Teste de condutividade elétrica para sementes de mogno africano

Authors

  • Ruthelly Viereca Sena Rocha
  • Andréia Márcia Santos de Souza David
  • Rebeca Alves Nunes Silva
  • Josiane Cantuária Figueiredo
  • Cleisson Dener da Silva
  • Eliene Almeida Paraizo
  • Franson Ronner Pereira Alves
  • Debora Cristina Santos Custodio
  • Geraldo Antônio Alves Rodrigues Júnior
  • João Rafael Prudêncio dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-004

Keywords:

Khaya ivorensis, Qualidade Fisiológica, Sementes Florestais, Vigor

Abstract

O teste de condutividade elétrica se sobressai como uma técnica eficiente para a análise do vigor das sementes, destacando-se pela sua capacidade de avaliar a integridade do sistema de membranas através da medição dos exsudatos liberados durante sua condução. É uma excelente ferramenta para avaliar a qualidade de sementes de diversas espécies, inclusive as florestais. Este método, ao fornecer uma avaliação mais abrangente e detalhada, contribui significativamente para a seleção de lotes de sementes de alta qualidade, beneficiando a produção florestal e conservação ambiental. O presente estudo teve como objetivo determinar uma metodologia precisa para o teste de condutividade elétrica, permitindo a estratificação de lotes de sementes de mogno africano em diferentes níveis de vigor. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado (DIC). Para realização do estudo foram utilizados três lotes de sementes de mogno africano, abrangendo diversos parâmetros fundamentais para avaliação da qualidade inicial das sementes, tais como teor de água, germinação, índice de velocidade emergência, emergência em areia e a matéria seca das plântulas. O teste de condutividade elétrica foi conduzido sob diferentes condições experimentais, variando tanto o volume de água destilada empregado (75 e 100 mL) quanto os períodos de embebição (3, 6, 12, 24, 48 e 96 horas).  Os resultados obtidos revelaram que a aplicação do teste de condutividade elétrica, conduzido com o uso de 25 sementes, embebidas em 100 mL de água destilada e leitura após 96 horas de embebição é eficiente para diferenciar lotes de mogno africano quanto à qualidade fisiológica das sementes.

References

ANDRADE, A. C. S. DE et al. Germinação de sementes de jenipapo: Pesquisa Agropecuaria Brasileira, v. 35, p. 609–615, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2000000300017

ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSTS (East Lasing, Estados Unidos). Seed vigor testing handbook. East Lasing, 1983. 93 p.

BARBOSA, R. M. et al. Teste de condutividade elétrica em sementes de maracujazeiro-amarelo. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 34, n. 2, p. 646–651, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-29452012000200043

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 395p.

COIMBRA, R. A.; MARTINS, C. C.; TOMAZ, C. A.; NAKAGAWA, J. Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2). Ciência Rural, v.39, p.2402-2408, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782009000900004

CRUZ, S. M. et al. Testes de vigor para avaliação de crambe (crambe abyssinica Hochst) a qualidade das sementes. Jornal de Ciências SEED, v.35, n.4, p.485-494, 2013. https://doi.org/10.1590/S2317-15372013000400010 DOI: https://doi.org/10.1590/S2317-15372013000400010

DELAZERI, P.; GARLET, J.; SOUZA G. F. Teste de Condutividade Elétrica em Lotes de Sementes de Schinus molle L. Floresta e Ambiente, v.23, n.3, p. 413-417, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2179-8087.142615

DELOUCHE, J. C.; BASKIN, C. C. Spectral characteristics of PMMA doped with a dimethacrylate derivative of naphthalene-2,7-diol use full in UV sensors. Seed science & Technologia, v. 8, n. 1, p. 26, 1973.

FALESI, I. C.; BAENA, A. R. C. Mogno africano Khaya ivorensis A. Chev em sistema silvipastoril com leguminosa e revestimento natural do solo. [s.l.] Embrapa Amazônia Oriental, 1999.

GARCEZ, Y. J. La Chía (Salvia hispanica L.), una Fuente de Nutrientes para o Desenvolvimento de Alimentos Saludables. Alimentación y Nutrição. Corporación Universitaria Lasallista, Facultad de Ingenierias, 2013, 43p.

GONZALES, J. L. S.; PAULA, R. C. D.; VALERI, S. V. Teste de condutividade elétrica em sementes de Albizia hassleri (Chodat) Burkart. Fabaceae-Mimosoideae. Revista Árvore, v. 33, n. 4, p. 625-634, 2009. http://dx.doi. org/10.1590/S0100-67622009000400005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-67622009000400005

GONZALES, J. L. S.; VALERI, S. V. E.; PAULA, R. C. Qualidade fisiológica de sementes de diferentes árvores matrizes de Corymba citrodora (Hook) K.D.hill & L.A.S. Johnson. Scientia forestalis, v.39, n.90, p.171-181, 2011.

GUOLLO, K.; POSSENTI, J. C.; FELIPPI, M.; QUIQUI, E. M.; LOIOLA, T. M. Avaliação da Qualidade fiosiólogica de sementes florestais atráves do teste de condutividade elétrica. Colloquium Agrariae, v. 13, n.1, p.86-92, 2017. DOI: 10.5747/ca.2017.v13.n1.a153. DOI: https://doi.org/10.5747/ca.2017.v13.n1.a153

HAMPTON, J. G.; JOHNSTONE, K. A.; EUA- UMPON, V. Bulk conductivity test variables for mungbean soybean and French bean seed lots. Seed Science and Technology, v.20, n.3, p. 677-686, 1992.

JOSÉ DE BARROS FRANÇA-NETO.; FRANCISCO CARLOS. O vigor e desempenho das sementes. Semente é tecnologia. Anuário, ABRASEM. Londrina, 2018, p.32-36.

LOEFFLER, T. M.; TEKRONY, D. M.; EGLI, D. B. The bulk conductivity test as an indicator of soybean seed quality. Journal of Seed Technology, v.12, n.1, p. 37-53, 1988.

MAGUIRE, J.D. Speeds of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v.2, n.1, p.176-177, 1962. DOI: https://doi.org/10.2135/cropsci1962.0011183X000200020033x

MARCOS FILHO, J. Vigor de Sementes. In: Teste de envelhecimento acelerado. p. ABRATES, 2009.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de Plantas Cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2015.

MARCOS FILHO, J.; NOVEMBRE, A. D. L. C. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de hortaliças. In: Nascimento, W.M. (Ed.). Tecnologia de sementes de hortaliças. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2009, p. 185-246.

MARQUES, M. A.; PAULA, R. C.; RODRIGUES, T. J. D. Efeito do número de sementes e do volume de água na condutividade elétrica de sementes de Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. ex. Benth. Revista Brasileira de Sementes, v.24, n.1, p.254-262, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31222002000100036

MENDONÇA, E. A. F.; AZEVEDO, S. C.; GUIMARÃES, S. C.; ALBUQUERQUE, M. C. F. Testes de vigor em sementes de algodoeiro herbáceo. Revista Brasileira de Sementes, v.30, p. 1-9, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31222008000300001

MILANI, M.; MENEZES, N.L.; LOPES, S. J. Teste de condutividade Elétrica para Avaliação fazer potencial fisiológico de Sementes de canola. Revista Ceres, v.59, p.374-379, 2012. https://doi.org/10.1590/S0034-737X20120 00300012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-737X2012000300012

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho de plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999, p.1-24.

ORZARI, I.; MONQUERO, P. A.; REIS, F. C.; SABBAG, R. S.; HIRATA, A. C. S. Germinação de espécies da família Convolvulaceae sob diferentes condições de luz, temperatura e profundidade de semeadura. Planta Daninha, v. 31, n. 1, p. 53–61, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-83582013000100006

RIBEIRO, D. M, BRAGANÇA, S. M.; GONELI, A. L. D.; DIAS, D. C. F. S.; ALVARENGA, E. M. Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.). Revista Ceres, v.56, p.772-776, 2009.

SOUZA, G. F.; GARLET, J.; DELAZERI, P. Teste de condutividade elétrica em sementes de Jacaranda micrantha. Revista Florestal Brasileira, v.36, n.85, p.79-93, 2016. DOI: https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.85.894

STEINER, F.; OLIVEIRA, S. S. C.; MARTINS, C. C.; CRUZ, S. J. S. Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de lotes de sementes de triticale. Ciência Rural, v. 41, n. 2, p. 200-204, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782011005000011

VERZIGNASSI, J. R.; POLTRONIERI, L. S.; BENCHIMOL, R. L. Mancha-alvo em mogno-africano no Brasil. Summa Phytopathologica, v. 35, n. 1, p. 70–71, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-54052009000100015

VIEIRA, R. D.; KRZYZANOWSKI, F. C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Brasília: ABRATES, 1999, p.1-26.

Published

2024-05-02

How to Cite

Rocha, R. V. S., David, A. M. S. de S., Silva, R. A. N., Figueiredo, J. C., Silva, C. D. da, Paraizo, E. A., Alves, F. R. P., Custodio, D. C. S., Rodrigues Júnior, G. A. A., & Santos, J. R. P. dos. (2024). Teste de condutividade elétrica para sementes de mogno africano. Caderno Pedagógico, 21(5), e4073. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-004

Issue

Section

Articles