Aproximações entre os campos da filosofia da educação e da formação de professores: as “competências” em questão

Authors

  • Patricia Soares Venzon
  • Rosana Silva de Moura

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-039

Keywords:

Filosofia da Educação, Formação de Professores, Competências, Solidariedade, Partilha

Abstract

O presente texto, cuja metodologia contempla os pressupostos de uma pesquisa qualitativa e bibliográfica, propõe lançar luz a alguns aspectos de dois conceitos-chave na pedagogia: educação e formação (Bildung). Parte-se da pressuposição de que seus sentidos originários e distinções, em nossos dias, por vezes, permanecem inquestionados, ou aprisionados na tradição, precisando ser revisitados e atualizados. Nesse sentido, a partir de pesquisas do horizonte da Filosofia da Educação, aproximar-nos-emos das concepções de alguns(as) estudiosos(as) que se ocupam ou se ocuparam da questão, com vistas a pensar tanto a historicidade, quanto a atualidade desses conceitos. Em um segundo momento, já munidos com as elucidações acerca dos conceitos de educação e formação (Bildung), nossa análise recairá sobre a ênfase no desenvolvimento de “competências e habilidades”, que permeia o contexto educacional na atualidade. Para tanto, voltar-nos-emos ao campo de formação de professores, no qual essa questão vem sendo amplamente debatida por diversos estudiosos(as) brasileiros(as). A ideia de “competência”, implicitamente, visa a atender aos ditames, à lógica do capitalismo e do neoliberalismo, que se impõe em todos os setores da sociedade, inclusive no sistema educacional institucionalizado. Ademais, estudos indicam que, nas entrelinhas, tal ideia esconde alguns problemas, como a culpabilização dos(as) professores(as) pelo fracasso escolar, bem como a desvalorização e a desintelectualização desses(as) profissionais; provoca a crescente mercantilização da formação de professores; e traduz-se, ainda, na fragmentação da formação, o que se distancia dos ideais da formação como Bildung (autoformação, cultivo, educação integral do ser humano). Por fim, apresentaremos a tese de que a “solidariedade” e a “partilha” podem ser modos de contrabalançar o aspecto feroz da competitividade que hoje reina na sociedade. Surgem daí nossos questionamentos: o que se quer desenvolver no campo educacional: seriam “habilidades e competências” ou “habilidades competitivas”? A “solidariedade” e a “partilha” seriam possíveis caminhos para a superação da ideia de “competência” que hoje se sobrepõe à ideia de formação? Entendemos que o contributo maior do presente texto reside na ponte entre esses dois campos de investigação educacional, a Filosofia da Educação e a Formação de Professores, que aqui se encontram entrelaçados por uma preocupação comum: a formação humana.

References

ALVES, Alexandre. A tradição alemã do cultivo de si (Bildung) e sua significação histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 2, e83003, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2175-623683003. Acesso em: 12 ago. 2023.

ARENDT, Hannah. A crise na educação. In: ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2003. p. 221-247.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 22/2019, de 7 de novembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 12 dez. 2023.

BRITTO, Fabiano. Nietzsche, Bildung e a tradição magisterial da filologia alemã. Anallytica, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 149-181, 2008. Disponível: https://revistas.ufrj.br/index.php/analytica/article/view/539. Acesso em: 15 jun. 2023.

BRITTO, Fabiano. A máquina da cultura: pedagogia e política entre Wilhelm von Humboldt e Nietzsche. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 3, p. 302-310, set./dez. 2011.

FLICKINGER, Hans-Georg. A institucionalização da educação em questão. In: DALBOSCO, Claudio A.; MÜL, Edson H.; FLICKINGER, Hans-Georg (org.). Formação humana (Bildung): despedida ou renascimento? São Paulo: Cortez, 2019. p. 159-173.

FREITAS, Helena C. L. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 80, p. 136-167, set. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/hH5

LZRBbrDFKLX7RJvXKbrH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 jun. 2023.

GADAMER, Hans-G. Verdade e Método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 15. ed. Tradução de Flávio Paulo Meurer. Rev. da tradução Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2015.

GÉLIS, Jacques. A individualização da infância. In: ARIÈS, Philippe; CHARTIER, Roger (org.). História da vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. Tradução Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 310-329.

HOYER, Timo. Formação como cidadania ou: para que formação? In: DALBOSCO, Claudio A.; MÜL, Edson H.; FLICKINGER, Hans-Georg (org.). Formação humana (Bildung): despedida ou renascimento? São Paulo: Cortez, 2019. p.143-158.

JAEGER, Werner Wilhelm. Paideia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Pereira. Adaptação do texto para a edição brasileira Monica Stahel. Revisão do texto grego Gilson César Cardoso de Souza. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

KOSELLECK, Reinhart. História de conceitos: estudos sobre a semântica e a pragmática da linguagem política e social. Contribuições Ulrike Spree e Willibald Steinmetz. Posfácio de Carsten Dutt; Tradução de Markus Hediger. Revisão técnica e de tradução Bernardo Ferreira e Arthur Alfaix Assis. Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.

LIMA, Rafael Lucas. Sobre a Educação. Educação e Filosofia, Uberlândia, MG, v. 37, n. 79, p. 375-408, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.14393/

REVEDFIL.v37n79a2023-64886. Acesso em: 12 dez. 2023.

MAGALHÃES, Lígia K. C. de; AZEVEDO, Leny C. S. S. Formação continuada e suas implicações: entre a lei e o trabalho docente. Caderno Cedes, Campinas, SP, v. 35, n. 95, p. 15-36, jan./abr. 2015. Disponível em: https://doi.org/

1590/CC0101-32622015146769. Acesso em: 15 de julho de 2023.

MILITÃO, Andréa N. A inserção da terminologia "Direito à Aprendizagem” no arcabouço legal da Formação de Professores. Revista Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-25. jul./set. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.

/praxisedu.v17i46.8921. Acesso em: 12 jun. 2023.

MOURILHE, Poliana. Da educação estética em Schiller. Estética e Semiótica, Brasília, v. 12, n. 1, p. 33-39, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/

index.php/esteticaesemiotica/article/view/43860. Acesso em: 9 jan. 2024.

NÓVOA, Antônio. Currículo e docência: a pessoa, a partilha, a prudência. In: GONÇALVES, Elisa Pereira; PEREIRA, Maria Zuleide da Costa; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de (org.). Currículo e contemporaneidade: questões emergentes. Campinas, SP: Alínea, 2004. p. 17-29.

OLIVEIRA, Avelino da R.; OLIVEIRA, Neiva A. Modelos de formação humana: paideia, Bildung e formação ominilateral. In: BOMBASSARO, Luiz C.; DALBOSCO, Cláudio A.; HERMANN, Nadja (org.). Percursos hermenêuticos e políticos: homenagem a Hans-Georg Flickinger. Porto Alegre: EDIPUC-RS, 2014. p. 208-222.

RODRÍGUEZ, Ramón. Hermenêutica e subjetividade. Tradução de Rebeca Furtado. Rio de Janeiro: Via Verita, 2016.

ROSSI, Fernanda; Hunger, Dagmar A. C. F. O cenário global e as implicações para a formação continuada de professores. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, SP, v. 23, n. 42, p. 72-89, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/107339. Acesso em: 15 jun. 2023.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem. Tradução de Marcio Susuki e Roberto Schwarz. São Paulo: Iluminuras, 2002.

SEVERINO, Antônio Joaquim. A busca do sentido da formação humana: tarefa da Filosofia da Educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 619-634, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000300013. Acesso em: 23 jun. 2023.

SIMIONATO, Margareth F.; Hobold, Márcia de S. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores: padronizar para controlar? Revista Práxis Educacional, [S. l.], v. 17, n. 46, p. 1-17, jul./set. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8917. Acesso em: 25 fev. 2022.

SOUZA, Denise T. R. de. Formação continuada de professores e fracasso escolar: problematizando o argumento da incompetência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 477-492, set./dez. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/CNCtVGSSmZCZpcnrfnbByyr/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 set. 2023.

STEIN, Ernildo. Nas proximidades da Antropologia: ensaios e conferências filosóficas. Ijuí: Editora Unijuí, 2003.

SUAREZ, Rosana. Nota sobre o conceito de Bildung (formação cultural). Kriterion, Belo Horizonte, n. 112, p. 191-198, dez. 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-512X2005000200005. Acesso: 9 jan. 2024.

WEBER, José F. Bildung e educação. Educação & Realidade, Porto Alegre, p. 117-133, jul./dez. 2006. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educa

caoerealidade/article/view/6848/4119. Acesso em: 30 ago. 2023.

Published

2024-06-05

How to Cite

Venzon, P. S., & Moura, R. S. de. (2024). Aproximações entre os campos da filosofia da educação e da formação de professores: as “competências” em questão . Caderno Pedagógico, 21(6), e4229. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-039

Issue

Section

Articles