Fitossociologia de plantas daninhas em cultivo de feijão-comum BRS Ártico em diferentes densidades de semeadura

Authors

  • Marina Borges de Oliveira Silva
  • Abner José de Carvalho
  • Ignácio Aspiazú
  • Evander Alves Ferreira
  • Dayana Lúcia Mota Pinheiro Bernardino
  • José Almir Esposo Barbosa
  • Simônica Maria de Oliveira
  • Edmilson da Silva Barbosa

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-053

Keywords:

Phaseolus vulgaris L., Levantamento Fitossociológico, Interferência, Competição Intra e Interespecífica, Ajuste Fitotécnico

Abstract

O objetivo deste trabalho foi caracterizar a fitossociologia de plantas daninhas em cultivo de feijão-comum da cultivar BRS Ártico, em função de densidades de semeadura, no semiárido mineiro. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental da Universidade Estadual de Montes Claros, UNIMONTES, em Janaúba, MG, nas safras de outono-inverno de 2016 e 2017. Os tratamentos consistiram em quatro densidades de semeadura (50, 100, 200 e 500 mil sementes ha-1). A coleta das plantas daninhas foi realizada por ocasião da colheita do feijão, coletando-se o sistema radicular e a parte aérea completa, pelo método do quadrado inventário (0,5 m x 0,5 m), lançado uma vez em cada parcela. As plantas daninhas coletadas foram identificadas por família, gênero e espécie, e logo após levadas à estufa de circulação forçada de ar a 65 °C até massa constante, para posterior pesagem da massa seca. Em cada parcela experimental foi determinado o número de indivíduos por espécie de planta daninha e o número total por coleta para posterior determinação das seguintes variáveis fitossociológicas: frequência relativa, densidade relativa, abundância relativa, dominância relativa, índice de valor de importância e índice de valor de cobertura. As médias dos dados obtidos foram estudadas por análise descritiva. Na maioria das condições estudadas as espécies dicotiledôneas predominaram, especialmente nas maiores densidades de semeadura. Houve predomínio das famílias Poaceae, Asteraceae e Fabaceae. De maneira geral, os maiores valores do índice de valor de importância e índice de valor de cobertura foram obtidos pelas espécies Sena obtusifolia, Eleusine indica, Dactyloctenium aegyptium.

References

ALBUQUERQUE, J. A. A et al. Estudo florístico de plantas daninhas em cultivos de melancia na Savana de Roraima, Brasil. Scientia Agropecuaria, Piracicaba, v. 8, n. 2, p. 91-98. 2017.

BATISTA, P. S. C et al. Phytosociological survey of weeds in cultivars of common beans with different types of growth in the north of Minas Gerais. Planta Daninha, Viçosa, v. 34, n. 3, p. 497-507. 2016.

BORCHARTT, L et al. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do feijoeiro-comum (Phaseolus vulgaris L.). Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 42, n. 3, p. 725-734, 2011.

BRAUN-BLANQUET, J. Fitossociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.

BRIGHENTI, A. M. et al. Cadastramento fitossociológico de plantas daninhas na cultura de girassol. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 5, p. 651-657, 2009.

BRIGHENTI, A. M. Manual de Identificação e Manejo de Plantas Daninhas em Cultivos de Cana-de-açúcar. Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite. 2010. 112p.

CHAGAS, J. M et al. Feijão. In: RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G.; ALVAREZ V.V. H. (Eds.). Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5ª aproximação. Viçosa: UFV, 1999. p. 306-307.

CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos, Brasília, DF, v. 11, safra 2023/24, n. 6 sexto levantamento, março 2024. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras>. Acesso em: 10 maio 2024.

FORTE, C. T. et al. Habilidade competitiva de cultivares de soja transgênica convivendo com plantas daninhas. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 12, n. 2, p.185-193, 2017

FRANCESCHETTI, M. B. et al. Interference of Urochloa plantaginea on morphophysiology and yield components of black beans. Journal of Agricultural Science, v. 11, n. 9, p. 272-280, 2019.

GALON, L. et al. Competição entre híbridos de milho com plantas daninhas. South American Sciences, v. 2, n. 1, p. e21101-e21101, 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA – INMET. Dados meteorológicos de estações automáticas.Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/. Acesso em: 03 jun. 2019.

KÖPPEN, W. Climatologia: con um estúdio de los climas de la Tierra. México: Fondo de Cultura Economica, 1948. 478 p.

LACERDA, M. L. et al. Fitossociologia de plantas daninhas em cultivo de feijão-caupi no semiárido mineiro. Nativa, Sinop, v. 9, n. 5, p. 528-535, 2021.

MAIA JÚNIOR, S. O. et al. Soil management and mulching for weed control in cowpea. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 48, n. 4, p. 453-460, 2018.

MOREIRA, H. J da C.; BRAGANÇA, H. B. N. Manual de identificação de plantas infestantes. Campinas-SP. 2011. 510 p.

MULLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H A. Aims and methods of vegetation ecology, New York: John Wiley E Sons, 1974. 547 p.

NETTO, A, G. et al. Multiple resistance of Amaranthus palmeri to ALS and EPSPS inhibiting herbicides in the State of Mato Grosso, Brasil. Planta Daninha, v. 34, n. 3, p. 581-587, 2016.

NORSWORTHY, J. K. Soybean canopy formation effects on pitted morninglory (Ipomea lacunosa), common cocklebur (Xanthium strumarium), and sicklepod (Senna obtusifolia) emergence. Weed Science, Champaign, v. 52, n. 6, p. 954-960, 2004.

OSIPITAN, O. A. Weed interference and control in cowpea production: A review. Journal of Agricultural science, Cambridge, v. 9, n. 12, p. 11-20, 2017.

PEREIRA, H. S et al. BRS Ártico – Common bean cultivar with export-standard white grain. Crop Breeding and Applied Biotechnology, Viçosa, v. 16, n. 2, p. 163-166, 2016.

PITELLI, R. A.; BIANCO, S. Avaliações de índices fitossociológicos em comunidades infestantes de agroecossistemas. SILVA, J. F. et al. Manual de aulas práticas de plantas daninhas. Jaboticabal: Funep, 2013. cap. 1, p. 1-7.

SILVA, D. A. et al. Caracterização de plantas daninhas em área rotacionada de milho e feijão-caupi em plantio direto. Scientia Agropecuaria, Piracicaba, v. 9, n. 1, p. 7-15. 2018.

SILVA, D. M. R. et al. Physiocycological survey: interference of spontaneous plants associated to carioca bean cultivation. Revista Agrotecnologia, Ipameri, v. 8, n. 2, p. 37-43, 2017.

SCHWARTZ-LAZARO, L. M.; COPES, J. T. A review of the soil seedbank from a weed scientists perspective. Agronomy, v. 9, n. 7, p. 369, 2019.

TAVARES, C. J et al. Fitossociologia de plantas daninhas na cultura do feijão. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 8, n.1, p. 27-32, 2013.

TEIXEIRA I. R. et al. Competição entre feijoeiros e plantas daninhas em função do tipo de crescimento dos cultivares. Planta Daninha, Viçosa, v. 27, n. 2, p. 235-240, 2009.

TEIXEIRA-JUNIOR, D.V et al. Fitossociologia e características botânicas de plantas daninhas na cultura da mandioca. Revista Sodebras, Brasília. v. 138, n. 12, p. 95-99, 2017.

TOPANOTTI, L. R.; PEREIRA, P. H.; BECHARA. F. C. Germinação de sementes de Senna obtusifolia (L.) H. S. Irwin e Barneby (Fabaceae) visando a restauração de áreas degradadas. Publicatio UEPG Ciências Biológicas e da Saúde, Ponta Grossa, v. 20, n. 2, p. 125-129. 2014.

VIECELLI, M. et al. Características morfofisiológicas dos genótipos de feijão brasileiros relacionadas à tolerância à sulfentrazona. Revista de Ciência e Saúde Ambiental, v. 56, n. 8, p. 706-721, 2021.

Published

2024-06-06

How to Cite

Silva, M. B. de O., Carvalho, A. J. de, Aspiazú, I., Ferreira, E. A., Bernardino, D. L. M. P., Barbosa, J. A. E., Oliveira, S. M. de, & Barbosa, E. da S. (2024). Fitossociologia de plantas daninhas em cultivo de feijão-comum BRS Ártico em diferentes densidades de semeadura . Caderno Pedagógico, 21(6), e4284 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-053

Issue

Section

Articles