A (in)conveniência do conceito: impostura e debilidades da racionalidade fechada

Authors

  • Paulo Sérgio Raposo da Silva

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-100

Keywords:

Ciência, Conceito, Pensamento, Teoria

Abstract

Este é um artigo de crítica ao conceito e à formulação de teorias como fins em si mesmos, a partir do Pensamento Complexo arquitetado por Edgar Morin e de pensadores vinculados à esse Pensamento. Como prática comum às ciências, a conceituação é tanto mais um modo de produção de conhecimento quanto uma maneira de se alienar em relação às realidades, já que estas são dados efetivos que extrapolam a pretensão de objetividade absoluta das práticas científicas. A própria institucionalização do pensamento para torná-lo uma ciência opera no sentido de produzir hierarquizações e modos de se relacionar com o todo que, apesar da sua importância inegável, são formas de autoengano para quem considera que seu discurso sobre o real pode ser capaz de esgotar verdades essenciais. Não pode, e cumpre reafirmar isto, para que a crítica à universidade e aos centros de produção de conhecimento não seja uma pauta apenas dos negacionistas ou dos seus inimigos ideológicos. Este é, inclusive, o objetivo deste trabalho: produzir uma autocrítica das práticas científicas, que reconheça suas limitações e suas debilidades sem negar a imprescindibilidade das ciências para decidir sobre dilemas sociais, antropológicos, políticos e culturais, de modo que as narrativas ilusórias, obscurantistas ou ideologicamente distorcivas não tenham razões objetivas para circularem nas instâncias de poder que deliberam acerca da vida pública. Esta pode ser uma das maneiras pelas quais a racionalidade seja tensionada ao ponto de pensar e reproduzir novas gramáticas, linguagens e modos de comunicação, de sorte que a opinião pública compreenda melhor os modos de operar e os princípios de seriedade das ciências humanas, exatas ou da natureza.     

References

ALMEIDA, Maria da Conceição de. Ciências da complexidade e educação: razão apaixonada e politização do pensamento. 2. ed. Curitiba: Appris, 2017. DOI: https://doi.org/10.18542/reumam.v2i1.12313

GLEISER, Marcelo. A simples beleza do inesperado: um filósofo natural em busca de trutas e do sentido da vida. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2019.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 13. ed. Rio de Janeiro: Perspectiva, 2017.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. 12. ed. Campinas: Papirus, 2012.

MORIN, Edgar. X da questão: o sujeito à flor da pele. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MORIN, Edgar. O método 6: ética. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 17. ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 2018.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. 13. ed. São Paulo: Cultrix, 2007.

POPPER, Karl. Conjecturas e refutações: o processo do conhecimento científico. 5. ed. Brasília: Editora UNB, 2008.

SHELDRAKE, Rupert. Ciência sem dogmas: a nova revolução científica e o fim do paradigma materialista. São Paulo: Cultrix, 2014.

STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34, 2002.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Published

2024-05-14

How to Cite

Silva, P. S. R. da. (2024). A (in)conveniência do conceito: impostura e debilidades da racionalidade fechada. Caderno Pedagógico, 21(5), e4279. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-100

Issue

Section

Articles