O desenvolvimento da atenção voluntária: reflexões e aproximações teóricas à luz da psicologia escolar crítica

Authors

  • Fabiana Darc Miranda
  • Jonathas Ferreira Santos
  • Lariah Silva de Faria
  • Regina Lúcia Sucupira Pedroza

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n4-001

Keywords:

Atenção Voluntária, Medicalização, Psicologia Escolar e Psicologia Histórico-Cultural

Abstract

O número de crianças em período escolar que são sujeitas a diagnósticos e tratamentos farmacológicos em decorrência de dificuldades de aprendizagens, em particular sobre o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH), tem sido preocupante. Nesse sentido, considera-se a atenção condição primordial para os processos de aprendizagem, e a Psicologia Escolar se identifica como uma área imprescindível para refletir e intervir sobre essa concepção predominante através dos estudos sobre o desenvolvimento da atenção voluntária. Diante disso, o estudo objetiva entender as críticas à medicalização da educação contemporânea que toma como princípio o suposto TDAH, descrevendo como a Psicologia Histórico-cultural compreende o desenvolvimento da atenção voluntária em crianças, e, posteriormente, a atuação do psicólogo escolar frente ao processo de ensino aprendizagem. A metodologia utilizada no estudo é de natureza bibliográfica, baseada na Psicologia Histórico- cultural e tem como principal fonte os estudos já produzidos por Tuleski na respectiva área. Destaca-se a importância de se refletir sobre a construção histórica e hegemônica do TDAH, o imediatismo vivido pela sociedade atualmente, o novo olhar sobre a atenção propiciado pela Psicologia Histórico-cultural, além da atuação do psicólogo escolar, como um facilitador do funcionamento daquele coletivo institucional. os estudos acerca da Psicologia Histórico-cultural, através do estudo do desenvolvimento da atenção voluntária, evidenciam a possibilidade de um novo olhar frente tal visão, já que esta teoria propõe que o desenvolvimento da atenção não se trata unicamente de uma questão biológica, mas vai além disso, se trata da integração de elementos biológicos, sociais e culturais, direcionado caminhos para a intervenção e a compreensão. Por fim, sugere-se estudos voltados para avaliação das realidades institucionais no que se refere ao desenvolvimento de práticas que considerem os indivíduos como seres subjetivos, integrais e socioculturais. 

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária–Anvisa. (2014). Metilfenidato no tratamento de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde, 8(23), 1-18.

Associação Americana de Psiquiatria. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Editora Artmed.

Brzozowski, F. S., & Caponi, S. (2012). Determinismo biológico e as neurociências no caso do transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22, 941-961. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000300006

Cheffer, M. H., Rissi, G. P., Campos, T. A., Shibukawa, B. M. C., Zanato, A. R., da Silva, N.

K. V., & Higarashi, I. H. (2022). Desvelando os efeitos adversos do metilfenidato na atenção infanto-juvenil. Revista Neurociências, 30, 1-19. DOI: https://doi.org/10.34024/rnc.2022.v30.13518

Costa, B., Mezza, F., Moreira, R., & Rodrigues, R. V. (2020). Os discursos da escola sobre a criança: um estudo acerca das contribuições da psicologia para o entendimento do TDAH, 1-17.

Dias, A. C. G., Patias, N. D., & Abaid, J. L. W. (2014). Psicologia Escolar e possibilidades na atuação do psicólogo: Algumas reflexões. Psicologia Escolar e Educacional, 18, 105- 111. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572014000100011

Eidt, N. M., & Ferracioli, M. U. (2007). O ensino escolar e o desenvolvimento da atenção e da vontade: superando a concepção organicista do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Quem tem medo de ensinar na educação infantil, 93-123.

Eidt, N. M., & Tuleski, S. C. (2010). Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e psicologia histórico-cultural. Cadernos de Pesquisa, 40, 121-146. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000100007

Eidt, N. M., Tuleski, S. C., & Franco, A. F. (2014). Atenção não nasce pronta: o desenvolvimento da atenção voluntária como alternativa à medicalização. Nuances: estudos sobre Educação, 25(1), 78-96. DOI: https://doi.org/10.14572/nuances.v25i1.2759

Franco, A. F., Mendonça, F. W., & Tuleski, S. C. (2020). Medicalização da infância: avanço ou retrocesso. Nuances: estudos sobre Educação, 31(esp. 1), 38-59. DOI: https://doi.org/10.32930/nuances.v31iesp.1.8289

Girão, M. S., & Colaço, V. F. R. (2018). TDAH na infância contemporânea: um olhar a partir da sociologia da infância e da psicologia histórico-cultural. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 13(1), 1-13.

Gomes, C. A. V. (2013). O lugar do afetivo no desenvolvimento da criança: implicações educacionais. Psicologia em Estudo, 18, 509-518. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722013000300012

Lains, L. D., & Rocha, M. S. P. D. M. L. D. (2020). Desenvolvimento da atenção mediada e sua relação com práticas pedagógicas. Fractal: Revista de Psicologia, 32, 21-30. DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5634

Leite, H. A., & Tuleski, S. C. (2011). Psicologia Histórico-Cultural e desenvolvimento da atenção voluntária: novo entendimento para o TDAH. Psicologia escolar e educacional, 15, 111-119. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-85572011000100012

Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do Psiquismo. Lisboa: Horizonte.

Lima, T. C. S. D., & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista katálysis, 10, 37-45. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

Lucena, J. E. E. (2018). O desenvolvimento da atenção voluntária na educação infantil: contribuições da psicologia histórico-cultural para processos educativos e práticas pedagógicas. 2016. 133 f (Doctoral dissertation, Dissertação (mestrado em Psicologia) -Universidade Estadual de Maringá, 2016, Maringá, PR).

Luria, A, R. O. (1991). Papel da linguagem na formação de conexões temporais e a regulação do comportamento em crianças normais e oligofrênicas. In: Luria, A. R.; Leontiev, A. N.; Vygotsky, L. S. (Org.). Psicologia e pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo: Moraes, p.77-94.

Mello, S. A. (2010). A questão do meio na pedologia e suas implicações pedagógicas. Psicologia Usp, 21, 727-739. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000400005

Pereira, K. S. (2021). Funções psicológicas superiores na concepção de Vygotsky: base do desenvolvimento e aprendizagem infantil, 1-35.

Prais, J. L., dos Santos, A. F., & Levandovski, A. R. (2016). Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e a compreensão da psicologia histórico-cultural no desenvolvimento da atenção. Ensaios e Ciência: ciências biológicas, agrárias e da saúde, 20(1), 49-57.

Ribeiro, M. I. S., & Viégas, L. S. (2016). A abordagem histórico-cultural na contramão da medicalização: uma crítica ao suposto TDAH. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 8(1), 157-166. DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v8i1.14867

Rosa, O. D. F., & Franco, A. D. (2016). O desenvolvimento da Atenção: o TDA e o TDAH na escolarização. Programa de Desenvolvimento Educacional. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Universidade Estadual de Maringá. Paraná. http://www. cdhcostaesilva. seed. pr. gov. br/redeescola/escolas/7/560/259/arquivos/File/PDE-ONICE. pdf.

Santos, L. D. F., & Vasconcelos, L. A. (2010). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em crianças: uma revisão interdisciplinar. Psicologia: teoria e pesquisa, 26, 717-724. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000400015

Segatto, C.; Padilha, I.; Frutuoso, S. (2006). Remédios demais? Revista Época. São Paulo, n.446, 108-115.

Smirnov, A. A., & Gonobolin, F. N. (1960). La atencion (Florêncio Villa Landa, trad.). Em

A. A. Smirnov, S. L. Rubinstein, A. N. Leontiev & B. M. Tieplov (Orgs.), Psicologia,

-200. México: Tratados y Manuales Grijalbo.

Viana, E. F. C., & Coêlho, J. P. L. (2020). Desenvolvimento da atenção voluntária e a crítica medicalização da educação: TDAH à luz da psicologia histórico-cultural. Brazilian Journal of Development, 6(3), 14278-14287. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-336

Vygotski, L. S. (1995). Obras Escogidas: Tomo III -Problemas del desarrollode la psique. Madri: Visor, 383.

Vygotski, L. S. (1996). Paidología del adolesente. Obras Escogidas. TOMO IV. Madri: Visor, p. 9-248.

Vygotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (2003). Psicologia pedagógica. Tradução de Claudia Schilling. Edição comentada por Guilhermo Blanck. Porto Alegre: Artmed, 311.

Vygotsky L. S. (1999). O desenvolvimento Psicológico na Infância. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1931). El problema del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. (Capítulo 1). Disponível em: <http://www.taringa.net/perfil/vygotsky>. Comisión editorial para la edición en lengua rusa. Academia de Ciencias Pedagógicas de la URSS. Tradução de Eliane Silva (2018).

Vygotsky, L. S. (1998). Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L.S. & Luria, A.R. (1996). Desenvolvimento cultural de funções especiais: a atenção. In: Vygotsky, L.S.; Luria, A.R. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

Published

2024-04-02

How to Cite

Miranda, F. D., Santos, J. F., Faria, L. S. de, & Pedroza, R. L. S. (2024). O desenvolvimento da atenção voluntária: reflexões e aproximações teóricas à luz da psicologia escolar crítica. Caderno Pedagógico, 21(4), e3535. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n4-001

Issue

Section

Articles