A perspectiva feminista decolonial e o currículo de Pernambuco: a prática da leitura de autoras pré-modernas como ação promotora da equidade de gênero no contexto escolar

Authors

  • Joelândia Nunes Ulisses de Oliveira
  • Luciano José Vianna

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-058

Keywords:

Currículo, Educação, Equidade de Gênero, Perspectiva Feminista Decolonial

Abstract

O objetivo deste artigo é refletir sobre a prática de leitura de autoras pré-modernas no componente curricular de Língua Portuguesa do currículo de Pernambuco nas turmas do 1º Ano do Ensino Médio sob o ponto de vista feminista e decolonial. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica com base nos estudos de María Lugones (2008), Luciana Calado Deplagne (2019) e Heloisa Buarque de Hollanda (2020) sobre a perspectiva feminista decolonial; Michael Apple (2002), Sacristán (2013), Darianny Araújo Reis (2017) e Djamila Ribeiro (2017) na construção da organização curricular; e a pesquisa documental do currículo do estado de Pernambuco, uma vez que há uma preocupação premente do Estado no combate a violência contra mulher e na promoção da reflexão sobre questões de gênero no interior das escolas. Como amostragem, o artigo utilizou como base de discussão o componente curricular de Língua Portuguesa do currículo de Pernambuco, para identificar como as habilidades presentes neste componente curricular tem fomentado a formação leitora crítica dos estudantes de 1º Ano do Ensino Médio a respeito da literatura pré-modernista de autoria feminina, uma vez que nestas turmas são apresentadas as primeiras escolas literárias. Nas considerações finais foi constatado que a leitura de obras de autoria feminina não têm se apresentado de forma efetiva no currículo de Pernambuco, o que não condiz com a abordagem feminista decolonial defendida nas competências gerais, que dão embasamento à construção da organização curricular de Pernambuco. Assim, tendo em vista que a leitura é um caminho para promover a equidade de gênero no chão da escola, destaca-se a importância da promoção de políticas públicas voltadas para a inclusão de leitura de autoras pré-modernas, com destaque para as produções artístico-literárias destas mulheres na construção do currículo.

References

ANTAS, Raquel Costa; ARANTES, Adlene Silva. Funcionamento e efetividade dos núcleos de estudos de gênero e enfrentamento da violência contra mulher em Pernambuco. Revista Panorâmica – ISSN 2238-9210 – v. 34 – Set./Dez. 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/revistapanoramica/ind

ex.php/revistapanoramica/article/view/1396/19192539. Acesso em: 28 jun. 2023.

APPLE, Michael W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, Antônio Flavio; SILVA, Tomaz Tadeu da. (Orgs). Currículo, cultura e sociedade. Tradução de Maria Aparecida Baptista. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_ 110518.pdf. Acesso em: 20 nov. 2023.

BRASIL. O crescimento de todas as formas de violência contra a mulher em 2022. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2023. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp- content/uploads/2023/08/anuario-2023-texto-07-o-crescimento-de-todas-as-formas-de- violencia-contra-a-mulher-em-2022.pdf. Acesso em: 30 nov. 2023.

CERRI, Luis Fernando. Ensino de História e consciência histórica. Implicações didáticas de uma discussão contemporânea. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

CHAVES, Pedro Jônatas. Didática, decolonialidade e epistemologias do Sul. Uma proposta insurgente contra a neoliberalização do ensino escolar e universitário. Curitiba: CRV, 2021.

DEPLAGNE, Luciana Calado. A contribuição dos escritos de mulheres medievais para um pensamento decolonial sobre a Idade Média. Revista Signum, 2019, v. 20, n. 2. Disponível em: http://www.abrem.org.br/revistas/

index.php/signum/article/view/503. Acesso em: 29 out. 2023.

HAONAT, Angela Issa; COSTA, Edilia Ayres Neta. O multiculturalismo e um novo olhar sobre o outro: a importância de se educar para a diversidade. Revista Humanidades e Inovação, v. 7, n. 3, 2020. Disponível em: file:///C:/Users/joela/Downloads/1033-Texto%20do%20artigo-8326-1-10-20200309.pdf. Acesso em: 16 abr. 2023.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. 1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020. 384p. [E-book]

LIMA, Douglas Mota Xavier de. O novo já nasce velho: A Idade Média pós-BNCC e a questão da mulher medieval nos livros didáticos de História do guia PNLD-2020. Revista Brathair, v. 21 n. 1, 2021, p. 226-255. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair/article/view/2465. Acesso em: 19 jun. 2022.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ, Vozes, 1997.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero (2008). In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. 1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. Disponível em: https://cpdel.ifcs.ufrj.br/wp-content/uploads/2020/10/Maria- Lugones-Colonialidade-e-genero.pdf. Acesso em: 25 out. 2023.

NASCIMENTO, Soraia Maria Ceita do. Pedagogia feminista negra decolonial para um Ensino de História engajado na Educação Básica. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História) – Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Salvador- BA: 2020. Disponível em: http://educapes.

capes.gov.br/handle/capes/705346. Acesso em: 112 jun. 2023.

OLIVEIRA, Maxwell Ferreira de. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em Administração. Catalão: UFG, 2011. 72 p.: il. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/567/o/Manual_de_

metodologia_cientifica_-_Prof_Maxwell.pdf. Acesso em: 10 dez. 2022.

PAVAN, Ruth; TEDESCHI, Sirley Lizott. Currículo e (de)colonialidade: a potência decolonial em escolas com baixo IDEB. Revista Série-Estudos, Campo Grande, MS, v. 26, n. 57, p. 253-266, maio/ago. 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v26i57.1538.

Acesso em: 12 jun. 2023.

PERNAMBUCO. Currículo de Pernambuco – Ensino Médio. 2019. Disponível em: https://portal.educacao.pe.gov.br/ensino-medio/. Acesso em: 29 nov. 2023.

PERNAMBUCO. Secretaria da Mulher. Gênero e Educação: Caderno da Igualdade nas Escolas. Recife: A Secretaria, 2014. Disponível em: http://www2.secmulher.pe.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=680e2c5d-6088-4a4c- 956d-65adbb9647a0&groupId=30863. Acesso em: 28 jun. 2023.

REIS, Darianny Araújo. Currículo intercultural crítico na escola: Formação que produz diferenças. Revista Teias: Conversas sobre formação de professores, práticas e currículos, v. 18, n. 50, 2017 (Jul./Set.). Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/29154. Acesso em: 14 nov. 2022.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2017. Disponível em: https://www.sindjorce.org.br/wp-content/uploads/2019/10/RIBEIRO-D.-O- que-e-lugar-de-fala.pdf. Acesso em: 17 fev. 2023.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Saberes e incertezas sobre o currículo. São Paulo: Penso, 2013.

SANTOS, Vivian Matias Dos. Notas desobedientes: Decolonialidade e a contribuição para a Crítica Feminista à Ciência. Psicologia & Sociedade, v. 30, p. e200112, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-0310/2018v30200112. Acesso em: 29 mai. 2023.

SILVA, Tomas Tadeu. Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. 3. ed., 1ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. 156p.

SOUSA, Priscila Cabral de; CAIXETA, Vera Lúcia. A história das mulheres e o ensino de História: considerações acerca de uma educação para a igualdade de gênero. Revista Multidisciplinar, v. 17, n. 1, 2019. p. 26-37. Disponível em: http://revistas.icesp.br/index.php/FINOM_Humanidade_Tecnologia/article/view/767. Acesso em: 12 jun. 2022.

WEINBERG, Dana B.; KAPELNER, Adam. Comparando discriminação e desigualdade de gênero na publicação independente e tradicional. Publicado em: 9 abr. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1371/

journal.pone.0195298. Acesso em: 20 mai. 2023.

Published

2024-06-06

How to Cite

Oliveira, J. N. U. de, & Vianna, L. J. (2024). A perspectiva feminista decolonial e o currículo de Pernambuco: a prática da leitura de autoras pré-modernas como ação promotora da equidade de gênero no contexto escolar. Caderno Pedagógico, 21(6), e3415. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n6-058

Issue

Section

Articles