Deficiência da vitamina b12 relacionada, fisiopatologicamente, com anemia megaloblástica e depressão

Authors

  • Alberto Camarão de Sousa
  • Arthur Vasconcelos Benites
  • Dayene Kalinne de Sousa Santos dos Reis

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-139

Keywords:

Anemia Macrocitica Megaloblástica, Depressão, Doenças Autoimunes, Vitamina b12

Abstract

Objetivo: contribuir, para com Guideline de hematologia e neurologia para diagnósticos da anemia megaloblástica e depressão. Metodologia: um estudo sobre a possível correlação entre a anemia macrocítica, megaloblástica com a depressão realizado de forme retrospectiva e qualitativa com base em conteúdo de livros da biblioteca da UNIFAMAZ e artigos científicos da PUBMED e Medline e SciELO. Discussão: segundo “Failace e Fernandes, 2009”, doenças autoimunes, gastrectomias, uso pertinente de medicamentos inibidores da bomba de próton, doenças ileal, doença de Imerslund-Grãsbeck, todas essas doenças e fatores podem causar a anemia megaloblástica pelo fato de o estômago ser o principal órgão afetado nesses quadros, e sabe-se que as células parietais da mucosa gástrica produzem o fator intrínseco capaz de se ligar com a vitamina b12 e ser absorvido nos receptores localizados na porção final do intestino delgado (íleo). “Lorenzi, 2006” diz que a anemia não significa uma doença em si, ela representa um achado clinico-laboratorial, onde necessita uma investigação criteriosa para saber a sua causa para poder iniciar o tratamento, visto que as alterações que repercutem em diminuições ou mudanças estruturais das hemácias podem estar relacionadas com doenças medulares e aplásicas. “Lent, 2005” afirma que os neurônios centrais, necessitam de uma estrutura lipídica capaz de aumentar sua transmitância que gira em torno de 100m/s, a bainha de mielina. Conclusão: a interação fisiopatogênica da anemia macrocítica megaloblástica com a depressão, de modo que a vitamina b12 atue na formação das hemácias e da bainha de mielina. Contudo, a importância do diagnóstico laboratorial para a anemia, repercute em um artefato satisfatório para um possível quadro depressivo já que ambas podem estar relacionadas com a mesma etiologia.

References

BEAR Mark. Neurociências – Desevendando o Sistema Nervoso – 3ª Ed. Editora ARTMED, São Paulo. Dez 2008

BRADL, M.; LASSMANN, H. Oligodendrocytes: biology and pathology. Acta Neuropathol, v. 119, p. 37-53, 2010. DOI: https://doi.org/10.1007/s00401-009-0601-5

BOIKO, T.; WINCKLER, B. Myelin under construction teamwork required. The Journal of Cell Biology, v. 172, n.6, p. 799-801, 2006. DOI: https://doi.org/10.1083/jcb.200602101

BACCI, A. et al. The role of glial cells in synaptic function. Phil. Trans. R. Soc. Lond. B, v. 354, p. 403-409, 1999. DOI: https://doi.org/10.1098/rstb.1999.0393

CANÇADO, R. D. Mieloma múltiplo e anemia. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Campinas, v.29, n.1, p.67-76, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842007000100014

CÉSAR & CEZAR. Biologia 2. São Paulo, Ed Saraiva, 2002.J. Bras. Patol. Med. Lab. Vol.41 no.5 Rio de Janeiro Oct. 2005

COYLE, D. How to grow a super athlete. The New York Times: Play Magazine,march 2007.

FAILACE, R. R.; FERNANDES, F. B.; FAILACE, R. Hemograma: manual de Interpretação.

Ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FIELDS, R. D. Substância branca. Mente e Cérebro, n. 188, p. 60-67, set.2008a.

GARCIA L.Y.C., MOTA A.C.A., FILHO V.O., VAZ F.A.C. Anemias carenciais na infância. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, v. 20, p. 112-125, 1998.

GARAY, J. B. Anemias carenciales II: anemia megaloblástica GARAY, J. B. Anemias carenciales II: anemia megaloblástica. Información Terapeutica delSistema Nacional de Salud. Madrid, v. 30, p. 67-75, 2006.

GROTTO, H. Z. W. Diagnóstico laboratorial da deficiência de ferro. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Campinas, v. 32, supl.2, p. 22-28,2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-84842010005000046

GUYTON, A. C. e HALL, J.E.Tratado de Fisiologia Medica, 12ª Edição. Editora Elsevier, 2011.

JOKOVCEVSKI, I. et al. Oligodendrocyte development and the onset of myelination in the human fetal brain. Frontiers in Neuroanatomy, v. 3, n. 5, p.1-15, 2009. DOI: https://doi.org/10.3389/neuro.05.005.2009

KURSULA, P. Structural properties of proteins specific to the myelin sheath.Amino Acids, v. 34, p. 175-185, 2008. DOI: https://doi.org/10.1007/s00726-006-0479-7

LEE, P. R.; FIELDS, R. D. Regulation of myelin genes implicated in psychiatricdisorders by functional activity in axons. Frontiers in Neuroanatomy, v. 3, n. 4, p.1-8, 2009. DOI: https://doi.org/10.3389/neuro.05.004.2009

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência.São Paulo, SP: Editora Atheneu, 2005.

LORENZI, T. F. Manual de Hematologia – Propedêutica e Clínica. Guanabara Koogan. 2006. TERRA, P. Coagulação: Interpretação clínica dos testes Laboratoriais de rotina. Artmed. 2006.

MACHADO Angelo. Neuroanatomia funcional,2° edição Ed. ATHENEU, São Paulo, mar. 2000.

MCDONALD, S.D; FERGUSON, S.; TAM. L; LOUGHEED. J; WALER, M. C.The

prevention of congenital anomalies with periconceptional folic acid supplementation. Journal of Obstetrics and Gynaecology. Canada: v.25, n.2, p. 115–121, 2003.MELERE, C. Índice de Alimentação Saudável: proposta de adaptação para uso em gestantes brasileiras. Porto Alegre, 2010. 117f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

MELO, S. R. Neuroanatomia: Pintar para aprender. São Paulo, SP: EditoraRoca, 2010.

MENDES e MELO. Origem e Desenvolvimento da Mielina no Sistema Nervoso Central. Revista Saúde e Pesquisa, v. 4, n. 1, p. 93-99, jan./abr. 2011.

NAOUM, P. C.; NAOUM, F. A. Hematologia Laboratorial: eritrócitos. 2 ed. São Paulo: Academia de Ciência e Tecnologia, 2008. 110p.

NAVARRO, F.; PAZ, R. Manejo, prevención y control de la anemia perniciosa. Revista Nutrición Hospitalaria. Madrid, v. 6, n. 20, p. 433 – 435, 2005.

NAVARRO, F.; PAZ, R. Manejo, prevención y control de la anemia megaloblásticasecundária a déficit de ácido fólico. Revista Nutrición Hospitalaria. Madrid, v. 1, n. 21, p. 113 – 119, 2006

NETO, F. T. Nutrição clínica. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan S.A., 2003. 519 p.

NDUBAKU, U.; BELLARD, M. E. de. Glial cells with new twists. ActaHistochem, v. 110, n. 3, p. 182-195, may 2008. DOI: https://doi.org/10.1016/j.acthis.2007.10.003

PANIZ, C.; GROTTO, D.; SCHMITT, G. C.; VALENTINI. J.; SCHOTT, K. L.;POMBLUM,

V. J.; GARCIA, S. C.. Fisiopatologia da deficiência de vitamina B12 E seu diagnóstico laboratorial. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Rio de Janeiro, v.41, n. 5, p.323-34, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-24442005000500007

RANG, H.P., DALE, M.M., RITTER J.M., FLOWER, R.J. Farmacologia. 6a ed. Rio de

Janeiro: Ed. Elsevier, 2007.

SADOCK, B. J.; SADOCK, V. A. KAPLAN & SADOCK – COMPÊNDIO DE

PSIQUIATRIA. 9ª edição, editora Artmed, 2007, Porto Alegre – RS.

SIMONS, M.; TRAJKOVIC, K. Neuron-glia communication in the control ofoligodendrocyte function and myelin biogenesis. Journal of Cell Science, v.119, p. 4381-4389, 2006. DOI: https://doi.org/10.1242/jcs.03242

SOUZA, E. B.; FERREIRA, V. A. Cuidados nutricionais no paciente gastrectomizado. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. São Paulo, v.3, n.1,p.38-46, 2004.

VALDEZ, J. G. R.; BENETTI, C. E. S.; SÁNCHEZ, C. L. Anemia megaloblástica.Revista de Posgrado de la VIa Cátedra de Medicina. Corrientes, n.177, p.17-21, 2008.

VALDEZ; BENETTI; pós em revista do centro Universitario Newton Paiva 2012/2 – EDIÇÃO 6. 2008

VERRASTRO, Therezinha; LORENZI, Therezinha; WENDEL NETO, Silvano. Hematologia hemoterapia: fundamentos de morfologia, fisiologia, patologia E clínica. São Paulo: Atheneu, 2005.

VIVAS, W.L.P. Hematologia. Manual de hematologia. 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Iron deficiency anaemia: Assessment prevention and control: a guide for program managers. Geneva,2001.

ZAGO, M.A ; MALVEZI, M,. Deficiências de vitamina B12 e de folato: anemias megaloblásticas. In: ZAGO, M.A; FALCÃO, R.P.; PASQUINI, R. (Org.).Hematologia: fundamentos e Prática. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Atheneu,2001.

ZAGO, Marco Antonio; FALCÃO, Roberto Passetto; PASQUINI, Ricardo. Hematologia: fundamentos e prática. São Paulo: Atheneu, 2004.

Downloads

Published

2024-05-17

How to Cite

Sousa, A. C. de, Benites, A. V., & Reis, D. K. de S. S. dos. (2024). Deficiência da vitamina b12 relacionada, fisiopatologicamente, com anemia megaloblástica e depressão. Caderno Pedagógico, 21(5), e4338. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-139

Issue

Section

Articles