Uma experiência sobre intuição matemática

Authors

  • Juliano dos Santos Gonschorowski
  • Graciele Pereira da Cruz Gonschorowski

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-129

Keywords:

Intuição Matemática, Ensino de Cálculo, Pensamento Crítico, Metodologia de Ensino

Abstract

A intuição no âmbito educacional tem sido discutida ao longo dos anos, devido ao fato de que alguns estudiosos discordavam da relação entre a intuição e o rigor. Ela pode ser definida como um produto das representações feitas a partir da realidade, tendo um papel coparticipante no método de aprendizagem. Na maior parte da vida estudantil, os alunos se apropriam de conhecimentos matemáticos de forma pronta, isto é, de maneira mecanizada, com algoritmos e macetes prontos, sem considerar o raciocínio e a intuição. Um exemplo disso é com respeito aos universitários da área de exatas, os quais muitas vezes apresentam uma compreensão algébrica e não visual dos principais conceitos estudados na disciplina de Cálculo. Isso se deve ao fato de que o modelo de ensino de Cálculo privilegia os conceitos dados por meio de definições, demonstrações e exercícios e não favorece o desenvolvimento cognitivo do aluno, fazendo o uso da intuição na construção do conhecimento. No presente trabalho é apresentado o conceito de intuição na perspectiva de dois autores, o primeiro é Henri Poincaré e o segundo Efraim Fischbein, em seguida descrevemos uma sequência didática, realizado em duas turmas de primeiro período dos cursos de engenharia mecânica e engenharia civil da UTFPR, na disciplina de Cálculo Diferencial e Integral 1 (CDI1). Em ambas as turmas foram construídas primeiramente, a fórmula para calcular o volume de um sólido de revolução e em seguida a área da superfície deste sólido. Para o desenvolvimento da fórmula do volume fez-se uso da intuição matemática e chegou-se ao resultado esperado. Contudo, usando a intuição na segunda fórmula, chegou-se a um resultado errado. Desta forma, o objetivo desta atividade foi mostrar aos alunos que nem sempre pode-se confiar na intuição matemática.

References

AVILA, G. S. S. Várias Faces da Matemática: tópicos para licenciatura e leitura geral. 2ª. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2011.

CASTRO, Daniel. O que a queda do SISU nos diz sobre a educação brasileira? Quero educação, 2022. Disponível em: https://gestao.quero.com/blog/o-que-a-queda-do-sisu-nos-diz-sobre-a-educacao-brasileira/

FISCHBEIN, E. Intuition in science and mathematics: an educational approach.Reidel, Dordrecht, 1987.

FISCHBEIN, E. The interaction between the formal, the algorithmic and the intuitive components in a mathematical activity. Didactics of mathematics as a scientific discipline. Kluwer, Dordrecht, pp 231–345, 1993.

GRANDE, A. L. A intuição segundo Poincaré e o Princípio de Cavalieri na resolução de algumas questões relacionadas ao cálculo. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba – Paraná, 2013.

GRANDE, A. L., SILVA, B. A. Resolução de questões relacionadas ao cálculo e o uso da intuição e do rigor. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, 2(1), p. 27-38, 2013.

SOUSA, Renata Teófilo de, ALVES, Francisco Régis Vieira, SOUZA, Maria José Araújo. A intuição no campo da matemática a partir das obras de Efraim Fischbein (1920-1998). Revista de Educação Matemática (REMat), São Paulo (SP), v. 1, pp. 01-15, 2021. DOI: https://doi.org/10.37001/remat25269062v19id625

TIROSH, Dina; TSAMIR, Pessia. Intuition in Mathematics Education. Encyclopedia of Mathematical Education, Second Edition, Springer, Londres, 2020. DOI: https://doi.org/10.1007/978-3-030-15789-0_85

Published

2024-05-16

How to Cite

Gonschorowski, J. dos S., & Gonschorowski, G. P. da C. (2024). Uma experiência sobre intuição matemática. Caderno Pedagógico, 21(5), e3996. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-129

Issue

Section

Articles