Modelo transteórico para prática de atividade física em ado-lescentes: evidências científicas baseadas em revisão sis-temática da literatura

Authors

  • Daniel de Sousa Medeiros
  • Leonardo Rodrigues Souza
  • Andressa Queiroz Monteiro do Vale
  • Luiza Augusta Rosa Rossi-Barbosa
  • Rosângela Ramos Veloso Silva

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-225

Keywords:

Modelo Transteórico, Comportamento do Adolescente, Atividade Física

Abstract

O comportamento para a prática de atividade física entre adolescentes tem despertado grande interesse quanto à investigação dos hábitos saudáveis para a promoção da saúde. O objetivo do presente artigo foi identificar as evidências científicas sobre a prevalência nos estágios de mudança de comportamento do modelo transteórico para atividade física em adolescentes. Trata-se de revisão sistemática da literatura científica, realizada nas bases de dados Lilacs, Medline e Bireme com o algoritmo (Exercise) OR (Activity, Physical) OR (Motor Activity) AND (Teenager) OR (Adolescent) AND (Transtheoretical Model) OR (Stages of Change) OR (Stages of Readiness) OR (Process of Change) OR (Behavior Change). O processo de seleção esteve de acordo com o protocolo Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA).  Dos 1.150 artigos, quatro compuseram a amostra final, sendo três estudos longitudinais, dois deles com grupo controle. Efetuou-se um checklist para avaliar a qualidade metodológica dos artigos longitudinais. A prevalência nos estágios iniciais (Pré-Contemplação e Contemplação) foi alta, tanto nos estudos longitudinais, como no estudo transversal. Nas pesquisas longitudinais, pode-se observar um aumento da prevalência nos estágios de Preparação e Ação entre os indivíduos dos grupos de intervenção, quando comparados aos grupos controle. É necessário trabalhar os estágios com os constructos de autoeficácia, equilíbrio de decisão e processos de mudança. Verificou-se ser possível obter sucesso por meio das redes sociais, pois os participantes melhoraram seus índices, passando dos estágios da intenção de agir para os estágios de ação. Novas pesquisas longitudinais, com grupo controle, devem ser realizadas fazendo uso de ferramentas objetivas como acelerômetros e pedômetros. Além do mais, políticas públicas devem ser desenvolvidas na adolescência tendo como base o modelo transteórico.

References

ANDRADE, A. L. M. et al. Psychology of Substance Abuse: Psychotherapy, Clinical Management and Social Intervention, International Publishing, Springer, 2021.

BIDDLE, S. J. H.; NIGG, C. R. Theories of exercise behavior. International Journal of Sport Psychology, v. 31, n. 2, p. 290–304, 2000.

BOTTCHER, L. B. ATIVIDADE FÍSICA COMO AÇÃO PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE. Revista Gestão & Saúde, p. 98–111, 2019.

BULL, F. C.; et al. World Health Organization 2020 guidelines on physical activity and sedentary behaviour. British Journal of Sports Medicine, v. 54, n. 24, p. 1451–1462, 2020.

CEYLAN, F.; EROL, S. The Effect of a Physical Activity Program Using WhatsApp on Adolescents’ Exercise Behavior. The Journal of School Nursing, p. 10598405221132207, 2022.

COELHO, C. F.; BURINI, R. C. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição, v. 22, p. 937–946, 2009.

DOWNS, S. H.; BLACK, N. The feasibility of creating a checklist for the assessment of the methodological quality both of randomised and non-randomised studies of health care interventions. Journal of Epidemiology and Community Health, v. 52, n. 6, p. 377–384, 1998.

ENGELS, E. S.; NIGG, C. R.; REIMERS, A. K. Predictors of physical activity behavior change based on the current stage of change-an analysis of young people from Hawai’i. Journal of Behavioral Medicine, v. 45, n. 1, p. 38–49, 2022.

JIMÉNEZ-ZAZO, F.; et al. Transtheoretical Model for Physical Activity in Older Adults: Systematic Review. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 17, n. 24, p. 9262, 2020.

LANDRY, B. W.; DRISCOLL, S. W. Physical activity in children and adolescents. PM & R: the journal of injury, function, and rehabilitation, v. 4, n. 11, p. 826–832, 2012.

MOHER, D.; et al. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. PLoS medicine, v. 6, n. 7, p. e1000097, 2009.

PEREIRA, D. S.; SOUZA, S. J. P.; MARQUES, F. R.; WEIGERT, S. P. A atividade física na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis. Revista Gestão & Saúde, v. 17, p. 9, 2017.

PIRZADEH, A.; et al. Web-based intervention on the promotion of physical activity among Iranian youth using the transtheoretical model. Journal of Education and Health Promotion, v. 9, p. 118, 2020.

PROCHASKA J.O. ;DICLEMENTE C.C. Stages and processes of self-change of smoking: Toward an integrative model of change. J. Consult. Clin. Psychol, v51,p.390–395,1983. doi: 10.1037/0022-006X.51.3.390

RHODES, R. E. ; MCEWAN, D.; REBAR, A. L. Theories of physical activity behaviour change: A history and synthesis of approaches. Psychology of Sport and Exercise, v. 42, p. 100–109, 2019.

SHAVER, E. R; et al. Application of the Transtheoretical Model to Physical Activity and Exercise Behaviors in African-American Adolescents. American Journal of Health Behavior, v. 43, n. 1, p. 119–132, 2019.

SILVA, N. S. S; et al. Prevalência dos níveis de atividade física e fatores associados entre adolescentes escolares. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 27, p. 1–9, 2022.

SILVA, J. L.; et al. Associações entre Bullying Escolar e Conduta Infracional: Revisão Sistemática de Estudos Longitudinais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 32, p. 81–90, 2016.

Published

2024-03-29

How to Cite

Medeiros, D. de S., Souza, L. R., Vale, A. Q. M. do, Rossi-Barbosa, L. A. R., & Silva, R. R. V. (2024). Modelo transteórico para prática de atividade física em ado-lescentes: evidências científicas baseadas em revisão sis-temática da literatura. Caderno Pedagógico, 21(3), e3505. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-225

Issue

Section

Articles