Perfil diagnóstico do nível cibercultural de estudantes de graduação para aplicação da metodologia sala de aula invertida

Authors

  • Ana Carolina Viana Simões
  • Fernanda Rezende Tavares
  • José Fonseca da Silva
  • Flávia Cacho dos Santos
  • Henrique Nou Schneider

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n4-003

Keywords:

TDIC, Metodologias Ativas, Estratégia Sai, Dromoaptidão, Ensino Farmacêutico

Abstract

Vivemos um momento de constantes transformações nas relações humanas em decorrência das inovações emergentes e da velocidade do desenvolvimento tecnológico. As mudanças na sociedade, entre as quais encontram-se aquelas que interferem diretamente na educação, trazem a necessidade de atualizações no processo ensino-aprendizagem. As Tecnologias Digitais, protagonistas na constituição do ciberespaço e da cibercultura na atualidade, tornam-se aliadas importantes nesse processo. Elas tanto estimulam a troca de informações e saberes a serem aplicados nas produções colaborativas de conhecimentos quanto possibilitam o autoaprendizado. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo traçar o perfil diagnóstico do nível cibercultural dos discentes matriculados na disciplina Homeopatia, do curso de graduação em Farmácia de uma Universidade Federal, para verificar a viabilidade de aplicação da metodologia Sala de Aula Invertida. Para traçar o perfil dos estudantes que aceitaram participar da pesquisa, mediante assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, disponibilizamos o dispositivo questionário por meio de formulário do Google Forms a todos os discentes matriculados na referida disciplina. Com essa ação, obtivemos 20 questionários respondidos e passíveis de análise. Os resultados, então, levam-nos a concluir que todos os participantes da pesquisa possuem nível adequado de dromoaptidão para a aplicação da metodologia ativa proposta. Fato que possibilita ao docente o desenvolvimento satisfatório de práticas pedagógicas com uso de Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação. Além de promover uma educação sintonizada com a conjuntura cibercultural, proporcionando aos estudantes a condição de protagonismo requerida por eles no processo da própria aprendizagem e pelas demandas de novas competências e habilidades exigidas pela sociedade, seja de forma individual ou coletiva/colaborativa.

References

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

BISHOP, J. A Controlled study of the flipped classroom with numerical methods for engineers. 284 f. Tese (Doutorado em Ensino de Engenharia) – Utah State University, Logan, 2013.

BOLLELA, V. R.; CESARETTI, M. L. R. Sala de aula invertida na educação para as profissões de saúde: conceitos essenciais para a prática. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 14, n. 1, p. 39-48, 2017. DOI: https://doi.org/10.5216/ref.v14i1.42807

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – CNE. Resolução nº 6 de 19 de outubro de 2017. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017.

HAN, E.; KLEIN, K. C. Pre-class learning methods for flipped classrooms. American Journal of Pharmaceutical Education, v. 83, n. 1, 2019. DOI: https://doi.org/10.5688/ajpe6922

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MIRANDA, A. L. Cyberculture and education: points and counterpoints between the vision of Pierre Lévy and David Lyon. Trans/Form/Ação, v. 44, p. 45-68, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n1.04.p45

PAVANELO, E.; LIMA, R. Sala de Aula Invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Bolema: Boletim de Educação Matemática, v. 31, p. 739-759, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-4415v31n58a11

SCHNEIDER, H. N. A educação na contemporaneidade: Flexibilidade comunicação e colaboração. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), v. 2, n. 2, p. 86-104, 2013. DOI: https://doi.org/10.47916/ijkem-vol2n2-2013-4

SOUZA, A. A. N.; SCHNEIDER, H. N. Da educação 1.0 à educação 3.0: desafios para a prática docente no século XXI. Olhar de Professor, v. 25, p. 1-20, 2022. DOI: https://doi.org/10.5212/OlharProfr.v.25.17555.014

TEIXEIRA, M. M. A cibercultura na educação. Revista Pátio, v. 67, 2013.

TRIVINHO, E. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007.

VASCONCELOS, D. F. P.; VASCONCELOS, A. C. C. G. Desenvolvimento de um ambiente virtual de ensino em histologia para estudantes da saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, p. 132-137, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000100019

SANDRI, S.; STOLFI, J.; VELHO, L. Proceedings of the XII SIBGRAPI (outubro de 1999), p. 101-104, 1999.

Published

2024-04-02

How to Cite

Simões, A. C. V., Tavares, F. R., Silva, J. F. da, Santos, F. C. dos, & Schneider, H. N. (2024). Perfil diagnóstico do nível cibercultural de estudantes de graduação para aplicação da metodologia sala de aula invertida. Caderno Pedagógico, 21(4), e3537. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n4-003

Issue

Section

Articles