Avaliação de ansiedade, estresse e depressão em profissionais de saúde que atuam em ambientes de unidades de terapia intensiva

Authors

  • Fabio Bombarda
  • Luiz Claudio de Andrades Lima
  • Antonio Carlos Siqueira Júnior

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-033

Keywords:

Saúde Ocupacional, Depressão, Qualidade de Vida, Hospitais de Ensino, Unidade de Terapia Intensiva

Abstract

A notável complexidade multidimensional dos ambientes críticos hospitalares detém potencial ampliador de estresse, ansiedade e depressão que podem gerar redução da qualidade de vida e da performance laboral. Médicos e equipe de enfermagem compõem a maior parte da força de trabalho envolvido nas unidades de terapia intensiva (UTI) tendo que enfrentar e se adaptar às grandes exigências de natureza psíquica, física e social existentes em seu ambiente de trabalho muitas vezes em paralelo à processos de ensino-aprendizagem. Avaliamos os níveis de estresse, ansiedade e depressão dos médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem submetidos à exposição prolongada de trabalho em ambientes de UTI em um hospital geral de grande porte através da aplicação do escore DASS-21 correlacionado à aspectos biopsicossociais com mensuração da circunferência da cintura em um estudo transversal de abordagem quantitativa e descritiva com amostra de 260 profissionais lotados em 6 unidades de terapia intensiva dos quais 100 participaram atendendo aos critérios de inclusão do estudo. Concluímos que a maioria apresentou sintomas sugestivos de depressão sendo 25% leves, 20% moderados e 10% graves; quanto à ansiedade, 66% tiveram índices acima do normal e com relação ao estresse, 26% tinham índices sugestivos de sintomas graves. O tabagismo teve baixa prevalência e a obesidade abdominal atingiu 27% correlacionada positivamente com ansiedade, idade e tempo de formação. O estudo destaca a necessidade urgente de políticas e intervenções voltadas para a saúde mental desses profissionais, considerando os desafios específicos enfrentados em ambientes críticos, especialmente durante e após a pandemia. Além disso, enfatiza a importância de abordar fatores como estresse, consumo de álcool e obesidade abdominal para promover o bem-estar e a saúde integral desses profissionais de saúde.​

References

ALDRIGHI, A. et al. Saúde mental para profissionais da saúde do estado de São Paulo no contexto da pandemia COVID-19. BEPA Boletim Epidemiológico Paulista, v. 17, n. 204, p. 1-13, 2020. DOI: https://doi.org/10.57148/bepa.2020.v.17.34418

ASSOCIATION AP. DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed Editora, 2014.

AYOUB, A. C.; SOUSA, M. G. Prevalence of smoking in nursing professionals of a cardiovascular hospital. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 72, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0145

BARBOSA, M. B. T. et al. Depressão e ansiedade na enfermagem em unidade de terapia intensiva. Revista Ciência Plural, v. 6, n. 3, p. 93-107, 2020. DOI: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2020v6n3ID19714

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de Depressão 2023. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/d/depressao#:~:text=Segundo%20a%20OMS%2C%20a%20preval%C3%AAncia,as%20doen%C3%A7as%20durante%20a%20vida. Acesso em: 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. CONITEC. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Sobrepeso e Obesidade em adultos. Brasília, MS, 2020.

BORSOI, I. Saúde mental e trabalho: um estudo de caso da enfermagem. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1992.

CAMACHO, Á.; CORDERO, E. D.; PERKINS, T. Psychometric Properties of the DASS-21 Among Latina/o College Students by the US-Mexico Border. Journal of Immigrant and Minority Health, v. 18, p. 1017–1023, 2016. DOI: https://doi.org/10.1007/s10903-016-0415-1

CANOVA-BARRIOS, C.; OVIEDO-SANTAMARÍA, P. Calidad de vida relacionada con la salud en trabajadores de unidades de cuidados intensivos. Enfermería Intensiva, v. 32, n. 4, p. 181-188, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enfi.2020.11.002

CANOVA BARRIOS, C. J. et al. Relación entre condiciones de trabajo con la calidad de vida relacionada con la salud de trabajadores de enfermería y medicina de unidades de cuidados intensivos durante la pandemia COVID 19 en Santa Marta, Colombia. Enfermería Global, v. 22, n. 2, p. 64-90, abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.6018/eglobal.540111

CARDIOLOGIA SBD. Sociedade Brasileira De Cardiologia. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 89, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2007001500012

CARLINI, E.; GALDURÓZ, J.; NOTO, A.; NAPPO, S. I Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas no Brasil. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, 2001.

CHANDOLA, T.; BRUNNER, E.; MARMOT, M. Chronic stress at work and the metabolic syndrome: prospective study. BMJ (Clinical research ed), v. 332, n. 7540, p. 521-525, 2006. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.38693.435301.80

COSTA, K. J. T. et al. Qualidade de vida de médicos intensivistas: um estudo transversal. Revista de Atenção à Saúde, v. 15, n. 54, p. 44-48, 2017 DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n54.4792

CNJ, Conselho Nacional de Justiça. Despacho n. 1748680. Brasilia, 2024.

DA SILVA ANDRADE, R. V.; COSTA, O. R. S. Estresse Ocupacional em Profissionais de Saúde: um Estudo com a Equipe de Enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva-UTI de um Hospital Escola em Minas Gerais/Occupational Stress in Health Professionals: A study with the Nursing Team of the Intensive C. Revista Ciências em Saúde, v. 4, n. 4, p. 29-39, 2014. DOI: https://doi.org/10.21876/rcsfmit.v4i4.261

DUNBAR, J. A. et al. Depression: an important comorbidity with metabolic syndrome in a general population. Diabetes Care, v. 31, n. 12, p. 2368-2373, 2008. DOI: https://doi.org/10.2337/dc08-0175

GOIS, C. F. L.; DANTAS, R. A. S. Estressores em uma unidade pós-operatória de cirurgia torácica: avaliação da enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 12, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-11692004000100004

HENRY, J. D.; CRAWFORD, J. R. The short-form version of the Depression Anxiety Stress Scales (DASS-21): construct validity and normative data in a large non-clinical sample. The British Journal of Clinical Psychology, v. 44, Pt 2, p. 227-239, 2005. DOI: https://doi.org/10.1348/014466505X29657

HUANG, J. et al. Care for the Psychological Status of Frontline Medical Staff Fighting Against Coronavirus Disease 2019 (COVID-19). Clinical infectious diseases: an official publication of the Infectious Diseases Society of America, v. 71, n. 12, p. 3268-3269, 2020. DOI: https://doi.org/10.1093/cid/ciaa385

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Saúde. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude.html. Acesso em: 10 dez. 2023.

LENTINE, E. C.; SONODA, T. K.; BIAZIN, D. T. Estresse de profissionais de saúde das Unidades Básicas do Município de Londrina, 2020, p. 103-123.

LOVIBOND, S. H.; LOVIBOND, P. F. Manual for the depression anxiety stress scales. 2. ed. Sydney, N.S.W.: Psychology Foundation of Australia, 1995. DOI: https://doi.org/10.1037/t01004-000

LUDWIG, M. W. B. et al. Ansiedade, depressão e estresse em pacientes com síndrome metabólica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 2012.

LIMA, D.; PINTO PIZARRO DE FREITAS, C. Perfil sociodemográfico da enfermagem intensivista e suas relações com engajamento e workaholism. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, p. 206-220, 2021. DOI: https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/engajamento-e-workaholism

MACHADO, M. et al. Relatório final da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil (Convênio: FIOCRUZ/COFEN). Rio de Janeiro, 2016.

MACHADO, M. H. et al. Mercado de trabalho em enfermagem no âmbito do SUS: uma abordagem a partir da pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil. Divulg Saude Debate, n. 56, p. 52-69, 2016.

MUCKE, A. C. et al. Saúde mental em tempos de pandemia de Covid-19 e os profissionais de saúde: revisão narrativa. Comunicação em Ciências da Saúde, v. 31, n. 03, p. 57-63, 2020. DOI: https://doi.org/10.51723/ccs.v31i03.786

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD; ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. The COVID-19 Health care workers study (HEROES). Informe Regional de las Américas. Technical reports. Washington, D.C.: OPS, 2022.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Queda do consumo de tabaco: OMS pede que países invistam para ajudar mais pessoas a pararem de fumar. 2021. Disponível em: https://www.paho.org/pt/. Acesso em: 2021.

OLIVEIRA, L.; RODRIGUES, P. Waist circumference: measurement protocols and their practical applicability. Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde, v. 3, n. 02, p. 90-95, 2016. DOI: https://doi.org/10.17648/nutrivisa-vol-3-num-2-h

OLINTO, M. T.; NÁCUL, L. C.; DIAS-DA-COSTA, J. S.; GIGANTE, D. P.; MENEZES, A. M.; MACEDO, S. Intervention levels for abdominal obesity: prevalence and associated factors. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, n. 6, p. 1207-1215, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000600010

OKOSUN, I. S. et al. Abdominal adiposity and clustering of multiple metabolic syndrome in White, Black and Hispanic Americans. Annals of Epidemiology, v. 10, n. 5, p. 263-270, 2000. DOI: https://doi.org/10.1016/S1047-2797(00)00045-4

RIBEIRO, J. L. P.; HONRADO, A. A. J. D.; LEAL, I. P. Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de ansiedade, depressão e stress (EADS) de 21 itens de Lovibond e Lovibond. J Psicologia, Saúde & Doenças, p. 2229-239, 2004.

SAÚDE MD. Ministério da Saúde. Síndrome metabólica. Biblioteca Virtual em Saúde, 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/sindrome-metabolica/.

SANTOS CHAVES, C. Identificação de fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais da saúde. Arquivos de Ciências da Saúde, v. 22, n. 1, p. 39-46, 2015. DOI: https://doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.28

SANTOS, J. M. D.; OLIVEIRA, E. B. D.; MOREIRA, A. D. C. Estresse, fator de risco para a saúde do enfermeiro em centro de terapia intensiva. Revista de Enfermagem UERJ, p. 580-585, 2006.

SHECHTER, A. et al. Psychological distress, coping behaviors and preferences for support among New York healthcare workers during the COVID-19 pandemic. General Hospital Psychiatry, 2020.

SCHEFFER, M. et al. Demografia Médica no Brasil 2023. São Paulo: FMUSP, 2023. 344 p.

SILVA-COSTA, A.; GRIEP, R. H.; ROTENBERG, L. Perceived risk from COVID-19 and depression, anxiety, and stress among workers in healthcare units. Cadernos de Saúde Pública, v. 38, n. 3, e00198321, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00198321

SZABÓ, M. The short version of the Depression Anxiety Stress Scales (DASS-21): Factor structure in a young adolescent sample. Journal of Adolescence, v. 33, n. 1, p. 1-8, 2010. DOI: https://doi.org/10.1016/j.adolescence.2009.05.014

TULLY, P.; ZAJAC, I.; VENNING, A. The Structure of Anxiety and Depression in a Normative Sample of Younger and Older Australian Adolescents. Journal of Abnormal Child Psychology, v. 37, p. 717-726, 2009. DOI: https://doi.org/10.1007/s10802-009-9306-4

VESP, VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE SÃO PAULO. Dados Covid-19. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-de-transmissao-respiratoria/coronavirus/2023/dezembro/covid111223.pdf. Acesso em: 12 dez. 2023.

VIGNOLA, R. C.; TUCCI, A. M. Adaptation and validation of the depression, anxiety and stress scale (DASS) to Brazilian Portuguese. Journal of Affective Disorders, v. 155, p. 104-109, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jad.2013.10.031

WATSON, D.; PENNEBAKER, J. W. Health complaints, stress, and distress: exploring the central role of negative affectivity. Psychological Review, v. 96, n. 2, p. 234-254, 1989. DOI: https://doi.org/10.1037//0033-295X.96.2.234

Published

2024-05-07

How to Cite

Bombarda, F., Lima, L. C. de A., & Siqueira Júnior, A. C. (2024). Avaliação de ansiedade, estresse e depressão em profissionais de saúde que atuam em ambientes de unidades de terapia intensiva. Caderno Pedagógico, 21(5), e3482. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n5-033

Issue

Section

Articles