A participação de religiosos conservadores na política: BNCC, gênero e sexualidade

Authors

  • Rodrigo Bonifácio de Souza Pavani
  • Maria Isabel Alonso Alves

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-094

Keywords:

Religiosos Conservadores, Participação Política, BNCC, Gênero, Sexualidade

Abstract

O artigo é uma revisão narrativa sobre a participação de “religiosos conservadores” em temas controversos da vida pública, tais como: currículo escolar, gênero e sexualidade. No Brasil, o debate sobre a Base Nacional Comum Curricular opõe “ativistas LGBT”, que reivindicam uma sexualidade laica, e “religiosos conversadores”, que defendem o binarismo sexual (masculino e feminino). A pesquisa se apoiou em autores da sociologia e da antropologia da religião como foco no contexto brasileiro de avanço do conservadorismo na política. Também utilizamos clássicos da sociologia da religião: tais como: Max Weber, Talal Asad e Pierre Sanchis. A análise da participação política desses atores sociais é inspirada na ética da liberdade de Michel Foucault, em que o sujeito é percebido como produtor de modos de ser e de resistência. Além do mais, a (re)atualização dos conceitos propostos por Peter Berger no texto clássico: “O dossel sagrado: elementos para uma teoria da sociologia da religião” auxiliaram na verificação de como o processo de secularização que produz um sujeito “retirado do mundo” e consequentemente uma privatização das moralidades religiosas tem cedido espaço à dessecularização que permite a atuação de “religiosos conservadores” na política e o reencantamento do mundo. A compreensão de que movimentos secularizantes não excluem reações dessecularizantes, mas, ao contrário, podem conviver dentro de uma mesma sociedade, pode contribuir com trabalhos futuros acerca dos desafios democráticos na América Latina, e, especificamente, no Brasil, em que formas arraigadas de religiosidade (principalmente pentecostal e neopentecostal), no caso evangélico, e o movimento carismático, no caso da Igreja Católica, impõem uma agenda conservadora e fundamentalista, na tentativa de barrar avanços progressistas. Assim, “religiosos conservadores” definem os Estudos de Gênero (que inclui: feminilidades, masculinidades e identidades queer) com inimigos retóricos.

References

ASAD, Talal. Formação do secular: Cristianismo, Islamismo e Modernidade. São Paulo: Editora Unifesp, 2003.

BERGER, Peter. A dessecularização do mundo: uma visão global. Religião & Sociedade, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, abril, p. 9-23, 2001.

BERGER, Peter. O dossel sagrado: Elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Editora Paulinas, 1985.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Resolução CNE N.º 2 de 22 de dezembro de 2017. Brasília, 2017. Disponível em: <https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECPN22017.pdf?query=curriculo>. Acesso em: 22 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC 1ª versão 2015. Brasília, 2015. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/BNCC-APRESENTACAO.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC 2ª versão 2016. Brasília, 2016. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2019.

BUARQUE DE HOLANDA, Sérgio. Raízes Do Brasil. Brasília: Editora da UnB, 1963.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Os políticos de cristo: uma análise do comportamento político de protestantes históricos e pentecostais no brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPOCS, 26º encontro anual da ANPOCS, 2002, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Minas Gerais, ANPOCS, GT 18 - Religião e Sociedade, 2002.

CASANOVA, J. As religiões estão se tornando cada vez mais globais. Entrevista cedida a Instituto Humanitas Unisinos – IHU. [9 de abril de 2012]. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/508258 > Acesso em: 1 Dez. 2015.

CASANOVA, J. Public Religions in the Modern World. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1994. DOI: https://doi.org/10.7208/chicago/9780226190204.001.0001

FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade v. 2: o uso dos prazeres. 8. ed. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Editora Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade v. 3: o cuidado de si. 8. ed. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Editora Edições Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos v. 4: ética, estratégia, poder-saber. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Tradução: Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2003.

GIUMBELLI, Emerson. A presença do religioso no espaço público: modalidades no brasil. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 80-101, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-85872008000200005

GOMES, Edlaine; NATIVIDADE, Marcelo & MENEZES, Rachel A. Proposições de leis e valores religiosos: controvérsias no espaço público. In: DUARTE, L. F. D.; GOMES, E. de C.; MENEZES, R. A.; NATIVIDADE, M. (orgs.), Valores religiosos e legislação no Brasil: a tramitação de projetos de lei sobre temas morais controversos. Rio de Janeiro: Editora Garamond/FAPERJ, 2009. p. 15-47.

JOSEPH, Handerson. Diáspora, refugiado, migrante: perspectiva etnográfica em mobilidade e transfronteiriça. Sociedade e Cultura. Goiânia, v. 20, n. 2, p. 173-192, jul./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.5216/sec.v20i2.53071

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Tradução: Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

MACHADO, Maria das Dores Campos; PICCOLO, Fernanda Delvalhas; ZUCCO, Luciana Patrícia; MOTA, Murilo Peixoto. Homofobia, movimentos sociais e a epidemia de AIDS na percepção das lideranças religiosas. In: MACHADO, Maria das Dores Campos; PICCOLO, Fernanda Delvalhas (orgs.). Religiões e homossexualidades. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. p. 111-158.

MONTERO, Paula. “Religião, pluralismo e esfera pública no Brasil”. Novos Estudos CEBRAP, n. 74, março, p. 47-65, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002006000100004

MONTERO, Paula. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 32, n.1, p. 167-183, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-85872012000100008

MOUFFE, Chantal. Democracia, cidadania e a questão do pluralismo. Política e Sociedade: Revista de Sociologia Política, Florianópolis, v. 1, n. 3, outubro, 2003.

NEGRÃO, L. N. Nem "jardim encantado", nem "clube dos intelectuais desencantados". Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 20, n. 59, outubro, p. 23-36, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092005000300002

PIERUCCI, Antônio Flávio. Secularização em Max Weber: Da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Rev. Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 13, n. 37, junho, p. 43-73, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69091998000200003

SANCHIS, Pierre. As tramas sincréticas da história. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 10, n. 28, junho, p. 123-130, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um activista dos direitos humanos. 2. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2014.

SOUZA, Jesse. A ética protestante e a ideologia do atraso brasileiro. Revista Brasileira De Ciências Sociais, v.13, n. 38, outubro, p. 50- 70, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69091998000300006

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Tradução: Antônio Flávio Pierucci. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

WEBER, Max. A psicologia social das religiões mundiais. In: WEBER, Max. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1979. p. 309-347.

Published

2024-05-14

How to Cite

Pavani, R. B. de S., & Alves, M. I. A. (2024). A participação de religiosos conservadores na política: BNCC, gênero e sexualidade. Caderno Pedagógico, 21(5), e3985. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-094

Issue

Section

Articles