Determinação do coeficiente de reaeração (k2) em pequeno rio de encosta: estudo de caso

Authors

  • Francisco Rossarolla Forgiarini

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-228

Keywords:

Reoxigenação, Rio de Encosta, Monitoramento

Abstract

O balanço de oxigênio nos cursos d’água é regido pela subtração dos processos de desoxigenação e reaeração. Esta dinâmica é basicamente regulada pelo coeficiente de reaeração (K2) que demonstra o potencial de recuperação natural da concentração de oxigênio dissolvido. Este processo é de difícil quantificação devido à influência das características hidráulicas de cada córrego. Desta forma o objetivo deste trabalho foi de quantificar o coeficiente de reaeração para um arroio de encosta localizado no município de Silveira Martins, RS e avaliar os valores encontrados com os disponíveis na bibliografia. O trecho do curso de água estudado possui 1630 metros de comprimento e apresenta nas suas extremidades altitudes de 216 e 407 metros, apresentando uma declividade média de 118,6 m/km. Foram coletadas amostras de água em dois pontos durante cinco eventos de chuva com diferentes vazões. O coeficiente de reaeração foi estimado com a utilização de três modelos, dois modelos de previsão do coeficiente de reaeração (Owens et al, 1964; e Parker e Gay, 1987) e a partir do modelo de autodepuração de Streeter e Phelps. Os resultados encontrados com a utilização dos modelos de previsão de K2 não foram representativos para as características hidráulicas do córrego em estudo, pois os valores foram extremamente altos (superiores à 34,491 dia-1). Já o modelo de autodepuração de Streeter e Phelps apresentou resultados semelhantes aos disponíveis na bibliografia para cursos d’água com características semelhantes ao córrego estudado, demonstrando que os valores calculados possam ser considerados válidos. O ganho de OD foi maior nos eventos ocorridos nas estações de outono e inverno. Isto pode ser justificado devido a serem os eventos onde as temperaturas estavam mais amenas, fazendo com que o ganho de oxigênio fosse superior que nos outros eventos que ocorreram na primavera e verão.

References

ALMEIDA, T. V. D. Índice de qualidade da água e coeficientes de autodepuração de trechos do rio pomba. 2006. 68p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa, 2006.

BARBOSA J. A. R. Uso de traçadores na determinação de parâmetros de qualidade em escoamentos naturais da água. 457p. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia de São Carlos, USP, 1997.

BEZERRA, I. S. O.; MENDONCA, L. A. R.; FRISCHKORN, H. Autodepuração de cursos d´água: um programa de modelagem Streeter Phelps com calibração automática e correção de anaerobiose. Rem: Rev. Esc. Minas [online]. 2008, vol.61, n.2, pp. 249-255. ISSN 0370-4467.

FORMENTINI, T. A.; GASTALDINI, M. C. C. Determinação experimental do coeficiente de reaeração superficial: estudo da arte. In Anais do X Simpósio Ítalo-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Maceió, Fev. 2010.

GLEIZER, S. Determinação Experimental do Coeficiente de Reaeração em Rios com o Uso de Traçador Inerte Gasoso. 1992. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Maio de 1992.

GRANT, R. S.; SKAVRONECK, S. Comparison of tracer methods and predictive equations for determination of stream-reaeration coefficients on three small streams in Wisconsin. United States Geological Survey. Water Resources Investigation Report 80-19. 1980.

MATOS, A. T.; ALMEIDA, T.V.; SILVA, D.D.; FARAGE, J.A.P. Coeficiente de reaeração em três trechos do rio pomba (mg), obtidos nos períodos chuvoso e seco. Engenharia na Agricultura, Viçosa - MG, V.19 N.4, JULHO / AGOSTO 2011.

NAIME, R.; FAGUNDES, R. S. Controle da qualidade da água do Arroio Portão, RS. Instituto de Geociências, UFRGS, Pesquisa em Geociências, 32. Porto Alegre – Brasil, 2005.

NUNES, D. G.. Modelagem da autodepuração e qualidade da água do rio Turvo Sujo. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Junho de 2008.

RATHBUN, R.E.; GRANT, R.S. Comparison of the radioactive and modified technique for measurement of stream reaeration coefficients U.S. Geological Survey Water-Resources Investigations 78-68, 57 p.

SPERLING, M. V. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Editora UFMG. 2005. 452 p.

Published

2024-03-29

How to Cite

Forgiarini, F. R. (2024). Determinação do coeficiente de reaeração (k2) em pequeno rio de encosta: estudo de caso. Caderno Pedagógico, 21(3), e3510. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-228

Issue

Section

Articles