Deficiências constatadas em estudos e relatórios de impacto ambiental no estado do Rio de Janeiro

Authors

  • Marcela Pinto Barbosa Vassar
  • William Rocha Maximino de Oliveira
  • Fabíola de Sampaio Rodrigues Grazinoli Garrido
  • Fábio Souto de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-028

Keywords:

Degradação Ambiental, Licenciamento, Meio Ambiente, Estudos Ambientais

Abstract

No Estado do Rio de Janeiro observa-se expressiva degradação ambiental, cenário que está associado à elevada urbanização, industrialização e densidade demográfica. Para colaborar no processo de reverter esse quadro, o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) são ferramentas utilizadas para prever as alterações que ocorrerão no meio ambiente com a implementação de empreendimentos, sendo úteis para evitar a deterioração da qualidade ambiental. Contudo, é necessário que tais estudos sejam executados com adequada qualidade. Assim, o objetivo deste trabalho foi indicar e analisar as falhas observadas nos EIAs e RIMAs e suas consequências negativas para a proteção da adequada qualidade ambiental no Estado do Rio de Janeiro. Para identificar e analisar as principais falhas nos EIA/RIMAs, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre o tema, juntamente com a análise de 10 EIA/RIMAs confeccionados para o licenciamento de empreendimentos ou atividades no Rio de Janeiro. Entre as deficiências observadas nos estudos ambientais estão a apresentação deficitária das alternativas locacionais e tecnológicas, diagnóstico ambiental do meio biológico restrito em relação aos grupos taxonômicos abordados e falhas na apresentação dos impactos ambientais e medidas mitigadoras. Foi possível constatar que deficiências destes estudos ameaçam a eficácia do processo, o meio ambiente e a sociedade. É interessante que as equipes que elaboram os EIA/RIMAs sejam mais cuidadosas na sua preparação. Além dos órgãos ambientais competentes e demais autoridades públicas serem mais rigorosos na avaliação dos estudos ambientais e de todo processo de licenciamento. Os órgãos ambientais competentes podem ainda criar Instruções Técnicas mais exigentes e com instruções minuciosas para orientar a preparação dos EIA/RIMAs. Toda a sociedade e, principalmente, os cidadãos que residem na Área de Influência dos empreendimentos podem acompanhar o processo de licenciamento, se manifestando sobre o projeto proposto, para que os estudos ambientais sejam melhor preparados.

References

Absy ML, Assunção FNA, Faria SC (1995) Avaliação de impacto ambiental: agentes sociais, procedimentos e ferramentas. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

Aguiar TC (2017) Uma visão integrada dos impactos ambientais no estado do Rio de Janeiro. In: Marafon, G.J., and Ribeiro, M.A. orgs. Revisitando o ter-ritório fluminense, VI [online]. Rio de Janeiro: EDUERJ, pp. 65-84. ISBN: 978-85-7511-457-5. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575114575.0005

Almeida FS, Garrido FSRG, Almeida AA (2017) Avaliação de impactos ambi-entais: uma introdução ao tema com ênfase na atuação do Gestor Ambien-tal. Diversidade e Gestão, v. 1, p. 70-87, 2017.

Almeida FS (Ed.) (2020) Impactos Ambientais de grandes empreendimentos no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Autografia.

Almeida AN, Oliveira NB, Silva JCGL, Angelo H (2016) Principais deficiências dos Estudos de Impacto Ambiental. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (2016): 3(4): 3-14. ISSN 2359-1412. RBGAS-2016-0004/3/4/1/3. DOI: https://doi.org/10.21438/rbgas.030401

Alves LC, Figueiredo ALA, Lopes TS, Marchiori JJP, Garrido FSRG, Almeida FS Degradação do rio Paraíba do Sul no Município de Três Rios: causas e consequências. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, v. 14, p. 248-259, 2020.

Barbieri JC (2007) Gestão Ambiental Empresarial. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Bento LDP, Almeida, FS (2016) Falhas no processo de Licenciamento Am-biental com base no Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e no Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v4i2.168

Brasil (1981) Lei n° 6.938, de 31 de agosto de 1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm> Acesso em 09 de agosto de 2022.

Brasil (1986) Resolução CONAMA 01 de 1986. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/cepsul/legislacao/resolucao/219-1986.html> Aces-so em 09 de agosto de 2022.

Brasil (1988) Constituição Federal de 1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em 02 de fevereiro de 2022.

Câmara dos Deputados. Em 1763 a capital do Brasil foi transferida de Sal-vador para o Rio de Janeiro, 2022. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/radio/programas/394447-em-1763-a-capital-do-brasil-foi-transferida-de-salvador-para-o-rio-de-janeiro/#:~:text=M%C3%BAsica%20do%20Dia-,Em%201763%20a%20capital%20do%20Brasil%20foi%20transferida,para%20o%20Rio%20de%20Janeiro&text=Em%201960%20a%20capital%20do,foi%20o%20Rio%20de%20Janeiro.> Acesso em 19 de julho de 2022.

CCCRJ - Centro do Comércio de Café do Rio de Janeiro. O Café no Rio - Evo-lução da Produção, 2022. Disponível em: <http://www.cccrj.com.br/rio/producao.htm> Acesso em 08 de agosto de 2022.

CEPERJ - Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro. Coordenadoria de Geociências, Regiões de Governo do Estado do Rio de Janeiro, 2022. Disponível em: <https://www.ceperj.rj.gov.br/?page_id=262> Acesso em 19 de julho de 2022.

CEPERJ - Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro. Produto Interno Bruto dos Muni-cípios, 2020. Disponível em: <http://arquivos.proderj.rj.gov.br/sefaz_ceperj_imagens/Admin/Uploads/PIB-MUICIPIOS-DEZ-2020_(1).pdf> Acesso em 19 de julho de 2022.

Conservação Internacional Brasil. Hotspots Revisados: As Regiões Biologi-camente mais Ricas e Ameaçadas do Planeta, 2022. Disponível em: <https://www.conservation.org/docs/default-source/brasil/hotspotsrevisitados.pdf?sfvrsn=f883efb6_2> Acesso em 14 de junho de 2022.

Devide, A.C.P. História ambiental do Vale do Paraíba. Qualificação (Doutora-do no Curso de Pós-Graduação em Fitotecnia - Área de Concentração Agroecologia) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2013. 22p.

EIA Autódromo do Rio de Janeiro (2019) INEA - Instituto Estadual do Ambien-te. Estudo de Impacto Ambiental do Autódromo Internacional do Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2019/12/1.-Volumes.7z> Acesso em 07 de julho de 2022.

EIA Campos dos Goytacazes (2017) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Estudo de Impacto Ambiental da Usina Termoelétrica Rolugi em Campos dos Goytacazes, 2017. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/downloads/EIA-RI-MA/2017/E_07_002.10501_2015%20Campos%20dos%20Goytacazes%20Usina%20Termoel%C3%A9trica%20Rolugi.7z> Acesso em 07 de julho de 2022.

EIA Macaé (2018) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Estudo de Impacto Ambiental do Terminal Portuário de Macaé, 2018. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/downloads/EIA-RI-MA/2018/E_07_002.1325_2013%20Maca%C3%A9%20Terminal%20Portu%C3%A1rio%20TEPOR.7z> Acesso em 07 de julho de 2022.

EIA Resende (2021) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Estudo de Impac-to Ambiental do Centro de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Só-lidos e Industriais (Classe I e II) de Resende, 2021. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1KU1DWX6DPiU5s-Rgr6Py65t2HwTF66Rh/view?usp=sharing> Acesso em 07 de julho de 2022.

EIA São João da Barra (2020) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Estudo de Impacto Ambiental de Dois Oleodutos de 44 km de São João da Barra, Campos dos Goytacazes e Quissamã, 2020. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2020/02/EIA_COMPLETO_BR_C.pdf> Acesso em 07 de julho de 2022.

EIA Rio Bonito (2021) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Estudo de Im-pacto Ambiental de Extração de Areola, Argila, Areia e Saibro de Rio Boni-to, 2021. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1cpoq0LXCniBl_6oUFI6pmWRC6A_Xfydz/view?usp=sharing> Acesso em 07 de julho de 2022.

Faria ID (2011) Crença e Ciência no licenciamento ambiental. Parte III: Sobre alguns dos problemas que dificultam o licenciamento ambiental no Brasil. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas do Senado. (Textos para Discus-são, 99). Disponível em: <http://www12.senado.gov.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de-estudos/textos-para-discussao/td-99-ambiente-e-energia-crenca-e-ciencia-no-licenciamento-ambiental.-parte-iii-sobre-alguns-dos-problemas-que-dificultam-o-licenciamento-ambiental-no-brasil>. Acesso em 24 de janeiro de 2023.

Galvão MCC (2009) Percursos geográficos. Rio de Janeiro: Lamparina PPGG/UFRJ.

Google Earth Pro (2023) Disponível em: < https://www.google.com/intl/pt-BR/earth/about/versions/> Acesso em 27 de janeiro de 2023.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama Rio de Janeiro | Cidades e Estados, 2021. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/> Acesso em 13 de junho de 2022.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produto Interno Bruto - PIB IBGE, 2022. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php> Acesso em 03 de agosto de 2022.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Área de Proteção Ambiental Cairuçu. Atrativos Culturais - Cultura Indígena, 2022. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/cairucu/visitacao/atrativos-culturais.html?start=2> Acesso em 08 de agosto de 2022.

INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Biodiversidade da Mata Atlântica, 2022. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/Portal/Agendas/BIODIVERSIDADEEAREASPROTEGI-DAS/MataAtlantica/index.htm&lang#:~:text=A%20Mata%20Atl%C3%A2ntica%20%C3%A9%20simultaneamente,quil%C3%B4metros%20pelo%20interior%20do%20Brasil> Acesso em 14 de junho de 2022.

INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Consulta a EIA/RIMA, 2022. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/publicacoes/consulta-eia-rima/> Acesso em 07 de julho de 2022.

Instituto Água e Terra (2023) Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas ou Alteradas - PRAD. Disponível em: <https://www.iat.pr.gov.br/Pagina/Projeto-de-Recuperacao-de-Areas-Degradadas-ou-Alteradas-PRAD#:~:text=O%20Projeto%20de%20Recupera%C3%A7%C3%A3o%20de,prever%20cronograma%20de%20implanta%C3%A7%C3%A3o%20e> Acesso em: 27 de janeiro de 2023.

Lima, S. S. Racismo ambiental e comunidades indígenas - uma visão deco-lonial e histórica da luta indígena na atualidade. Revista Científica Multidis-ciplinar, 1(1), 2021. e25282. DOI: https://doi.org/10.47820/recima21.v1i1.282

Lima MC, Menezes SJMC, Almeida FS (2020) Área de Proteção Ambiental Rainha das Águas do Município de Paraíba do Sul (RJ, Brasil): estudo da cobertura florestal, contingências e manejo. Ciência Florestal, v. 30, p. 1130-1146. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509841980

Lewinsohn TM, Prado PI (2005) Quantas espécies há no Brasil? Megadiver-sidade 1(1): 36-42.

Machado PAL (1998) Direito ambiental brasileiro. 7. ed. São Paulo: Malhei-ros. p.166.

Mariuzzo P (2011). Atlas do comércio transatlântico de escravos. Ciência e Cultura, 63(1), 59-61. https://dx.doi.org/10.21800/S0009-67252011000100021 DOI: https://doi.org/10.21800/S0009-67252011000100021

Moraes MMG, Amorim CC (2016) Procedimentos de licenciamento ambiental no Brasil. Brasília: MMA, 2016. 544p.

MMA - Ministério do Meio Ambiente (2002) Biodiversidade brasileira: avalia-ção e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utili-zação sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos bio-mas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 404p.

MPU - Ministério Público da União (2004) Deficiências em estudos de impac-to ambiental: síntese de uma experiência. Brasília: Escola Superior do Minis-tério Público.

Myers N, Mittermeier RA, Mittermeier CG, da Fonseca GA, Kent J (2000) Biodi-versity hotspots for conservation priorities. Nature. 2000 Feb 24;403(6772):853-8. doi: 10.1038/35002501. PMID: 10706275. DOI: https://doi.org/10.1038/35002501

Oliveira JA, Menezes SJMC, Lopes TS, Almeida FS (2021). Impactos socio-ambientais do rompimento de barragens de rejeitos de mineração no Es-tado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 49–60. Disponível em: <https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/8364>. Acesso em 18 janeiro de 2023.

Prado Filho, J. F. do., & Souza, M. P. de .. (2004). O licenciamento ambiental da mineração no Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais: uma análise da implementação de medidas de controle ambiental formuladas em EIAs/RIMAs. Engenharia Sanitária E Ambiental, 9(4), 343–349. https://doi.org/10.1590/S1413-41522004000400012 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-41522004000400012

RBMA - Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. A Mata Atlântica, 2022. Dispo-nível em: <https://rbma.org.br/n/a-mata-atlantica/> Acesso em 14 de junho de 2022.

Ribeiro MA e O’Neil M (2012) Considerações sobre a dinâmica populacional fluminense: contrastes entre a metrópole e o interior. In MARAFON, Glaucio José (org.). Revisitando o território fluminense IV. Rio de Janeiro: Fa-perj/Gramma.

RIMA Itaguaí (2018) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Relatório de Im-pacto Ambiental de Obras de Expansão em Itaguaí, 2018. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/downloads/EIA-RI-MA/2018/E_07_002.11386_2015%20Itagua%C3%AD%20Obras%20de%20Expan%C3%A7%C3%A3o%20TECON.7z> Acesso em 07 de julho de 2022.

RIMA Niterói e São Gonçalo (2019) INEA - Instituto Estadual do Ambiente. Re-latório de Impacto Ambiental de Obras para restauração da Circulação Hi-drodinâmica e Revitalização Ambiental de Niterói e São Gonçalo, 2019. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/downloads/EIA-RIMA/2019/EIA-RIMA%20-%20Projeto%20de%20restaura%C3%A7%C3%A3o%20da%20circula%C3%A7%C3%A3o%20hidrodin%C3%A2mica%20e%20revitaliza%C3%A7%C3%A3o%20ambiental%20dos%20munic%C3%ADpios%20de%20Niter%C3%B3i%20e%20S%C3%A3o%20Gon%C3%A7alo..zip> Acesso em 07 de julho de 2022.

RIMA São Francisco do Itabapoana (2020) INEA - Instituto Estadual do Ambi-ente. Relatório de Impacto Ambiental do Parque Termoelétrico Porto Norte Fluminense de São Francisco do Itabapoana, 2020. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2020/09/RIMA_compressed.pdf> Acesso em 07 de julho de 2022.

RIMA URE Caju no Rio de Janeiro (2017) INEA - Instituto Estadual do Ambien-te. Relatório de Impacto Ambiental da Usina de Recuperação de Energia – URE Caju no Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/wp-con-tent/uploads/downloads/EIARIMA/2017/E_07_511.415_2010%20Rio%20de%20Janeiro%20URE%20Caju%20CICLUS.7z> Acesso em 07 de julho de 2022.

Sá MF (2004) Processo de avaliação de impactos ambientais (AIA) do em-preendimento Sapiens Parque. Dissertação de Mestrado. Universidade Fede-ral de Santa Catarina, Florianópolis.

Silva EF (2017) Evolução da economia do Estado do Rio de Janeiro na se-gunda década do século XXI. Estudo Técnico, Consultoria Legislativa, Câma-ra dos Deputados, 20p.

Silverio Neto R, Bento MC, Menezes SJMC, Almeida FS (2015) Caracteriza-ção da Cobertura Florestal de Unidades de Conservação da Mata Atlânti-ca. FLORAM - Revista Floresta e Ambiente, v. 22, p. 32-41. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8087.058013

Sánchez LE (2008) Avaliação de Impacto Ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos.

Sánchez LE (2013) Avaliação de Impacto Ambiental: conceitos e métodos. 2 ed. atual. e ampl. São Paulo: Oficina de Textos.

Sánchez LE (2020) Avaliação de Impacto Ambiental - Conceitos e Métodos. 3. ed. São Paulo: Oficina de Textos.

Tommasi LR (1993) Estudo de Impacto Ambiental. São Paulo: Cetesb. p.

Published

2024-05-03

How to Cite

Vassar , M. P. B., Oliveira , W. R. M. de, Garrido , F. de S. R. G., & Almeida , F. S. de. (2024). Deficiências constatadas em estudos e relatórios de impacto ambiental no estado do Rio de Janeiro. Caderno Pedagógico, 21(5), e4106. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-028

Issue

Section

Articles