Correlação entre a ocorrência de doenças diarreicas agudas e os dados de vigilância da qualidade de água para consumo humano no Brasil

Authors

  • Mateus Clemente de Lacerda
  • Gabriele de Souza Batista
  • Ayrton Flavio Nascimento de Sousa
  • Ivens Lorran Clemente de Lacerda
  • Maria Nayara de Vasconcelos Almeida
  • Patricia Hermínio Cunha
  • Marilia Marcy Cabral de Araújo
  • Andréa Carla Lima Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-214

Keywords:

Abastecimento de Água, Sisagua, Escherichia Coli, Cloro Residual Livre

Abstract

O controle e vigilância da qualidade da água são essenciais para prevenir doenças de veiculação hídrica, como as diarreias agudas, causadas pelo consumo de água não tratada. Os parâmetros Escherichia coli e Cloro residual livre (CRL) são indicadores primários da qualidade da água, relacionados à contaminação fecal e à eficácia do tratamento, respectivamente. Neste sentido, este estudo investiga a relação entre a incidência de doenças diarreicas agudas e esses indicadores, buscando identificar variações regionais e temporais nos dados do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua) de 2014 a 2023. Para isso, foram utilizadas análises estatísticas para verificar a influência das características dos sistemas (SAA) e soluções alternativas coletivas (SAC) de abastecimento de água na porcentagem de inconformidade nas amostras de E. coli e CRL. Com o intuito de avaliar os dados espacial e temporalmente, aplicou-se o índice de Moran e o teste de Mann-Kendall. Os resultados obtidos revelaram a existência de desigualdade entre os dados de qualidade da água em sistemas localizados nas zonas urbana e rural, com a zona rural e as SAC tendo maior incidência de amostras inconformes. Os estados do Pará, Maranhão e Piauí destacam-se por problemas quando ao atendimento aos planos de amostragem, inconformidade das amostras e ocorrência de doenças diarreicas agudas, necessitando de políticas públicas específicas para mitigação dos efeitos. As regiões Sul e Sudeste do Brasil demonstraram melhor desempenho geral no atendimento à portaria de potabilidade, enquanto o Ceará se destacou pelo cumprimento do plano de amostragem. O trabalho auxilia na elaboração de estratégias voltadas para aprimorar a qualidade da água e fortalecer o cumprimento aos planos de amostragem, através da identificação das áreas com maiores deficiências, permitindo a priorização de ações de vigilância da qualidade da água pelo poder público ou da implantação de novas tecnologias, como os sistemas inteligentes de monitoramento da qualidade da água.

References

ARAUJO, L. F.; CAMARGO, F. P.; NETTO, A. T.; VERNIN, N. S.; ANDRADE, R. C. Análise da cobertura de abastecimento e da qualidade da água distribuída em diferentes regiões do Brasil no ano de 2019. Ciência & Saúde Coletiva, v. 27, n. 7, p. 2935-2947, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232022277.16472021

BATISTA, G. S. Modelagem do decaimento de cloro residual livre em redes de distribuição de água de comunidades rurais por meio de redes neurais artificiais. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental) – Centro de Tecnologia e Recursos Naturais. Universidade Federal de Campina Grande: Campina Grande, 2024.

BAYER, N. M.; URANGA, P. R. R.; FOCHEZATTO, A. Política Municipal de Saneamento Básico e a ocorrência de doenças nos municípios brasileiros. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 13, p. 1-17, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.013.e20190375

BELLOTTI, L.; BRANDÃO, S. R.; PACHECO, K. T. S.; FRAZÃO, P.; ESPOSTI, C. D. D. Vigilância da qualidade da água para consumo humano: potencialidades e limitações com relação à fluoretação segundo os trabalhadores. Saúde em Debate, v. 43, n. spe3, p. 51–62, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s304

BHARDWAJ, A.; DAGAR, V.; KHAN, M. O.; AGGARWAL, A.; ALVARADO, R.; KUMAR, M.; IRFAN, M.; PROSHA, R. Smart IoT and Machine Learning-based Framework for Water Quality Assessment and Device Component Monitoring. Environmental Science and Pollution Research, v. 29, p. 46018–46036, 2022. DOI: https://doi.org/10.1007/s11356-022-19014-3

BRAGA, L. E. C.; CUNHA, R. N. A implantação do controle estatístico de processos em uma empresa de laticínios. Revista Perquirere, v. 19, n. 2, p. 122-137, 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 888, de 04 de maio de 2021. Altera o Anexo XX da Portaria de Consolidação GM/MS nº 5, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Diário Oficial da União, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde ambiental e Saúde do Trabalhador. Diretriz Nacional do Plano de Amostragem da Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Saúde Ambiental, do Trabalhador e Vigilância das Emergências em Saúde Pública. Indicadores institucionais do Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para consumo humano 2019. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Inventário do Programa Nacional de Vigilância da Qualidade de Água para Consumo Humano. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Diagnóstico Temático Serviços de Água e Esgoto: Visão geral – ano de referência 2022. Brasília: Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, 2023.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico Temático dos Serviços de Água e Esgotos – Visão Geral ano de referência 2022. Brasília: SNS/MDR, 2023.

CAMARGO, J. C. S. O Sistema Integrado de Saneamento Rural - SISAR: uma política pública de inovação técnico-social para o acesso à água a comunidades rurais no Brasil. Revista Política e Planejamento Regional, v. 9, n. 2, p. 314-334, 2022.

CEREZINI, M. T. Segurança hídrica em tempos de pandemia de Covid-19. Revista Mineira de Recursos Hídricos, v. 1, n. 2, p. 1-11, 2020. DOI: https://doi.org/10.59824/rmrh.v1i2.204

CORRÊA, R. F. M. Elaboração de modelo conceitual para monitoramento de riscos à contaminação da água em comunidades rurais. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) – Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia. Universidade Federal de São Carlos: São Carlos, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-415220190394

FERREIRA, D. C.; GRAZIELE, I.; MARQUES, R. C.; GONÇALVES, J. Investment in drinking water and sanitation infrastructure and its impact on waterborne diseases dissemination: The Brazilian case. Science of The Total Environment, v. 779, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2021.146279

FIGUEIREDO, F. S. F.; RODRIGUES, T. F. C. S.; RÊGO, A. S.; ANDRADE, L.; OLIVEIRA, R. R.; RADOVANOVIC, C. A. T. Distribuição e autocorrelação espacial das internações por doenças cardiovasculares em adultos no Brasil. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 41, p. 1-10, 2020.

FREIRE, L. L.; COSTA, A. C.; LIMA NETO, I. E. Spatio‑temporal Patterns of River Water Quality in the Semiarid Northeastern Brazil. Water Air Soil Pollut, v. 452, p. 1-22, 2021. DOI: https://doi.org/10.1007/s11270-021-05406-7

FUNASA. Fundação Nacional de Saúde. UFCG. Universidade Federal de Campina Grande. Produto 04 – Relatório de Riscos e Medidas de Controle. Campina Grande: UFCG, 2023.

GUERRA, L. V.; SILVA, B. D. Vigilância da qualidade da água para consumo no estado do Rio de Janeiro. Ambiente & Sociedade, v. 21, p. 1-16, 2018.

KUWAJIMA, J. I.; SANTOS, G. R.; FECHINE, V. M. R.; SANTANA, A. S. Saneamento no Brasil: proposta de priorização do investimento público. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, p. 1-68, 2020. DOI: https://doi.org/10.38116/td2614

PIRES, W. D. F. Gestão de riscos em sistemas de abastecimento de água - uma abordagem. Dissertação (Mestrado em Engenharia do Ambiente) – Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto: Porto, 2020.

RODRIGUES, E. A. M.; COUTINHO, A. P.; SOUZA, J. D. S.; COSTA, I. R. A.; SANTOS NETO, S. M.; ANTONINO, A. C. D. Rural Sanitation: Scenarios and Public Policies for the Brazilian Semi-Arid Region. Sustainability, v. 14, n. 2, p. 1-18, 2022. DOI: https://doi.org/10.3390/su14127157

SILVA, G. A. B. da; MEIRA, C. M. B. S.; SANTANA, C. F. D. de; COURA, M. de A.; OLIVEIRA, R. de; NASCIMENTO, R. S. do; SANTOS, W. B. Simulação do decaimento de cloro residual livre em reservatórios de distribuição de água. Revista DAE, v. 67, n. 218, p. 92-103, jul./set. 2019. DOI: https://doi.org/10.4322/dae.2019.036

SILVA, M. T.; BATISTA, G. S.; OLIVEIRA, G. S.; FRANÇA, L. R. C.; LACERDA, M. C.; FEITOSA, P. H. C. Análise das séries temporais de uso e ocupação da terra em Áreas de Preservação Permanente (APP) da Bacia do Rio Paraíba. Revista RA’EGA, v. 58, p. 20-38, dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.5380/raega.v58i0.89885

SMALHEISER, N. R. Chapter 12 - Nonparametric Tests. In: SMALHEISER, N. R. Data Literacy. 1. ed. 2017. p. 157-167. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-12-811306-6.00012-9

SOUSA, A. F. N.; SOUSA, A. F. N.; FRANÇA, L. R. C.; LACERDA, M. C. Análise exploratória dos serviços e microrregiões de água e esgoto no estado da Paraíba a partir de indicadores. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 20, n. 1, p. 47-74, 2024.

Published

2024-03-28

How to Cite

Lacerda, M. C. de, Batista, G. de S., Sousa, A. F. N. de, Lacerda, I. L. C. de, Almeida, M. N. de V., Cunha, P. H., Araújo, M. M. C. de, & Rodrigues, A. C. L. (2024). Correlação entre a ocorrência de doenças diarreicas agudas e os dados de vigilância da qualidade de água para consumo humano no Brasil. Caderno Pedagógico, 21(3), e3445. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-214

Issue

Section

Articles