI/UNISINOS, p. 338-353, Florianópolis, 2018. Disponível em: http://site.conpedi.org.br/publicacoes/34q12098/9l053031. Acesso em: 26 abr. 2024.

Published

2024-06-10

How to Cite

Alves, B. M., Araújo, A. K. V., Cavalcante, J. F., Galdino Júnior, F. E., Rodrigues, L. H. L., & Oliveira, P. H. S. de. (2024). Análise da responsabilização criminal dos criadores e propagadores de “deep fakes” no ordenamento jurídico brasileiro. Caderno Pedagógico, 21(6), e4348 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-075

Issue

Section

Articles