Sinais e sintomas da intoxicação hepática induzida por paracetamol

Authors

  • Roger Antônio Morais Queiroz
  • Sabrina de Araújo Nicoletti
  • Maria Fernanda Sales de Morais
  • Maria Clara Alencar Botelho
  • Ana Carolina Aguiar Rezende
  • Gabriel Correia Nedir Miranda
  • Maykon Jhuly Martins de Paiva
  • Kenia Dorneles Silva

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-054

Keywords:

Paracetamol, Manifestações Clínicas, Lesão Hepática Induzida por Fármacos, Overdose de Medicamentos, Diagnóstico Clínico

Abstract

Introdução: o uso indiscriminado de paracetamol, impulsionado pela automedicação, representa um grave problema de saúde pública, podendo levar a danos hepáticos e até falência hepática aguda. A disponibilidade sem prescrição facilita a ingestão excessiva, mesmo sendo eficaz no alívio de dor e febre quando usado corretamente. A intoxicação resulta da produção de um metabólito tóxico em doses elevadas, sobrecarregando o fígado e causando lesões celulares. A faixa etária mais vulnerável é entre 15 e 24 anos, mas a forma fulminante é comum em adultos mais velhos, especialmente se houver consumo regular de álcool. A compreensão desses riscos, sinais e sintomas é crucial para diagnóstico e intervenção adequados, visando evitar complicações graves. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão bibliográfica, os termos de busca utilizados, conectados e combinados usando “AND” foram os descritores: Sinais e Sintomas; Doença Hepática Induzida por Substâncias; Acetaminofen. As bases de dados utilizadas foram SCIELO, PUBMED, LILACS, BVS e MEDLINE, foram selecionados 35 artigos para análise. Resultados: o paracetamol é metabolizado principalmente pela sulfatação e glucoronização, mas em doses elevadas, uma pequena parte é oxidada pelo sistema microssomal hepático, formando o composto tóxico NAPQI. A sobrecarga desse sistema pode levar à produção excessiva de NAPQI, causando estresse oxidativo e lesão hepática. Além disso, a ativação das células de Kupffer após a ingestão excessiva desencadeia uma resposta inflamatória que agrava a lesão hepática. Os sinais e sintomas da intoxicação incluem febre, icterícia, náuseas e dor abdominal. O diagnóstico é desafiador e envolve a identificação do medicamento envolvido, avaliação da gravidade da intoxicação e exclusão de outras possíveis causas. Os exames laboratoriais, como a dosagem de enzimas hepáticas e a detecção de substâncias como o APAP-CYS no soro, são essenciais para confirmar o diagnóstico. Considerações finais: Diante do exposto, entende-se que os principais sinais e sintomas, caracterizam-se principalmente pela: febre baixa, icterícia, prurido corporal, náuseas, vômitos, colúria e hipocolia fecal, os quais surgem entre 24 horas e 48 horas após a exposição excessiva ao paracetamol.

References

ALVES, Bianca Menezes Torres; HI, Edgar Matias Bach. Hepatotoxicidade induzida pelo uso excessivo de paracetamol. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 17, n. 49, p. 226-238, 2021.

AQUINO, D. S. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, p. 733-736, 2008.

BECKHAUSER, G. C. et al. Utilização de medicamentos na Pediatria: a prática de automedicação em crianças por seus responsáveis. Revista Paulista de Pediatria, v. 28, n. 3, p. 262–268, set. 2010.

BOND, G. Randall; WIEGAND, Christopher B.; HITE, Ladonna K. The difficulty of risk assessment for hepatic injury associated with supra-therapeutic acetaminophen use. Veterinary and human toxicology, v. 45, n. 3, p. 150-153, 2003.

CLARIA, J.; TITOS, E. Células Kupffer. Gastroenterologia e hepatologia, v. 27, n. 4, p. 73-264, abr. 2004.

DA SILVA JÚNIOR, José Guedes et al. Hepatotoxicidade induzida pelo paracetamol e a utilização do nomograma de Rumack-Matthew para avaliar a terapêutica com n-acetilcisteína. Revista Uningá, v. 56, n. 4, p. 65-84, 2019

DE CASTRO BARROS, Anne Joyce et al. Lesão hepática induzida por medicamentos e o papel do farmacêutico no seu manejo clínico. Mostra Científica da Farmácia, v. 5, 2019.

DE SOUZA, Amanda Cabral et al. Hepatotoxicidade associada ao uso de paracetamol: revisão sistemática. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 11, p. 107073-107085, 2021.

DEVARBHAVI, H. An Update on Drug-induced Liver Injury. Journal of Clinical and Experimental Hepatology, v. 2, n. 3, p. 247–259, set. 2012.

ELY, L. S. et al. Uso de anti-inflamatórios e analgésicos por uma população de idosos atendida na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 18, n. 3, p. 475–485, jul. 2015.

FREITAS, Katrine Borba; SOUZA, Alessandra Hubner; FREITAS, Leandro Mendes. Uso indiscriminado do paracetamol no Rio Grande do Sul: perfil de uma década. Saúde e Desenvolvimento humano, v. 8, n. 2, p. 45-53, 2020.

HAN, Lin et al. Características clínicas e prognóstico da insuficiência hepática aguda induzida por drogas não APAP: um grande estudo de coorte multicêntrico. Hepatologia Internacional, p. 1-13, 2023.

HARTMUT, J. Toxicidade hepática pela exposição axenobióticos. In: KLAASSEN; CURTIS. Fundamentos em toxicologia de Casarett e Duoll. 2. ed. Porto Alegre. 2012. p.180-190.

HEARD, K. J.et al. Adducts of acetaminophen-cysteine during therapeutic dosage and after overdose. BMC Gastroenterology, 2011.

HODGMAN, Michael J.; GARRARD, Alexander R. A review of acetaminophen poisoning. Critical care clinics, v. 28, n. 4, p. 499-516, 2012.

IWAKI, Mariana Vessoni et al. Injúria hepática induzida por medicamentos em pacientes pediátricos. Research, Society and Development, v. 12, n. 4, p. e21612438393-e21612438393, 2023

JAMES, L. P.; MAYEUX, P. R.; HINSON, A. Acetaminophen-Induced Hepatotoxicity. Drug Metabolism and Disposition, v. 31, n. 12, p. 1499-1506, 2003.

LIAO, Jiaqing et al. Acetaminophen-induced liver injury: Molecular mechanism and treatments from natural products. Frontiers in pharmacology, v. 14, p. 1122632, 2023.

LOPES, J.; MATHEUS, M. E. Risco de Hepatotoxicidade do Paracetamol (Acetaminofem). Rev. Bras. Farm, Rio de Janeiro, 2012.

LUNARDELLI, Michele John Müller. Tradução, validação e aplicação de algoritmo para a identificação de lesão hepática induzida por medicamentos. 2017.

MCGILL, M. R; JAESCHKE, H. Metabolism and acetaminophen disposition: recent advances in relation to hepatotoxicity and diagnosis. Pharm Res., v. 30, n. 9, p. 2174-2187, set. 2013.

NECA, Cinthia Silva Moura et al. Perigo da automedicação irresponsável do Paracetamol: uma revisão da literatura. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, v. 11, n. 17, p. e23111738103-e23111738103, 2022.

OLIVEIRA, A. V. C. DE, et al. Acute liver failure and self-medication. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo), v. 27, n. 4, p. 294–297, nov. 2014.

PARANÁ, R. Mecanismo de hepatotoxicidade medicamentosa: O exemplo do acetaminofem/Paracetamol. Rev. Suplemento Hepatotoxicidade, fev. 2011.

PINTO, N. Q. O.; SILVA, G. A.; SANTOS, E.C.G.; BRITO, N.J.N. Atuação do profissional farmacêutico frente ao uso de paracetamol como medicamento de venda livre. FACIDER Revista Científica, n. 07, p. 1-18, 2015.

RAMACHANDRAN, Anup; JAESCHKE, Hartmut. Mitochondria in Acetaminophen-Induced Liver Injury and Recovery: A Concise Review. Livers, v. 3, n. 2, p. 219-231, 2023.

REIS, Ana Rosa Muniz dos; PAVANELLI, Mariana Felgueira; BRAGA, Lais de Souza. Hepatotoxicidade pelo uso de paracetamol: Uma revisão da literatura.

SCHMIDT, L. E. Age and paracetamol self-poisoning. Gut, v. 54, n. 5, p. 686- 690, 2005.

SEBBEN, V. C. et al. Validação de metodologia analítica e estudo de estabilidade para quantificação sérica de paracetamol. Bras Patol Med Lab, v. 46, n. 2, p. 143-148, abr. 2010.

TERRES, Daniele Refatti. Potencial Toxicológico de medicamento de venda livre: Ênfase no Paracetamol. FACIDER-Revista Científica, n. 8, p. 1-15, 2016.

TOLEDO, C. F.; BORGES, D. R. Liver disease induced by acetaminophen: a model of hepatotoxicity. Revista da Associacao Medica Brasileira (1992), v. 38, n. 3, p. 153-158, 1992.

TONON, Andreza Vire et al. Consequências da automedicação e uso indiscriminado do anti-inflamatório não esteróide paracetamol em adultos. Revista Artigos.Com, v. 22, p. e5797-e5797, 2020.

TORRES, Luciana Vilar et al. Hepatotoxicidade do paracetamol e fatores predisponentes. Revista de ciências da saúde Nova Esperança, v. 17, n. 1, p. 93-99, 2019.

URBÓN-PUIGBARRACA, Maria Asunción. Insuficiencia hepática aguda por sobredosis accidental de paracetamol. Causas. Ars Pharmaceutica (Internet), v. 60, n. 3, p. 177-184, 2019.

ZANARDO, Carla Helfenstein et al. Intoxicação por paracetamol. Acta méd. (Porto Alegre), v. 34, 2013.

Published

2024-06-06

How to Cite

Queiroz, R. A. M., Nicoletti, S. de A., Morais, M. F. S. de, Botelho, M. C. A., Rezende, A. C. A., Miranda, G. C. N., Paiva, M. J. M. de, & Silva, K. D. (2024). Sinais e sintomas da intoxicação hepática induzida por paracetamol. Caderno Pedagógico, 21(6), e4049 . https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-054

Issue

Section

Articles