Phytoterapic products marketed in free fairs of São Luís-MA: a therapeutic analysis

Authors

  • Keila Fernanda Pacheco Meneses
  • Cinthya Costa Lopes
  • Gabriel José Feitosa Belfort
  • Edson Abreu Belfort
  • Patrícia Costa Santos Alves
  • Maira Silva Ferreira
  • Alamgir Khan
  • Raquel Maria Trindade Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-032

Keywords:

Phytotherapeutics, Natural Products, Open Markets, Markets

Abstract

Historically, medicinal herbs have been playing an essential role in the development of novel medications as well as the manufacturing of traditional herbal remedies. Brazil is among the nations in which commercialization of medicinal herbs is becoming more prevalent. This growth is attributed to the wealthy diversity of plants as well as the low cost of the therapy, as demonstrated by the fact that 82% of Brazilians use medicinal herbs on a regular basis to safeguard their good health. Utilizing qualitative as well as quantitative approaches, the primary objective of the investigation was to examine the way the aforementioned goods were being traded in São Luís marketplaces on the streets. According to information from stallholders, 86 products have been identified, the most of which were in oil form. These products have a variety of uses, including antiseptic, anti-inflammatory, and expectorant qualities.  The five most popular products in terms of sales and demand have been identified according to the samples that had been collected. These consist of andiroba oil, copaiba oil, pequi oil, castor oil, and the annatto syrup. Without knowing the products' origins, the individuals being interviewed reported that they were merely selling them. The vast majority of the products (≈ 80%) did not have labels specifying indications, how to use, contraindications, origin, or validity and, for the few that did, the information was incomplete. The study demonstrated that although the utilization of medicinal plants is an essential component of conventional medicine, merchants continue to have a deficiency of technical knowledge that put human health at risk through carelessness or even inappropriate usage of these products.

References

BARBOSA, F. da S.; ARAÚJO, S. C. M.; LEAL, C. B.; ANDRADE, E. B. de. Medicinal plants sold in open fairs of State of Piauí, northeastern Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e25910917948, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17948. Acesso em: 27 abr. 2024.

BASTOS, R. A. A; LOPES, A. M. C. A Fitoterapia na rede básica de Saúde: O olhar da Enfermagem. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 14, n. 2, p.21-28, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs /article/view/3877/5299. Acesso em: 27 abr. 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC Nº 48, de 16 de março de 2004 – Dispôe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa

/2004/rdc0048_16_03_20 04.html. Acesso em: 28 abr. 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/sectics/pnpmf/publicacoes/a-fitoterapia-no-sus-e-o-programa-de-pesquisas-de-plantas-medicinais-da-central-de-medicamentos/view. Acesso em: 28 abr. 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde.Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006 – Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=DEC&numero=5813&ano=2006&ato=2f0c3ZU50MRpWT7ed. Acesso em: 28 abr. 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Interministerial nº 2.960, de 9 de dezembro de 2008 – Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri2960_

_12_2008.html. Acesso em: 28 abr. 2024.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANA, C. M. M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu-Paraná: a visão dos profissionais de saúde., v. 17, n. 10, p. 2.675-2.685, 2012. Disponível em: https://doi.org/10. Ciência e Saúde coletiva 1590/S1413-81232012001000017. Acesso em: 28 abr. 2024.

CARVALHO, A. C. B., BALBINO, E. E., MACIEL, A., PERFEITO, J. P. S. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 2, p. 314–319, 2008Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000200028. Acesso em: 28 abr. 2024.

COSTA, C. I. Percepção dos consumidores sobre as condições de comercialização de frutas e hortaliças em feira livre de São Luís-MA. Revista Craibeiras de Agroecologia, v. 1, n. 1, 2018. Disponível em: https://www.seer.

ufal.br/index.php/era/article/view/5039/3619. Acesso em: 28 abr. 2024.

LOCH, V. do C.; SARAIVA, R. V. C.; SOUZA, R.; BARROSO, K.; ROCHA-SOBRINHO, M. da; SILVA, H. R. Os raizeiros e as plantas medicinais comercializadas nas feiras livres de São Luís, MA. Cadernos de Agroecologia, v. 15. n. 2, Anais do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia, São Cristóvão, Sergipe, 2020. Disponível em: https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/3275. Acesso em: 28 abr. 2024.

GADELHA, C. S.; PINTO JUNIOR, V. M.; BEZERRA, K. K. S.; PEREIRA, B. B. M.; MARACAJÁ, P.B. Estudo bibliográfico sobre o uso das plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 8, n. 5, p. 208–212, 2013. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/3577. Acesso em: 28 abr. 2024.

GOÉS, A. C. C.; SILVA, L. S. L. da; CASTRO, N. J. C. de. Uso de plantas medicinais e fitoterápicos: saberes e atos na Atenção Primária à Saúde. Revista de Atenção à Saúde, v. 17, n. 59, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5785. Acesso em: 28 abr. 2024.

LAMEIRA, O. A.; PINTO, J. E. B. P. Plantas medicinais: do cultivo, manipulação e uso à recomendação popular. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2008. 264p.

LANINI, J., DUARTE-ALMEIDA, J. M., NAPPO, S., CARLINI, E. A. “O que vem da terra não faz mal”: relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais por raizeiros de Diadema/SP. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 19, n. 1A, p. 121-9, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2009000100022. Acesso em: 28 abr. 2024.

LOMBARDO, M. Fitoterápicos na atenção básica de problemas gastrointestinais. Revista Ciência e Saúde Online, v. 6, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistaeletronicafunvic.org/index.php/c14ffd10/article/view/232. Acesso em: 28 abr. 2024.

MARIZ, S. R., BORGES, A. C. R., MELO-DINIZ, M. F. F., MEDEIROS, I. A. Possibilidades terapêuticas e risco toxicológico de Jatrophagossypiifolia L.: uma revisão narrativa. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 12, n. 3, p. 346-357, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-05722010000300013. Acesso em: 28 abr. 2024.

MASCARENHAS, G.; DOLZANI, M.C.S. Feira Livre: territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 2, n. 2, p. 72-87, ago. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ag.v2i2.4710. Acesso em: 28 abr. 2024.

MORAIS, S. M. de, DANTAS, J. D. P., SILVA, A. R. A da, MAGALHÃES, E. F. Plantas medicinais usadas pelos índios Tapebas do Ceará. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.15, n.2, p.169-77, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2005000200017. Acesso em: 28 abr. 2024.

NASCIMENTO, A. S. M. do; SANTOS, F. O. dos; LIMA, N. da C.; SANTOS, D.M.; RAMOS, G. G.; FREITAS, A. de L.; LEITE, M. J. de H. Socioeconomic commercialization of cucurbits at the street markets in São Luís – MA. Research, Society and Development, v. 10, n. 6, p. e20010615687, 2021.Disponívelem: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15687. Acesso em: 28 abr. 2024.

NEGRELLE, R. R. B.; TOMAZZONI, M. I.; CECCON, M. F.; VALENTE, T. P. Estudo etnobotânico junto a Unidade Saúde da Família Nossa Senhora dos Navegantes: subsídios para o estabelecimento de programa de fitoterápicos na Rede Básica de Saúde do município de Cascavel (Paraná). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 9, n. 3, p. 6-22, 2007. Disponível em: https://www1.

ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Botanica/RBPM-RevistaBrasi

leiradePlantasMedicinais/artigo2_v9_n3.pdf. Acesso em: 28 abr. 2024.

NETTO, E. M, SHUQAIR, N. S. M. S. A. Q., BALBINO, E. E., CARVALHO, A. C. B. Comentários sobre o registro de fitoterápicos. Revista Fitos, v. 1, n. 3, p. 9-17., 2006. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19142. Acesso em: 28 abr. 2024.

NICOLETTI, M. A.; OLIVEIRA-JUNIOR. M. A.; BERTASSO. C. C.; SCAPOROSSI, P. Y; TAVARES, A. P. L. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma – Ciências Farmacêuticas, v. 19, n. 1/2, p. 32-40, jan. 2013. Disponível em: https://www.revistas.cff.

org.br/infarma/article/view/222. Acesso em: 28 abr. 2024.

OLIVEIRA, D. F. de; HENGLES, G. C. G.; BELLA, L. M.; OLIVEIRA, C. R. Fitoterápicos que atuam no sistema digestório: possíveis mecanismos de ação. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 4274-4297, 2020. Disponívelem: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-030. Acesso em: 28 abr. 2024.

OLIVEIRA, M. J. R., SIMÕES, M. J. S.; SASSI, C. R. R. Fitoterapia no Sistema de Saúde Pública (SUS) no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 8, n. 2, p. 39-41, 2006. Disponível em: http://sbpmed.org.br/admin/files/papers/file_xBXGQVasimb1.pdf. Acesso em: 28 abr. 2024.

PEREIRA, C. O.; LIMA, E. O.; OLIVEIRA, R. A. G.; TOLEDO, M. S.; AZEVEDO, A. K. A.; GUERRA, M. F.; PEREIRA, R. C. Abordagem Etnobotânica de Plantas Medicinais Utilizadas em Dermatologia na Cidade de João Pessoa- Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 7, n. 3. p. 9-17, 2005. Disponível em: https://www.sbpmed.org.br/admin/files/

papers/file_VwBuL PrbkEgr.pdf. Acesso em: 28 abr. 2024.

PEREIRA, J. B. A.; RODRIGUES, M. M.; MORAIS, I. R.; VIEIRA, C. R. S.; SAMPAIO, J. P. M.; MOURA, M. G.; DAMASCENO, M. F. M.; SILVA, J. N.; CALOU, I. B. F.; DEUS, F. A.; PERON, A. P.; ABREU, M. C.; MILITÃO, G. C. G.; FERREIRA, P. M. P. O papel terapêutico do Programa Farmácia Viva e das plantas medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, p. 550-561, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-084X/14_008. Acesso em: 28 abr. 2024.

RASCHENDORFER, A. da S.; ANDRADE, L. G. Atitude do consumidor em relação a medicamentos fitoterápicos. Revista Ibero-americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 8, n. 4, p. 239–247, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.51891/rease.v8i4.5050. Acesso em: 28 abr. 2024.

ROCHA, L. O.; SOARES, M. M. S. R.; CORRÊA, C. L. Análise da contaminação fúngica em amostras de Cássia acutifóliaDelile (sene) e Peumusboldus (Molina) Lyons (boldo-do-Chile) comercializadas na cidade de Campinas, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 40, n. 4, p. 521-7, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-93322004000400009. Acesso em: 28 abr. 2024.

ROSA, C.; CÂMARA, S. G.; BÉRIA, J. U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, p. 311-318, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100033. Acesso em: 28 abr. 2024.

SILVEIRA, P. F.; BANDEIRA, M. A. M.; ARRAIS, P. S. D. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 4, p.618–26, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000400021. Acesso em: 28 abr. 2024.

SOARES, A. J. S.;CIMBLERIS-ALKMIM, A.; OLIVEIRA, D. R. de; MENDONÇA, S. de A. M.; RODRIGUES, I. V. Potencialidades da prática da atenção farmacêutica no uso de fitoterápicos e plantas medicinais. Journal of Applied Pharmaceutical Sciences, n. 7, p. 10-21, 2021. Disponível em: https://16d60

-059a-451a-9c4f-571007ce2a8f.filesusr.com/ugd/e6f2ee_c246c 5a22731470a8ac93067500a4163.pdf. Acesso em: 28 abr. 2024.

TOLEDO, A. C. O.; HIRATA, L. L; BUFFON, M. C. M.; MIGUEL, M. D.; MIGUEL, O. G. Fitoterápicos: uma abordagem farmacotécnica. Lecta-USF, v. 21, n. ½, p.7-13, 2003. Disponível em: http://www.usf.br/edusf/revistas/lecta/

lecta-2003/lecta-2.pdf. Acesso em: 28 abr. 2024.

TOMAZZONI, M. I, NEGRELLE R. R. B., CENTA M. L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto & Contexto – Enfermagem, v. 15, n. 1, p. 115–121, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.

/S0104-07072006000100014. Acesso em: 28 abr. 2024.

WONG, A.; CASTRO, E. G. R. Aspectos toxicológicos dos fitoterápicos. Arquivos Brasileiros de Fitomedicina Científica, v. 1, n. 2, p. 96-102, 2003.

Downloads

Published

2024-06-05

How to Cite

Meneses, K. F. P., Lopes, C. C., Belfort, G. J. F., Belfort, E. A., Alves, P. C. S., Ferreira, M. S., Khan, A., & Fernandes, R. M. T. (2024). Phytoterapic products marketed in free fairs of São Luís-MA: a therapeutic analysis. Caderno Pedagógico, 21(6), e4084. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-032

Issue

Section

Articles