O papel estratégico da contabilidade pública junto aos NITs como suporte à transferência de tecnologia: a gestão dos ativos de propriedade intelectual nas instituições científicas tecnológicas (ICTs) públicas

Authors

  • Rosana de Jesus Santana Nascimento
  • André Luis Rocha de Souza
  • Maria Valesca Damásio de Carvalho Silva
  • Irineu Afonso Frey
  • Jerisnaldo Matos Lopes
  • Lívia da Silva Modesto Rodrigues
  • Maria Aparecida Costa Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-201

Keywords:

Ativos Intangíveis, Contabilidade, Propriedade Intelectual

Abstract

Inserida no cenário de globalização e de grande competitividade, a contabilidade é fundamental para apoiar as tomadas de decisões dos gestores na negociação e transferência dos ativos de propriedade intelectual (PI) nas Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICTs). Um dos desafios enfrentados pelas ICTs públicas é o reconhecimento dos ativos de PI desenvolvidos internamente em suas Demonstrações Financeiras (DFs), já que é complexo e há dificuldades na compreensão de como mensurar. Nesse sentido, destaca-se o papel da contabilidade que dispõe de metodologias e exerce papel importante na mensuração, registro e evidenciação, tornando-se elemento estratégico para o controle e a tomada de decisão dos gestores. Assim, essa pesquisa teve por objetivo geral verificar como a contabilidade pública poderá dar suporte à mensuração, registro, evidenciação e gestão dos ativos de PI nas Demonstrações Contábeis (DCs) das ICTs públicas.  Para o alcance do objetivo proposto, realizou-se uma pesquisa explicativa e em relação aos meios de investigação, se enquadra na categoria de exploratória de natureza bibliográfica, utilizando procedimentos qualitativos, cuja técnica foi a de estudo de caso múltiplos. Os resultados apontaram que o fluxo contábil dos gastos associados aos ativos de PI gerados internamente que devem ser seguidos pelas ICTs fornece o suporte necessário para subsidiar tais registros. Conclui-se que deve existir um trabalho conjunto entre dois departamentos (NIT e setorial contábil das ICTs), pois o papel de mensurar o valor monetário dos ativos cabe à contabilidade a partir de informações recebidas pelo NIT, o que pode melhorar os níveis transferência de tecnologias dessas entidades, já que atualmente ainda é baixo.

References

ADRIANO, E.; ANTUNES, M. T. P. Proposta para mensuração de patentes. Revista de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 125-141, 2017.

ALMEIDA, M. G. M.; HAJJ, Z. S. E. Mensuração e Avaliação do Ativo: uma Revisão Conceitual e uma Abordagem do Goodwill e do Ativo Intelectual. In: Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v.9, nº16, p.66-83, julho/dezembro 1997.

ARAÚJO, A. A.; LEITÃO, C. R. S. Ativo intangível no setor público: percepção das instituições federais de ensino superior quanto ao cumprimento da NBC TSP 08. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v.9 (3), p. 10-24, 2019.

BRASIL. Decreto nº. 9.283, de 07 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei no 13.243, de 11 de janeiro de 2016, o art.24, § 3o, e o art. 32, § 7o, da Lei no 8.666 [...]. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/d9283.htm.Acesso em: 01 mai. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 16 jul.2019.

BRASIL. Lei nº. 101 de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp101.htm. Acesso em: 22 mai.2021.

BRASIL. Lei nº. 4.320 de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4320.htm. Acesso em: 30 nov.2020.

BRASIL. Lei nº. 5.648 de 11 de dezembro de 1970.

Cria o Instituto Nacional da Propriedade Industrial e dá outras providências. 1970. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5648.htm. Acesso em: 15 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.279 de 14 de maio de 1996: Regula direitos e obrigações relativos à propriedade intelectual. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em: 16 jul.2019.

BRASIL. Lei nº. 10.973 de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: http: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.973.htm. Acesso em: 23 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.892 de 29 de dezembro de 2008. Institui a rede federal de educação profissional, científica e tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em: 30 out.2019.

BRASIL . Lei nº. 13.243 de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional nº 85, de 26 de fevereiro de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm. Acesso em: 24 set. 2019.

CABRERA, E. A. M.; ARELLANO, A. A. Dificultades de lavaloración de tecnologias em elámbito universitário. Contaduría y Administración 64 (1) Especial Innovación, 2019, 1-17.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Interpretação Técnica (ITG) 2000 (R1) – Escrituração Contábil. 2016. Disponível em: https://www1.cfc.org.br/sisweb/SRE/docs/ITG2000(R1).pdf. Acesso em: 11/03/2021.

CFC. NBC T 16.10 - Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. 2008. Disponível em: http://www.crcontabilidade.com.br/Dicas/NBCT_16.10(Aval%20Mensur%20Ativos%20Passivos%20Entidades%20Setor%20Publico).pdf. Acesso em: 27fev.2021.

CFC. NBC TSP – Estrutura Conceitual. 2016. Disponível em: https://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2016/NBCTSPEC&arquivo=NBCTSPEC.doc. Acesso em: 02mar.2021.

CFC. NBC TSP 08 – Ativo Intangível. [2017b]. Disponível em: http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2017/NBCTSP08&arquivo=NBCTSP08.docx. Acesso em: 06 jul.2019.’

CFC. NBC TSP 29 – Benefícios Sociais. 2020. Disponível em: https://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2020/NBCTSP29&arquivo=NBCTSP29.doc. Acesso em: 03mar.2021.

CFC. NBC TSP – do Setor Público. 2021. Disponível em: https://cfc.org.br/tecnica/normas-brasileiras-de-contabilidade/nbc-tsp-do-setor-publico/. Acesso em: 04/02/2021

CFC. NBCs T 16.1 a 16.11 – Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 2012. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/08/NBCT-16_1-a-16_11_Setor_P%C3%BAblico.pdf. Acesso em: 01mar. 2021.

CFC. Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil. 2020. Disponível em: https://cfc.org.br/wp-content/uploads/2020/08/CCASP_Orientacoes_Estrategicas_Contabilidade.pdf. Acesso em: 06/02/2021.

CFC. Resolução CFC No 1.055/05: Cria o COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS – (CPC), e dá outras providências. 2005. Disponível em: <http://static.cpc.aatb.com.br/Imagens/Res_1055.pdf?_ga=2.11880564.1548776030.1612646073-749418312.1612646073&_ga=2.11880564.1548776030.1612646073-749418312.1612646073>. Acesso em: 06/02/2021.

FERRAZ, F. G. L. A Contabilização dos Ativos Intangíveis referentes à Propriedade Industrial das Empresas: Uma Avaliação de sua Evidenciação. 2009.71f. Monografia (Graduação em Ciências Contábeis) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.

FERREIRA, A. R. F. Valoração de Propriedade Intelectual para a negociação e Transferência da Tecnologia: Um estudo aplicado sobre metodologias para a valoração de patentes – o caso NIT/IFBA.2019. 150f. Trabalho de Conclusão de Curso (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Salvador, 2019.

FERREIRA, A. R. F. et al. Valoração de propriedade intelectual para a negociação e transferência da tecnologia: O caso NIT/IFBA. Navus. Florianópolis, v. 10, p. 01-23, jan/dez 2020.

FERREIRA, A. C. S. et al. O ensino da contabilidade estratégica: As práticas abordadas por livros brasileiros e internacionais. Revista de Informação Contábil (RIC). v.4, n. 3, p. 77-95, jul/set 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed.São Paulo: Atlas, 2008.

GRZESZEZESZYN, G. Contabilidade Gerencial Estratégica: Conceito e Caracterização. Revista Capital Científico. Guarapuava, v. 3, n. 1, p. 09-27,jan/dez. 2005.

GUIMARÃES, Y. B. T. et al. Valoração de Patentes: o caso do núcleo de inovação tecnológica de uma instituição de pesquisa brasileira. Exacta - EP. São Paulo,v.12.,n.2,p.161-172,2014.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da Contabilidade. Tradução de Antonio Zoratto Sanvicente - 1ª. ed – 7. Reimpressão. São Paulo: Atlas, 2009.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, R. E. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LAURINDO, L.F.S.B. Aplicação do nível de prontidão tecnológica no desenvolvimento de um plano estratégico de uma pequena empresa de base tecnológica. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES – MCTIC. Relatório FORMICT 2017. Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação do Brasil. Brasília, 2019. Disponível em: https://antigo.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/tecnologia/propriedade_intelectual/arquivos/Relatorio-Consolidado-Ano-Base-2017.pdf. Acesso em: 18fev.2020.

MINISTÉRIO DA FAZENDA. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN). Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP). 9 ed, Brasília, 2021. Disponível em: https://sisweb.tesouro.gov.br/apex/f?p=2501:9::::9:P9_ID_PUBLICACAO:41943. Acesso em: 05 nov.2021.

MORESI, E. A. D.; BARBOSA, J.A.; BRAGA FILHO, M.O.. Modelos para analisar níveis de prontidão de inovação. In: Séptima Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética – CICIC 2017, 2017, 2017, Orlando – FL – USA. Anais do In: Séptima Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética – CICIC 2017, 2017, 2017.v.1. p. 78-81

MRŠA, J. Valuation of Internally Generated Intangible Assets in Accountig. In: Acta Economica Et Turistica, Vol 4, No. 2, pp. 121-214, 2018.

OMPI. Convenção que institui a Organização Mundial da Propriedade Intelectual. [2002]. Disponível em: https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/pt/wipo_pub_250.pdf. Acesso em 26 set.2019.

PITA, A. C. Análise do valor e valoração de patentes: método e aplicação no setor petroquímico brasileiro. 2010.90f. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Ed. Feevale, 2013.

RUSSO, S. L. et al. Propriedade intelectual, tecnologias e inovação. 1 edição. Aracaju: Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual (API), 2018.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304 p.

SILVA, R. A. C. Contabilidade Estratégica. Curitiba: Juruá, 2011.

SOUZA, J. R. O Papel da Política de Inovação e Propriedade Intelectual enquanto Indutora da Produção Tecnológica Aplicada: Um Estudo no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA. 2020. 155f. Trabalho de Conclusão de Curso (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Salvador, p. 155. 2020.

SOUZA, R. O. Valoração de ativos intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://tpqb.eq.ufrj.br/download/valoracao-de-ativos-intangiveis.pdf. Acesso em: 11 jan.2020.

STRADIOTO, J. P. et al. Ativos intangíveis: como são apresentadas nas demonstrações contábeis Municipais. Revista Eletrônica Científica da UERGS, Rio Grande do Sul, v.6, n.01, p.54-65. (2020).

TEODORO, A. F. O. Valoração do processo de obtenção e da aplicação da biorremediação com fungos em ambientes impactados por petróleo. Tese (Doutorado em Energia e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2015.

VIEIRA, M. R. A valorização dos ativos intangíveis. [2014]. Disponível em: https://jurislabore.com/valorizacao-dos-ativos-intangiveis/. Acesso em: 15 jun. 2019.

Published

2024-03-26

How to Cite

Nascimento, R. de J. S., Souza, A. L. R. de, Silva, M. V. D. de C., Frey, I. A., Lopes, J. M., Rodrigues, L. da S. M., & Ribeiro, M. A. C. (2024). O papel estratégico da contabilidade pública junto aos NITs como suporte à transferência de tecnologia: a gestão dos ativos de propriedade intelectual nas instituições científicas tecnológicas (ICTs) públicas. Caderno Pedagógico, 21(3), e3412. https://doi.org/10.54033/cadpedv21n3-201

Issue

Section

Articles