O consumo de carnes provenientes de caça na região Tocantina do Maranhão e seus riscos: transmissão de zoonoses

Authors

  • Luciano Santos da Fonseca
  • Laurah Poliana Andrade Ribeiro
  • Elizabeth Fernandes de Souza Pereira
  • Sarah Borges Resende
  • Nancy Cristina Morais da Silva
  • Marcos Vinicius da Silva
  • Rafael de Oliveira Araújo

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-025

Keywords:

Mamíferos, Caçadores, Consumidores, Biodiversidade

Abstract

A biodiversidade do Brasil é vasta e abriga uma riqueza incomensurável de mamíferos, aves, répteis e anfíbios. No entanto, a prática da caça de animais silvestres emerge como uma ameaça significativa para o ecossistema, além de representar um potencial vetor de doenças para os seres humanos. Mesmo sendo uma atividade ilegal, a caça ainda é amplamente praticada na região tocantina maranhense, muitas vezes motivada por aspectos culturais ou de lazer, e direcionada principalmente para o consumo. Na região tocantina do Maranhão, a escassez de pesquisas sobre o tema ressalta a importância do presente estudo. A pesquisa foi conduzida por meio da aplicação de questionários em três cidades distintas do Maranhão: Imperatriz, João Lisboa e Senador La Rocque, abordando tanto os caçadores quanto os consumidores. Seu principal objetivo foi identificar os animais mais caçados e consumidos, avaliar o conhecimento sobre zoonoses e traçar o perfil socioeconômico desse público. Os resultados revelaram que o tatu-peba é um dos animais mais frequentemente caçados e consumidos na região, evidenciando assim a persistência da prática da caça, apesar de sua ilegalidade. Além disso, apesar de fatores limitantes como a não colaboração e o receio da população em participar da pesquisa, o estudo revelou um conhecimento significativamente baixo sobre zoonoses entre os participantes, o que aponta para um risco preocupante para a saúde pública, uma vez que essas pessoas acometidas irão buscar auxílio em unidades de saúde pública. Esses achados destacam a urgência de medidas de conscientização, fiscalização e políticas públicas voltadas para a proteção da biodiversidade e para a promoção da saúde na região tocantina do Maranhão.

References

ALVES, R. R. et al. Hunting strategies used in the semi-arid region of northeastern Brazil. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 5, n. 1, 22 abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1186/1746-4269-5-12

ALVES, R. R. N.; GONÇALVES, M. B. R.; VIEIRA, W. L. S. Caça, uso e conservação de vertebrados no semiárido Brasileiro. Tropical Conservation Science, v. 5, n. 3, p. 394–416, set. 2012. DOI: https://doi.org/10.1177/194008291200500312

BALDIN, N.; MUNHOZ, E. M. B. EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMUNITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA COM A TÉCNICA DE PESQUISA SNOWBALL (BOLA DE NEVE).

REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 27, 2011.

BARBOZA, R. R. D. et al. The role of game mammals as bushmeat In the Caatinga, northeast Brazil. Ecology and Society, v. 21, n. 2, 2016. DOI: https://doi.org/10.5751/ES-08358-210202

BARBOSA, J. A. A.; AGUIAR, J. O. Conhecimentos e usos da fauna por caçadores no semiárido brasileiro: um estudo de caso no estado da Paraíba, Nordeste do Brasil. Biotemas, v. 28, n. 2, p. 137, 4 fev. 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n2p137

BARBOSA, José Aécio Alves; NOBREGA, Veruska Asevedo; DA NÓBREGA ALVES, Rômulo Romeu. Aspectos da caça e comércio ilegal da avifauna silvestre por populações tradicionais do semi-árido paraibano. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 10(2), 39-49. 2015.

BRASIL. Lei n° 5.197, de 3 de janeiro de 1967. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5197.htm. Acesso em: 01 de Jan. 2024

CAPELLÃO, Renata T.; LAZAR, Ana; BONVICINO, Cibele R Infecção natural por agentes zoonóticos em tatus (Mammalia: Cingulata) na América do Sul. 2015 Bol. Soc. Bras. Mastozoo

COSTA, F. A. M. D. et al. Coccidioidomicose pulmonar em caçador de tatus. Jornal de Pneumologia, v. 27, p. 275–278, 1 set. 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-35862001000500009

CULLEN, L.; BODMER, R. E.; VALLADARES PÁDUA, C. Effects of hunting in habitat fragments of the Atlantic forests, Brazil. Biological Conservation, v. 95, n. 1, p. 49–56, ago. 2000. DOI: https://doi.org/10.1016/S0006-3207(00)00011-2

DE OLIVEIRA VILELA, Ana Luisa; LAMIM-GUEDES, Valdir. Aspectos da caça predatória de mamíferos no Parque Estadual Nova Baden, Lambari, Minas Gerais. InterfacEHS, 12(1). 2017.

GUIMARÃES, C.; PALHA, M.MANOEL TOURINHO. ESTRATÉGIAS E DINÂMICA DE CAÇA NA ILHA DE COLARES, PARÁ, AMAZÔNIA ORIENTAL. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), v. 9, n. 1, p. 5–10, 31 mar. 2019.

DOS SANTOS, Micaele Karolaine Pereira; RUIZ-MIRANDA, Carlos Ramón; SAMPAIO, Daniela Teodoro. Comércio de caça na região da estação ecológica Raso da catarina, Bahia, Brasil. Biodiversidade Brasileira, 8(1), 53-68. 2018

FERREIRA, D. S; C.E.C. Campos; J.C. Sá-Oliveira; A.S.Araújo. Atividades de caça de animais silvestres no assentamento rural nova canaã, amapá, Brasil. Revista Biota Amazônia, v. 2, n. 1, p. 22-31, 2012. DOI: https://doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v2n1p22-31

GOYES, David Rodríguez; SOLLUND, Ragnhild. Contesting and contextualising CITES: Wildlife trafficking in Colombia and Brazil. International Journal for Crime, Justice and Social Democracy, 5(4), 87-102. 2016 DOI: https://doi.org/10.5204/ijcjsd.v5i4.331

CAROLINA LUGNANI GOMES; LAURA BEATRIZ KARAM; ERNLUND, R. Atributos de qualidade da carne de paca (Agouti paca): perfil sensorial e força de cisalhamento. Arquivo Brasileiro De Medicina Veterinaria E Zootecnia, v. 65, n. 2, p. 559–565, 1 abr. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-09352013000200036

HAMADA, Helio Hiroshi. Tráfico de animais silvestres-uma abordagem analítica do fenômeno criminal no estado de Minas Gerais. O Alferes, 19(56). 2004.

IBGE. IBGE | Portal do IBGE. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 20/11/2021.

PAVANELLI, G. C. et al. ANÁLISE INTEGRATIVA DAS PRINCIPAIS ZOONOSES DE OCORRÊNCIA NO BRASIL. Revista Valore, v. 4, n. 0, p. 302–309, 30 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.22408/reva402019332302-309

RECHT, J.; SCHUENEMANN, V. J.; SÁNCHEZ-VILLAGRA, M. R. Host Diversity and Origin of Zoonoses: The Ancient and the New. Animals, v. 10, n. 9, p. 1672, 17 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.3390/ani10091672

RUAS, R. M. S. et al. CAÇA, CAPTURA E USO DA FAUNA SILVESTRE NO BRASIL COMO CRIMES AMBIENTAIS E TABU CIENTÍFICO: REFLEXÃO SOBRE CATEGORIAS TEÓRICAS. HOLOS, v. 5, p. 37, 14 nov. 2017. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5660

SILVA, Jean Carlos Ramos. Zoonoses e doenças emergentes transmitidas por animais silvestres. Associação Brasileira de Veterinários de Animais Selvagens/ABRAVAS, p. 1-4, 2004.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa. Temáticas, v. 22, n. 44, p. 203–220, 30 dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.20396/tematicas.v22i44.10977

ZANELLA, J. R. C. Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção animal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 51, n. 5, p. 510–519, maio 2016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2016000500011

Published

2024-05-03

How to Cite

Fonseca, L. S. da, Ribeiro, L. P. A., Pereira, E. F. de S., Resende, S. B., Silva, N. C. M. da, Silva, M. V. da, & Araújo, R. de O. (2024). O consumo de carnes provenientes de caça na região Tocantina do Maranhão e seus riscos: transmissão de zoonoses. Caderno Pedagógico, 21(5), e4103. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-025

Issue

Section

Articles