O ensino jurídico no Brasil: história e transformação

Authors

  • Asmaa Abduallah Hendawy
  • Maria Madalena Dullius

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-138

Keywords:

Direito, História, Ensino, Evolução

Abstract

O curso de Direito no Brasil possui uma história fascinante e profundamente enraizada, que remonta aos tempos coloniais e evoluiu significativamente ao longo dos séculos. Este estudo se propôs a investigar a história e a trajetória da educação jurídica no País, empregando uma metodologia baseada na revisão da literatura, com uma abordagem qualitativa e um caráter exploratório descritivo. Ao mergulhar na rica história do curso de Direito, que teve seu início durante o período imperial e agora conta com quase dois séculos de existência, foi possível constatar uma série de transformações substanciais nos métodos de ensino adotados. Estas mudanças foram impulsionadas não apenas pelas diretrizes educacionais que pautam o ensino no Brasil, mas também pela necessidade de acompanhar as constantes evoluções sociais e jurídicas, que moldam o panorama jurídico contemporâneo. Além disso, durante o processo de investigação, tornou-se evidente a influência significativa de atores externos à esfera pedagógica, mas que participam ativamente na definição do currículo do curso, adaptando-o ao contexto jurídico emergente e às demandas do sistema de justiça. Constatou-se que esta adaptação é crucial para assegurar que os futuros profissionais do Direito estejam devidamente preparados para enfrentar os desafios complexos que permeiam o exercício da advocacia e consequentemente da jurisdição. Assim, o presente estudo revelou não apenas a evolução histórica da educação jurídica no Brasil e o seu percurso ao longo dos séculos, mas também destacou a sua contínua evolução, transformação e relevância em face das demandas dinâmicas da sociedade brasileira e do seu sistema jurídico na contemporaneidade.

References

Brasil. Supremo Tribunal Federal. Relator julga inviável ação contra abertura de novos cursos de Direito durante a pandemia. Supremo Tribunal Federal. Brasília, DF. https://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=443478&ori=1

Conciliação Será Matéria Obrigatória nos Cursos de Direito. NUPEMEC Informa, Rio de Janeiro, n.37. http://www.tjrj.jus.br/documents/10136/4318255/nupemec-informa-37.pdf/0678872b-b0c2-1324-b5a2-c721606971c9?version=1.0

Cunha, J. D. (2007). Cooperação Técnica Brasil-Estados Unidos na Reforma Universitária de 1968. In: Anais do Simpósio Nacional de História, São Leopoldo, RS. https://www.anpuh.org.br/uploads/anais-simposios/pdf/2019-01/1548210565_afc50ef56c8f45306e8cbcf3301a1411.pdf

Decreto nº 1.386, de 28 de Abril de 1854. (1854). Dá novos Estatutos aos Cursos Juridicos. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1386-28-abril-1854-590269-publicacaooriginal-115435-pe.html

Decreto nº 1232 H - de 02 de janeiro de 1891. (1891). Approva o regulamento das Instituições de Ensino Juridico, dependentes do Ministerio da Instrucção Publica. Rio de Janeiro, RJ. https://legis.senado.leg.br/norma/391704/publicacao/15722524

Decreto nº 19.851 de 11 de abril de 1931. (1931). Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferencia, ao systema universitario, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização technica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto nº 3.903, de 12 de Janeiro de 1901. (1901). Approva o regulamento das Faculdades de Direito. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-3903-12-janeiro-1901-511250-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto nº 608, de 16 de Agosto de 1851. (1851). Autorisa o Governo para dar novos Estatutos aos Cursos Juridicos e ás Escolas de Medicina; assim como a crear mais duas Cadeiras, huma de Direito Administrativo, e outra de Direito Romano. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-608-16-agosto-1851-559297-publicacaooriginal-81461-pl.html

Decreto nº 7.247, de 19 de abril de 1879. (1879). Reforma o ensino primario e secundario no municipio da Côrte e o superior em todo o Imperio. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-7247-19-abril-1879-547933-publicacaooriginal-62862-pe.html

Decreto nº 8.659, de 5 de abril de 1911. (1911). Approva a lei Organica do Ensino Superior e do Fundamental na Republica. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-8659-5-abril-1911-517247-publicacaooriginal-1-pe.html

Decreto nº 8.662, de 5 de abril de 1911. (1911). Approva o regulamento das Faculdades de Direito. Rio de Janeiro, RJ. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-8662-5-abril-1911-499813-republicacao-101881-pe.html

Denzin, N. K., Lincoln, Y. S. (orgs.). (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens (2ª ed). Porto Alegre: Artmed.

Fonseca, R. M. (2008). Vias da Modernização Jurídica Brasileira: A cultura jurídica e os perfis dos juristas brasileiros do século XIX. Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, (98), p. 257-294. https://pos.direito.ufmg.br/rbep/index.php/rbep/article/view/76

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6ª ed). São Paulo: Atlas.

Holanda, A. P. A. de. (2008). A Escola de Recife e seu papel na construção do ensino jurídico brasileiro: uma ruptura de paradigmas. In: Carlini, A. et al. (orgs). 180 anos do ensino jurídico no Brasil. Campinas: Millennium, p. 27-47.

https://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2020/article/view/1625

Lei de 11 de agosto de 1827. (1827). Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Rio de Janeiro, RJ. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM.-11-08-1827.htm

Lima, S. H. B., Zappelini, T. D. (2021). Competências Atitudinais e a Diretrizes Curriculares do Curso de Direito: o ensino jurídico e a formação de profissionais do futuro. In: Silva, A. P. da., Fabiani & E. R., Feferbaum, M. Transformações no Ensino Jurídico. São Paulo: FGV. p. 130-146. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/30746/Transformac%20o%20es%20no%20Ensino%20Juri%20dico.pdf?sequence=1

Minha Biblioteca. (2021). Curso de Direito EAD deve começar em 2022. Recuperado de https://minhabiblioteca.com.br/blog/curso-de-direito-ead/. Acesso em: 26 dez. 2021.

Oliveira, J. S. de; Toffoli, V. (2012) O Ensino Jurídico em nosso país no período imperial e no primeiro momento republicano, sua evolução histórico-metodológica e suas consequências na contemporaneidade. Florianópolis: Fundação Bouitex. http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=6c14da109e294d1e

Ordem dos Advogados do Brasil. (2022). A história do ensino jurídico no Brasil. Brasília, DF. https://www.oab.org.br/noticia/60148/a-historia-do-ensino-juridico-no-brasil

Ordem dos Advogados do Brasil. (2019). Petição para ação que se opõe à oferta de cursos de Direito sob a modalidade de ensino a distância. Brasília, DF. http://s.oab.org.br/arquivos/2019/11/2f664169-9e3a-4bcb-aa84-12d48dcd1394.pdf

Parecer CNE/CES Nº 757/2020. Altera o artigo 5º da Resolução CNE/CES nº 5, de 17 de dezembro de 2018, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 580, 15 abr. 2021. https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/pdf/CNE_PAR_CNECESN7572020.pdf

Parecer CNE/CES nº 211/2004. Trata sobre Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Direito. Ministério da Educação, Brasília, DF. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2004/ces0055_2004.pdf

Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. (2020). Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376

Resolução CNE/CES nº 5, de 17 de dezembro de 2018. (2018). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Brasília, DF. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/55640393/do1-2018-12-18-resolucao-n-5-de-17-de-dezembro-de-2018-55640113 DOI: https://doi.org/10.24859/fdv.2019.2.005

Resolução CNE/CES n° 9, de 29 de setembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Brasília, DF. https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECESN92004.pdf?query=EDUCA%C3%87%C3%83O%20SUPERIOR#:~:text=Institui%20as%20Diretrizes%20Curriculares%20Nacionais,bacharelado%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias

Radomysler, C. N., Feferbaum, M. (2021). Mudanças Tecnológicas na Profissão Jurídica: um olhar sobre o ensino do Direito. In: Silva, A. P., Fabiani, E. R. & Feferbaum, M. Transformações no Ensino Jurídico. São Paulo: FGV. p. 35-55. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/30746/Transformac%cc%a7o%cc%83es%20no%20Ensino%20Juri%cc%81dico.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Resolução nº 125 de 29 de novembro de 2010. (2010). Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. Brasília, DF. https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/156

Rodrigues, V. R. F. (2019). Jurista eloquente e jurista cientista: identificação de perfis intelectuais na cultura jurídica paraense da segunda metade do século XX. In: Anais do Congresso Nacional do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, SC.

Rudniki, D. (2008). O Estatuto do Visconde de Cachoeira e os debates parlamentares sobre o ensino jurídico brasileiro ocorridos entre 1823 e 1827. In: Carlini, A. et al. (orgs.). 180 anos do ensino jurídico no Brasil. Campinas-SP: Millennium.

Santos, G., Mesquita, I. M. (2018). A supremacia será sempre dos mais inteligentes: a formação jurídica paulista no século XIX. Interfaces Científicas: Educação, Tiradentes, MG, 3(6), p. 193-204. https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/4868 DOI: https://doi.org/10.17564/2316-3828.2018v6n3p193-204

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23ª ed. rev. e atual.), São Paulo: Cortez. DOI: https://doi.org/10.36311/2007.978-85-249-1311-2

Published

2024-05-17

How to Cite

Hendawy, A. A., & Dullius, M. M. (2024). O ensino jurídico no Brasil: história e transformação. Caderno Pedagógico, 21(5), e4337. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-138

Issue

Section

Articles